BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

sábado, 31 de março de 2018

DIPLA NA CHAPA UM MAIS UNIÃO É INDICAÇÃO DE SATORU

Grande Samurai Ari Zanella,

Arnaldo Vollet é o melhor quadro que temos dentre as cinco chapas - de longe - e provavelmente, um dos melhores de todo o Banco, incluindo ativos e aposentados.

A DIPLA, desde a reforma estatutária de 1998, deveria ser, por excelência, a Diretoria dos Associados.

Por quê?

Cabe à DIPLA formular a estratégia que as demais diretorias, Dipar, Investinento e Seguridade deverão (ou deveriam) realizar para cumprir com as metas estratégicas da PREVI.

O que vem acontecendo desde a reforma estatutária de 1998?

Por nossa culpa, associados, temos eleito pessoas absolutamente sem preparo para a mais importante Diretoria, a que efetivamente deveria nos representar.

Você, que já participou como Conselheiro Consultivo, sabe comprovadamente que os Diretores indicados pelo Banco são muito melhor preparado que os eleitos.

O que acontece, por causa desse desnível na competência?

Os Diretores do Banco simplesnente envolvem os eleitos que não têm competência técnica de sequer argumentar nas reuniões de diretoria e conselho.

Verdade, ou mentira, Samurai Ari?

E, no caso do DIPLA, nos últimos 20 anos, exceto o Decio Botecchia, que tinha formação na área, os eleitos sequer conseguiam orientar a boa equipe técnica da PREVI, para produzir um planejamento.

Arnaldo Vollet cumprirá esse papel com o foco no associado. 

É PARA ISSO QUE NÓS O COLOCAREMOS LÁ.

Os Diretores do Banco enfrentarão pela primeira vez um "casca grossa", que conhece melhor do que todos eles, o que deve ser feito E EM PROL DOS ASSOCIADOS.

Nobre Samurai Ari, demais Samurais do Grupo maisPREVI maisCASSI, chegou a hora de profissionalizar a gestão dos Diretores e Conselheiros eleitos.

Arnaldo Vollet, foi minha indicação pessoal para a DIPLA que foi ratificada pelos Comitês do Grupo MAIS e MSU.

Satoru

       Diante destas palavras do Samurai Satoru, rendo-me às evidências de que a Chapa 1 é a melhor que está no páreo para concorrer às acirradas eleições deste ano na PREVI. Portanto, vou me "precipitar" mais uma vez, agora em definitivo. Não volto mais atrás. É Mais União na PREVI e ponto final. Fiz o questionamento acima ao nobre Samurai Satoru no grupo de Whatsapp "maisPREVImaisCASSI" sendo dada uma resposta que me convenceu.
       Parece claro que a chapa que veio para nos "roubar" votos seja exatamente a chapa 5 "Futuro se Constrói Agora". Porém, com o novo avivamento entre nós aposentados, cujo percentual mais que dobrou na votação da CASSI, o otimismo cresce proporcionalmente. Ademais, temos o ingresso do contingente de 20.000 pensionistas que ao que tudo indica, muito, muito mesmo, irão nos ajudar.
       E o melhor ainda está por vir. Em 2020, se Deus quiser, e Ele há de querer, iremos disputar a Seguridade. Haja coração! ES, se não for antes com a chapa 1 Mais União na PREVI aos 240 X 240, irá em 2020, com toda a certeza, com o "Arizinho" na Seguridade! Deus seja sempre louvado! Os aposentados acordaram e não tem para ninguém!!!



quarta-feira, 28 de março de 2018

GRANDE VITÓRIA DOS APOSENTADOS

     A estupenda vitória da chapa 4 - Mais União na CASSI, acordou de vez um segmento que nas últimas eleições - quer na PREVI ou CASSI - estava em profunda letargia. Oxalá os ventos da mudança também atinjam a PREVI nas eleições que se avizinham e para a qual almejamos o mesmo empenho de todos.
     A ANAPLAB, apoiadora da chapa vencedora desde as primeiras horas, sente-se muito recompensada, ao tempo em que agradece a todos e a todas que atenderam o nosso chamado para se engajarem na campanha ora vitoriosa. Eis o números finais da apuração:

 Ativos

Chapa 1 -  22.897
Chapa 2 –   9.427
Chapa 3 –   8.958
Chapa 4 – 15.471

Aposentados

Chapa 1 -    7.735
Chapa 2 -    1.885
Chapa 3 –   7.701
Chapa 4 – 21.471

Total de votos

Chapa 1 – 30.632
Chapa 2 – 11.312
Chapa 3 – 16.659
Chapa 4 – 36.942

    A diferença da chapa 4 sobre a chapa 1 (2ª colocada) foi de 6.310 sufrágios.
Parabéns aos vencedores. Agora começa a árdua tarefa da reconstrução da CASSI.
SÉRGIO FARACO, CONSELHEIRO DELIBERATIVO TITULAR ELEITO, EM VISITA A JOINVILLE DURANTE A CAMPANHA.

FARACO NA AABB JOINVILLE LADEADO PELO PRESIDENTE DA ANAPLAB ARI ZANELLA E POR IVO RITZMANN E NELSON NEITSCH (AFABBJ)

terça-feira, 27 de março de 2018

CASSI - ÚLTIMO DIA DE VOTAÇÃO!

De acordo com o estabelecido no Edital de Convocação das Eleições CASSI 2018 e no artigo 8º do Regulamento de Consulta ao Corpo Social da CASSI, divulgamos abaixo a quantidade de associados que já registraram seus votos até as 18h02 do dia 27/3/2018.


UF
ATIVOS
APOSENTADOS
Público-alvo
Votaram
%
Público-alvo
Votaram
%
AC
316
251
79,43%
87
30
34,48%
AL
822
627
76,28%
910
386
42,42%
AM
620
488
78,71%
394
204
51,78%
AP
256
202
78,91%
54
29
53,70%
BA
4555
3378
74,16%
4395
1976
44,96%
CE
2329
1789
76,81%
2810
1084
38,58%
DF
11837
8841
74,69%
7476
2880
38,52%
ES
1318
1018
77,24%
1537
705
45,87%
GO
2424
1862
76,82%
2381
1111
46,66%
MA
1642
1250
76,13%
908
421
46,37%
MG
9156
6777
74,02%
8655
3974
45,92%
MS
1197
855
71,43%
1093
468
42,82%
MT
1642
1182
71,99%
710
311
43,80%
PA
1712
1326
77,45%
979
442
45,15%
PB
1282
1023
79,80%
1417
670
47,28%
PE
2907
2194
75,47%
2540
1136
44,72%
PI
1025
803
78,34%
978
484
49,49%
PR
7818
5961
76,25%
5343
2512
47,01%
RJ
6881
4740
68,89%
9998
3873
38,74%
RN
1331
1012
76,03%
1236
538
43,53%
RO
669
498
74,44%
184
76
41,30%
RR
198
145
73,23%
50
25
50,00%
RS
5021
3592
71,54%
7477
3355
44,87%
SC
2654
1787
67,33%
3846
1818
47,27%
SE
638
462
72,41%
901
417
46,28%
SP
18762
13388
71,36%
14813
7061
47,67%
TO
665
477
71,73%
244
126
51,64%
EX
48
30
62,50%
N/A
N/A
N/A
Total
89725
65958
73,51%
81416
36112
44,35%
VOTE NO ÚLTIMO DIA MAS NÃO DEIXE DE VOTAR!
O BLOG ARI ZANELLA APOIA  A CHAPA QUATRO. 

FONTE DOS DADOS ACIMA (TABELA): SITE DA CASSI

sábado, 24 de março de 2018

O PENTÁGONO BANCÁRIO

ABRINDO A CAIXA PRETA DO PENTÁGONO BANCÁRIO

José Aristophanes Pereira

              Dias atrás, o Prof. Zanella deu destaque, como postagem do blog, ao meu artigo O BANCO DO BRASIL É INVENDAVEL. Tratei – até de forma um tanto alongada, mas não exaustiva – de um tema antigo, recorrente e atual, relacionado com a hipótese de privatização do Banco do Brasil. Recordei, também, ajuizamentos que externo, há mais de 50 anos, sobre distorções graves que existem no sistema financeiro nacional, desde a Leis 4.595/64 e 4.728/65. A matéria que se acumulou nessa cinquentenária trajetória é vasta, hermética e dissimulada, verdadeira “Caixa Preta”.
              Retiro, do meu artigo, o trecho que interessa, para compatibilizar com esse meu retorno ao assunto, quando disse:

Em nosso país, onde são severas as desigualdades econômicas, sociais e regionais, se desenvolveu, paradoxalmente, um dos sistemas bancários mais modernos do mundo, de alta eficiência operacional, seguro e de elevada lucratividade, porem estruturado sobre distorções, ainda sem soluções satisfatórias. 
 Uma das mais graves distorções, o oligopólio, que estimula a cartelização, alcança, aqui, sua expressão máxima, vez que apenas 5 bancos(BB-CEF-Itau-Bradesco e Santander), todos sediadas no Sudeste, controlam  mais de 80% do mercado! Essa desastrada deformação reclama ações de controle e monitoramento permanentes, por parte da Sociedade, porquanto banco é tão básico para a satisfação de suas necessidades que não pode ser liberado de cuidadosa regulamentação e controle.

              Pois bem, com alguma surpresa e modesto gostinho de reconhecimento, venho observando, nos últimos tempos – em meio ao realce provocado pela queda consistente da inflação e pela sensível redução da taxa básica de juros –  que a questão da “concentração bancária” está ganhando corpo e indo para a berlinda. Ainda não se fala, abertamente, em oligopólio e cartel, mas têm sido frequentes as manifestações que analisam e criticam o desempenho do nosso “pentágono bancário”, com lucros excepcionais, o silencioso filão das tarifas, os juros estratosféricos e outras ganâncias.
              Com efeito, em recente matéria(21/3/18) intitulada Crise coloca sob holofotes poder de mercado dos bancos, os jornalistas Talita Moreira e Fernando Torres, do Valor Econômico, com criteriosa riqueza de evidências e testemunhos, mostram as distorções do nosso concentrado clube dos 5 grandes bancos e, discretamente, citam fontes de preocupações, no meio de analistas especializados.
              Para engrossar essa onda de denúncias, como que não mais suportando as extravagâncias do “Clube  dos 5” – qual Davíd, enfrentando o gigante – o pequeno e afoito NuBank, filho da modernidade tecnológica, reclama, perante o CADE que está  havendo conluio entre os bancos para atrapalhar as suas atividades e negócios. Por isso, acrescenta o noticiário, “A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu abrir um inquérito para investigar os bancos Itaú, Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Bradesco, com base na denúncia feita pelo Nubank de que os bancos estariam prejudicando a concorrência livre no mercado...”
              Finalmente, pinta-se um quadro alvissareiro, não contra a atividade bancária, porém delineando a necessidade de botar um pouco de equilíbrio de forças no Sistema, para melhor distribuição de ganhos.
              Foi compreensível a cuidadosa e competente ação e intervenções do Banco Central do Brasil, para, em momentos críticos, sanear, proteger e fortalecer o nosso sistema bancário. Infelizmente, como nada é perfeito, deixou uma porta aberta para a distorção que vem ocasionando sensível abuso, prejudicial a outros importantes setores da produção e do consumo. É, assim, oportuno e meritório o acordo, recentemente celebrado, entre o BCB e o CADE, para ações combinadas, em processos de fusão, aquisições e concorrência. Antes tarde do que nunca!
              Nisso tudo, acho estranha a linha de conduta dos bancos públicos – notadamente o Banco do Brasil – que, em vez de exercerem o papel de poder moderador, aconchegam-se no mesmo barco ganancioso dos bancos privados.
              Seria absurdo aconselhá-los à prática de operações, com perdas deliberadas e fora dos padrões de resultados naturalmente positivos. Entretanto, a sua função pública só se justificará se não se igualarem à banda privada.
Janga,Paulista, 23/3/18

O AMIGO JOSÉ ARISTOPHANES PEREIRA, LAUREADO EX-DIRETOR DO BANCO DO BRASIL, TOTAL LUCIDEZ AOS 87 ANOS DE IDADE. OBRIGADO AO ETERNO DIRETOR POR DISTINGUIR-ME NAS PUBLICAÇÕES SEMPRE CAMPEÃS DE AUDIÊNCIA.

sexta-feira, 23 de março de 2018

APOSENTADOS PASSAM DA METADE DA VOTAÇÃO DOS ATIVOS

    Placar deste dia 23 de março aponta para um crescimento na votação dos aposentados, 35,64% na média por estado da federação; contra 66,39% dos ativos. Aposentados estão de parabéns pelo comparecimento. Este procedimento pode desequilibrar o pleito a favor da chapa quatro, nada obstante, haja temor de que a chapa três possa estar sufragando votos que desembocariam na quatro. Quarta-feira termina a votação.

De acordo com o estabelecido no Edital de Convocação das Eleições CASSI 2018 e no artigo 8º do Regulamento de Consulta ao Corpo Social da CASSI, divulgamos abaixo a quantidade de associados que já registraram seus votos até as 18h do dia 23/3/2018.


UF
ATIVOS
APOSENTADOS
Público-alvo
Votaram
%
Público-alvo
Votaram
%
AC
316
220
69,62%
87
20
22,99%
AL
822
564
68,61%
910
307
33,74%
AM
620
439
70,81%
394
175
44,42%
AP
256
188
73,44%
54
25
46,30%
BA
4555
3037
66,67%
4395
1615
36,75%
CE
2329
1619
69,51%
2810
875
31,14%
DF
11837
8009
67,66%
7476
2289
30,62%
ES
1318
942
71,47%
1537
519
33,77%
GO
2424
1709
70,50%
2381
895
37,59%
MA
1642
1126
68,57%
908
328
36,12%
MG
9156
6095
66,57%
8655
3190
36,86%
MS
1197
765
63,91%
1093
369
33,76%
MT
1642
1056
64,31%
710
234
32,96%
PA
1712
1209
70,62%
979
372
38,00%
PB
1282
945
73,71%
1417
544
38,39%
PE
2907
2004
68,94%
2540
951
37,44%
PI
1025
730
71,22%
978
406
41,51%
PR
7818
5412
69,22%
5343
1999
37,41%
RJ
6881
4238
61,59%
9998
3139
31,40%
RN
1331
933
70,10%
1236
434
35,11%
RO
669
452
67,56%
184
64
34,78%
RR
198
133
67,17%
50
24
48,00%
RS
5021
3193
63,59%
7477
2624
35,09%
SC
2654
1590
59,91%
3846
1449
37,68%
SE
638
414
64,89%
901
331
36,74%
SP
18762
12093
64,45%
14813
5726
38,66%
TO
665
432
64,96%
244
110
45,08%
EX
48
25
52,08%
N/A
N/A
N/A
Total
89725
59572
66,39%
81416
29014
35,64%
MAIS CINCO DIAS DE VOTAÇÃO PARA CONSOLIDAR A CHAPA 4. A META É ATINGIR 50% NA VOTAÇÃO DOS APOSENTADOS. SERÁ QUE VAMOS CONSEGUIR ESTE FEITO???