sábado, 22 de novembro de 2014

RESPOSTA À ALTURA DE MESTRES

     Simplesmente monumental a resposta dada pela diretora Cecília ao serviente petista Marcel J. Barros e a seus correligionários da chapa 6 e aos sindicalistas da Contraf-Cut: a começar pelo título "Seriedade e Mais Respeito Com os ASSOCIADOS". Peço que todos leiam em:



     Com efeito, não é a PREVI que necessita de respeito, somos nós, seus verdadeiros donos. Nenhum integrante da Chapa 3 - PREVI LIVRE, FORTE E DE TODOS é membro atuante de qualquer partido político. No entanto, o único "eleito" por nós na atual configuração de governança, pela chapa eleita em 2012, na prática é mais um integrante dos três indicados pelo patrocinador. Lula, no segundo mandato, fez um grande acordo com os sindicalistas e sindicatos, a principal a Contraf-Cut, que recebem quantias nababescas dos cofres públicos. Retiram uma parte do malfadado "imposto sindical", cobrado anualmente no mês de março, o equivalente a um dia do suado trabalho de cada trabalhador brasileiro. Lula autorizou a Resolução 26 que retirou dinheiro dos aposentados e pensionistas para dar aos patrocinadores. A maioria das indicações nas estatais e seus fundos de pensão são indicações políticas, de apadrinhamento. E ainda assim, enchem o peito tal pombos na praça para pedir mais respeito a eles que comandam os fundos de pensão. Total inversão de valores!

     Mil congratulações à diretora Cecília que está honrando com seus compromissos com os seus eleitores e associados. O oposto das promessas que fez a chapa 6 em 2012: elencou 11 promessas e não cumpriu nenhuma! É este o retrato do "nosso" diretor de Seguridade que defende a PREVI, menos os associados!
     Em 2016, vamos enxotar em definitivo os pombos remanescentes no Mourisco.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

NOVO ATUARIAL NOS FUNDOS DE PENSÃO

     Já não está mais valendo o parâmetro estabelecido em 2012 que previa uma redução gradual dos juros do atuarial nos fundos de pensão até 2018. O CNPC - Conselho Nacional de Previdência Complementar estabeleceu nesta data novos parâmetros que, na prática, estabelece uma espécie de "individualização" ou seja, cada fundo vai ter o seu. O índice pode variar para cima em até 0,4 e para baixo, até 70% do índice estabelecido. Exemplificando: Se o índice atuarial for estabelecido em 6%, poderia variar de 4,2% (mínimo) a 6,4% (máximo).

www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2014/11/19/internas_economia,458270/governo-muda-norma-que-define-rentabilidade-de-fundos-de-pensao.shtml#.VGzV7JFNoGQ.facebook

     Os parâmetros anteriores decrescentes foram estabelecidos em função de uma taxa de juros do Banco Central (COPOM) também decrescentes; hoje há uma tendência inversa, por isso a mudança. Para a PREVI vai ter reflexos no aumento dos juros no ES, já que há indexação com a taxa atuarial.
     Sobre o ES estão para ser anunciadas novas regras para valer em 2015. A suspensão da cobrança das parcelas creio já está descartada.
Porém me agrada a nova configuração de prazo e limite, muito embora não seja a inatingível 180X180, é bem melhor que a fórmula 170, em vigor. Baseada agora numa expectativa de vida maior (87 anos), a nova fórmula mantém os 120 meses de prazo para aqueles que possuem até 77 anos. Neste ponto houve avanço, o que é sempre bem-vindo.
     Amanhã é feriado em algumas praças. Comemora-se o dia da Consciência Negra. Os negros ainda não estão em pé de igualdade com os brancos, e onde eles mais se sobressaem, no futebol, não raro, assistimos a espetáculos degradantes, como no caso do goleiro Aranha do Santos, ocorrido em Porto Alegre, neste ano. Alegra-nos ver um juiz do STF, Joaquim Barbosa e o atual presidente da PREVIC , Carlos de Paula. Os merecidos PARABÉNS deste modesto blog a todos os negros e negras deste nosso querido Brasil!
CARLOS DE PAULA, PRESIDENTE DA PREVIC (À DIREITA), LADEADO PELO DR. MEDEIROS.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

DEMAIS PETISTAS SE MANIFESTAM

     Acaba de sair mais uma nota contra o nosso Manifesto, agora vindo dos eleitos de 2012-2016. Assim como os dirigentes da PREVI, não entenderam o espírito do Manifesto. Houve saques em fundos de pensão de estatais, caso da PETROS, conforme a delação premiada, provenientes da base aliada (PT, PMDB, PP, PR), e no Mensalão temos o caso Pizzolato numa subsidiária do patrocinador. A PREVI hoje, ainda está salva dos ataques políticos, contudo, com um possivel agravamento da crise já em 2015, todo o alerta e cuidado ainda é pouco. É este o espírito do Manifesto na Abrapp.
     Mesmo assim, temos alguns investimentos "indicados" na PREVI. Exemplo claro da Magazine Luiza, da Sr.a Luiza Trajano, amiga da presidente Dilma Rousseff, que inclusive esteve na cogitação de ser uma das ministras de Dilma. Outro investimento no PREVI Futuro, com prejuízo contabilizado, foram as empresas do amigo de Dilma e Lula, sr. Eike Batista, aquele dos grupos XX. As ações da Petrobras derrubaram tanto a Bovespa quanto nós da PREVI, e não tivemos um bendito planejamento para sair enquanto fosse tempo. Ou melhor, talvez não saíram por questões políticas na estatal. Adianta, sr. Marcel, dizer aos comandantes que temos excesso aplicado em renda variável? A diretora Cecília tem cansado de alertar sobre isso. Inobstante, sr. Marcel, que encabeça a lista desta nova manifestação, embora diz que é contra a Resolução 26, não move uma palha para combatê-la. É compreensível porque Vossa Excelência chegou onde está agora, graças ao sindicalismo, obtendo por isso, vantagens como graduação no AP do BB. Hoje o senhor aufere cargos em participadas, é representante no exterior, tudo graças ao PT, a quem defende com unhas e dentes, por isso está perfeitamente explicada a sua "revolta" quando alguém está a favor dos associados da PREVI. Além disso, é extremamente "zeloso" com o ES que está afeto à sua área de atuação dentro do nosso fundo. Vale lembrar que é dinheiro nosso e que pagamos juros e correção para utilizá-lo. Por que não tem o mesmo zelo com a renda variável onde corremos sérios riscos? Afinal, a governança é colegiada...
     Nesta infeliz manifestação dos petistas do baixo clero, há uma clara intenção de autoelogio de pagar 9 bilhões/ano em aposentadorias. Com um ativo de 170 bilhões, mal investidos digamos assim, rende no mínimo 10% a.a (só a inflação está em 6,7%), isto representa em valores 17 bilhões, quase o dobro do pagamento de aposentadorias. Dizem que há superávit atualmente, mas precisamos voltar a contribuir e termos benefícios cortados.
     Quando queremos uma PREVI LIVRE, FORTE E DE TODOS é sem ingerência política, sindicalista, classista. É tão difícil assim de entender? Podemos pensar em desenhar...

DELENDA CARTHAGO - QUANDO UM PROPINODUTO É FECHADO, LOGO OS VERMELHOS VÃO EM BUSCA DE OUTRO, E A NOSSA PREVI PODE SER A BOLA DA VEZ. NÃO HÁ COBIÇA MAIOR DO QUE 170 BILHÕES.

domingo, 16 de novembro de 2014

A CHAPA TRÊS É QUENTE

     O incômodo da PREVI no que concerne ao Manifesto na Abrapp é totalmente descabido porque visa a proteger o nosso fundo de pensão, jamais depreciá-lo. Aproveitou-se de um momento propício onde estavam presentes os representantes dos demais fundos de pensão, para elaborar um manifesto que reafirma, acima de tudo e antes de mais nada, a soberania de um fundo de pensão. Apenas para citar um exemplo claro, por qual motivo até hoje, não foi fixado um TETO de benefícios inclusive já determinado pela PREVIC? Não perceberam que é claramente uma determinação política para procrastinação do desfecho? O patrocinador, através de sua ingerência política, muda o nosso Estatuto na hora que bem lhe apraz, e nós, os verdadeiros donos do fundo, não conseguimos sequer mudar uma só vírgula, pois estamos aprisionados na masmorra do voto de Minerva. Porventura, a triste (para nós) Resolução CGPC 26 não é uma instituição política nos fundos? A infeliz resposta da PREVI, através de sua direção, é uma manifestação clara do desejo que o "status quo" permaneça. Será que o nosso fundo deseja que as ações da Petrobras continuem nos puxando para baixo? A nota diz que os diretores eleitos co-administram o nosso fundo, o que é verdadeiro, as decisões são, de fato, colegiadas, porém, pode-se comparar, pelo nível de importância estratégica, as diretorias de Participações e Investimentos nas mãos do patrocinador com a dos diretores eleitos? Obviamente, na constituição da estrutura organizacional, foi premeditado pelo patrocinador: as mais importantes diretorias para nós patrocinador, inclusa a presidência; as coadjuvantes para os eleitos.
     Neste Manifesto só tenho elogios à atuação dos eleitos. Cecília, Décio, Carvalho, William e Medeiros: Estou plenamente realizado por este gesto que representa um enorme salto rumo à redemocratização de nossos fundos de pensão. Esta manifestação já é um enorme divisor de águas, posto que tem a adesão dos principais fundos de pensão do Brasil. Muitos deles prejudicados que já foram nos mensalões e petrolões da vida recente de nosso país. Reconhecemos o nível de Governança na PREVI, mas como muito bem diz a Cecília, o passado não nos serve de blindagem contra possíveis ataques futuros.
     Parabéns Chapa 3. Mostrou a que veio. Muito me orgulho em dela fazer uma pequenina parte. Hoje vimos manifestações favoráveis, inclusive de nossos ex-adversários. Como diz o Carvalho: a Chapa 3 é quente, e vai esquentar ainda mais.
O Manifesto está publicado no blog de Cecília Garcez: www.ceciliagarcez.blogspot.com.br

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

BASTIDORES SOBRE O ES

     Ontem ao conversar com o Décio ele me confirmava que votaria, junto com a Cecília, pela suspensão do débito das prestações neste mês de novembro e em dezembro.
     Hoje conversei com o Marcel que me disse ser inteiramente contrário à suspensão dos débitos. Por outro lado, confirmou que em janeiro teremos mudanças no ES. O limite permanecerá em 145 mil e o prazo, para quem tiver até 77 anos, continuará sendo de 120 meses. Acima desta idade, cairá o prazo, posto que a nova expectativa de vida é de 87 anos, assim sendo, norteará o prazo dos mais idosos.
     Marcel ainda me adiantou que os estudos indicaram que, devido à Ação 30% que alguns estão movendo contra a PREVI, será solicitado que retiremos do contracheque, os débitos de terceiros (Cooperforte, Poupex, AlfaCash,etc.) pois desta forma a PREVI ficará resguardada da Ação dos 30%, e que este procedimento faria com que tivéssemos mais margem na PREVI(?). Fiquei sem entender, devido que estes débitos na folha não implicam na margem consignável da PREVI.
     De todo o modo, estas são as possíveis novidades para janeiro ou fevereiro. Ficou em mim a impressão pessoal e intransferível (posso estar enganado) que certas tentativas de alteração partindo do Décio e da Cecília, não são muito palatáveis ao Marcel, especificamente neste quesito da suspensão das cobranças nestes dois últimos meses do ano. Segundo o próprio Marcel, a votação deverá acontecer por estes dias, sendo que o voto contrário do Marcel, provavelmente será seguido pelos indicados do Banco. Tudo pode ainda sofrer alteração com a indicação do novo ministro da Fazenda que certamente trará reflexos sobre o BB e a PREVI.
     Aguardemos as possíveis alterações no ES, que uma vez votadas, serão amplamente divulgadas no site da PREVI.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PRIMEIRO DIA: SÃO LULA

     A palestra inaugural foi proferida pelo professor Gustavo Cerbasi, 40 anos, educador financeiro, autor dos livros Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, Adeus Aposentadoria, e Investimentos Inteligentes. Não chegou a me empolgar porque quase tudo o que disse eu já sabia. Deu muitos exemplos de aplicação no ramo imobiliário e que não podemos depender somente de uma renda previdenciária.
No segundo painel a decepção. Milena Macedo do Funcef discorreu sobre Educação Multifuncional nos Fundos de Pensão. Citou o autor Ricardo Pena Pinheiro como grande mestre de fundos de pensão, e eu pensei cá com meus botões que foi ele um dos engenheiros da Resolução 26, ainda enquanto esteve na extinta SPC. Somente isto, para mim, já o desclassifica. Dona Milena nada diz sobre sobre os saques realizados de modo fraudulento, inclusive no fundo do qual ela participa. Depois, ouvimos Evandro Lins de Oliveira, especialista em atuário, mas que versou sobre comunicação nos fundos de pensão. Algo importante que anotei dele foi que é necessário um milhão de reais para gerar uma renda de 5 mil reais a partir dos 55 anos de idade.  Outra fraca palestrante foi Patrícia Monteiro, da Previc, desta entidade não vem nada de bom para nós.
     O dia foi salvo pela parte vespertina. Falou o presidente da BBDTVM, Carlos Takahashi, em seguida Eduardo Barros pela Volkswagen. Mas o melhor foi Paulo Rabello de Castro, doutor em economia pela Universidade de Chicago. Quando ele começou a falar o doutor Medeiros a meu lado me cutucou: "presta atenção que este é bom!" Com efeito, em sua palestra sobre a Formação do Capital e o Papel dos Fundos de pensão, abordou mais sobre nossa atual economia sem deixar de inserir os fundos de pensão. Algumas tiradas do Paulo: "Estamos sempre felizes com o pouco que nos dão" (referia-se ao baixo crescimento do PIB); "São Lula fala diretamente com Deus"; "Mantega: Ministro Pinóchio"; "A política econômica é um fracasso"; "Juro alto é estricnina que acaba de matar o cliente. O ajuste fiscal é que é necessário e imprescindível"; "Brasil, só os tributos consomem 43% do PIB acrescentado".
     Por último, Delfim Neto, 82 anos, um tanto debilitado por recente problema cardíaco. Ratificou e concordou com tudo o que foi dito e arrematou com a frase: "a carga tributária não cabe no PIB brasileiro." Nós não estamos numa situação crítica, estamos numa posição desconfortável que pode e deve ser resolvida pelo ajuste fiscal. O Brasil precisa, no mínimo, voltar a crescer 3% a.a. e distribuir as riquezas nacionais aos brasileiros. Delfim e Paulo criticaram bastante tanto Lula como Dilma pela condução da política econômica. A última pergunta ao dr. Delfim foi quem seria o próximo ministro da Fazenda. "A pessoa física não sei o nome, só sei a pessoa jurídica."

terça-feira, 11 de novembro de 2014

MEU PRIMEIRO CONGRESSO DA ABRAPP

     Meu velho guru Medeiros já participou de uma dezena deles, mas eu, pela vez primeira, estarei decolando, via Gol, hoje às 18:15, da Manchester Catarinense para o movimentadíssimo aeroporto de Congonhas. Na capital paulista já está o nobre Dr. Medeiros, acompanhado se sua inseparável Ana, mulher de extraordinárias qualidades humanas que conta com a minha completa admiração. Além das excelentes palestras do Congresso, aprendo sempre uma penca no interlocutório com o nobre gaúcho de Uruguaiana.


     Nestes três dias espero ampliar muito meus conhecimentos sobre fundos de pensão e contribuir, de alguma forma mesmo que indiretamente, para a boa governança de nossa PREVI. Esta é a minha meta maior, garantir a perenidade e a divisão dos frutos do fundo com os associados, aposentados e pensionistas.
     Um forte abraço a todos(as) e esperamos tirar o melhor proveito do congresso.