segunda-feira, 23 de novembro de 2020

SOLUÇÃO REAL OU PALIATIVA?

 NÃO EXISTE 'segunda onda' de covid!!!
Assim como não existiu 'primeira onda', pelo simples fato do vírus nunca ter sumido e de que ele nunca sumirá (pelo menos em curto e médio prazo)!
Não adianta você ficar em casa, não adianta você tomar banho de "alkingel", esterilizar seu pacote do mercado com luz UV, tossir no braço e etc.
Não há como você não ter contato com esse vírus!
É igual à herpes, todo mundo já esbarrou nela!
Vai esperar a vacina? Ótimo! Mas não espere que ela chegue até você antes do meio do ano que vem! Isso se for possível uma vacina!
Uma coisa que não falam pra você é que, até o momento, a cobertura imunológica é de 4 meses, e uma vacina com cobertura de 4 meses é inviável!
Vai trabalhar? Ótimo! Você precisa, sua família precisa!

Vai ficar em casa até 2022? Ótimo!
Não vai a bares e restaurantes? Ótimo!
Vai tomar uma cerveja com os amigos e comer uma carne? Ótimo!
Só parem de choramingar e achar que a raça humana será exterminada com o corona! PORQUE NÃO SERÁ!
No máximo, Eu ou você poderemos morrer, mas isso não fará a menor falta para a humanidade!
Colapso no sistema de saúde?
Quando foi que o sistema trabalhou com folga?
Quando e quanto foi gasto em hospitais de campanha que não foram usados?
A culpa do aumento de casos é do feriado, da população, do clima, dos astros, da Space X?
Não! É do vírus mesmo!
A cada 3 ou 4 meses você pode ser infectado novamente! Tipo gripe comum, H1N1, herpes, e tantos milhares de doenças que até Janeiro de 2020 você não tinha a menor preocupação!
O vírus está aí e vai ficar pra sempre, você querendo ou não, você ficando em casa ou não, e não será a vacina sua salvação!
O sarampo foi erradicado? A poliomielite foi? Caxumba? Febre Amarela? Não!
Lave as mãos, tome sol, faça exercícios e VIVA A VIDA!
É tudo o que pode ser feito de fato.

(Retirado de um grupo de WhatsApp)

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

O FIM DO DINHEIRO FÍSICO

   O próximo lance dos que projetam um reset financeiro mundial será acabar de vez com o dinheiro físico, o chamado meio circulante.

    A chegada do PIX é o primeiro passo e a extinção do papel moeda poderá começar ser implantada já no decurso de 2021. O Reino Unido já está abolindo suas "ATM" (máquinas de pagamento em espécie) e será seguido pelos demais países, pelo menos é o que se percebe da agenda global.

    A pandemia, agora na segunda onda já prevista, contribui para essa tendência, uma vez que o contato com o papel que circula em inúmeras mãos diariamente pode ser fator de disseminação do contágio.

     O futuro é de causar espanto mas tudo já está determinado pelo Criador desde o princípio. Em breve começarão grandes mudanças no planeta, como nunca antes houve nem jamais haverá. Poucos crerão no Deus Verdadeiro (de Abraão, Isaque e Jacó); em seu Filho Salvador Jesus Cristo (único mediador entre Deus e os homens) e na ação do Espírito Santo (de quem somos o templo). "Quem crer será salvo" (Mc 16:16)

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

CENTENÁRIO DE NILO DE SOUZA COELHO

OS 100 ANOS DE NILO DE SOUZA COELHO

Aristophanes Pereira

        Nesta última segunda-feira, 2 de novembro, dia da tradicional  homenagem aos finados, vi que a pitoresca e valorosa cidade de Petrolina prestou uma justa homenagem póstuma a seu filho ilustre – Nilo de Souza Coelho – pelo transcurso do 100º aniversário de seu nascimento.

        Além de destacar passagens notáveis da vida política do ex-governador de Pernambuco(1967-1971), o noticiário lembra que “foi ele quem ligou o litoral ao Sertão por uma malha asfáltica imensa”, no curto quadriênio de seu mandato.

        Sou um ardoroso admirador do Dr. Nilo, porquanto tive a distinção de conhece-lo, na sua dedicação à coisa pública, na sua determinação de construtor e pela sua coragem cívica. Realço, na minha proximidade, três de suas obsessões, dentre os projetos de seu governo: aquela que se tornaria a sua “marca de estradeiro”, a modernização e ampliação do banco do estado e a sua devoção ao sertão natal.

        Não foi tarefa fácil levar e pavimentar a estrada até sua Petrolina. Tempo curto e recursos escassos. A obra começou com a força do DER, sob a batuta de Erasmo Almeida. Esperava-se a chegada de um empréstimo, imprescindível, de US$10 milhões(estimo, hoje, equivalentes a uns US$70 milhões), com aval da União.  Bandepe e DER contrataram, ousada e antecipadamente, a “emissão de dinheiro”, para pagar fornecedores, sob a forma de Notas Promissórias do DER, com aval do banco e com a coragem do Governador. No final, deu tudo certo. Não sem antes levar um “puxão de orelhas” do Dr. Ernane Galvêas, então Presidente do  Banco Ce

tral – guardião da moeda –  que “engoliu” as “emissões”  consumadas de Pernambuco e, também, da Bahia.

        Nesse meio tempo, com a retaguarda do Secretário da Fazenda e irmão, Oswaldo Coelho, o Governador deu cobertura à reorganização e modernização do Bandepe, com a rápida expansão da sua rede de agências, que chegou ao Rio de Janeiro e, finalmente, a construção do moderno edifício-sede(1970), projetado pelos arquitetos Acácio Gil Borsoi e Janete Costa. Hoje, habitado pela moderna tecnologia do “Porto Digital”, o edifício traz a marca da fortaleza de Nilo Coelho, na estátua em granito do “Remeiro do São Francisco”, plantada em frente ao prédio, olhando o Capiberibe.

        Petrolina, que tanto reclamava, merecidamente, uma agência do Banco do Brasil, perdia a parada por força do lobby baiano, em defesa da exclusividade para a antiga agência de Juazeiro, do outro lado do rio. Quis o destino que nos encontrássemos, novamente. Nilo na presidência do Senado, e eu de volta à minha Casa, na Diretoria para o Nordeste(DINOR). Petrolina, finalmente, inaugurou a sua tão desejada agencia do Banco do Brasil. Foi um dia festivo, nos idos de 1979, com a prestigiosa presença do Presidente Ernesto Geisel e da diretoria do banco, numa simbólica inauguração de 100 agências – em todo o país, no mesmo dia – a partir de Petrolina. Foi a última inauguração, de obra começada e terminada, de que participamos. Belo adeus. Requiescat in pace Dr. Nilo.

Jaboatão dos Guararapes(PE), 4/11/20

Fotos do meu arquivo. Superior: cerimônia de inauguração da agência do Bandepe, com prestigiosas presenças do Governador da Guanabara(Negrão de Lima), Ministro Manoel Costa Cavalcanti, Nestor Jost, presidente do BB, dentre outras. Inferior:  Momento de descontração entre o General e o soldado.


 


sexta-feira, 30 de outubro de 2020

O POVO DE ISRAEL

    Deus escolheu a nação de Israel para ser o povo escolhido. Esse povo viveu quase 6.000 anos como povo nômade subjugados a impérios e ao Egito. Somente em 1948 da nossa era cristã foi-lhe outorgado pela ONU o status de nação livre e soberana. Tudo faz parte do plano de Deus: As escrituras já preveem tudo funcionando como o "relógio de Deus" para o mundo. É a prova cabal de que o Senhor está no comando do universo e que tudo terminará conforme previsto no livro do Apocalipse.

     Desde o princípio, a eterna batalha entre o Bem e o Mal nos coloca numa situação de luta permanente. O inimigo não descansa objetivando nos tirar a salvação, usando de todos os meios do engano e da mentira. Mas o diabo não tem nenhum poder sobre nós. Somente Deus pode nos condenar ou nos salvar. Os meios de salvação estão nas palavras das escrituras sagradas.

     Estamos no limiar do desfecho final da vida humana onde reinará por mil anos a Jerusalém celeste, quando Deus fará novas todas as coisas. Queira Deus que a volta de Jesus não nos apanhe dormindo. Estejamos sempre alertas e vigilantes. 

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

BEM-VINDOS AO COMUNISMO

    Analisando a tendência mundial podemos prognosticar com grande chance de acerto que o nosso país caminha a passos largos para um sistema no qual o controle da liberdade será a tônica da política de governo. Toda a América Latina está sendo cooptada pelo maior país asiático que avança como um dragão, devorando nossas frágeis instituições. 

        O primeiro passo será o domínio da atividade econômica. A estratégia é vencer pelo cansaço. Derrubar o atual governo é questão de tempo. João Dória teria dito que a popularidade do presidente vai só até novembro/20. As principais commodities já estão sob o domínio chinês (soja, arroz, minérios). Os preços sobem, a população vai se revoltar. Os demais poderes pedirão o impeachment do governo "anti-democrático", caindo toda a direita hoje eleita democraticamente pelo povo. Assumirá o governo o Rodrigo Maia. O Brasil será governado pelos partidos de esquerda ou de centro-esquerda, ávidos por cargos e poder. O comando será dos poderes legislativo e judiciário.

     O governador de São Paulo está alinhado com os chineses. Não apenas ele mas a maioria dos governantes estaduais, com raríssimas exceções. A China dominará o 5-G no Brasil e terá todas as informações de cada um de nós, além do controle de nossa maior riqueza mineral e agrícola. Está tudo muito evidente. Só não percebe quem não quer ver. Aguardem mais alguns meses. A Globo será a nossa estatal mais contundente, muito mais do que já é na propaganda do sistema comunista em nosso país. Seremos todos dominados como já foram nossos vizinhos sul-americanos. 

     Dura verdade mas é a pura realidade. Deus ajude a nação brasileira a manter vivo o Cristianismo de mais de 500 anos. Sobrevirão tempos extremamente difíceis pois precederão a volta de Jesus Cristo como está escrito no NT.

     Por ora, mantenhamos firme a nossa fé no Criador que não tardará. Amemo-nos uns aos outros como Jesus nos amou. Não há amor maior que dar a vida pelo irmão. Toda lei e os profetas se resumem em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Perseveremos todos sem esmorecer. Glória a Deus para todo o sempre, a Jesus nosso Salvador que pagou todos os nossos pecados na cruz e ao Espírito Santo que nos é dado por Deus. 

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

ENTRE O MAR E O ROCHEDO

 

ENTRE O MAR E O ROCHEDO, UM GENERAL ESMAGADO E O POVO ESCANTEADO

Aristophanes Pereira

As notícias sobre fatos e ocorrências contemporâneos tomam forma, se decompõem, ou se transformam, tão rapidamente, aqui e mundo afora, que pode incorrer em grave equívoco, quem busca interpretá-las, com retidão e boa fé. Enquanto são notícias fúteis, tudo bem. Dá pra suportar, e eventuais distorções caem no deboche popular. Entretanto, quando emanam de pessoas, entidades, instituições e autoridades, supostamente infalíveis, ou, pelo menos, confiáveis e responsáveis, podem causar danos irreparáveis e, até, criminosos, por deformações conceituais, falsidades, presunções sem base científica, ou leviandades oportunistas.

        Essa observação generalizada ganha força e mais graves dimensões, quando a “notícia” é propalada no âmbito de um estado de coisas vulnerável à manipulação da informação e carente de orientações consistentes. Piora mais, se avalizadas e promulgadas por autoridades, com poder de decisão, em momento como o que vivemos, vitimados pelo flagelo de uma doença pandêmica, traiçoeira e mortal. Esse o cenário que bem se aplica ao Brasil, em particular, depois de experimentarmos 10 meses assustados e tumultuados pela Covid-19, navegando por incertezas, desgovernos, incompetências e deliberadas confusões, que nos alçaram a patamares desoladores, com números acima de cinco milhões de doentes e mais de 150 mil mortos, numa proeminência vergonhosa perante o mundo.

É rudimentar o conceito de vacina, aprendido desde sua curiosa e histórica criação, há cerca de 125 anos, destinada a prevenir a varíola – a popular bexiga – doença contagiosa, assustadora e letal. Criança, nos anos 30, ainda carrego no braço direito a tênue cicatriz deixada pelo arranhão da vacina salvadora. Depois, no correr da vida, sofri os medos de doenças graves e temidas, na época, como tuberculose, sarampo, raiva, tétano, coqueluche, papeira, poliomielite, gripe, febre amarela, difteria, hepatite, entre outras, que novas vacinas, felizmente, domaram, além de muitas moléstias, que os antibióticos viriam a debelar, ou diminuir a letalidade.

Na contramão, são episódios de triste memória as divergências alimentadas pela ignorância e por interesses políticos, que ocasionaram, em alguns momentos, conflitos cruentos e retardatários, em protestos contra a disciplina científica e repudio à vacinação universalizada. Foi o caso, para prevenção da varíola, no Rio de Janeiro, configurando o motim conhecido como Revolta da Vacina(1904), ao final superado pela determinação e ciência do infectologista Oswaldo Cruz(1872-1917), hoje um nome que orgulha a Medicina brasileira.

Por diversos caminhos e meios – com recursos abundantes, novas tecnologias, intensa pesquisa cientifica, esforços heroicos e associações humanitárias, sem fronteiras – já divisamos, com proximidade, algumas vacinas promissoras, para conter o “velho” corona vírus e sua nova onda que se espraia pela desleixada Europa. Enquanto isso, no Brasil, na esteira daqueles números macabros, e na reedição de deploráveis atitudes de mesquinhos interesses políticos, pinimbas eleitoreiras e paixões ideológicas, polarizam-se posições, no embate autofágico e antifederalista do presidente da república e 27 governadores. Embate, sustentado por “tuitadas” levianas, que culminou em arroubos autoritários, na castração de nossa Saúde Pública e na desmoralização de mais um ministro, desta vez com farda de general.    

São naturais e toleráveis oposições pontuais de pessoas, ou pequenos grupos de convicções ortodoxas, à vacinação contra certas doenças e sob determinadas condições. A cobertura de 100% do universo é praticamente inatingível. O Brasil, que tem posição elogiável como “vacinador”, em numerosas campanhas bem sucedidas, desfruta de uma notável resiliência na aceitação dos procedimentos de vacinação, com o empenho e suporte de instituições de reconhecida competência cientifica, como o Instituto Oswaldo Cruz(Rio de Janeiro), Instituto Butantan(São Paulo), Instituto de Infectologia Emilio Ribas(São Paulo), dentre muitas outras instituições assemelhadas, acreditadas, no país e no exterior.

Nesse contexto, parece-me de pouca sensatez imaginar que a milenar China(não importa a cor do gato...), com a evidência de seu prestígio mundial e, no caso, a associação com o nosso competente e valoroso Instituto Butantã, esteja urdindo, sob os olhos aguçados da  comunidade cientifica mundial, o que seria uma mentira descomunal, na fabricação e aplicação da nova vacina CoronaVac, do laboratório  Sinovac.

Sopesadas as razões de cada lado, nesta briga mesquinha entre o mar e o rochedo, lamento, e fico triste, pela melancólica rendição do obediente general de brigada, vencido pelo abuso de autoridade de um capitão – sabidamente inconsequente e indisciplinado –  passível de falta, por “exercício” reincidente e irregular da medicina. E que o bom senso prevaleça, nas gestões dos governadores benignamente consorciados, em favor da vacina, sob a tutela de uma ANVISA, que já dá mostra de independência e altivez. O povo agradecerá.

Jaboatão dos Guararapes-PE,23/10/20.


                                                         Imagem do Google.

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

QUANDO VOLTARÁ AO NORMAL?

     Enquanto a vacina não chega vamos atravessando uma fase dura de chegar a um termo aceitável. A cada dia os números caem mas não na velocidade esperada. Parece um enxugar gelo sem fim. Não dá para baixar a guarda. Medidas não podem ser afrouxadas sob pena de continuidade ou de convivência com o vírus como se fosse inextinguível.

           A fase de campanha eleitoral é empecilho por aglomerações e contatos cada vez mais inoportunos. Pelos cargos a política vira um vale-tudo. Não se restringe à mídia falada e televisiva. Vai para as ruas juntando pessoas quando não deveria. E no dia 15.11 quantas filas serão vistas em plena epidemia? Por que não criaram o voto eletrônico com tanta tecnologia à disposição? Por que arriscar vidas humanas ao contágio?