terça-feira, 30 de julho de 2019

A IGREJA DE DEUS E IGREJAS DE HOMENS

   Entre os primeiros anos da Era Cristã, anos 30 ao 33, Jesus disse a famosa frase a Simão Pedro: "Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela." A Igreja de Cristo é uma só; a dos protestantes são milhares. Jesus confirmou Pedro na chefia suprema da Sua Igreja: "Apascenta minhas ovelhas. Apascenta os meus cordeiros." Jo 21:16-17
Jesus garantiu a perpetuidade da Igreja visível neste mundo, até o fim dos séculos. Porque é a única que vem desde os apóstolos. Preenche todo esse longo período de tempo. Ao passo que as demais religiões ditas "evangélicas" tiveram início com Martinho Lutero, em 1521, ou seja, há 498 anos atrás.
    As religiões atuais são todas fruto do livre exame da Bíblia, inventado por Lutero. A seguir as principais seitas hoje no mundo, com o nome de seus fundadores e datas de fundação:
1521 - Alemanha - Nesta data e país o "pai da mentira" inspirou ao ex-monge Martinho Lutero, homicida e suicida. A ideia era rejeitar a Igreja de Jesus Cristo e de inventar outra para si e que se chamou igreja de Confissão Luterana.
1534 - Inglaterra - O rei Henrique VIII, cheio de orgulho e ávido de liberdade sexual, imita Lutero e obriga seus súditos a se tornarem protestantes. Surgiu a igreja Anglicana.
1560 - Escócia - João Knox, um ex-padre também imita Lutero e dá origem à igreja Presbiteriana.

1580 - Inglaterra - Roberto Browne, ex-pastor anglicano, deixa esta religião, e funda outra com o nome de Congregacional.
1611 - Inglaterra - John Smyth, também ex-pastor anglicano, funda a igreja Batista.
1738 - Inglaterra - John Wesley, outro ex-pastor anglicano, funda mais uma igreja protestante, a Metodista.

1830 - Estados Unidos da América - Willian Miller , fazendeiro, funda a igreja Adventista do 7º Dia, de tendência judaizante.
1870 - Estados Unidos - Charles Russel, outro ex-pastor, funda a igreja das Testemunhas de Jeová, também judaizante.
1914 - Estados Unidos - Um grupo de ex-pastores de várias religiões funda a igreja Pentecostal ou Assembleia de Deus.

Seguindo a trilha de Lutero, há sempre interpretadores da Bíblia a inventar novas seitas, as quais denominam "evangélicas". No entanto, são falsas religiões de homens. Caracterizam-se, principalmente, pela ausência de sucessão apostólica, de hierarquia, de verdadeiros sacerdotes e bispos.
Para as seitas, que chamam seus ministros "sacerdotes" e "bispos" como os anglicanos, ou de simplesmente "bispos" como a seita de Edir Macedo, esses títulos são palavras vazias, desprovidas de qualquer verdade.
Eles mesmos se autodenominam bispos sem qualquer aprovação de alguma hierarquia eclesiástica.

ESTA POSTAGEM TEM O ESCOPO PURO E SIMPLES DE RELATAR QUAL A IGREJA QUE SE ESTENDE AO TEMPO DOS APÓSTOLOS DE CRISTO, HÁ MAIS DE 2000 ANOS.


SEM PENSAR EM ELOGIO, AFINAL NÃO QUERO SER FARISEU, SENÃO INCENTIVAR QUEM AINDA NÃO CONTRIBUI COM O MÉDICO SEM FRONTEIRAS. PODE DOAR QUALQUER VALOR E POR VÁRIOS MEIOS (CARTÕES, DÉBITO EM C/C, BOLETO ETC). ACESSE: https://www.msf.org.br

sábado, 27 de julho de 2019

VOCÊ FALA INGLÊS? Por José Aristophanes Pereira


DO YOU SPEAK ENGLISH?
                Neste episódio, ainda em andamento, da indicação do deputado Eduardo Bolsonaro, para ocupar o cargo de embaixador do Brasil, em Washington, tem sido ressaltado, dentre os méritos curriculares do postulante, sua “fluência, no idioma Inglês”. O aprendizado da língua de Shakespeare, na versão americana, foi burilado, conforme ele próprio relata, “dando duro, em bicos, como o de fritador de hamburguer”, quando fez intercâmbio, na juventude. Louvável e exemplar!
            Esse destacado traço da biografia do possível futuro embaixador acionou a minha “máquina do tempo”, levando-me a um passado que relembra nuances, também pitorescas, do meu aprendizado de Inglês.
            Na mudança da família, em 1939, do sertão para João Pessoa, passei uns meses, em trânsito, na casa da avó Bininha(Cherubina), do lado paterno. Lá, o estudioso tio Afonso Pereira, ex-seminarista  de uma ordem de frades alemães, fazia, frequentemente, leituras em Alemão, explicava palavras de origens grega e latina e, vez por outra, frases em Francês. Na minha ignorância infantil da própria língua materna, deparei-me, precocemente, com aquele estranho mundo poliglota.
            Pelo início da década de 40, alimentava um certo pendor para o aprendizado de outros idiomas, inclusive o Esperanto, língua artificial que se promovia como o meio de comunicação universal. Porém, naquela época, eram grandes e desestimulantes as limitações de um aprendizado consistente, comparadas com os inimagináveis recursos de hoje.
            As narrativas do desenrolar da guerra e a proximidade das bases americanas, em Recife e Natal, contribuíam, ocasionalmente, para um contato com o idioma do Tio Sam. Ajudavam, também, os seriados americanos de Flash Gordon, O Sombra, Besouro Verde e outras películas exibidas nas concorridas matinais domingueiras, dos cines Plaza e Rex. Proliferavam, ainda, as histórias em quadrinhos(HQ) de revistinhas, como Gibi, Globo Juvenil, Gury, Mirim e outras, nem sempre aceitas pelos pais. Procuradas com ansiedade no jornaleiro, nelas ganhavam vida os desenhos de Brucutu, Tocha Humana, Mandrake, X-9 e  L’il Abner, com sua eterna namorada Daisy May. E tantos outros, como O Homem de Aço e O Homem Morcego, que ainda hoje são sucesso de bilheteria, com os atuais nomes de Superman e Batman. Esses fantásticos heróis, já oitentões, trouxeram uma enxurrada de termos em Inglês, para o dia a dia da criançada, escanteando o Francês, e induzindo uma sutil americanização, por via da língua de influência crescente, que se tornaria, verdadeiramente, universal.
            Esse o ambiente que me contagiou, com o aprendizado do Inglês. Se as aulas ginasianas do dedicado Professor Pacote, no Liceu Paraibano, ficavam só no livrinho de fábulas, logo evoluí para o aprendizado autodidata, numa massuda “Gramática Inglesa”, de Frederick Fritzgerald, que ainda guardo, como lembrança do meu pai. As potentes ondas curtas da BBC de Londres, nos seus relatos sobre a guerra, preenchiam, sob as distorções das “descargas e interferências”, a carência de meios, para aprimoramento da pronúncia. No Ponto de Cem Reis(*), buscávamos – eu e outros amigos – conversar com militares americanos, em trânsito pela cidade, sempre generosos na oferta de cigarrettes Lucky Strike, Camel, ou Chesterfield, de melhor aroma que os nossos populares Continental, Astória, ou Hollywood.  Por vezes, pegávamos o trem da Great Western e íamos até um navio, no porto de Cabedelo, para treinar o Inglês e piorar a pronúncia...
            Valeu o esforço autodidata, vez que o Inglês – mais do que outros “arranhados” de Francês e Portunhol – me proporcionou importantes acessos, ao longo de minha vida profissional. Não ganhei uma embaixada, mas dei saltos de qualidade. Nos primeiros dias de Banco do Brasil, pulei da estiva da “Cobrança” para a prestigiada “Cãmbio-Cacex”, graças ao diferencial do Inglês. Outras portas se abriram com a “chave inglesa”, e nestes dias da pachorrenta velhice, navego pelo mundo, usufruindo as riquezas da world-wide-web.
            Vejo, entretanto, com certa dose de saudosismo, o rápido desmoronamento das “barreiras da língua”, enquanto se levantam muros reais monstruosos. Já andam vendendo por aí um gadget que faz traduções simultâneas e imediatas, em dezenas de idiomas. Eu falo em bom Português e XI Jinping entende em Mandarim, e vice-versa. Creio, ainda assim, que será insubstituível um cochicho morno e inteligível, no pé do ouvido, dizendo: “Eu te amo”, “I love you”, “Je t’aime”, ou numa noite invernosa da pequenina Islândia: Eg elska thig”.
Jaboatão dos Guararapes(PE), 27/07/19
(*) Logradouro em João Pessoa, notório ponto de encontro e terminal dos bondes, até os anos 60.
            

PONTO CEM REIS (Foto antiga que melhor ilustra o texto enviada pelo autor.)

EVITAR CONTENDAS ENTRE IRMÃOS

   No livro sapiencial de Provérbios, capítulo 6, versículos 16 até 19: "Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima Sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que traça planos perversos, pés que se apressam para fazer o mal, a testemunha falsa que espalha mentiras, e aquele que provoca discórdia entre irmãos.
   A base do evangelho do Filho de Deus é o amor. Ninguém amou mais os irmãos que aquele que dá a própria vida por eles. O Salvador veio consagrar a Lei de Moisés, levá-la à perfeição, jamais aboli-la. Está muito claro no sermão da montanha quando diz: "Ouvistes o que foi dito...Eu, porém, vos digo." Aquele que lê com atenção a boa nova, percebe claramente tudo aquilo que é necessário para ganhar a vida eterna. Chama muito a atenção a antítese entre o corpo e espírito: "Quem quiser salvar a sua vida (terrena), perde-la-á; mas quem perder a sua vida por Minha causa, a salvará!"
    No início do Cristianismo todos viviam em harmonia, em comunidade, e não havia necessitados entre eles.

sexta-feira, 26 de julho de 2019

AS CALCINHAS PARA A ILHA DE MARAJÓ

    No noticiário do SBT, que tem a apresentação de Carlos Nascimento e Raquel Scharezade, na noite desta quinta-feira, abordou a afirmação da ministra da Damares Alves, que na ilha de Marajó seria muito bem-vinda a instalação de fábrica de calcinhas, posto que as adolescentes não usam esta peça íntima, estando portanto, mais vulneráveis ao elevado índice de estupros existente naquela ilha.
     Apesar da notícia ter sido dada em tom de jocosidade, a medida é ótima e digna de aplausos por ser uma tentativa de solução de um grave problema social, de cunho de consequências irreparáveis no que tange à integridade e proteção à família, de cuja solução abranda malefícios como a prostituição precoce e o aborto.
     Incrível como a mídia gosta de criticar as atitudes da excelente ministra da Família justamente por ser "tradicionalista", não aceitar a ideologia de gênero, ou seja, não alterar a constituição divina...Enfim, ser uma genuína cristã e talvez por isso "perseguida" pelos órgãos "avançadinhos" formadores de opiniões.
    O mesmo ocorre com as atitudes de outros ministros. Há uma corrente criminosa querendo destruir a Lava a Jato que já devolveu milhões aos cofres públicos e estatais. Quatro pessoas presas já confessaram invasão (hackers) em celulares de membros do Executivo e Legislativo. Certamente não fizeram sozinhos, por livre e espontânea vontade. Cabe ao Judiciário com o auxílio da Polícia Federal descobrir quem está minando a nossa frágil democracia.
     Não se vê indignação por parte da mídia brasileira contra essa tentativa de incriminar homens de bem cuja probidade já foi mais que provada. É muito triste essa política nojenta que só enxerga a sede de poder para um governo cheio de maldades. Livrai-nos ó Deus desse tipo pessoas onde os interesses próprios estão acima de tudo.
      A Justiça divina pode tardar mas falhar jamais!
MINISTRA DAMARES ALVES DOS DIREITOS HUMANOS E SEU PROJETO "ABRACE O MARAJÓ". FAZ SENTIDO SUA PREOCUPAÇÃO E AFIRMAÇÃO DE QUE OS COSTUMES LIBERAIS PREJUDICAM O BOM SENSO E O BOM COMPORTAMENTO. APLAUSOS PARA ELA. CLARO ESTÁ QUE UMA BOA EDUCAÇÃO AJUDA MUITO, PORÉM, A FAMÍLIA ESTÁ SENDO MUITO PROFANADA NESSES TEMPOS EM QUE SATANÁS ANDA À SOLTA.

quarta-feira, 24 de julho de 2019

TEXTO NÃO É NOVO MAS É ATUAL

Perde um minuto e leia. “Palavras de Bolsonaro".

As mazelas vão durar muitos anos, infelizmente . 
O Brasil foi aparelhado para o socialismo/comunista baseado em pilares sustentáveis, como seja:

1- doutrinação nas universidades;
2- distribuição, ajuda ao mais pobre, em vez de dar emprego/dignidade;
3- imprensa com verbas;
4- dinheiro da corrupção para eles e o Partido.

"Ganhamos, acabamos com o PT!" Não...

Tire esse pensamento da cabeça agora! 
O PT está caído, sim, mas está muito longe de deixar de ser uma ameaça.

Já se perguntou porque o pior candidato de um partido envolvido até o pescoço em corrupção, cujos principais líderes estão todos na cadeia, recebeu 44 milhões de votos?

A resposta é simples. Conquistamos a presidência, mas o PT e suas variáveis ainda dominam tudo que leva até lá. 
A esquerda ainda detém enorme influência e poder. Jamais subestimem um grupo que ganhou 4 eleições, passou 13 anos com acesso a reservas quase infinitas de dinheiro e colocou seu pessoal em absolutamente TODAS as engrenagens da máquina estatal.

A esquerda ainda domina: meio acadêmico, meio artístico, meio cultural, movimentos sociais a grande parte do meio político. 
A influência deles é tão grande, que me fizeram , praticamente o culpado da facada que levei. 
Fizeram de uma matéria esdrúxula de jornal, sem provas, uma acusação que foi parar no TSE e ficou uma semana em destaque. Fizeram meus apoiadores se passarem por bárbaros descontrolados noticiando ataques claramente forjados.

Acham mesmo que eles perderam esse poder só por que não chegaram à Presidência? 
Se não tivessem esse poder, teríamos ganho com 80% dos votos. 
O povo sabia que não queria o PT, mas a destruição da minha imagem foi colocada em prática por todo o sistema. 
Perdeu-se milhões de votos por conta de calúnias divulgadas pela esquerda com tamanha intensidade que faria Goebbels se sentir um estagiário na xerox do DCE.

Ganhei a eleição para Presidente, mas a máquina está toda podre e comprometida. Não irão deixar-me governar e fazer as reformas que o País precisa, sem apoio de vocês. 
Estão me sabotando desde o primeiro dia.

Todas as mudanças na área econômica serão anunciadas pelo sistema como uma tentativa de prejudicar os pobres e retirar direitos do trabalhador. 
Todas as mudanças na área social serão anunciadas como uma tentativa de assassinar LGBTs/Mulheres/Negros/Pobres/Nordestinos. 
É assim que a esquerda joga.

Estou recebendo o Brasil no pior estado que um Presidente já recebeu, serei criticado pelos seus acertos e massacrado pelos seus erros. Tentarei não errar. 
O primeiro ano será bem difícil
É preciso tomar o poder de influência da esquerda e devolvê-lo ao povo. 
O povo tem que se informar por fatos e não por narrativas cuidadosamente construídas por intelectuais em universidades.

Voltarei ao assunto sobre onde estão instalados os inimigos e como desentocá-los.

Não há como acabar com a divisão no País, se não acabarmos com quem está nos dividindo.

Comemoremos a vitória, foi gigantesca. Mas não percamos a noção da realidade. Estamos só no começo.

Jair Messias Bolsonaro
(Texto recebido pelo WhatsApp)

SEU DEVER DE CIDADÃO QUE AMA SEU PAÍS É REPASSAR O QUANTO PUDER, PARA QUE TODOS FIQUEMOS ATENTOS AO FATOS!!! 💚💛



domingo, 21 de julho de 2019

FATO CONTROVERSO


ESTAMOS EM GUERRA?!
José Aristophanes Pereira
       Vou me meter num assunto que não é minha praia. Aliás, são muitos. È o caso dessa polêmica determinação do presidente do STF, Dias Toffoli, de mandar suspender investigações, no Ministério Público, baseadas em informações produzidas por órgãos como o Coaf(Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Receita Federal, Banco Central e outros, sem prévia autorização judicial.
       No Brasil e em outros países, por óbvias necessidades de organização e exercício de funções próprias do aparelho do Estado, alguns de seus órgãos – a exemplo dos casos citados, e até outros não governamentais – detêm poderes, quase discricionários, para anotar e avaliar o comportamento de cidadãos e entidades
       O velho Coaf, criado em 1998, reservado por natureza, botou as unhas de fora, recentemente, no espetaculoso caso Queiroz/Flavio Bolsonaro, e ganhou notoriedade, pelo troca-troca entre os ministérios da Justiça e da Economia, pra onde terminou voltando, como era de origem. Sua principal incumbência é monitorar, em combinação com os bancos, movimentações financeiras(pagamentos, transferências, débitos/créditos), de pessoas e empresas, mesmo em pequenos valores, que pareçam “suspeitos”, ou “atípicos”, para eventual informação a órgãos investigativos, como procuradorias e polícias. Dizem que são muitos milhares os casos anotados, nos últimos anos!
       De forma parecida, mas com menor prontidão e mais recato, a Receita Federal cruza, criticamente, declarações, informações sobre pagamentos, recebimentos, compra e venda de bens, patrimônios, isenções e renúncias, inspecionando, com a lupa fiscal, a vida dos contribuintes. Tanto que lhe falta tempo para a correção anual da Tabela do IR. O Banco Central, por seu turno – além da nobre missão de controlar os juros básicos, o câmbio e a inflação –  sabe tudo o que se passa com as instituições financeiras, e, em ação conjunta com o Judiciário(BACENJUS), bloqueia, em varredura de surpresa – e às vezes injusta – recursos de quaisquer origens e valores, em todas as contas de um determinado CPF/CNPJ-réu.
       Como se tudo isso fosse pouco, ainda temos registros em instâncias judiciais, cadastros de lojistas, prestadores de serviços, SPCs, SERASAs e assemelhados, cartões de crédito/débito, engenhos de busca tipo Google e as sorrateiras câmaras, afixadas em todos os cantos, além do onipresente GPS. Enfim, dificilmente, alguém escapa do olho espião do moderno Big Brother, que deixa no chinelo o de Orwell, em seu “1984”. Em contra partida, no lado da bandidagem, a ousadia da arriscada proliferação do “Caixa2”, das Notas Fiscais frias, das malas de dinheiro e da valorização dos pontos de “lavagem”, como o posto de combustível, onde começou a Lava a Jato. Muitos ainda não se aperceberam, nem se acautelaram, de que os benefícios da modernidade digital cobram o alto preço da perda da privacidade individual, podendo acarretar transtornos irreparáveis.
        Por muito tempo, as preciosas informações foram garimpadas com paciência e apreço, porém de formas ineficientes, dispersas e desconectadas. A recente revolução digital acabou com esse retardamento, rompeu as amarras dos polpudos arquivos e deu uma dimensão incomensurável ao processo de captação, manuseio e interpretação dos dados, sob a égide de nova ciência da Informática.
       Voltando à polêmica determinação do ministro Dias Toffoli, o que ele deseja, é "proteger o cidadão", diante desse “admirável mundo novo”, que nem o Huxley previu, e dar um freio de arrumação, alinhado com aqueles moderados que temem o abuso de autoridade, no manuseio de tantas e precipitadas informações. Ele ordenou que os "coafs da vida", cumpram o seu dever, todavia só passem adiante suas "atipicidades presumidas”, com prévia autorização judicial, requerida pelos apressados investigadores. Simples assim.
       A despeito de tal entendimento ter partido da mais alta autoridade da Suprema Corte, as opiniões de doutos juristas se dividem, em campos antagônicos. Basta ler e ver o noticiário que vem repercutindo os diversificados pareceres sobre a momentosa decisão. Muitos concordantes, alguns comedidos e dúbios, outros mais exaltados, identificando interesses fulanizados e prevendo o fim do mundo. Sentada a poeira, certamente, mais adiante, o colegiado do STF pacificará a questão e subsidiará precisas regulamentações, derivadas da nova Lei Geral de Proteção de Dados-LGDP(Leis  13.853/19 e 13.709/18),  levando em conta experiências de países e comunidades mais avançados, como é o caso do GDPR(General Data Protection Regulation, ou Regulamento Geral da Proteção de Dados), da União Europeia.
       De minha parte – e aqui meto o meu bedelho - acompanho a prevenção do Presidente Toffoli. Por formação e por experiencia de vida, não aceito a ação que muita vez manda “primeiro atirar e depois perguntar “, defensável pela ética da guerra, mas não no estado democrático de direito. Ou estamos em guerra?!
Jaboatão dos Guararapes(PE),  20/07/19

JERUSALÉM SEMPRE NO MAPA

   Jerusalém é a cidade santa que originariamente pertenceria ao povo escolhido de Deus (o povo judeu) mas devido à desobediência, este povo cabeçudo viveu, na maior parte da história, afastado dela, como castigo de Deus  por se desviarem dos caminhos do Senhor.
            Foi dentro dela que os judeus mataram todos os profetas a eles enviados, culminando por matar o próprio Filho de Deus. Hoje sabemos que se trata da "grande prostituta" descrita no Apocalipse. E que vai ser arrasada no momento final quando vierem as nações pelejar contra Israel na batalha do Armagedon.
       Prestemos muita atenção no Irã. Este país é inimigo mortal do povo de Deus. Para seus líderes Israel deveria ser riscado do mapa. Até hoje Israel teve nos EEUU seu grande protetor. Agora tem também o Brasil. Porém, a Europa, de quem se esperava coesão, está esfacelada, não desejando briga com ninguém. Recentemente, o Reino Unido teve um petroleiro atacado no Estreito de Ormuz. Foi em represália do Irã ter sido bloqueado num cargueiro de petróleo que se dirigia à Síria, país com bloqueio internacional. O Irã, depois que Trump rompeu o Acordo de 2015, voltou à carga no enriquecimento de urânio e já é capaz de produzir sua bomba nuclear. Uma ameaça à paz mundial. Israel que se cuide porque a Rússia, em caso de conflito, já disse apoiar o Irã.
PETROLEIRO CAPTURADO PELO IRÃ. REINO UNIDO PODE RETALIAR. UMA GUERRA COMEÇA COM UM INCIDENTE COMO ESSE.

quinta-feira, 18 de julho de 2019

DE QUE VALE O TER?

   Cada dia que passa mergulho nas palavras de Jesus (evangelhos) através do meu outro blog "Pão Celestial" e cada vez me convenço mais da transitoriedade/efemeridade das coisas que passam; da inutilidade de tê-las ou possuí-las devido à sua completa volatilidade ou fugacidade. Compreendo hoje muito melhor as sábias e santas palavras de Nosso Salvador Jesus Cristo a nós endereçadas no famosíssimo "Sermão da Montanha", nos capítulos 5,6 e 7 do evangelho de Mateus. Quem ler os capítulos logo percebe o verdadeiro sentido desta vida temporal na qual os desejos da carne são totalmente contrários aos desejos do Espírito. As preocupações com o comer, beber ou vestir são preocupações vãs em face de nosso Criador conhecer as nossas necessidades, suprindo-as com sobras imensas na condição de Nele crer e confiar. O segredo consiste em não dar nenhum valor às coisas terrenas; em contrapartida, em dar todo o valor deste mundo à FÉ em Deus e no Cristo Salvador que nos libertou do jugo do pecado. E o salário do pecado é a morte eterna.
     Esta é a "porta estreita e apertada" que conduz à vida plena e eterna a qual poucos a encontram. O segredo de tudo é ter fé. E Jesus observou: "Quando eu voltar porventura acharei fé na terra?" Daí a importância da perseverança, em não perder a fé e a esperança, em suportar até o fim da vida terrena. "O espírito é que vivifica, a carne de nada aproveita!" Jo 6:63
     Infelizmente muitos nos dias de hoje não se interessam pela melhor parte. Preferem a escravidão do pecado, ao atendimento de suas demandas, pouco ou quase nada se importando com as coisas do alto. Tal esfriamento da fé foi predito pelo próprio Jesus.
    Estou esperando pela tua verdadeira conversão para que seja feita a Vontade de Deus Eterno e que fez morada dentro de nós. Amém?


sábado, 13 de julho de 2019

PARECE QUE VAI...(José Aristophanes Pereira)


               
AGORA, PARECE QUE VAI

                Semana passada, escrevi – com certo desânimo, ante o cenário de estagnação da economia brasileira – que a despeito da recente e radical mudança no comando do país, ainda não tínhamos um plano de voo, com objetivo claro e estratégias definidas, para focar os reparos necessários. Ousei, ainda, preconizar uma intervenção heroica, com uma certa “ousadia inovadora”, para lubrificar e acelerar a máquina disponível e ociosa.
                Não foram poucos os comentários de adesão ao meu pensamento, aditados, algumas vezes, por ideias suplementares. Também, não faltou uma severa crítica, por parte de quem viu, na menção a “afrouxamento monetário”, a repetição de erros do passado, o abismo do descontrole fiscal, a volta da inflação imoral e a quebra definitiva de confiança dos mercados. Neste ponto, apenas esclareço, que defendi e defendo um esforço grandioso e determinado para, com rapidez, estimular o investimento e tirar a economia da estagnação. Sem mágicas e sem formulações pirotécnicas.
                Com essas ressalvas preliminares, o que quero mesmo é colocar os pensamentos desta semana em um novo patamar mais otimista e reparador. Isto porque vi e ouvi, com esperança, uma longa e pormenorizada palestra (https://www.youtube.com/watch?v=lSXP54B95Jg) do Ministro  da Economia, Sr. Paulo Guedes, para uma seleta plateia de centenas, por ocasião do evento EXPERT XP 2019, realizado em São Paulo, no último dia 4, coincidente com a marcante aprovação do texto básico da Reforma da Previdência, na Comissão Especial da Câmara dos Deputados.
                Percorrendo uma linha de compreensiva dissertação, enxertada por algumas tiradas de humor sarcástico, a exposição do Ministro tem começo, meio e fim. No começo, situou um diagnóstico retrospectivo, desde os anos 60, identificando o recorrente “excesso de gastos”, do estado-faz-tudo, como o grande vilão da economia brasileira. No meio, posicionou, com destaque, os gastos pessimamente seletivos dos governos petistas, ditados pelo voluntarismo ideológico e pelo intervencionismo estatal de compadrios, ao lado da progressiva montagem da arapuca previdenciária. Por fim, mostrou que tem um plano consistente, induzido pela iniciativa liberal, já equacionado por competentes equipes multidisciplinares, para levantar o Brasil. Não foram poucas as palmas de aprovação.
                Quando denunciou alguns aspectos desse drama insólito e maldoso por que passamos, o Sr. Paulo Guedes produziu uma de suas pilhérias mais engraçadas, se não fosse uma perversa realidade,  ao declarar que nós somos 200 milhões de trouxas, explorados por duas empreiteiras, quatro bancos, seis distribuidoras de gás e uma produtora de petróleo”. Num trocadilho, não menos mordaz, afirmou que “os servidores(públicos) se servem do Brasil.”  E ouviu um uivo de perplexidade, da assistência, ao quantificar que o Brasil gasta, por ano, o equivalente ao histórico Plano Marshall, com os juros da rolagem crescente da dívida interna.
            A aprovação da Reforma da Previdência, já dada como certa pela Câmara, mesmo com algumas concessões desidratantes obtidas pela pressão de grupos privilegiados, parece ser o sinal para dar partida, felizmente, ao plano de trabalho do Posto Ipiranga do Governo Bolsonaro. Já se anunciam a importante Reforma Tributária, o renovador Pacto Federativo e um amplo projeto de Reforma do Estado(Privatizações, concessões, desinvestimento, enxugamento da máquina estatal, desburocratização, dentre outras medidas).
             De imediato, noticia-se que o Ministro já teria pedido aos seus secretários setoriais para apresentarem projetos de suas áreas, planejados para este ano, a fim de aquecer a economia. Começa, assim, a por em prática o seu plano liberal que ordena: “Mais Brasil. Menos Brasília”.
            Enquanto isso, de um lado da Esplanada dos Ministérios, a UNE e as centrais sindicais protestam, confirmando que os cães ladram e a caravana passa. Do outro, o presidente do Brasil  inventa um rebuliço, inoportuno e desnecessário, achando que seu caçula 03 deve ser nosso embaixador nos USA.

PS: Minha modesta homenagem a uma vida coerente e determinada: Francisco Oliveira, com quem convivi nos primeiros anos de SUDENE. Pensamentos distintos, mas respeitosos. Deplorou, tempestivamente, as distorções do PT e seguiu independente. RIP.

Jaboatão dos Guararapes(PE), 13/07/19

(No vídeo abaixo, copiado do Youtube, com paciência  e atenção, pode ser vista, na íntegra(1h e 40min) a palestra do Ministro da Economia, Paulo Guedes).





ÊNFASE TOTAL E PLENO FOCO NO MINI AGRICULTOR

    O novo governo venceu merecidamente, na vontade popular. O Brasil acertou na escolha, porém, o diuturno trabalho não pode resumir-se a desentendimentos e picuinhas, coisas quase sem importância alguma como procurar respaldo para nomear o filho embaixador nos Estados Unidos da América.
   Bem antes de fazer "live" ao lado do polêmico Valdomiro Santiago, Bolsonaro deveria olhar para a classe menos favorecida do país, aqui e agora, sem mais delongas. Deixar que as reformas sigam seu curso normal, que o setor de inteligência cuide de sua segurança institucional, que os problemas burocráticos não atrapalhem a sua pouca experiência em governar. Foi feliz na escolha dos ministros, então, mãos à obra juntos com eles!
   Um setor que merece atenção especial é a produção agrícola de alimentos. Mas não me refiro aos grandes latifundiários, prósperos empresários que só visam ao lucro. Não! Desejo apoio ao pequeno agricultor, ao que produz para o mercado interno ou consumo próprio (agricultura familiar). 
     Domesticamente temos as empresas de extensão rurais para auxiliar o agricultor, tipo Embrapa. Mundialmente temos o apoio já oferecido por Israel que possui tecnologia de ponta e pode auxiliar muito, mais o Nordeste com a falta de água crônica. Atentar para a vocação de cada região brasileira. Onde mais se produz hortaliças é na região sul e sudeste, sujeitas ao frio intenso e à geada. Que tal diversificar as regiões para onde não há condições climáticas desfavoráveis.
    Reativar o programa de reforma agrária (INCRA) para que seja um órgão eficiente, sem corrupção, a serviço real do mini agricultor. Proceder uma verdadeira revolução agrícola com a aglutinação de cooperativas em cada região produtora e melhoria das estradas vicinais (a cargo do Exército brasileiro). Produzir com a vocação de cada região: onde o trigo for favorável planta-se trigo; arroz, laranja, limão, tomate, alface, beterraba, leite, café, carnes etc.
    Nas propriedades financiadas (dependendo do prazo pode ser até doada) convencer os proprietários (posseiros) a empregar um ou mais moradores de rua para que sejam integrados à sociedade. O governo poderia dar uma ajuda de custo a quem topasse empreender no seu pequeno negócio a título de incentivo temporal (por ex. durante um ano).
    A sociedade civil, por meio de entidades de classe ou líderes comunitários, ajudados por igrejas e voluntários poderiam engajar-se num projeto nacional. Há mil formas de se planejar e cobrar pela produção pois em tudo precisa haver cobrança e acompanhamento.
    Vamos lá senhor Jair. Pense nos pobres deste país, vamos arrumar soluções simples e baratas para realocar mão-de-obra ociosa e pouco dispendiosa. Problemas nós já temos aos milhares, faltam as soluções. Se a minha não encaixar, crie uma ouvidoria para sugestões ou canais específicos nas redes sociais.
    Sem mais discussões partimos para ações.


quarta-feira, 10 de julho de 2019

A PRIMEIRA FOI FÁCIL

    O número de deputados que votaram a favor da Reforma da Previdência ficou além das expectativas. Foram 379 votos favoráveis num cenário no  qual a previsão era de 330 pros.
    Interessante observar que o presidente permeia seu discurso aqui e acolá com palavras referenciais ao Deus Altíssimo, Criador de tudo o que existe. Foi assim quando referiu-se, hoje, às duas vagas que lhe cabem indicar neste ano para o STF. Diz Jair que um deles será "terrivelmente cristão" e completando com "se o Estado é laico, nós somos cristãos".
    O Salmo 33:12 diz: "Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor." E no Brasil tudo se encaixa no novo governo. Saindo de um descrédito da imprensa e da oposição, livrando-se milagrosamente de um atentado a faca, ganhando a eleição sem fazer campanha; é crível que os acontecimentos atuais em nossa política possuem o Dedo de Deus.
    Quem tem fé em Deus sabe discernir os tempos em que um povo inteiro é ouvido pelo Senhor. Que continue a fé, a oração, o sacrifício, a esperança, a caridade, a concórdia, a paz. Oremos sem cessar, nunca afastemos nosso olhar do mais pobre, que nunca falte a solidariedade.
    O Brasil vai melhorar muito. Tenhamos fé e paciência. Pode levar algum tempo até a locomotiva rodar na bonança. Somos um país rico em recursos naturais, basta um governo honesto e um povo que ajude o país em que vive. Não pode ser um cada um por si. Deve ter união e responsabilidade.
    Nunca me canso em repetir o apóstolo São Paulo em sua carta aos Romanos, capítulo 8 versículo 31:

domingo, 7 de julho de 2019

FOCO NO BRASIL PARA OS BRASILEIROS



OUSADIA INOVADORA

                O avantajado tamanho e a diversidade da economia brasileira – medidos pela quantidade de riqueza que produzimos, num ano, em bens e serviços, o conhecido PIB(Produto Interno Bruto) – colocam o Brasil entre as 10 maiores economias do mundo, variando entre a 7ª e a 9ª posições. Entretanto, esse pibão esconde distorções sócio econômicas, que são melhor enxergadas, quando distribuímos o valor do PIB pela população, expressando o “PIB per capita(PPP)”. É nessa divisão que a nossa gloriosa colocação desaba, na classificação mundial, para uma lamentável posição, que tem oscilado entre o 50º e o 65º lugares, nos últimos anos.

            A coisa piora, ainda mais, se ponderarmos os valores do PPP, por regiões do país. Basta notar, pelos dados do IBGE, que as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, atingem o dobro do PPP da Região Norte e duas vezes e meia o da Região Nordeste! Este é um tristonho “selfie” do Brasil, que quase não mudou, ao longo das últimas décadas, e denuncia os nossos vexatórios desequilíbrios regionais, que contaminam o desenvolvimento do todo nacional.

            Olhando essa triste realidade, ocorrem-me dois velhos ditos da sabedoria popular: “Nada é tão ruim que não possa piorar” e “Em casa que falta pão todos brigam e ninguém tem razão”. Paradoxalmente, nas entrelinhas dessas duas advertências, podemos encontrar o caminho da redenção: No primeiro caso, reverter a situação e, no segundo, buscar o entendimento e a concórdia, para construir soluções.

            A despeito da recente e radical mudança no comando do país, ainda não temos um plano de voo, com objetivo claro e estratégias definidas, para focar os reparos necessários, nem buscamos o entendimento para construir soluções imperiosas.

             Muitos setores da Sociedade, onde residem os que sofrem as consequências, já externam incontida inquietação, diante da demora no enfrentamento de problemas herdados, porém já insuportáveis, que vêm mostrando suas dolorosas realidades, no desemprego e no baixo desempenho da Indústria e dos Serviços, quase marcando números de uma recessão.

            A aprovação da reforma da previdência, em tamanho satisfatório, já parece ser “favas contadas”. A tributária, indispensável para corrigir a parafernália confiscatória e promover o  equilíbrio federativo, logo mais será pautada. São mudanças e melhorias cruciais para as arrumações indispensáveis, e para dar rumo estável à Economia, no médio prazo. Todavia, não dão resultados imediatos, nem animam, de pronto, as atividades produtivas.

            Recordando outros momentos críticos da História, que reclamaram uma intervenção heroica, parece-me necessária uma certa “ousadia inovadora”, para lubrificar e por em marcha a máquina disponível e ociosa. Algo parecido com o New Deal, de Roosevelt, após a quebradeira de 1929; o Plano Marshall, para a reconstrução europeia do após-guerra; os 50 anos, em 5, de JK, para desbravar o Brasil e, mais recentemente, a dinheirama do Tesouro Americano, para salvar o seu sistema bancário da bancarrota de 2008.

            Em favor desse meu pensar extravagante, e por me faltar autoridade acadêmica e filiação a uma boa escola de notáveis, socorro-me das análises do economista e professor Roberto Macedo(UFMG, USP e Harvard) que acaba de diagnosticar o buraco em que estamos metidos e, depois de competentes considerações, recomenda(Artigo no Estadão, em 4/7/19): “a economia está numa situação calamitosa e é preciso financiar o investimento. A política fiscal não comporta estímulos e é necessário recorrer à política monetária”.

            Em linguagem mais palatável, ele quer dizer: “Uma vez que o Tesouro está engessado e sem dinheiro, mobilizem outros meios disponíveis(Banco Central e Sistema Financeiro), mediante um afrouxamento monetário, para criar e estimular investimentos (Infraestrutura, Construção Civil, Saúde, Projetos estruturantes e germinativos, etc.)”.

            O “como fazer” tem muita gente que sabe, apesar de uma porção que não quer. Se houver vontade política, consensos e patriotismo, removerão montanhas. E tem, ainda, as privatizações, as concessões, as participações(PPP) e, até, as nossas exuberantes reservas internacionais(US$ 388 bilhões=R$1,5 trilhão), que poderiam usar, em valores bem dosados, sob o conceito de “reserva para catástrofes ou emergências nacionais”, do FMI. Por fim, não esquecer de cutucar o inexpugnável oligopólio do “quinteto bancário público-privado”, para baixar os desvairados juros, que esfolam os depauperados consumidores brasileiros e as pequenas empresas.


Jaboatão dos Guararapes(PE),6/07/19.


José Aristophanes Pereira

sábado, 6 de julho de 2019

O PAPA DA DIVERGÊNCIA

   São Malaquias que viveu no século XII, numa de suas viagens a Roma, teve uma visão do futuros papas que ocupariam a cátedra de Pedro. Sua previsão sobre o último papa foi:
"Em extrema perseguição à Santa Igreja Romana assentará Pedro, o Romano, o último papa do Deus verdadeiro que apascentará as ovelhas em meio a muitas tribulações, findas as quais Roma será destruída (a cidade das sete colinas) e o Tremendo Juiz julgará seu povo."
    O 3° segredo de Fátima faz referência a dois papas em Roma, situação inédita iniciada em 2013. Francisco prefere ser chamado de bispo de Roma, preferindo o hábito de vestir o branco. Muitos católicos veem em Francisco sinais de avanços precipitados na Igreja. O Sínodo da Amazônia previsto para o mês de outubro está sendo considerado um desafio para a unidade da Igreja. Há muitos cardeais e doutores da Igreja preocupados com o liberalismo de Francisco. Muitos falam em cisma dentro da Igreja: Uma verdadeira, tradicional; outra falsa, comprometida com o ecumenismo religioso, apegada ao mundo e à influência demoníaca.
    Estamos próximos à chegada da última semana a que se referiu o profeta Daniel, nas 70 semanas. Cada semana equivale a 7 anos, sendo a derradeira reservada à grande Tribulação e ao surgimento do Anticristo. O surgimento da Besta do Apocalipse apareceria na metade da semana (na metade dos 7 anos) e duraria exatamente 3 anos e meio, ou 42 meses, ou 1.260 dias. No linguajar do Apocalipse "tempo, dois tempos e metade de um tempo" (tempo = 1 ano). Quem conseguir atravessar esse período sem sucumbir ao poder da Besta, será salvo e receberá a vida eterna.

"Se alguém tem ouvidos, ouça.

Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos.
E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.
E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada.
E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.
E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia.
E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.
E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,
Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.


Apocalipse 13:9-18

sexta-feira, 5 de julho de 2019

MUDANÇAS NA VELOCIDADE DA LUZ

   A ciência se multiplicou de forma geométrica nos últimos decênios. Deus permitiu ao homem neste tempo sem precedentes a faculdade de atingir nível de conhecimento tão avassalador quanto assustador. E o fim de tudo a Palavra de Deus estabelece onde termina conforme expresso no livro de Apocalipse e no Evangelho.
    Com efeito, vivemos tempos  inquietantes. A Bíblia nos revela que a grande tribulação é um tempo que nunca houve antes nem jamais haverá. Coisa de arrepiar.
    Salta aos nossos olhos os avanços tecnológicos impressionantes como a Inteligência Artificial e o advento da tecnologia 5G. No linguajar bíblico apenas estes dois elementos seriam capazes de dar "olho" e fazer a besta falar. Consta no livro sagrado que o homem reverenciará o poder de criação do homem, dizendo "quem é superior à besta?" maravilhada que a humanidade ficará com o seu poder. Aliás, este poder temporário igualmente foi permitido por Deus como forma de teste final para que Deus concretize Seu Plano de Salvação, tão bem sintetizado pelo Nosso Salvador Jesus Cristo:
"Muitos serão os chamados mas poucos os escolhidos!" (Mateus 22:14)