sexta-feira, 15 de maio de 2020

A EXPLICAÇÃO DA PREVI: "VAI PASSAR"

Notícias

14/05/2020

Resiliência para enfrentar a crise

Previ está preparada para enfrentar a queda dos mercados causada pela pandemia de Covid-19

Estamos vivendo a maior crise do último século. Não apenas econômica, mas também de saúde – a pandemia de Covid-19 continua a atingir países por todo o mundo, assim como as suas consequências. Até o dia 13/5/2020, são mais de 188 mil casos da doença no Brasil, com 13.149 mortes. No mundo são 4,17 milhões de casos, com mais de 287 mil mortes.    
Em uma conjuntura tão difícil, os indicadores financeiros caíram drasticamente. O segmento mais impactado é o da renda variável. O Ibovespa caiu 36,86% no primeiro trimestre – só no mês de março, o recuo foi de 29,90%. O reflexo desses números nos planos de benefícios da Previ é inevitável. O resultado acumulado do primeiro trimestre de 2020 é negativo em 12,39% no Plano 1, com um déficit de R$ 23,59 bilhões, e de 12,14% no Previ Futuro. 
Diante de um cenário de incerteza, é normal ter dúvidas. O presidente da Previ José Maurício Pereira Coelho fez um vídeo respondendo aos principais questionamentos dos associados:
Nos momentos desafiadores, é importante lembrar que os investimentos da Previ são sólidos, compostos por empresas da economia real, de setores produtivos e que investem vultosos recursos em seus negócios. Os números comprovam a resiliência dos nossos ativos, mesmo em um cenário tão negativo. Ao compararmos o desempenho dos fundos da Previ com outros do mercado, estamos perdendo menos – o que é um efeito da qualidade dos investimentos e da diversificação da carteira. 
Dados apurados pelo sistema da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostram que os fundos de ações do mercado tiveram, em média, um desempenho negativo de 33,41%. O segmento de renda variável do Plano 1 recuou bem menos: 25,98%. No Previ Futuro, ao compararmos a rentabilidade do Perfil Agressivo (que tem de 40% a 60% dos seus ativos alocados em renda variável) com a média de perfis semelhantes em outras entidades de previdência, a diferença também é considerável: o desempenho no mercado foi negativo em 25,83% e o do perfil da Previ foi em 20,01%. Confira os dados completos do Plano 1 e do Previ Futuro no boletim de março:
Numa situação adversa tão brutal como a que estamos presenciando, ter investimentos com rentabilidades que recuam menos que as do mercado são um sinal importante de resiliência das carteiras de ativos. Não à toa, já superamos diversas crises em nossos 116 anos de história – inclusive algumas relativamente recentes, como a de 2015, quando o país vivia uma recessão e o Plano 1 teve um déficit conjuntural de R$ 16,14 bilhões. A rentabilidade dos anos seguintes foi positiva até a reversão completa do quadro em 2018, quando o Plano 1 teve um resultado superavitário de R$ 6,52 bilhões no fechamento do ano. 
Com uma governança fortalecida, a Previ está preparada para enfrentar esta fase turbulenta. A Entidade tem uma excelente liquidez de curto prazo, o que garante recursos suficientes em investimentos que podem ser convertidos facilmente em caixa para o cumprimento da missão, de pagar benefícios a todos nós, associados, de forma eficiente, segura e sustentável. E o melhor: a liquidez da Previ garante a capacidade de continuar a pagar aposentadorias sem necessidade de vender os investimentos em condições desfavoráveis. Isso proporciona tranquilidade para esperar pela recuperação do valor das ações.  
Mesmo com o choque intenso no curto prazo os mercados vão se recuperar, ainda que lentamente. Continuamos a monitorar constantemente o cenário e os investimentos, durante a crise ainda mais do que em condições normais. Dessa forma, além de ser possível acompanhar o eventual impacto nas diferentes categorias de ativos, também podemos identificar e avaliar possíveis oportunidades que surjam. A crise, como tantas outras que já enfrentamos, vai passar. E, quando ela passar, a Previ continuará sólida e pagando benefícios, como fez durante toda a sua história.


 "A crise, como tantas outras que já enfrentamos, vai passar. E, quando ela passar, a Previ continuará sólida e pagando benefícios, como fez durante toda a sua história."

17 comentários:

Miro disse...

Resiliência
substantivo feminino Propriedade dos corpos que voltam à sua forma original, depois de terem sofrido deformação ou choque. [Figurado] Capacidade de quem se adapta às intempéries, às alterações ou aos infortúnios.

Unknown disse...

"Resiliência"

É o que a ESQUERDA e CENTRO-ESQUERDA Comunista não tem.

O POVO elegeu o Caçador de Vampiros, contra todos os Bandidos infiltrados na mídia, no CN, no STF.

MAS como condenar 200.000 que mamavam em "cargos comissionados", 7.000* ONGs?

Resiliência também falta na NOVA ESQUERDA OCIDENTAL que contaminou os Palácios da U.E.

(*) serpa que eu também sou dono de uma ONG e não sei?

sss disse...

A esquerda é igual língua, está integralmente nas bocas. Principalmente dos que odeiam com facilidade. Jesus!!!

Cadé disse...

Gente! A mensagem do presidente da PREVI é muito importante. Acredito que o mais importante agora é união. Tudo aquilo que não for para unir deve ser descartado e não divulgado. O momento que vivemos é cercado de incerteza. O futuro, antes da pandemia, era muito melhor do que o futuro que se projeta hoje. Aos colegas, hoje aposentados dos serviços bancários como eu, recordo o sufoco que todos nós enfrentamos no final dos anos 80. Vencemos por que ficamos unidos. Vamos nos unir. Juntos somos mais. Os ativos da previ são atingidos por tudo que acontece com a nossa economia. Mas, vamos vencer. O momento é de união, oração e confiança em nosso Criador. Acredito que já estamos perto do fim desta crise. Vamos vencer. Deus fique conosco, hoje e sempre, ele prometeu e vai nos proteger e nos salvar.
professor cadé.

Bolsoasno disse...

A esquerda não existe!Um retrocesso total!São fanáticos defensores do Comunismo, do gayzismo, feminismo e aborto!

Aristophanes disse...

Cadé e colegas.
É bom e necessário proclamar essa mensagem de UNIÃO E SOLIDARIEDADE, e não animar questões menores e extemporâneas. Modestamente, é o que tenho pregado há bastante tempo. O momento crítico é bem maior do que nossos vexames pessoais. Dia 14, associei-me, no facebook, ao notável artigo de advertência do general vice-presidente Hamilton Mourão, sob o título LIMITES E RESPONSABIIDADES, que pode ser acessado no link: https://digital.estadao.com.br/@jaripe31@gmail.com/csb_YpFnkkIOtHD8UV6nGAAz6bhp27l2iAntVPyLb_h84orL7Zd4nm1XJp16lb81K45p

Infelizmente, todo dia, o capitão, que nos enganou, dá mais um passo para o precipício. Vai parar, ou vamos cair?!

Trader anônimo disse...

A EXPLICAÇÃO DA PREVI: "VAI PASSAR"


- Believe it or not! (Acredite se quiser)

Juarez Barbosa disse...

O QUE QUEREM DE FATO OS QUE PEDEM A SAÍDA DE BOLSONARO

Que Bolsonaro caia logo e não deixem Mourão assumir.
Façam novas eleições, burlem as urnas e deem logo a vitória para Ciro, Haddad, Moro, Doria, ou qualquer outro vigarista.
Assim o Brasil volta a ser o que era e a imprensa para de encher o saco.
Assim os idiotas se calam e voltam a postar nas redes sociais, apenas suas opiniões sobre futebol, novelas, BBB e música ruim.
Que o novo presidente não dê entrevistas diárias, não se importe com a opinião da população e continue o legado de FHC, Lula e Dilma. Pode acreditar que o Brasil suporta.
Que voltem logo os escândalos de corrupção permitida, assim como a grande farra dos cartões corporativos.
Que amigos e afilhados políticos, sem NENHUMA qualidade técnica, invadam os altos cargos de estatais e que volte assim a reinar mensalões, petrolões e tudo que a mídia aprova e o povo descolado finge que não existe, afinal assim fica tudo bem.
E se acabar o dinheiro???? Oras, é só mandar imprimir mais.
Não tem risco algum de inflação, pois Amoedo, especulador financeiro, e possível ministro, garante isso.
Para que reduzir o número de homicídios e criminalidade? Vamos voltar à liderança do horror. Ninguém se importa e o STF fica feliz.
Japão, Israel e EUA são capitalistas cruéis e não merecem nossa confiança. Vamos apoiar a China, nossa grande parceira, e voltar a injetar dinheiro público em toda e qualquer ditadura de republiquetas.
Vamos encher de dinheiro as ONGs e os bolsos de artistas da MPB, que assim voltam a compor suas merdas super valorizadas e manter suas viagens pelo mundo às custas do dinheiro público. O Instagram precisa dessas imagens.
Quanto às TVs e jornais, especialmente Globo, o novo presidente tem de gastar em publicidade os bilhões da Saúde, para assim manter os altos salários de apresentadores que fingem se importar com o estúpido povo que acredita neles.
Acabou o dinheiro? Amoedo garante, eu já disse: é só imprimir mais. Vamos deixar a mídia feliz e amiga de nosso novo presidente.
O MST precisa voltar a invadir terras sem intervenção da polícia, assim como os sindicatos necessitam cobrar parcelas mensais do trabalhador para financiar o luxo de seus dirigentes. Parem de incomodá-los.
O BNDES tem de voltar a emprestar dinheiro para países "amigos" e empresas "bacanas", sem cobrar juros e sem nenhuma garantia de pagamento.
Dinheiro não falta, mas se acabar, já sabem: é só imprimir mais e mais e mais...
Precisamos voltar a ter 29 ministérios, cada um dedicado a um partido, para que escolham seus ministros tranquilamente.
A polícia precisa de novos comandos para que a apreensão de drogas diminua, assim como a repressão ao crime, pois precisamos de paz, não de guerras contra facções.
O possível e hipotético futuro Ministro da Justiça e Segurança Pública, Freixo, garante que esse é o caminho.
O novo presidente precisa saber "dialogar" com Senado e Congresso, não negando nenhum benefício a esse grupo de nobres trabalhadores que só querem o bem do Brasil. Merecem aumento de salário, aumento de assessores, vantagens, auxílios, não devemos barrá-los, pois estão lutando pelo Brasil.
Se acabar o dinheiro, é só imprimir, poxa!
Quanto à educação, essa não precisa de nada. É só manter os reitores do PSOL, a UNE do PCdoB e o sagrado método Paulo Freire. E também ensinar mesmo sobre ideologia de gênero para que nossas crianças cresçam sabendo que podem mudar de sexo a hora que desejarem. E mais: nossos últimos lugares no ranking mundial de educação devem ser mantidos.
Ahhhh, que futuro grandioso!!!
Que venha Ciro, Haddad, Moro, Doria, ou qualquer outro vigarista, pois o Brasil precisa voltar a ser Brasil.

Miro disse...

Muito bom! Não podemos esquecer...são especialistas em lavagem cerebral!

Juarez Barbosa disse...

Prezado Ari,

Apenas para constar que o comentário acima é um texto recebido de amiga e de autor desconhecido, mas que concordo plenamente com as consequências da eventual queda de Bolsonaro (não votei nele).

Um fraterno abraço.

sss disse...

Sr. Trader anônimo, acredito mais na previ do no senhor.

Juarez Barbosa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog do Ed disse...

Juarez
Esse texto é do Alexandre Garcia. Muito bom.
Edgardo

Trader anônimo disse...

SS. 17/05/2020 21:37

A escolha é sua. Entretanto, tenha em mente o que fala a literatura técnica:

As principais dificuldades no tocante à administração dos fundos de pensão relacionam-se à separação entre propriedade e gestão, assimetria de informação e divergência de objetivos entre o principal* e o agente**, tendo como conseqüência os chamados “problemas de agência”. (21)

* proprietários FORMAIS da poupança concentrada coletiva (“pFdpcc”)
** proprietários MATERIAIS da poupança concentrada coletiva (“pMdpcc”)



(21)O sistema de previdência privado no país e impacto das práticas de governança corporativa : O papel dos fundos de pensão / Joaquim Rubens Fontes Filho;   Trabalho selecionado para o 24º Encontro Anual da ANPAD – Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Florianópolis (SC), setembro/2000

sss disse...

Professor Ari, pude perceber que um comentário que fiz não foi postado. Algo nele que contrariou as normas desse blog?
Obrigado.

Unknown disse...

Ja postei mensagens contra bolsonaro d nao foram postadas

Unknown disse...

"... Ahhhh, que futuro grandioso!!!
Que venha Ciro, Haddad, Moro, Doria, ou qualquer outro vigarista, pois o Brasil precisa voltar a ser Brasil.
17/05/2020 20:56"

Palmas, palmas, palmas.

Para agradar os "ssuper contrariados" com postagens congeladas, vou corrigir seu texto:

"o Brasil* precisa voltar a ser **bRASIL."

(*) o Brasil de HOJE;
(**) o bRASIL de de ONTEM, da Grande Pátria "doutrinadora".

Juarez, depois dessa postagem FALTA NENHUMA fará opiniões diferentes.
- enviem ao STF, CN e Globo. Estes precisam de consolo.