quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

ALEA JACTA EST!


Aristophanes Pereira






O INOVADOR ES-CAPEC
Aristophanes Pereira
       Já bastante rodado, estou acostumado com guerras, revoluções, golpes, emendas constitucionais e infraconstitucionais, avanços tecnológicos, reformas e tantas outras inovações que distraem, motivam e preenchem as necessidades dos humanos, no plano secular. No plano religioso, não opino.      
       Considero-me curioso, buliçoso e persistente diante dos obstáculos. Sempre mexi no que estava fechado e empurrei o que estava parado. Ganhei muitas vezes, e “quebrei a cara” em outras tentativas, mas o saldo foi gratificante e positivo. Só pra falar do BB, ainda “precário”, pedi transferência, de Campina Grande-PB pra Direção Geral, no Rio de Janeiro(1956), objetivando retomar meus estudos. Muitas vezes alterei a CIC, como “parecerista”. Explorei outros mundos fora do Banco, e aprendi que existia “vida inteligente”, além de minha Casa. Voltei como Diretor da Região Nordeste(DINOR), a “minha praia”. Com uma histórica e revolucionária Carta-Circular GENOR/GERAN, montada pelas equipes de Danilo e Amilcar,(*) mudamos parâmetros e protocolos, para alavancar negócios e elevar as aplicações, conforme as peculiaridades das respectivas regiões Nordeste e Norte
       Não estou escrevendo biografia, nem fazendo promoção. Quero, apenas, frisar o poder da mobilidade, da evolução e das descobertas. Aliás, muita coisa está mudando, no mundo e em nosso país. E com velocidade. São novos ambientes, novas necessidades e novas ofertas.
       Na segmento da moeda e do crédito, com suas ramificações, são sensíveis as transformações. Circulam moedas virtuais. Os bancos físicos estão encolhendo. Os diálogos pessoais foram substituídos pelos contatos com robôs inteligentes(IA). Os procedimentos de compra e venda são feitos por aplicativos e as fintechs avançam sobre os bancões, que procuram se reinventar. Outro dia, um motorista de aplicativo me informou que as locadoras de automóveis, agora, “vendem” carros “zero”, sob a modalidade disfarçada de uma locação a longo prazo.
       Tudo isso decorre, em grande parte, de um novo ambiente econômico liberal em nosso país. Juros básicos(SELIC) caíram vertiginosamente, de 14,25%a.a. para 4,25%, contra uma inflação bem comportada, que fechou 2019 em 4,31%. Uma situação inimaginável para os nossos hábitos e cultura monetária. Isso começa a desmontar arraigadas e perniciosas estruturas, apontando novos caminhos.
**********
       Esses ajuizamentos mexeram com a minha imaginação, quando vi o Professor Zanella retomar o fôlego, para tratar, na postagem CONSIGNADO DO INSS E O EMPRÉSTIMO SIMPLES, de um assunto recorrente e que interessa de perto a grande parcela de nossa comunidade: O controvertido EMPRÉSTIMO SIMPLES.
       Por motivos vários e controversos essa modalidade de empréstimo consignado, no que respeita ao nosso Plano-1, está travado, vez que:
  • O valor máximo de concessão parou no teto nominal de R$170 mil, sem aumentos reais, há alguns anos.
  • A Margem Consignável de 30%, se excedida, inibe a tomada de valores  eventualmente disponíveis.
  • O prazo de pagamento, máximo de 120 prestações e mínimo de 36, está escalonado em função da idade do tomador, decrescente e discriminatória a partir de 77 anos.
  • O Fundo de quitação por morte(FQM) acompanha a idade do tomador, penalizando, progressivamente, os mais idosos.

       Essas condicionantes do ES estão entrelaçadas. Se uma é satisfeita outra pode impedir a tomada do empréstimo. A Previ, na sua avaliação conservadora, parece não querer mexer nessa “pilha de latas”, o que não é rigorosamente censurável, por razoes que não vamos, aqui, avaliar. Ademais, acha que dá um conforto, mediante  a engenhosa divisão do ES-rotativo, nas modalidades A-B-C-D, abrindo possibilidades periódicas de renovação, de 6 em 6 meses, para cada modalidade. Um quebra-galho, para atender necessidades, em renovações oneradas pelo IOF e Taxa de Administração. 
       Diante desse quadro de quase paralisia do ES e subutilização do produto, na grade de aplicações(OPERAÇOES COM PARTICIPANTES) da Previ, ocorreu-me fazer uma sugestão pouco ortodoxa, mas séria e viável: O ES-CAPEC, conforme delineio a seguir,  em linhas gerais.

  1. O contratante de pecúlio junto à CAPEC poderá estipular, em benefício da Previ, ou de entidade que ela nomear, até 50%(cinquenta por cento) do somatório dos pecúlios por ele mantidos, nas modalidades do Plano Morte.
    1. Essa estipulação só poderá ser exercida se o pecúlio vinculado tiver sido contratado há, pelo menos, 24 meses da opção da dação em garantia.
    2. Não será permitido o cancelamento do pecúlio contratado junto á CAPEC, enquanto vigorar o vínculo da respectiva dação em garantia, salvo permissão decidida pela Previ, como couber.     
  2. O valor estipulado, na forma acima facultada, será destinado, exclusivamente, à garantia de pagamento, em quitação por morte, de empréstimo que venha a ser concedido pela Previ ao contratante do pecúlio CAPEC, na modalidade Empréstimo Garantido CAPEC, respeitadas as seguintes condições especiais:
  1. Limite de Crédito:  Até 90%(noventa por cento) do valor oferecido em garantia, com base no estipulado no item 1.
  2. Prazo: Até 60(sessenta) meses.
  3. Carência: Até 3(três) meses.
  4. Juros: Mínimo aplicável, na forma facultada pelo BCB.
  5. Taxa de administração: Fixa de R$100,00
  6. Impostos: IOF
  7. Outras condições: 
    1. O aproveitamento da garantia, em caso de morte do mutuário, será proporcional ao saldo devedor, por ocasião do evento.
    2. O valor da prestação não compromete a Margem Consignável, à semelhança do que ocorre com o ES-13º
    3. Outras condições, à semelhança do ES-rotativo Plano1.

********
       Não há o que refutar, no caso de insatisfação dos colegas, relativamente à sugestão. O ES-CAPEC proposto seria, obviamente, OPCIONAL, e a dação em garantia não usurpa direitos, pois a estipulação, qualitativa e quantitativa, de beneficiários é decisão exclusiva do contratante do seguro, em qualquer tempo.
       Quanto ao acatamento pela Previ é imprevisível, mas se houver vontade política ela própria encontrará o modus faciendi. Fica a sugestão, livre de direitos autorais. E pra terminar no Latim: Data venia. Alea jacta est!
(*) José Danilo Rubens Pereira e Amilcar de Souza Martins
Jaboatão dos Guararapes(PE),12/02/2020  

21 comentários:

Ari Zanella disse...

Blogger Paulo disse...

Boa tarde Professor e colegas,

Alguém poderia fazer a gentileza de indicar um médico credenciado (e bom) especialista em prótese de quadril, no Rio e São Paulo

Grato

Aristophanes disse...

Prezado Ari Zanella e colegas.
Levei ao conhecimento da Previ, formalmente, a essência da minha proposta sobre o que denominei ES-CAPEC. Abaixo, anoto o protocolo automático de recebimento:

"Senhor(a) JOSE ARISTOPHANES PEREIRA

A PREVI confirma o recebimento da mensagem abaixo.
Aguarde nosso retorno em breve.

Gerência de Atendimento
PREVI"

A sorte está lançada. Aristophanes.





Paulo disse...

Ô Professor,
Muito agradecido por permitir utilizar o seu espaço para ajudar minha esposa que está com problemas na prótese do quadril.
Todos os médicos procurados não conseguem diagnosticar o que está acontecendo. Um chegou a dizer que o caso dela é único.
Minha solidariedade com sua esposa e que Deus na sua infinita misericórdia abençoe vocês.
Obrigado de coração

Fernando Lamas disse...

"DESSA ÁGUA BEBEREI!"
Saudações cordiais a todos. Caro Professor Ari, primeiro, agradeço por manteres este espaço comunitário. Estimado Paulo(01:08 h), aqui, em Valinhos, a minha melhor fonte de referências é a Clinicassi, com o excelente médico da família, Doutor Paulo Ricardo. Em 1993, após acidente automobilístico, recebi, igualmente, excelente tratamento ortopédico na Beneficência Portuguesa, em São Paulo, com o Doutor Levy Strafacci. Impressiona a inquietação do Mestre Aristophanes, em busca de iluminar a nossa comunidade. Mais uma matéria vibrante. Deus lhe pague! Fala-se que a sugestão, exequível, já foi aventada, até, por um ex-presidente da Previ. Pessoalmente, sempre e fortemente, rejeitei isso("Dessa água não beberei!"), pois defendia que essa poupança era intocável, em respeito à amada esposa. Porém, hoje, digo que "dessa água beberei", pois repensei e aceitarei tal modalidade, caso acatada, não por desrespeito antecipado à minha esposa, mas para resolver boas causas, aliás, a mais importante causa, confesso, será resolver uma grande chaga minha que é a minha situação irregular, ajuizada, junto do BB, porque sou gratíssimo ao Pai Eterno, por esse emprego passado. Grato, Professor Ari e recebe um PAZ E BEM!

"Entregue o seu caminho ao Senhor, nele confie e ele agirá." Salmo 37,5

Francisco disse...

Bom dia !

O Centro Avançado de Ortopedia do Hospital São Vicente de Paulo, na Tijuca, RJ, tem excelentes profissionais.
Tel : 2563-2121

É credenciado da CASSI.

Luiz disse...

Contratei um empréstimo imobiliário em julho de 2018 junto a previ, com prestação mensal de 2.400,00, no contracheque desse mês tão me cobrando 3.400,00, esse é o futuro que a previ nos deseja?

Blog do Ed disse...

A remuneração de funcionários do Ministério da Economia supera o TETO CONSTITUCIONAL. Em grande número, supera R$50.000.00. 9 deles, inclusive esse que foi o formulador da reforma previdenciária, que transformou a seguridade social brasileira em caderneta de poupança, ganharam remuneração anual beirando R$1.000.000.00! Elegi o Bolsonaro Presidente para que ele fizesse duas coisas: acabar com a corrupção e impor vida frugal aos Três Poderes no Brasil.
Edgardo Amorim Rego

Paulo disse...

Bom dia a todos,
Muito agradecido Fernando e Francisco. Deus abençoe vocês.
Sei que no mundo teremos aflições, mas precisamos ter bom ânimo. Vou fazer contato com os médicos que gentilmente foram passados.
Obrigado

Sérvio Rugga disse...

Essa proposta de es-capec, só serve, na minha opinião, para alimentar a angústia e ansiedade dos desesperados. Colegas, não se iludam. O Regulamento da Capec é imutável, isso foge absolutamente da sua finalidade. Se precisam de empréstimos, a solução é procurar um banco ou financeira, simples assim.

júlio césar dos mendes lopes disse...

Dr. Aristophanes Pereira,

Sou leitor assíduo dos artigos que o senhor escreve no blog do Ari. Para mim, representam uma fonte de conhecimento. Sou seu colega do BB, também já aposentado, mas profissionalmente ainda atuando, de geração posterior a sua. No artigo intitulado "O Inovador ES-CAPEC", há referência a "histórica e revolucionária Carta-Circular GENOR/GERAN (sic), montada pelas equipes de Danilo e Amílcar". Nesse ponto, peço vênia ao ilustre Mestre para registrar pequena contribuição: esse histórico documento do lado da GERAM recepcionou em larga escala o profundo conhecimento da realidade amazônica do meu pai, Wilson Ribeiro Lopes, então titular da GERAM. Era bem jovem, mas já respirava o ambiente extraordinário do BB daquela época. Para mim, uma verdadeira Academia. Muito obrigado e grande abraço, Júlio César dos Mendes Lopes.

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais. Caro Profensor Ari, entendo que a sugestão do Mestre Aristófanes é que a GARANTIA seja a Capec e que os recursos venham da enorme folga não utilizada, para operações com os participantes. Grato por tudo. PAZ DO BEM!

"Senhor nosso, como é poderoso o seu nome em toda a terra." Salmo 8

Aristophanes disse...

Prezado Colega Servio Rugga(14-02/10:40).
Agradeço sua contribuição ao debate sobre o tema aqui postado: O INOVADOR ES-CAPEC, e explico.

1. Fiz uma alongada introdução à minha proposta ES-CAPEC, correndo o risco da prolixidade, mas com intuito de uma defesa do instituto da INOVAÇÃO e, consequentemente, a não rendição ao comodismo da IMUTABILIDADE. Não tenho gosto pelo que ensina essa negativa palavra. A Natureza nos mostra isso, em todas as suas dimensões, desde a expansão da imensidão cósmica ao nanovirus que nos ameaça, em suas mutações. Nos planos secular e religioso, convivemos, necessariamente, com constantes mudanças. No mundo, as migrações e os brexits; aqui no Brasil, os partos de necessárias reformas e, na Igreja, recente mudança na oração do “Pai Nosso”.
2. E a Previ não fica atrás. O seu histórico centenário é de mudanças. Criou o Previ Futuro, fez do nada o “Renda Certa”, curvou-se à Resolução 26, interrompeu o BET, acaba de criar o Previ-Família, e por ai vai. Portanto, não creio que coisa alguma seja imutável.
3. Minha sugestão de um ES garantido, pelo nosso seguro individual da CAPEC, em nada altera o seu regulamento, que não exclui o beneficiário PESSOA JURÍDICA(Está lá nas explicações do “produto” e no formulário: "CPF/CNPJ"). A alteração sutil está no ES, ao aceitar a garantia do seguro CAPEC, como o faz com o seguro do Fundo de Quitação por Morte(FQM) e, no caso do ES-13º, o previsível 13º, em suas parcelas de abril e novembro(sem comprometer a MC).
4. Finalmente, acho que será um bom negócio para a Previ, (a) ao melhorar a expansão de aplicações na conta rentável de OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES, nestes tempos bicudos de baixa SELIC, (b) ao destravar o velho e bom ES, contido pela Margem Consignável, mormente quando se prenuncia a partilha com o INSS(fim do Convênio Prisma), (c) a migração de uma ou outra modalidade(ABCD) mais onerosa (idosos com 36 meses e FQM) para a nova modalidade ES-CAPEC e, obviamente, uma nova opção de credito, em melhores condições, para quem quiser e puder utilizá-lo.

Termino com um cordial e esperançoso abraço. Aristophanes

Aristophanes disse...

Prezado Júlio Cesar(14/12-12:00h).
Muito me alegrou o seu contato e o justo e merecido registro à memória de seu pai, WILSON RIBEIRO LOPES. Não o esqueci, mas fiquei limitado ao que reverenciei como “equipes de Danilo e Amilcar”. O primeiro como Gerente da(minha) GENOR e o segundo como Diretor da DIRAM. Apreciei o sutil reparo. Fui traído pela leve sonoridade do N. Conto abaixo a história completa:
No beija-mão do fim de meu primeiro ano, como Diretor, em 1974, levei um “pito”, na presença dos membros do gabinete. O baiano presidente Angelo Calmon Sá, se disse insatisfeito com o desempenho da “sua” região Nordeste(9 estados), no que respeitava ao nível de aplicações e negócios do credito geral, mesmo depois da “tratoral” gestão do Diretor Camilo Calazans.
Posteriormente, em conversa particular(e debates com as assessorias) expliquei-lhe as dificuldades, principalmente, em decorrência das regras da CIC, rígidas e comuns, para as várias regiões do país, com estágios de desenvolvimento distintos, diferentes acessos aos meios de produção e desigualdades tecnológicas, etc. A determinação foi: “mudem a CIC, no que for necessário”. Daí, como já disse, nasceu a CC GENOR/GERAM, aprovada, solenemente, em memorável reunião da Diretoria do Banco, realizada em Teresina-PI. Isso é "vontade política". No Nordeste, pulamos de uma participação de cerca de 9% (1974) para 23%(1979).
Grande abraço e sucesso em suas atividades-pós. Eu, depois de 35 anos de aposentadoria, estou, no limiar dos 89, definitivamente aposentado, mas buliçoso e mutável.

Aristophanes disse...

Ari e Colegas
Fui questionado, fora do Blog, sobre a limitação de 30% para aplicação da Margem Consignável. Esclareço, no caso, que, por se tratar de um empréstimo especial, com garantia explicita de parte do seguro contratado com a CAPEC, além de outros vínculos irrevogáveis do tomador com a Previ, a cobrança das prestações do ES-GARANTIDO-CAPEC poderia ser feita, sem consignação na FOPAG, mas por débito autorizado, em conta corrente, como tantos outros débitos, a exemplo da Cooperforte.
Só para ilustrar a necessidade de flexibilização, acabo de ler notícia(Estadão), dizendo que o BC vai promover alteração nas regras dos empréstimos imobiliários, para permitir mais de uma hipoteca sobre o mesmo imóvel, em um ou mais bancos.

Paulo Beno disse...

Impressionante o mau desempenho dos R$ 18,137 bilhões aplicados pelo Plano 1 da PREVI em Titulos Públicos para Negociação (Renda Fixa) em NOVEMBRO/2019 e agora publicados nos Boletim de Desempenho, com PREJUIZO DE (-2,30%) !!!!!.

Como pode Renda Fixa dar prejuizo??? Sabe-se que nosso plano tem R$ 14,382 bi aplicados em NTN "b" +R$ 2,451 bi em NTN"c" + R4 1,303 bi em NTN"f", alem de R$ 344 mil reais em LFT, que são meros títulos públicos para futuras vendas/resgates....

PRECISAMOS DA EXPLICAÇÃO DA PREVI... O que houve em Novembro/2019 que deu PREJUIZO EM RENDAS FIXAS ????

Ari Zanella disse...

lourival josé do carmo rezende

14:38 (há 3 horas)

para mim
lourival josé do carmo rezende deixou um novo comentário sobre a sua postagem "ALEA JACTA EST!":

Prof.Ary,

Queria um esclarecimento.Acessando o blog da D.Rosalina, lá diz que a contribuição para a Cassi, sobre l dependente é de 1% e vai descrecendo a medida que se tem mais dependentes.Como verifiquei um valor maior na minha folha de pagamento, interpelei a CASSI, e fui informado que o funcionário contribui com 4% sobre o salário e no caso de um dependente, que no caso seria a minha esposa, não é 1% como consta no Blog da D.Rosalina, e sim 2% no caso de aposentado. Porque o funcionário da ativa leva mais vantagem só contribuindo com 1%? Se for isto, é muita injustiça. Obrigado.

Blog do Ed disse...

Lourival José,
É como penso também. O funcionário na inatividade ganha menos do que na atividade...
Edgardo Amorim Rego

Bolsoasno disse...

Nem a recomposição da inflação o embuste e poste dos banqueiros conseguiu realizar no imposto de renda!Enquanto isso, 63 milhões de brasileiros envergonhados com o nome do SPC/Serasa!O silêncio dos Blogs é sinal que a esperança acabou!

Fernando Lamas disse...

CONFIAMOS!
Caro Professor Ari, saudações cordiais, reproduzo a mensagem que enviei ao senhor Presidente da Previ e creio, por oportuno que, semelhantes envios, mostrarão a receptividade, na comuinidade. Grato por manteres o blog, não sem grande esforço. PAZ E BEM!

"Se cumprirem a lei mais importante da Escritura: "Ame o seu próximo, como a si mesmo", estarão agindo bem." Tiago 2,8

"Saudações cordiais a todos. Ilustre Presidente José Maurício, respeitosamente, dirijo-me a Vossa Senhoria, para sufragar a proposta nominada “O Inovador ES-Capec”, da lavra do Emérito Diretor do Banco do Brasil, Sua Senhoria, Aristophanes Pereira, o qual a encaminhou, para a apreciação da Previ. Vejo nessa, realmente, inovadora proposta, rica oportunidade, para destravar recursos ociosos, para Operações com Participantes, devido à regulamentar limitação da MC. Antecipadamente, grato, pela Vossa atenção."

Miro disse...

https://noticias.r7.com/economia/no-ano-da-tragedia-de-brumadinho-vale-tem-prejuizo-de-us-17-bilhao-21022020

Déficit à vista...

PreviPlano 1 disse...

Parabéns, Aristophanes, pelo belo texto e excelente proposta, ES-CAPEC, apresentada.
Tem colega dizendo que ela, proposta, não pode ser acolhida porque fere regulamento da CAPEC.
Ora, para satisfazer interesses, até nossa Constituição, a Lei maior do País, foi alterada ou desrespeitada, por que um simples estatuto/regulamento de um plano de seguro não pode também ser mudado, para atender demanda de seus segurados/participantes?

Abraço