domingo, 11 de outubro de 2020

CARTA AO PRESIDENTE DO BB (Por Edison de Bem e Silva)

 Ao Sr.
André Guilherme Brandão
Presidente do Banco do Brasil.

Sr. Presidente,

Inicialmente desejo ao senhor e sua Diretoria gestão profícua, de acordo com a grandeza e importância do nosso Banco do Brasil para o setor produtivo nacional.
Nossa Casa que, por infeliz e inexplicável escolha pessoal do Paulo Guedes, teve o desprazer de contar, graças a Deus por pouco tempo, com a temerária gestão de um cidadão chamado Rubem de Freitas Novaes, merece notícia boa.
O Sr. Rubem já chegou em Brasília aposentado, reclamando da cidade, de tudo e de todos,  menosprezando o quadro de funcionários do Banco do Brasil, ao anunciar que traria para sua Diretoria pessoas do mercado, que sabiam trabalhar.
Dizendo-se "algemado" para agirr, pelas limitações de banco público, coisa que nenhum dos nossos grandes presidentes lamentou, e fazendo pouco caso dos salários pagos.
Com isso, de pronto ganhou antipatia da grande massa que compõe o conglomerado Banco do Brasil,  incluindo-se nesse apreciável universo de pessoas vinculadas, os aposentados e pensionistas.
Agravou sua situação de rejeição junto à família BB, quando escancarou para a sociedade, na posse, sua missão principal, enfraquecer o Gigante, para preparar sua privatização, como determinado por Paulo Guedes.
Vale salientar que esse "reles" e obscuro cidadão, retirado das "trevas" do desemprego por seu amigo Paulo Guedes, estava a proclamar, para quem quisesse ouvir, que atuava na contramão das diretrizes estabelecidas pelo Presidente da República, que nunca admitiu a privatização do Banco do Brasil na sua gestão.
Escapou de levar "cartão vermelho" antes mesmo de começar o jogo.
Queremos esquecer esse infeliz período, que embora breve, nos causou alguns prejuízos, especialmente a perda de espaços para a Caixa Econômica Federal, cujo Presidente, está sempre a "tiracolo" do Presidente da República, procurando "atender todos seus desejos".
O Presidente Bolsonaro, declarou, há poucos dias, que Pedro Guimarães é o "exterminador de bancos", pelas baixas taxas praticadas pela Caixa, medida que obrigaria as demais instituições financeiras a acompanhar, sob pena de perda em massa da clientela mais atenta.
Na Amazônia, a Caixa atende, através de agência/barco, regiões isoladas, sem acesso a postos fixos, que o Presidente Bolsonaro visitou recentemente, a convite do "Pedrinho".
Dia desses, não lembro a localidade visitada por Bolsonaro, moradores pediram a instalação de AGÊNCIA DO BANCO DO BRASIL, talvez pelo perfil e experiência em crédito ao pequeno produtor. Imediatamente, Pedro Guimarães, que estava, como sempre, "grudado" no Presidente, prometeu retornar ao local, na próxima semana, para estudar a implantação de Posto da Caixa.
Presidente Brandão,  todo este espaço hoje ocupado pela Caixa era nosso.
Os mais antigos não deixam de lembrar que o Banco do Brasil estava sempre presente nos pontos mais distantes desse País, seja através dos Postos Avançados de Crédito Rural,  Caixas Avançados ou Agências.
Nas pequenas localidades, os funcionários do Banco do Brasil faziam às vezes de agentes comunitários e professores em escolas carentes, cumpriam missão muito além das atividades bancárias. Através dos fiscais da CREAI ou SETOP, visitavam os produtores em seus  empreendimentos, para orientar e verificar a correta aplicação dos capitais emprestados, por mais distantes que estivessem, passando, às vezes, dias sem retornar às bases, suas agências.
Depois o Banco criou o segmento técnico, com especialização em agronomia e pecuária,  para reforçar apoio aos empreendimentos rurais por nós financiados.
Conseguimos ser líderes em contratações de crédito rural, continuar apresentado lucro e,  ao mesmo tempo, cumprindo agenda social, como bem cabe ao Banco público.
Sempre servimos, com atenção e agilidade, órgãos governamentais, como Receita Federal, EMBRAPA, Quartéis e Justiça Federal, com postos de Serviço ou terminais de caixa próprios e exclusivos. Às  comunidades sempre oferecemos, nos principais pontos de movimento, terminais de saque, pagamentos, saldos e transferências.
Agora, encolheram o BB. Nossos terminais não existem mais. Compartilhamos, com outros bancos, terminais  com parcos recursos de serviços, filas enormes, não raro sem dinheiro para saque.
Pretendem alienar, por exemplo, nossa seguradora, segmento altamente rentável e outras subsidiárias do mesmo nível, enfraquecendo, dessa forma e aos poucos, a estrutura do Gigante, para transformá -lo em banco comum, despido das ações para as quais foi criado.
Paulo Guedes, em sua fúria de privatizar esquece o valor que o Banco do Brasil pode ter, como sempre teve, como instrumento de Governo, com tentáculos de muito mais alcance do que qualquer outra instituição financeira no País.  Basta saber e querer usar.
Não estamos aqui a pleitear retrocessos, como a primeira vista parece, apenas focamos as diversas formas que eram usadas para exercer,  liderança, permanecer lucrativo e servir a comunidade.
Basta que reinventemos fórmulas modernas e ágeis, para fazer o que fazíamos, mas com maior aproveitamento.
E, para concluir, resta-nos rogar por atenção especial do senhor, caro presidente, no sentido de buscar apoio do funcionalismo de ponta, das agências, desmotivado e temeroso, dando-lhes injeção de ânimo e ouvindo seus clamores, para que a máquina volte a funcionar. É lá que fluem os negócios, e surgem as grandes idéias, mas que em nosso modo de ver está relegado a plano secundário,  temerosos de cortes em cargos, comissões e/ou transferência indesejadas.
O comandante não marcha sozinho.
Meu abraço e SUCESSO.

EDISON DE BEM E SILVA
APOSENTADO.
Pelotas (RS)                                  10.10.2020

5 comentários:

Blog do Ed disse...

Magnífico, do Bem é ótimo.
Edgardo Amorim Rego

Aristophanes disse...

Soube, ontem, dessa carta, por envio atencioso do buliçoso colega Freitas. Pode parecer que o colega EDSON DE BEM alimenta recordações e saudosismos de um passado incompatível com os novos tempos. Não entendo assim. É um sentido reparo ao descaso que se vinha dando “á porra do Banco do Brasil” , e um aconselhamento realista ao que se deve inovar, para mover e executar ações competentes, objetivando o aproveitamento de tão produtiva e indispensável máquina bancária.
O Brasil é composto de muitos brasis, e por entende-lo assim, com carências distintas, linguagens distintas, reclamos distintos, é que o banco “desse Brasil diversificado” se justificou, como seu apropriado, versátil e eficiente instrumento de construção dos projetos nacionais. E repito: O Banco do Brasil só se justifica como entidade estatal se preservar e fortalecer suas ações coadjuvantes do interesse público, integrando tripé BB-CEF-BNDES.

Miro disse...

As evidências são irrefutáveis: estamos na bitola da privatização. Estão fortalecendo CEF, protagonizando-a nas ações por conta da pandemia e com ampla publicidade. Raramente citam o BB, para que perca a sua relevância junto a opinião pública.

Miro disse...

Sentimentalismos não sensibilizam os chicago boys ultraliberais - vejam o caos social que assola o Chile - Está na hora de se colocar em foco as indagações quanto ao destino da PREVI e da CASSI, caso o BB seja privatizado. Garanto que a equipe econômica, proativa e calculista, já tem soluções palatáveis aos capitalistas de plantão. Cuidado com lobos em pele de cordeiro.

Gilberto disse...

Aguardemos a resposta e as ações.