quinta-feira, 31 de outubro de 2019

CASSI, AGORA VAI?

Mensagem do presidente

Colegas,

A partir de hoje a Caixa de Assistência passa a divulgar os itens que compõem a proposta de recuperação da Instituição que será votada pelos associados. Uma proposta discutida com as entidades representativas dos associados, validada pela governança da CASSI, com a anuência do Banco do Brasil, que representa a entrada imediata no caixa, em dezembro de 2019, de R$ 1,06 bilhões, sendo:
  • R$ 588,1 milhões de contribuição por dependentes e taxa de administração pagas pelo patrocinador retroativas a janeiro de 2019;
  • R$ 24,9 milhões de contribuição por dependentes paga pelos associados, referente a dezembro de 2019;
  • e R$ 450,9 milhões pagos pelo patrocinador referente à liquidação antecipada das obrigações do BB com o Grupo de Dependentes Indiretos.
A proposta que irá à consulta traz também avanços significativos em relação à proposta aprovada em maio de 2019 pela maioria dos votantes (55,4 mil pessoas), mas que não atingiu o quórum de dois terços para ser implementada. Entre eles:
  • exclusão do piso mínimo de R$ 50 reais por dependente, beneficiando mais de 40 mil associados;
  • retroatividade a janeiro de 2019 para as contribuições por dependentes apenas para o patrocinador, sem onerar associados que pagarão a partir de dezembro de 2019;
  • manutenção da redação vigente de artigos sensíveis aos participantes, como o Artigo 83;
  • restrição do voto de decisão do presidente a assuntos estritamente administrativos para o funcionamento do dia a dia da CASSI;
  • ampliação do prazo para os candidatos a diretor e conselheiro comprovarem a experiência exigida, passando a valer agora a data da posse e não mais da candidatura;
  • manutenção das atuais diretorias de eleitos, adicionando a responsabilidade e funções de risco populacional.
Além dos novos recursos que entram no caixa da CASSI em dezembro, a aprovação da proposta traz, de maneira permanente, ingresso de valores importantes para a Caixa de Assistência, uma vez que fica definida a contribuição por dependentes, tanto por parte do patrocinador quanto por parte dos associados. Lembrando que esses valores não têm destinação específica e serão utilizados para prestar assistência a quem precisa. A única contribuição que ficará limitada à 2021, será a taxa de administração cobrada do patrocinador, no período de janeiro de 2019 a dezembro de 2021, uma conquista importante que contribui para a recomposição do caixa da CASSI.

Importante destacar que a votação, a ser realizada entre os 
dias 18 e 28 de novembro, acontece no momento mais delicado da história da CASSI. Isso porque, por determinação da ANS, a Caixa de Assistência tem até o dia 22 de novembro para elaborar um programa de saneamento que reverta todos indicadores em desconformidade que originaram a direção fiscal, e que representavam no balanço de agosto:
Tal programa deverá conter medidas factíveis e que estejam devidamente explicadas e evidenciadas em projeções que demonstrem, mês a mês, como ocorrerá a recuperação. Além disso, é preciso lembrar que termina em dezembro o Memorando de Entendimentos, o que representa R$ 50 milhões em média a menos no caixa da Instituição a partir de janeiro de 2020.

Diante do cenário apresentado, a aprovação da proposta é a alternativa viável para a CASSI continuar cumprindo sua missão de assegurar assistência às 400 mil vidas que hoje dependem do Plano de Associados.

Assim, convido a todos que acessem o hotsite #futuroagora (www.cassi.com.br/futuroagora), um espaço exclusivo com todas as informações para o entendimento da proposta. No app ou site da CASSI será possível também verificar a simulação da sua contribuição atual e de quanto seria com a aprovação da proposta. Se ainda restar alguma dúvida, procurem esclarecimentos nos canais oficiais da CASSI ou via email para propostacassi@cassi.com.br.

Somente com o apoio de cada um de vocês, associados, será possível vencer esse desafio e dar sequência ao trabalho de recuperação das finanças e de melhoria do modelo de assistência à saúde.

Atenciosamente,

Dênis Corrêa
Presidente da CASSI

MEDICINA EFICIENTE

   As pesquisas de laboratório têm seus pontos altos e baixos. No caso do Mal de Alzheimer, por exemplo negativo, as pesquisas, sempre vultosas, resultaram infrutíferas. Foram bilhões de dólares colocados na lixeira científica.
   Felizmente, em outros campos da ciência o sucesso é sentido em nosso dia a dia. O setor muito bem sucedido quer no lado cirúrgico quer no lado do controle, é o cardiovascular. No meu caso, não tenho lá elevados picos de pressão, nem altos nem baixos. Sem a medicação posso chegar a no máximo 16 (160mmHg*) na sistólica, e a 5 (50mmHg*) na diastólica.
Mas com a medicação de que faço uso com apenas um comprimido diário pela manhã, minha pressão arterial se mantém em 11 X 7 ou 12 X 8.
A associação de dois componentes, cada qual agindo em uma porta: A telmisartana na pressão SISTÓLICA (a mais alta cuja média é 12, considerada ideal.) O besilato de anlodipino na pressão de número mais baixo, cientificamente conhecida como pressão DIASTÓLICA (a mais baixa cuja média ideal é 8). O produto acima, ainda sem similar genérico, tem como agentes a telmisartana (não deixa o 12 subir) e o anlodipino, que não deixa o 8 subir, ou seja, mantendo distanciamento entre as duas de, pelo menos 4 dígitos.)
     A cobaia que registra este fato é este mero redator, que atesta e dá fé pública, do conteúdo dessa postagem.

PS: Medicação prescrita pelo cardiologista Dr. Marcos Bonilha, do INCOR de Joinville-SC.

(*) Medição em mm (milímetros) de Hg (mercúrio)

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

CANALHICE, SORDIDEZ, IGNOMÍNIA, ULTRAJE...

    Palavras opostas para o nosso título: Dignidade, correção, franqueza, honestidade, honra, lealdade, probidade, lisura, retidão, caráter, seriedade e sinceridade.
  A mídia do mal, representada majoritariamente pelos veículos Globo, concentram todo o arsenal bélico para atingir a honra pessoal de nosso presidente. Beira ao ridículo essa injunção de esforços para atingir um mandatário eleito democraticamente, obviamente não isento de defeitos, porém honesto demais para os padrões nacionais e mundiais.
     Agora mesmo, desde a Arábia Saudita onde concretizou negócios de mais de 10 bilhões de dólares, com interesses comuns complementares de desenvolvimento, sem viés ideológico, tão necessários ao progresso da nação que beneficiará todos os brasileiros; o nosso estimado presidente é atingido com reportagens mal intencionadas com o fim específico de atingi-lo pessoalmente/familiarmente.
Por que isso Rede Globo?
      Em vez de apoiar um estado soberano, livre da ameaça socialista/comunista, centradas no Foro de São Paulo (ainda ativo) com domínio sobre nossos vizinhos de fronteira: Venezuela, Bolívia e Argentina. Tudo liderado por Cuba, apoiada pela Rússia, nos meios de comunicação (nem todos) preferem aliar-se a estes governos de esquerda. Reflitam se a imprensa é verdadeiramente livre na China, Coreia do Norte, Rússia, Venezuela...Na Bolívia, Evo Morales está assumindo se 4º mandato! Em Cuba a ditadura dos irmãos Castro dura 60 anos! Será que o Brasil deve voltar às mãos de aproveitadores? Não são capazes de enxergar o que é bom para o Brasil? Quem apoia essa gente é ditatorial também. É cúmplice!
     Dia 06 de novembro será feito o leilão para explorar a nossa energia fóssil. Os preços vão baixar bastante com o fim de determinados monopólios. Certamente críticas da esquerda não irão faltar. Sim, o governo democrático do Brasil vai ter que ter muita paciência. O próprio Bolsonaro, numa live feita na Arábia, na madrugada passada, nos explica como é ser achincalhado em horário nobre de TV, através de insinuações veiculadas por esses órgãos demoníacos.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

AGUARDANDO A ANUÊNCIA DO BANCO

CASSI encaminha ao BB proposta de consulta ao corpo social

Publicado em: 25/10/2019

O Conselho Deliberativo da CASSI aprovou nesta sexta, dia 25 de outubro, a realização de consulta ao corpo social para apresentar proposta de recuperação da Caixa de Assistência. Seguindo o rito previsto em estatuto, agora a decisão será encaminhada ao Banco do Brasil para anuência e, posteriormente, submetida à votação pelos associados. A mudança é a alternativa viável para a recuperação da Caixa de Assistência e para a reversão dos indicadores que motivaram a instauração da direção fiscal pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em julho deste ano.
Por determinação da ANS, a Caixa de Assistência tem até o dia 22 de novembro para apresentar o Programa de Saneamento. Um programa que deve contemplar medidas para a reversão de todos indicadores em desconformidade que originaram a direção fiscal e que no mês de agosto estavam no seguinte patamar: Resultado Líquido R$ -58.062, Patrimônio Social R$ -120.202, Patrimônio Social Ajustado R$ -137.145, Insuficiência de Margem de Solvência R$ -905.556, Ativo Garantidor R$ -116.965.
A ANS requer também que sejam medidas factíveis e estejam devidamente explicadas e evidenciadas em projeções que demonstrem, mês a mês, como ocorrerá a recuperação. Isso exige da CASSI ainda mais celeridade para promover mudanças urgentes e significativas.
Histórico
Diante do cenário exposto e da urgência em buscar soluções para a CASSI, as entidades representativas dos associados buscaram a reabertura das negociações. O BB, por sua vez, ratificou que as premissas já haviam sido negociadas dentro dos limites possíveis, mas abriu caminho para realização de outra consulta.
Também nesse sentido, o Conselho Deliberativo da CASSI, em 27 de setembro, orientou que a Diretoria Executiva procurasse as entidades representativas a fim de auxiliar na elaboração de proposta a ser submetida à apreciação do corpo social.
Assim, as medidas previstas são resultado do esforço conjunto entre representantes dos associados e da CASSI, que durante semanas refizeram cálculos e promoveram ajustes para trazer avanços significativos para o funcionalismo e chegaram à proposta que hoje foi apreciada no Conselho Deliberativo.
Essa nova proposta será divulgada em detalhes no site (www.cassi.com.br) e nas redes sociais da Caixa de Assistência após finalizadas as etapas de aprovação. Afinal, o envolvimento de todos será fundamental para a construção do futuro da CASSI.


TODOS NA HASHTAG (#SOUCASSI) - TODA FORÇA PARA DESATOLAR

sábado, 26 de outubro de 2019

STF - OS PROBLEMAS ACABARAM

SE OS SINTOMAS PERSISTIREM, CONTINUEM PROCURANDO A JUSTIÇA.


    Com a tendência favorável à libertação dos atuais presos em função de decisão da segunda instância na última votação do STF, o Brasil vai ter um grande alívio em sua população carcerária. A Polícia Federal vai sair da incômoda posição de ter que adaptar uma suíte para servir de masmorra a um detento muito famoso, aqui e no exterior.
       A pergunta que não quer calar é se este é o papel constitucional do STF. Este poder supremo faz bem ao nosso país? Precisamos realmente de dois tribunais superiores? Não seria melhor termos apenas tribunais de segundas instâncias, em maior número, para daí encerrar o caso no famoso "Trânsito em Julgado"? Haveria muita celeridade da justiça, os processos chegariam bem antes ao seu atual final com enorme ganho para a sociedade e país.
       No atual contexto os réus têm como recorrer indefinidamente.  E os tribunais superiores, muito atarefados, só conseguirão julgar efetivamente quando os casos já estão prescritos. Essa é a ideia que faz sentido em todas as pessoas de bem: Adiar para prescrever.
       E não vamos culpar somente um poder. O Congresso igualmente, não raro, faz gols contra.

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

VIVA A IMPUNIDADE!

    A prisão após condenação em segunda instância deve cair hoje no julgamento que o STF está fazendo em Brasília. Alegam que a prisão fere um artigo da CF que diz que a prisão só pode acontecer após o 'trânsito em julgado'.
Isso até faria sentido se o julgamento em instâncias superiores fosse rápido, porém, é sabido que demora muito tempo, o suficiente para que o crime seja prescrito. No final das contas, é exatamente isso que eles desejam. Temos cinco ministros no STF são coerentes, estão ao lado da justiça, trilham os caminhos do bem, ao lado do povo. São eles: Luís Roberto Barroso, Edson Luís Fachin,  Luiz Fux, Alexandre de Moraes e Carmen Lúcia. A eles tiramos o nosso chapéu pois cumprem com honestidade seus deveres.
     O blog do Esmael - com tendência esquerdista, apoiador de PT, PCdoB, Psol & Cia, chama que vota pela manutenção da prisão de "contra Constituição". Gostaria de dizer a esse anti patriota que a Constituição não autoriza ninguém a praticar a corrupção, nem saquear estatais por via de propinas, justamente o que você está defendendo (na surdina, é claro) através de seu blog.
    Meus amigos, o Brasil nas mãos desta meia dúzia do STF não melhora, não prospera. É evidente o círculo vicioso que emperra a nação e tolhe uma melhor vida dos brasileiros. O círculo vicioso da INJUSTIÇA, explicado no vídeo do Seu Mizuka (abaixo), é composto por: STF - OAB - Partidos Políticos - Imprensa marrom - Corrupção.
     Quem considera o povo brasileiro que paga seus impostos, mesmo ganhando salários baixos, e que sustenta o Círculo Vicioso da Injustiça. Basta olhar para o STF e para a OAB. O primeiro passa todo o tempo a julgar casos pertinentes aos políticos e os casos em que têm relação com os políticos. E o povão? E as questões que envolvem a vida de milhares de trabalhadores?

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

QUE VENHA O CENTO E QUARENTA E DOIS

    Não há mais tempo a perder. É preciso exterminar já anomalias presentes nos mais diversos setores de nossa democracia. O remédio é eficiente, basta colocá-lo em ação de pronto, sem pestanejar. Todos conhecem bem o Artigo 142 da Constituição Federal, somente Bolsonaro parece não conhecê-lo bem. Nesse momento é o único antídoto capaz de salvar a nação brasileira, de uma vez para sempre, a vida política viciada que nos emperra, sem bons prognósticos no curto ou médio horizonte.
      Oxalá o capitão retorne da Ásia com o espírito patriótico em alta e seu primeiro ato, com a caneta Bic, seja assinar o referido Decreto, hoje uma aspiração de seus mais de 56 milhões de votantes. Faça isso, Senhor Presidente, e será dado um ponto final nos atos debochados do Congresso e do Judiciário superior.
     A ignorância é a cegueira da alma, nosso povo sofre por falta de sabedoria. Já passou da hora de abrir a envergadura, pairando nos ares da boa governança, sem interferências. A suprema corte, por alguns ministros possuírem vínculos no passado com o ex-presidente pode levá-los a tomar decisões equivocadas, como a de hoje, no caso das prisões em 2ª Instância. Tem ministro que tem queda pela impunidade. Será por que motivo?
      Decrete presidente, o Artigo 142, sem mais demora.


terça-feira, 22 de outubro de 2019

HUM BILHÃO E QUATROCENTOS MILHÕES DE REAIS

Cassi, do Banco do Brasil, precisa de R$ 1,4 bi para não quebrar

Publicado em Economia

A Cassi, Caixa de Assistência que administra os planos de saúde dos funcionários do Banco do Brasil, precisa de R$ 1,4 bilhão até o início de 2020 para formar a reserva de segurança exigida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Desse montante, a Cassi dispõe de aproximadamente R$ 500 milhões. Mas enfrenta dificuldades para convencer sua patrocinadora, o Banco do Brasil, e seus associados a dividirem a fatura para não quebrar. A Cassi já está sob direção fiscal da ANS, devido sua delicada situação financeira.

Sem as reservas exigidas pela ANS, a decisão do órgão regulador pode ser dramática. O problema é que nem o Banco do Brasil nem os associados ao plano querem abrir o bolso para compor as reservas de R$ 1,4 bilhão.

Para aumentar as contribuições dos associados a fim de reforçar as reservas da Cassi, dois terços dos associados têm que votarem a favor da medida. O BB, por sua vez, sofre com as limitações impostas pelo governo para contribuir com os planos de saúde de seus empregados.

Flexibilização

Quem acompanha de perto a situação da Cassi garante que ainda há solução. A operadora atende mais de 670 mil pessoas. Em 2018, registrou rombo de R$ 377,7 milhões, depois de um deficit de R$ 206 milhões em 2017 . Nos primeiros seis meses deste ano, o resultado foi positivo em cerca de R$ 80 milhões.

Na avaliação de Anderson Mendes, presidente da Unidas, associação que reúne as operadoras de autogestão, como a Cassi, a exigência de reservas tão altas por parte da ANS não condiz com a atual realidade do mercado. Não por acaso, as operadoras recorreram ao Congresso na tentativa de flexibilizar as regras dos planos de saúde.

Mendes acredita que as regras que regem o mercado precisam passar por uma atualização, de forma a incluir mais gente no mercado e não afastar aqueles que desejam ter planos de saúde. Desde 2014, as operadoras perderam 3 milhões de associados, a maior parte, no sistema de autogestão.


Brasília, 18h09min
Veja a notícia na fonte:

UM NOVO BRASIL SURGE DIANTE DE NOSSOS OLHOS

   A despeito de uma mídia retrógrada ou recalcada, que busca pequenas divergências partidárias para transformá-las em violentas tempestades políticas como se fosse o fim do mundo...(Na verdade o fim parece estar às portas). A despeito da insensatez de determinado parlamentar recém-chegado ao congresso, e de outro 'delegado" (não fosse o fator Bolsonaro o PSL não teria a projeção partidária que hoje tem); o primeiro, dizendo ter 3 pedidos de impeachment prontos, o segundo organizando reunião para detonar esse governo...(Cada coisa que a gente vê!)
       A despeito de tudo o presidente vai à Ásia em busca de parceiros e investidores, animando o mercado pois hoje o índice Bovespa teve avanço histórico, marcando 107.381,11 pontos.
Em Santa Catarina o nível de emprego não para de crescer. Temos uma produção diversificada, cinco portos para escoar a produção (nenhum outro estado do Brasil tem esse número de portos) e há chances reais de construção de mais dois, um deles seria o maior do sul do Brasil. Esse é um país que agora vai para frente! Será bom para todos.
     Um foco de preocupação são os fundamentalistas globalistas, capitaneados por George Soros e as nações comunistas/socialistas, aliado ao eterno conflito no Oriente Médio, tendo Israel como alvo principal.
     E assim caminha a humanidade para seus derradeiros capítulos. Oremos em constante vigilância, rogando aos céus que o Senhor tenha compaixão dos justos. E Ele certamente terá. Quem viver, verá!

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

O APOCALIPSE DA CASSI

   Estendida por mais alguns dias a participação fiscal da ANS em nossa Caixa de Assistência todos ficamos na grande expectativa do que irá acontecer a partir de então.
    Não se vislumbra qualquer solução no curto prazo. Sequer uma perspectiva otimista para tirar a tensão que acomete todos os usuários do plano de saúde. Nenhuma pista até o momento.
     No ângulo pessimista as opções são maiores, com leque aberto para um desfecho apocalíptico. Será? 
    O estimado patrocinador está mais relutante em acordar depois da infrutífera votação onde o sim não atingiu os 2/3 necessários para a implantação. E observem que as mudanças estatutárias propostas não atingiam os associados do PB1 de frente; apenas atingia quem entrasse no banco a partir de agora. Foi a vez dos sindicatos não aceitarem.
     Portanto, creio que se houvesse nova consulta dando ênfase a este aspecto, os dois terços poderiam ser alcançados. Caso contrário, poderemos ter péssimas notícias nos próximos dias.
                                                      SERÁ?

sábado, 19 de outubro de 2019

SUGESTÃO À PREVI (Por Aristophanes Pereira)

EXPLORANDO O LADO OCULTO DA LUA.
Aristophanes Pereira

       Merece um registro de elogioso reconhecimento a divulgação do BOLETIM DE DESEMPENHO, que a Previ vem fazendo, mensalmente, de uns tempos para cá, das contas que compõem a sua grande carteira de aplicações, em especial – e o que mais nos interessa – as relacionadas com o Plano 1
        Se a divulgação anual constitui um mandamento legal frouxo, com gosto de descaso, divulgar, espontaneamente, tal análise, mensalmente, é elogiável, mas não é feito tão excepcional. É um período aconselhável, mormente, por se tratar da gestão de um grandioso patrimônio, de R$185.000.000.000,oo sensível a variações de um Mercado instável e complexo, onde as duas principais sub carteiras, dentre 6 – RENDA VARIÁVEL E RENDA FIXA – acumulam cerca de 90% do total! Ademais, essa prestimosa apuração de contas diz respeito à gestão de um patrimônio pertencente a, aproximadamente, 112.700(junho-2019)  participantes/assistidos. Mesmo que tão árdua prestação de contas só despertasse a atenção de 5% deles, seriam 5.600 atentos e respeitáveis interessados, merecedores da informação.
       No meu distante conhecimento dos corredores administrativos da Previ, e muito menos entendimento de seus caprichos, ainda assim me parece que o BOLETIM DE DESEMPENHO, que está voltado, somente, para um lado da questão, o desempenho das APLICAÇÕES, caberia ser ampliado – com louvável ganho de transparência – para uma versão que poderia intitular-se BOLETIM DE DESEMPENHO AMPLO.  Seria um BALANCETE simplificado, informal, montado com informações de FONTES E USOS dos recursos, cobrindo, mensalmente, sucessivos períodos de três meses, sendo um atual e dois imediatamente anteriores.
       Para realçar o significado e importância da informação comparativa, vemos em cada Boletim de Desempenho da Previ uma informação, perdida no texto, que diz, em cada mês, isoladamente: “O Plano 1 permanece com superávit acumulado de R$3,53 bilhões(AGOSTO)” (...) R$4,36 bilhões(JULHO) e (...) R$4,89 bilhões(JUNHO). Em todos os 3 meses, separadamente, e distanciados no tempo, os valores são superavitários, porém só percebemos a deterioração de tais valores, no exame comparativo, anotando, com esforço, uma série de dois ou mais meses. No caso, entre JUNHO e AGOSTO, perderam-se R$1,36 bilhões, na formação do superávit(ou déficit) anual.
       Não tenho dúvidas de que o competente corpo técnico da Previ, prontamente,  entenderá o alcance de minha sugestão e, facilmente, se houver vontade superior, saberá montar esse novo corpo de informações, graças à disponibilidade de recursos contábeis, atuariais e tecnológicos existentes no maior fundo de pensão da América Latina, agora energizado por painéis solares.
       Mesmo assim, para deixar mais clara a minha sugestão, construí, no QUADR0 abaixo, um exemplo do que poderia ser o complemento de um novo BOLETIM DE DESEMPENHO AMPLO, esperando que a formatação, no Excel, seja preservada, a saber:

PREVI PLANO 1 – DEMONSTRAÇÃO SINTÉTICA DE FONTES E USOS DE RECURSOS.

DISCRIMINAÇÃO DAS CONTAS
%
JUNHO
%
JULHO
%
AGOSTO
NOTAS
I - FONTES







1 - Resultados de Aplicações







1.1.RENDA VARIÁVEL







1.2.RENDA FIXA







1.3.INVESTIMENTO IMOBILIÁRIOS







1.4.0PERAÇOES COM PARICIPANTES







1.5.INVESTIMENTOS ESRUTURADOS







1.6.INVESTIMENTOS NO EXTERIOR







2. Receitas de Planos







2.1. CAPEC







2.2.PLANO DE GESTÃ0 ADMINISTRATIVA







2.3. OUTROS







3.Receitas de Contribuições







3.1. Dos Associados







3.2. Do Patrocinador







3.3. De outras origens







4.







5.







6.







TOTAL-A







II - USOS







1. Administração/Gestao







1.1.  SUPERIOR







1.2. GERAL







1.3  AUDIORIA E CONSULTORIA







1.4. OUTROS







2. Custeio de Benefícios







2.1. APOSENTADOS







2.2. PENSIONISTAS







2.3. OUTROS







3. Custeio de Planos







3.1. CAPEC







3.2.PLANO DE GESTÃ0 ADMINISTRATIVA







3.3. OUTROS







4.







5.







6.







TOTAL-B







SUPERAVIT/DEFICIT(A-B)







          
           Na elaboração do QUADRO, como sugestão bem intencionada, buscando levar aos donos da Previ, dados compreensivos, consistentes e correntes, apoiamo-nos nas vastas informações contidas no padrão de relatório anual da entidade que é, sem dúvida, um tesouro de sabedoria. Entretanto, são mais de 130 páginas, dificilmente interpretadas e de cansativa leitura.
       Na continuidade desse processo de divulgações transparentes, o projeto BOLETIM DE DESEMPENHO poderia rapidamente evoluir para  apresentação sob a dinâmica forma de um APP, com a incorporação de outros dados e informações,  como os que constam da SALA do PARTICIPANTE, inclusive com um solene OBITUÁRIO.
       Ficam as sugestões, já que não temos melhores novidades.

Jaboatão dos Guararapes, 17/10/19