BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

terça-feira, 13 de novembro de 2018

COMO O PT APARELHOU O BB

   O site "O Antagonista" coloca em evidência hoje o 'status quo' do Banco do Brasil que foi praticamente loteado a membros do Partido dos Trabalhadores. Abaixo um trecho da reportagem, uma vez que temos que respeitar os direitos autorais, nada obstante citarmos a fonte:
...........................................................................
Um dos alvos do pente-fino da equipe de Jair Bolsonaro será o Banco do Brasil, onde há apadrinhados de políticos que ocupam cargos com salário de até R$ 61,5 mil, registra o Estadão.

“Nos governos do PT, o Banco do Brasil passou por uma ampliação de sua estrutura de comando. Além de nove vice-presidentes (salário de R$ 61,5 mil cada) e 27 diretores (R$ 47,7 mil), a instituição criou 11 cargos de gerente-geral (R$ 47,7 mil) – a ampliação de diretorias para abrigar funcionários sintonizados com os partidos de sustentação do governo exigiria uma complexa mudança estatutária. As remunerações estão acima do teto do funcionalismo público de R$ 33,7 mil.
...........................................................................
Se Jair Bolsonaro quer despolitizar o Banco do Brasil, precisa demitir todos os executivos ligados à gestão de Aldemir Bendine, inclusive Marcelo Labuto – que assumiu dias antes do segundo turno, numa jogada de Paulo Caffarelli.

Bolsonaro também deveria mandar pressionar o Bradesco a demitir Caffarelli da Cielo, onde se refugiou com salário de R$ 6 milhões por ano.
...........................................................................


   A preocupação da equipe de Jair Bolsonaro vem ao nosso encontro, posto que também é nossa e afeta principalmente o nosso fundo de pensão. Eu particularmente torço para que varram do mapa o meu carrasco  revanchista. Seria bom demais!


segunda-feira, 12 de novembro de 2018

À ESPERA DO DOUTOR MEDEIROS

     Continuo na esperança (e na torcida) que o nosso nobre colega Medeiros ainda será figura de proa no quesito fundos de pensão. Cogita-se hoje que o sr. Joaquim Levy, ex-ministro da Fazenda no conturbado governo Dilma, poderá assumir a presidência do BNDES. Não é mera coincidência. Medeiros é do círculo de amizades (e das competências) do dr. Levy, assim, a meu ver, continua no periscópio da equipe de transição.
      Imaginem os caros colegas o efeito benéfico da nomeação do Dr. Medeiros a qualquer cargo na PREVI ou no Banco do Brasil. Com certeza os associados teriam uma pessoa em quem confiar e que trabalharia diuturnamente defendendo os nossos direitos.
      Aguardemos, pois, a chegada do "velho guerreiro", bom de briga, com os possíveis convites que poderão surgir. Se caso aconteça, José Bernardo pode contar com nomes fabulosos para sua assessoria: João Rossi Neto, Aristophanes Pereira, Edgardo Amorim, Mário Schmidt,e outras sumidades que decididamente estão a nosso lado sem jamais debandarem.
         O tempo corre a nosso favor. Quanto antes acabar este malfadado governo, esse congresso pautado no "toma lá dá cá", melhor. Um governo corrupto e incompetente é bom que termine logo! Mamma Mia!
O CARO COLEGA AMANTE DE UMA BOA VIAGEM CHEGA NESTA QUARTA-FEIRA À CAPITAL GAÚCHA.

sábado, 10 de novembro de 2018

SURGIU O BERÇO ESPLÊNDIDO!

    Salta aos olhos de todo cidadão de bem desse país a transformação multidirecional que se avizinha no limiar de uma nova era. Os olhos de Deus, definitivamente, se voltaram sobre o torrão brasileiro, e como está escrito em Isaías 43:13 " Desde os dias mais antigos Eu o sou. Não há quem possa livrar alguém de Minha Mão. Agindo Eu, quem o impedirá?"
    O Brasil tornou-se terra abençoada, pátria livre, libertos que fomos pelas Mãos do Altíssimo, conforme slogan citado na campanha do Jair "E conhecereis a Verdade e ela vos libertará!" Jo 8:32
      Estávamos vivendo nas trevas da corrupção petista, que com seu projeto de poder, havia aparelhado quase toda a máquina administrativa, incluídos os Três Poderes, apoiados pela mídia (Rede Globo, Falha de São Paulo, Veja...). O próximo governo vai trazer à lume quase tudo começando por abrir os créditos concedidos a governos socialistas e a ditadores africanos, até então mantidos sob sigilo. Vamos assistir emocionados à partida tardia do terrorista assassino Césare Batistti que há mais de um decênio o apedeuta manteve aqui em vez de extraditá-lo para a Itália, à época com o beneplácito de um STF covarde.
Iremos nos focar em países avançados como Chile, Estados Unidos, Canadá, Japão, Israel e Europa. Não estaremos mais flertando Argentina, Bolívia, Venezuela ou Cuba que nada têm a nos oferecer.
     Perseguindo a corrupção zero, buscando a honestidade, olhando para o povo brasileiro, escolhendo os melhores nomes para os ministérios, acabando com os inúmeros cabides de emprego, enxugando a máquina; o Brasil se agigantará perante todo o mundo. Chegaremos ao primeiro mundo logo, logo. Com Deus no comando tudo acontece naturalmente. "Feliz da nação cujo Deus é o Senhor." Salmos 33:12
      E o nosso fundo de pensão? Com a macroeconomia funcionando bem, tudo irá melhorar para os associados. Não em questões menores como ES senão em melhorias das pensões pelos sucesso nas aplicações e pelo cumprimento da LC 109/2001 Capítulo 20. Mas não devemos esperar tudo para 2019. No primeiro ano precisamos desmanchar tudo que de errado foi feito até agora. É um grande desafio mas como disse, "Se Deus é por nós, quem será contra nós?" Romanos 8:31
      Que todos vocês tenham um ótimo fim de semana!

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

MUITO POUCO PREVI!

    Conceder aumento no limite do ES na ordem de três por cento é dose para mamute. Inconcebível para a grandeza do fundo. Até parece que estão com medo do nosso calote! Nós, associados honestos, não somos nem nunca seremos uma Sete Brasil, criada para produzir propinas e dar calote. A PREVI deve saber que nós pagamos as prestações rigorosamente em dia. Se há alguns inadimplentes, que sejam tomadas providências específicas para novos créditos. Ainda dizem que fazem o ES em acordo com o "sócio ambiental". Mamma mia, que "ambiental" é esse? Mais ainda que "social" é esse?
      Outro deboche é a cobrança dobrada da taxa de administração, um abuso que nenhuma outra instituição de crédito no Brasil ousa cobrar. Nem o próprio patrocinador. Vale lembrar que a cobrança incide sobre o montante total do empréstimo. Quem estiver renovando pelo valor máximo (165 mil) é taxado em R$ 330,00. Isso é a resposta das chapas apoiadas pela Contraf-CUT em exercício em nosso fundo, aquelas que se intitulam "PREVI PARA OS ASSOCIADOS".
      Já não não bastam a cobrança das contribuições, o corte do BET das últimas 12 parcelas (a parte patronal está lá, inteira), contribuição extra na CASSI. A "brilhante" administração com as mais preciosas joias da coroa continua a nos retirar numerário que faz muita falta para as demais despesas essenciais.
Fazer o quê? Reclamar ao Papa? Ou a Dom Orani Tempesta? Melhor ao Cristo Redentor que do alto do morro enxerga muito claramente o edifício do Mourisco, na praia de Botafogo.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

ALÔ PREVI! DÁ UM REFRESCO AÍ!

     Muito me comovem os pedidos feitos ao nosso fundo para que afrouxem a rígida amarra (pelos menos nos últimos dois anos) que impede a tomada do benefício do empréstimo simples.
       Como a água para um contingente sedento, a suspensão de três parcelas em pleno verão seria muito bem-vinda com pitaco de sabedoria. Até porque o público tomador que faria uso desta prerrogativa não é expressivo: De dois a cinco mil, representando 10% do montante emprestado. Lembrando que os encargos do FQM e dos juros poderiam ser cobrados normalmente.
       O ideal seria elevar o limite de 160.000 para, pelo menos, 180.000 e o prazo de 120 meses para 144 meses (12 anos). Tal sugestão é perfeitamente factível, sem riscos maiores, com seguro em caso de morte, com 3,61% do ativo aplicado nesse segmento quando o limite poderia chegar a 15%.
          O Rossi, o Aristophanes, o Edgardo entre os proeminentes, já cansaram de fazer apelos aqui nesse blog. Sobram sugestões e falta bom senso para atender os verdadeiros donos dos ativos. Mas sempre continua a esperança...
         Como a organização criminosa que agia no país foi capturada pelos brasileiros de bem, acredita-se em mudanças substanciais no ramo dos fundos de pensão, haja vista que nesse segmento houve as maiores dilapidações. Pelas primeiras nomeações de ministros para ministérios mais importantes, verifica-se que os meliantes não terão vida fácil como até então. Além da redução drástica das 418 empresas estatais que o país possui para atender apadrinhados e cabides de emprego do governo que finda.
        Todos estão com a certeza de uma nova era na administração pública. Corrupção e desvios serão pegos em tempo real dado à transparência que começará a aflorar. Finalmente o Brasil mostrou ao mundo a força popular numa democracia. Vamos crescer bastante, a ponto que daqui a uns 5 anos sermos iguais aos americanos. Os patriotas que foram morar em outros países desejarão retornar pois finalmente descobrimos a terra dos sonhos, com saúde, educação e segurança de primeiro mundo.
         E voltando ao tema: Prezados administradores de nosso fundo, inútil alongar o sofrimento dos associados. Deem-nos pelo menos um capilé.
STOP = PARAR; DESINVERSÃO = DESFAZER O QUE ESTÁ INVERSO.

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

ALGUÉM VIU O CAVALO ENCILHADO?

     O meu irmão mais velho, estimado Medeiros, foi lembrado pela equipe fabulosa de Jair Bolsonaro para participar da equipe de transição ora em vias de oficinas na capital do Brasil. Este feito revela a criteriosa busca por pessoas de grande idoneidade e competência. Aliás, como já provado nas primeiras confirmações do ministério, Moro entre elas.
    Os fundos de pensão, PREVI inclusive, serão alvos fixados da nova equipe governamental. Não sem motivos haja vista a devastação produzida pelo PT/aliados na poupança de milhares de aposentados. Como bem disse o Medeiros, com a elaboração arquitetada pelos senhores Ricardo Berzoini, ex-parlamentar, e Luiz Gushiken, já falecido.
     No BB o ex-presidente Caffarelli havia declarado que gostaria de alterar o estatuto para incluir indicações de aposentados para os cargos definidos pelo patrocinador. Oxalá estas alterações sejam maiores, contemplem igualmente outras alterações. Os aposentados gostariam que o estatuto contemplasse o teto de remuneração da PREVI, algo como 30 mil reais, mais a redução substancial de pessoal alocados no fundo onde há uma briga por ocupar cada metro quadrado de um espaço bastante reduzido. A governança precisa ser repensada. Cada diretor possui uma retaguarda de técnicos peritos em ciências contábeis, analistas e estrategistas. Quando toma uma decisão está calcada em estudos preliminares desses especialistas. Não somos contra os corpo técnico; somos contra o elevado custo da governança corporativa. Tudo passa por um novo estatuto, mais enxuto, mais leve, mais produtivo e menos custoso.
      Estamos com esperanças renovadas. A influência política está com os dias contados dentro do nosso fundo de pensão. E é preciso que seja assim. Não podemos mais continuar com as chapas atuais, de tendências claramente de esquerda. Pessoas que cultuam Lula e Dilma estão derrotadas nas urnas. Quero vê-los todos fora, assim como o aparelhamento da máquina federal. Os ventos mudaram, novos rumos, sob nova direção. Dobremos nossos joelhos, converter-nos-emos para continuar merecendo o beneplácito divino. E que Deus seja sempre louvado!

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

UM NOVO OLHAR SOBRE A PREVI

    O nosso fundo de pensão está ligado ao governo federal, queiramos ou não, nosso patrocinador é uma estatal e, por consequência tudo o que ocorre com o BB nós sentimos na PREVI.
       O atual presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, não se sentindo à vontade com a nova administração brasileira, decidiu afastar-se. Outros afastamentos ocorrerão, tanto no BB quanto na PREVI. 
        Já os eleitos estão, até o fim dos mandatos, garantidos em nosso fundo de pensão, embora sejam em sua maioria vertentes do Partido dos Trabalhadores. Por causa deste fato, não podemos esperar refresco às nossas pretensões ao falarmos sobre o empréstimo simples. O diretor de Seguridade somente sai em 2020, ele que é sabidamente originário do meio sindical, pelo que, como é de esperar, fará oposição ao novo governo.
      Expostas as novas configurações entre patrocinador/patrocinados, nos perguntamos se poderemos obter sucesso, por exemplo, na suspensão das parcelas do ES nos meses de dezembro/janeiro/fevereiro? Podemos até conseguir mas não será fácil. Não desanimemos, vamos pedir pelo menos esta concessão, que seria de grande valor para os mais necessitados do fundo. 

AS DUAS ÚLTIMAS CHAPAS VENCEDORAS NA PREVI (CHAPA 3 EM 2016 E CHAPA 2 EM 2018) SÃO DE INFLUÊNCIA DO PT DERROTADO NA PRESENTE ELEIÇÃO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.