sábado, 20 de abril de 2019

VISLUMBRES DO CONSELHO FISCAL, ALELUIA!


RELATÓRIO DO CONSELHO FISCAL DA PREVI SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA PREVI DE 2018.
O Parecer do Conselho Fiscal da PREVI, lavrado na página 127 e entranhado no Relatório Anual de 2018, diz “ipsis litteris”, o seguinte, acerca das contas do ano de 2018, apresentadas pela Diretoria Executiva, consubstanciadas nas Demonstrações Contábeis e Balanço Patrimonial:
 (...) “Com base no exame desses documentos, complementados por informações e esclarecimentos prestados por membro da Diretoria Executiva e por técnicos da PREVI, e considerando ainda o Parecer da Atuária Interna, o Parecer dos Auditores Independentes e a revisão das Demonstrações Contábeis realizada pelo Comitê de Auditoria, o Conselho Fiscal opina favoravelmente à aprovação das Demonstrações Contábeis da PREVI, relativa ao exercício de 2018”.
Restou patente que nem tudo que é elaborado pelo quadro técnico da PREVI e atestado pela Diretoria Executiva beira à perfeição e muito menos à exatidão contábil. As Demonstrações Contábeis prontas e acabadas, assinadas pelo Presidente da PREVI, Diretor de Administração, Contador e Atuária Interna, continham distorções e inconsistências inaceitáveis, tanto que foram devolvidas para serem revisadas pelo Comitê de Auditoria para, pós-correções e ajustes, serem submetidas novamente à apreciação do Conselho Fiscal.
Antes dos consertos, o Conselho Fiscal alega que ouviu um membro da Diretoria Executiva, sujeito que, gramaticalmente, se tornou indeterminado, dado que o seu nome e função não foram revelados, além de técnicos da PREVI ouvidos, que também ficaram no anonimato, sem falar que não houve transparência sobre gravidade, causas dos desvios contábeis e financeiros detectados e tampouco das condutas técnicas inadequadas implementadas, se derivadas de erros pontuais, dolo ou má-fé.
Esse tipo de situação inusitada acarreta melindres, despertam curiosidade e suspeição do Corpo Social. As irregularidades constatadas revelam inobservância das normas e controles rígidos preconizados pela Governança Corporativa, senão os erros crassos ora apontados, premeditados ou não, não teriam passado ao largo e por pouco aprovados.
A esta altura a credibilidade e a confiança dos associados nos números da Diretoria Executiva ficam abaladas. Tal fato especial e surpreendente salta aos olhos e carece de uma devassa pormenorizada na sua elucidação, com vistas a delimitar valores em jogo e motivação, não efetivado graças à ação tempestiva e reparadora do Conselho Fiscal que dessa vez, pelo menos, cumpriu o seu papel institucional.
Penso que se fosse um deslize simples e corriqueiro, o Conselho Fiscal não se daria ao trabalho de registrá-lo no seu relatório e daria o seu consentimento à aprovação das contas, após as devidas correções, sem mais delongas.
No entanto, não foi isso que ocorreu, porque depois das marchas e contramarchas para chegar de fato à mencionada revisão das Demonstrações Contábeis eivadas de imperfeições pelo Comitê de Auditoria, o Conselho Fiscal embutiu uma espécie de ressalva técnica na sua chancela, como que dizendo, o aval às contas foi dado no condicional e uma porta de escapismo ficará a nossa disposição, para nos isentar de responsabilidades futuras sobre outros furos que eventualmente emergirem e que tenham escapado do nosso pente fino.
Imagino a resistência, o disse que me disse, e a queda-de-braço travada entre a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal para os Diretores sanarem as falhas, compulsoriamente. Inobstante a sua eficiente atuação, entendo que o Conselho Fiscal fica devendo uma satisfação urgente para os associados sobre esse imbróglio.
Antecipamos o esclarecimento de que não vamos admitir a costumeira desculpa deslavada para sonegar a transparência desses fatos, com alegações falaciosas de que são informações estratégicas e privilegiadas, dado que o Balanço de 2018 já foi publicado, não há mais nada para preservar e esconder, sem esquecer o axioma de que lugar de lixo não é debaixo do tapete.
Demais disso, a PREVIC, na qualidade de órgão fiscalizador, é destinatária de cópia de toda documentação contábil da PREVI, de cada exercício contábil, a qual lhe deve ser entregue até 31/03/2019 para seu controle e fiscalização, isto em relação ao exercício de 2018.
Assim sendo, de posse dessa documentação do ano transato, por ter merecido reparos e colocada em evidência no Parecer do Conselho Fiscal, a PREVIC tem a obrigação de ofício de investigar a origem desses desvios, causa, motivação, valor das perdas que foram evitadas e neutralizadas pelo Conselho Fiscal, e a existência ou não de gestão temerária, fraude, dolo e eventual má-fé, publicando o resultado dessas diligências no seu site para conhecimento do Corpo Social da PREVI.
Talvez até coubesse uma denúncia à PREVIC para que ela se debruce sobre essa matéria, porque aonde tem fumaça tem fogo.
(João Rossi Neto)



Não é segredo que o Comitê de Auditoria da PREVI, é um órgão de assessoramento interno do Conselho Deliberativo e um indutor de boa governança, criado para exercer funções como a avaliação das auditorias internas e independentes, bem como a revisão de demonstrações contábeis, para que o Conselho Deliberativo tenha maior conforto para aprovar as Demonstrações Contábeis da Diretoria Executiva.
Por outro lado, não é praxe e nem obrigação do Conselho Fiscal, fazer referência no seu Parecer Anual, sobre esclarecimentos prestados pelo Parecer Atuarial, emitido por Atuário Interno, a informações complementares das Notas Explicativas e muito menos do Comitê de Auditoria, tanto que esse Comitê já existia em 2017 e não foi citado no Parecer do Conselho Fiscal de 09/03/2018, relativo ao exercício de 2017, conforme poderão constatar através da cópia anexa, seguramente porque a revisão das Demonstrações Contábeis não foi necessária.
O verbo “revisar” tem a finalidade precípua de corrigir falha, fazer emendas, remendos, consertos e, enfim, fazer ajustes cabíveis.  Será que sem motivo algum, o Conselho Fiscal, no seu Parecer de 28/02/19, iria registrar que o Comitê de Auditoria fez revisão das Demonstrações Contábeis? E quem à distância, sem exame de papéis contábeis, sem ingerência alguma, sem informações privilegiadas do fundo de pensão, sem lenço e sem documento, poderia afiançar, com segurança, que não foram feitas retificações nas Demonstrações Contábeis e no Balanço Patrimonial de 2018?
Digitalizei os Pareceres do Conselho Fiscal 2018 e 2019 e anexei as duas imagens, nos quais são patentes as discrepâncias entre os conteúdos desses documentos extra contábeis, de modo que eles não são iguais.  Oh, mas a diferença entre eles foi à menção do nome do Comitê de Auditoria e a revisão das Demonstrações Contábeis.  
Justamente, a “revisão” não é nenhuma figura de retórica, é contábil e nesse caso  é a pedra de toque da questão. De qualquer maneira, respeito às opiniões de terceiros, mas ficarei grato se a Diretoria Executiva ou o Conselho Fiscal abordarem o assunto, já que são responsáveis oficiais pela matéria.

19 comentários:

João Rossi Neto disse...

O anônimo Unknown disse o seguinte, no blog do meu amigo Ari Zanella, que tive o prazer de pinçar para nossa reflexão:
“Desculpem, amigos, mas não me interessa estudos e pesquisas relacionados com a vida de quem quer que seja, tampouco com o modus vivendi de gestores da PREVI ou CASSI. Acho que cada pessoa deve procurar ter sua vida organizada e viver bem sua passagem aqui na Terra, sobretudo com seus familiares e, se for o caso, com amigos respeitosos e zelosos na arte do bem viver. Boa Páscoa para todos! WJS-aposentado. 20/04/19, às 07h46min".
Como existem bilhões de visões de mundo diferentes no planeta e como adoro a diversidade de ideias, de pensamentos discrepantes, do debate franco e civilizado das ideias desiguais, dos desencontros no campo filosófico, porque daí é que vem a luz para extinguir a escuridão de mentes carentes de horizontes mais amplos, para a sua evolução espiritual, cultural, moral. Deixei a dimensão material por último, propositalmente, dado que o acúmulo de bens patrimoniais não é garantia de felicidade para nenhum ser humano e nem passaporte para conseguir benesses no juízo final, lógico, para quem acredita que ele exista.
O anônimo Unknown pensa que se viver bem consigo mesmo e meia dúzia de amigos, os quais nem sempre serão respeitosos e zelosos, como ele deseja, e não prejudicando o seu semelhante, cumpre com êxito a sua parte, porém, a coisa não se resume a isso, o homem é um ser sociável, precisa estudar, se capacitar e conquistar o seu trabalho para ganhar o pão de cada dia para si e sua família, e contribuir para o desenvolvimento humano, social e, em particular, para o crescimento do seu País. Se assim não fosse, para que serviria o livre arbítrio?
Por esse comportamento bitolado e obtuso expendido pelo Unknown, ocorreu-nos de citar, em contraponto, o famoso pensamento do sábio Martin Luther King que disse: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”.
No mesmo raciocínio, veio para cutucar a nossa memória, o concernente trecho mais conhecido do lindo poema do brasileiro Eduardo Alves da Costa, que é uma lição de vida para os acomodados e que não enxergam direito nem mesmo o próprio umbigo:
(…) Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem;
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada. (…)

Anônimo disse...

Prezado Sr. Ari Zanella e colegas.
Uma ótima PÁSCOA recheada de Saúde e Paz na Alma.
O Colega Dr. Rossi é daquelas pessoas que alem de culto é iluminado, mas um grande predicado seja a persistência de ajudar de resolver e de tentar auxiliar os demais colegas.
Por isso minha admiração e consideração ao nobre Colega Dr. Rossi.
Que nesta Páscoa Nosso Senhor ilumine casa vez mais a sua mente e seu espírito, dando-lhe saude e felicidade junto aos que lhe são caros.
Parabéns pela abordagem do post.

Anônimo disse...

COLEGAS,
FELIZ PÁSCOA e a todos os familiares!
Quanto ao post assim penso: O CERTO É O CERTO. SE HOUVEREM CULPADOS QUE SEJAM EXEMPLARMENTE PUNIDOS.
Como foi muito bem dito: LUGAR DE SUJEIRA NÃO É DEBAIXO DO TAPETE!
Ganham muito bem para fazer o que é o certo. Se fizeram errado que sejam punidos!
Ainda que ganhassem pouco, fazer e proceder corretamente não é favor para ninguém, mas dever de todos nós, assim passei meus vinte e tantos anos no BB.
VAMOS VASCULHAR E O MOMENTO É PROPÍCIO!
Abraços a todos e porque não: aos informantes!

Anônimo disse...

Como diz em baixo da foto tomara q seja criada essa superagencia para acabar de vez com essa sujeira toda, Um abração ao doutor Rossi q sabe enxergar as coisas melhor q eu, precisa ser bom p olhar nas entre linhas e perceber sutis manobras. Parabéns. E a todos uma feliz e abençoada Páscoa. Obrigado.

Anônimo disse...

Paulo Guedes confirma que somos 200 milhões de patos sendo explorados pelos monopólios dos: 4 bancos, 1 petrolífera, 3 distribuidoras de gás, 5 empreiteiras, 3 planos de Saúde...e por aí vai!
Sensacional esse Paulo Guedes!!!

WILSON LUIZ disse...

“FALOU E DISSE”, COMO SEMPRE

Sobre a postagem do exemplar Diretor Aristophanes, 17.04.

“É DANDO QUE SE RECEBE”

O presidente Bolsonaro é ateu! Recusa-se a recitar a oração de São Francisco de Assis, vamos rezar por ele; deve ser por isto que ele não se entende com a câmara dos deputados, composta toda de santos homens.

“A OCASIÃO FAZ O LADRÃO”

O ministro Paulo Guedes elogiou a governança da VALIA, mas não é bem assim, também ela não saiu incólume do saque aos fundos de pensão, aplicou R$ 200 milhões na finada Sete Brasil. A verdade é que, em um governo corrompido, ninguém está a salvo.

“E O SALÁRIO, Ó...”

É o que devemos dizer para a diretoria da PREVI, acompanhado de uma cópia da excelente postagem do colega Rossi, 19.04. O “salário médio” de R$ 10.200,00 lembra a piada do mendigo que, dizendo estar faminto, pedia esmola a um gordo ricaço, que lhe respondeu: “você não pode estar com fome, acabo de comer um frango inteiro, então, na média, você comeu meio frango.”

“HIPOCRISIA É A ARTE DE EXIGIR DOS OUTROS AQUILO QUE NÃO SE PRATICA”

“Alan Garcia deu exemplo de dignidade com suicídio”(Tarso Genro, ex-ministro da justiça, do PT). Que bom seria se o Lula tivesse dignidade...

Anônimo disse...

Esse conselho fiscal atual foi renovado na ultima eleição, né mesmo ?
Solange vem aí !

Anônimo disse...

"Voce está na fila...assim que for possivel estabelecer uma conexão".
Caramba ! Quantos acessos seriam ncessários para "congestionar" o auto atendimento ? 12 milhões ?

Anônimo disse...

Tá tudo dominado

WILSON LUIZ disse...

VAMOS TORCER

Como sou fã de teorias da conspiração, o conselho fiscal não estaria se mexendo porque sente no ar uma iminente troca de diretores e conselheiros?

Cadé disse...

Grande Ari desejo uma feliz pascoa para ti e toda a tua família. Em tempo
registro a minha admiração pelo Doutor Rossi, ele enxerga com a mente.
Cadé

Ari Zanella disse...

Obrigado ao grande amigo Cadé,

Aproveito para desejar a todos e a todas os melhores votos de uma

FELIZ PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO!

Ao tempo em que peço perdão pelas ofensas cometidas, às vezes sem pensar, sem medir as consequências. Por isso, é bom refletir, pensar dez vezes antes de criar contendas, saber dizer as coisas de um jeito que não ofenda. Aquele que ressuscitou nos pede: "Amai-vos como eu vos amei".

Genésio Guimarães - Uberlândia/MG disse...

Prezados Rossi, Ari e demais Colegas,

O Parecer do Conselho Fiscal, de 28/02/2019, sobre o exercício de 2018, não tem nada de novo e foi tão simplório que não passa de uma cópia dos pareceres de exercícios anteriores.

A única diferença é que desta vez citou "a revisão das Demonstrações Contábeis realizada pelo Comitê de Auditoria".

O Comitê de Auditoria está vinculado ao Conselho Deliberativo da Previ, foi criado em 2018, razão porque somente agora foi citado no parecer do Conselho Fiscal.

Abraço Fraternal para todos,
Genésio Guimarães - Uberlândia/MG.


Anônimo disse...

E o tal Comite de Auditoria teria que ser INDEPENDENTE conforme dita a resolução que instituiu tais comites.
Quem são seus integrantes ?
PLP 268 : I'll be back !

Anônimo disse...

Acessei as 05 32 00 AM o site da PREVI

ES 13. Salario, a fila ainda nao andou.

Deve ter uma lista de espera quilométrica.

Anônimo disse...

Meus queridos colegas,

Que a data de hoje faça ressuscitar nossos sonhos
Feliz Páscoa para todos e que o verdadeiro significado traga a certeza que em Jesus há vida, salvação e esperança

Ari Zanella disse...

Amigos,

Como não é possível inserir imagens nos comentários incluí no próprio corpo do texto da postagem um comentário do João Rossi Neto.

Genésio Guimarães - Uberlândia/MG disse...

Prezados Rossi, Ari e Demais Colegas.

O Comitê de Auditoria da Previ foi criado pelo CD em 15/12/2017, porém a sua instalação somente ocorreu em 2018. Por esta razão não foi citado nos pareceres do CF anteriores a 2018. Vide:

http://www.previ.com.br/menu-auxiliar/noticias-e-publicacoes/noticias/detalhes-da-noticia/previ-cria-comite-de-auditoria-3.htm

Dessa forma, mesmo citando o Comitê de Auditoria no seu parecer, entendo que o Conselho Fiscal aprovou sem ressalvas as contas da Previ em 2018. Desculpem mas é o que penso.

Genésio Guimarães - Uberlândia/MG.

Anônimo disse...

Tem eficácia esses estudos todos?
Chega realmente aos ouvidos de alguma liderança honesta e competente?
Ou é só pra nós (Os bois) dormirem?
Desejo sorte!