BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

UMA PITADA DE PIMENTA (DO REINO)

     O atual diretor de Seguridade da PREVI procurou, com inusitada antecedência, precaver-se de adversários "indesejados", construindo uma chapa "fortíssima" (no dizer do amigo Medeiros), com apoio de uma grande entidade de funcionalismo (que poderia ser a Anabb). Evidente que é um direito que lhe assiste mas há evidências de ter nas diretorias eleitas (DIRAD, DIPLA, DISEG) diretores alinhados com o seu modo de agir. Percebi sua decepção em 2014 com o ingresso de Cecília e Décio, tanto que na renúncia deste, tentou "emplacar" um velho conhecido seu que, afinal, foi vencido por Zeca do BB.
       Não é fácil vencê-lo. De origem sindical, tem nessa categoria seu grande trunfo. Está afinado com deputados federais e senadores, geralmente petistas, a quem defende e reza pela mesma cartilha. Se elege e reelege do apoio que recebe de funcionários jovens do Plano 2 (PREVI Futuro) o qual, muito bem explanado pelo Rossi, nada tem a ver com o nosso Plano Um de Benefícios Definidos. Paradoxalmente é eleito por um Plano recente, de pouco ativo, que veio depois do nosso velho e forte Plano Um, numa total inversão de hierarquia. Por isso, a necessidade premente de separação dos Planos 1 e 2 a fim de acabar com estas anomalias de novatos decidirem eleições que afinal vão definir os nossos recursos.
     Por outro lado, uma chapa coloca seus membros em todos os conselhos, formando um círculo vicioso de amizade que pode interferir no resultado de votações importantes, como por exemplo, extinção de privilégios. O mais prejudicado é o Conselho Fiscal. Nele já tivemos um presidente afinado com o Marcel que num Encontro no Rio (Hotel Sofitel) afirmou que assinar os documentos contábeis na PREVI era "a coisa mais tranquila do mundo" (sic) haja vista que o corpo técnico do fundo produzia essa tranquilidade. Donde conclui-se que o Conselho Fiscal não analisava a fundo as rubricas, como de fato quase nunca em sua trajetória, houve severa contestação.
      Para bem esclarecer, valho-me de parte do comentário do João Rossi na postagem anterior sobre o Fundo Postalis que pleiteia a retirada da intervenção da PREVIC.

..........................................................................


 Os dirigentes alegam ainda que a Previc tinha outros instrumentos para garantir o controle do que ocorria no Postalis: O órgão fiscalizador poderia nomear uma equipe de supervisão permanente, um diretor fiscal ou aplicar um regime de administração especial temporária (RAET).


À distância e vendo superficialmente a descrição dos fatos, parece que a não aprovação das contas pela Auditoria Independente está a indicar que os dirigentes do Postalis utilizaram da “Contabilidade Criativa” no fechamento do balanço e em se confirmando, é crime e os eventuais culpados deverão ser punidos. A meu ver, na elaboração do balanço, existem dois pontos vulneráveis que podem facilitar a maquiagem dos resultados, que são: 



a) Na precificação dos ativos feita por técnicos atuariais do mercado, a valores econômicos, existe margem subjetiva para subestimar cotações de preços das ações e são estes valores que posteriormente servirão de base para instruir a constituição do Patrimônio de Cobertura do Plano-PCP e também para a Demonstração do Ativo Líquido-DAL. Obviamente que tais grandezas integram os direitos do plano, ou seja, o ATIVO;



b) A estimativa da Reserva Matemática, obrigação financeira do PASSIVO, é o montante necessário para honrar os benefícios dos aposentados e dos que ainda vão se aposentar (ativa), até a extinção do plano, também elaborada por técnicos atuariais, previsão extremamente difícil de detectar nela, caso de discrepância, uma vez que os cálculos são de elevada complexidade, de modo neste quesito passaria com relativa facilidade eventual superavaliação ou mesmo subavaliação, a depender do resultado que se quiser chegar, isto é, de superávit ou déficit.

De resto, acho que os Conselhos Fiscais de todos os fundos de pensão, sobretudo o da PREVI deveriam dedicar atenção especial na fiscalização, acompanhamento e controle desses números, pois é aí que mora o perigo para fins de desonestidade e de fraudes.


      É impossível que o nosso fundo de pensão seja tão perfeito que não haja nenhuma irregularidade, às vezes pode acontecer que os erros sejam cometidos não intencionalmente. Se tal acontecesse, todos os anos ocorreriam superávits, não haveria déficits. Daí a providencial ação tempestiva do Conselho Fiscal. Mas o que esperar de um conselheiro que enquanto era presidente do Conselho Fiscal, era simultaneamente conselheiro da 100% participada Costão do Sauípe? Felizmente, nos desvencilhamos deste mico vintenário.

30 comentários:

Anônimo disse...

Muito bem observadas suas colocações Mestre Ari. Danosa e espinhosa essa interferência petralha no rumo de nossas vidas.
Por falar nisso o sapo apedeuta não tinha zerado toda a dívida externa?

Para dar uma no cravo e outra na ferradura dos burros, parece que hoje haverá horário político gratuito do partido azulão. Precisa ser vidente para prever que o Meirelles será a estrela principal do picadeiro?

Aos que tiverem condições de ajudarem seus dependentes a construírem as condições de saírem do país, que o façam. Executivo está como está, Legislativo sem condições de melhorar (ser político no Brasil é sinônimo de ficar rico com dinheiro público), Judiciário basta olhar para uma barata, filho.

Era isso

Anônimo disse...

Estamos sendo brindados neste final de ano com comentários e posições de excelentes valias.
O primeiro foi a sugestão de separação dos dois planos. Agora,com essa constatação de como se dirige o nosso fundo e de como se fiscaliza (?) suas ações. Um conselho fiscal eleito em conjunto com diretores e conselheiros deliberativos fica à vontade para fiscalizar ?
Para reparar essa situação, não só para o fundo Previ, mas para todos os demais, o CNPC criou o COMITÊ DE AUDITORIA INDEPENDENTE e externo. Vai auxiliar ou "fiscalizar a fiscalização" que em tese deveria exercer sua função.
Para as eleições não serem , digamos, aviltadas com poderes desiguais, que o post corretamente menciona, necessário se faz alterar o sistema atual de composição (quiça de escolha) dos administradores. É preciso reequilibrar as forças. Não creio que sejam tão interessados no bem estar dos associados a ponto de tamanho empenho em serem eleitos e se manterem ad eternum no show "dança das cadeiras.
O receio de perderem o comando total e a garantia do poder é que os fazem temer o PLP 268, visto como a réstia de alho ou a estaca de madeira.

Paulo Segundo disse...

URGENTE!BOLA SUBINDO AOS 75.000 pontos, o motivo: A gigante Boeing parece que está de olho na compra da nossa esmeralda EMBRAER!!!

Divany Silveira disse...



A PREVI É NOSSA ? NÓS ,DE FATO, A POSSUÍMOS ? SOMOS TRAÍDOS ?

Amigo e Mestre sofredor,como todo mestre, Teacher, estive pensando,se
minha mulher estivesse aqui ela diria : lá vem problema !! Mas minha
dúvida é a seguinte : Há muitos anos trabalhei,como jurado, numa ses-
são de Juri,onde o julgado era acusado de ter matado um vizinho por
motivo fútil . O promotor insistia que o motivo do crime era fútil e
tanto insistiu que o réu perguntou ao Juiz se podia falar e o juiz
consentiu. Então o réu perguntou ao promotor se ele era casado, ao que
o promotor assentiu ! . Então, o réu perguntou ao doutor da acusação se
a esposa dele estivesse "fu-fu" com outro homem se ele aceitaria. O
promotor virou fera ferida e queria levar o réu já pra cadeia por desa-
cato à autoridade. O Juiz interveio e criticou o réu, ao que o mesmo
replicou: posso responder,o senhor sabe que sou analfabeto !! E conti-
nuou, o outro doutor diz que o motivo foi fútil .Então eu sei que es-
tá futil minha mulher( na roça nós dizemos diferente,nãõ é futil) e
não vou reagir.? Se dou tudo que ela precisa,banco suas despesas e 3º
futil ela, Doutor ? Moral da história: foi absolvido.Isto posto, a-
cho a nossa situação similar à do lavrador, pois sustentamos a PREVI
em todas as despesas com nossas contribuições e uma meia dúzia de gran-
finos é que a possuem há anos, dia e noite . O caso tem similaridades
com a nossa situação, com uma diferença : o capiau fez o serviço que
nós de um jeito ou outro teremos de fazer, e Deus há de querer !!! !!






Anônimo disse...

Mestre, como funciona esse comitê de auditoria criado pela Previ ? Matéria no site

Anônimo disse...

Aposentados,

Não vejo a hora em que os militares tomem conta deste país para limpar essa nojeira que o pt pmdb mdbm pp e tantos outros fizeram e continuam fazendo.
Aí estarei lá com a minha velha bengala para enxotá-los para cuba, venezuela, bolivia...

Ah que prazer, satisfação, em colocar os políticos para correr e nunca mais deixar voltar ao Brasil essa mentira deslavada em que nos colocaram.

Provoquem e levarão!

Anônimo disse...

Caro Mestre Sr. Ari Zanella
Gostaria de saber se para ser Diretor de Seguridade tem que ser funcionário de carreira ou não? O presente o é?

Anônimo disse...

Se bem entendi, analisando diversos comentários, estamos no mato sem cachorro,
e sem saber em quem votar!
Carlos Machado

Divany Silveira disse...




Mestre Ari e Colegas,

Após conversar com Mestre Ari alguns minutos, fiquei animado com nossas
possibilidades quanto à eleição para 02 cargos da PREVI. Quero deixar bem
claro que não sou dotado de espírito irreponsável,nem um otimista inocen-
te, mas quando há união para uma missão que é importantíssima para o nos-
so futuro, eu gosto de estudar as nossas condições e, se nos forem favo -
ráveis, como acho que temos chances palpáveis de sucesso,quero convidar
meus colegas para raciocinar comigo o seguinte : Nós constituimos um gru-
po de m/m 100.000,,como diziam os antigos,de mamando a caducando.Segun-
o prof. Ari cerca de 30.000 dariam para eleger o nosso candidato.Então
vamos raciocinar juntos: se ,dos loo mil colegas, 5.000 decidirem tra -
balhar um pouquinho e "cantar",convencer, correr atrás do vizinho, do
colega das "andadas" matinais, e dos loo mil, repetindo, se 5.000 cap-
tarem 10 colegas, nós teremos 50.000 votos,que são mais que suficientes.
Entretanto. imaginemos que após uma campanha feita com amor ou raiva ,
não sei como a maioria pensa, consigamos 3.500 colegas captando 08 vo-
tos per capita,mesmo assim faríamos um universo de 28.000 que ´pelos
nossos cálculos fechariam 28.000, na opinião de alguns experts daria
para eleger. Se o candidato for o Mestre Ari, e é bom que os cardeais
do PB-1, e aqui eu falo do meus ídolos Aristophanes,Ed Amorim,Fernando
Lamas, Celso Fernandes,Carlos ,de J. de Fora,dezenas de anônimos que
apareceram nos -ultimos dias, preocupados e participando com muito em-
penho e os aqui mencionados mais os leitores do Blog que são centenas e
centenas de aficionados, todos juntos,motivados pela causa justa e im-
precindível para nós, eu juro,gente, juro mesmo,que vai dar samba com Ari
Zanela entrando agora e daqui dois anos ganhar a mais importante da entidade
que é a de Seguridade. Colegas, se eu não arrebanhar no mínimo 100 elei-
tores em Francisco Sá, Salinas, Espinosa,Janauba, M.Claros,Sevem Lakes e
B.Hte eu me considerarei derrotado.Finalizando, não podemos abrir mão do
concurso do João Rossi, do Medeiros e de tantos outros veteranos,pois o solo
é fertil depende da nossa vontade e suor.P.S Não falei de Januária onde
fiz concurso e temos vários leitores e colegas com chances de ajudar.
P S. Colegas perdoem as faltas técnicas pois estou operado das vistas e
do quarril ,não podendo ficar sentado muito tempo.

WILSON LUIZ disse...


NÃO CUSTARIA EXPLICAR...

Caros Professor Ari e colega João Rossi,

Permitam-me pegar um gancho em um ítem desta postagem, que casa perfeitamente com comentário que fiz em 16.11 p.p. sobre o estranho fato de a ação da Vale, em 2016, ter valorizado 104,34 % na Bolsa de Valores de São Paulo, e a PREVI ter reajustado em apenas 1,55 % sua participação naquela empresa. Acho que merecemos uma nota de explicação da diretoria, mas aí já é querer demais.

"a) Na precificação dos ativos feita por técnicos atuariais do mercado, a valores econômicos, existe margem subjetiva para subestimar cotações de preços das ações e são estes valores que posteriormente servirão de base para instruir a constituição do Patrimônio de Cobertura do Plano-PCP e também para a Demonstração do Ativo Líquido-DAL. Obviamente que tais grandezas integram os direitos do plano, ou seja, o ATIVO".

WILSON LUIZ disse...

PB1 X PREVI FUTURO

Apesar de ser o único a remar contra a maré, ainda sou contrário à separação administrativa dos dois planos. Sem compartilhamento, com os associados, do poder decisório, hoje totalmente usurpado pelo patrocinador, a separação apenas aumentaria as despesas administrativas, com criação de novas diretorias e estrutura burocrática que seriam aparelhadas pelos “amigos do rei” de sempre.

Acompanho, mais atentamente, a atuação da diretoria desde 2010, data da primeira eleição do atual diretor de seguridade e não lembro de uma, uminha que seja, ação de nossos eleitos que tenha significado alguma melhoria para nós, associados. Se alguém lembrar de algo, por favor me esclareça.

Blog do Ed disse...

Acho que nós, os ASSISTIDOS, sustentamos nababescamente, com nossas sofridas e IRRACIONAIS CONTRIBUIÇÕES, múltiplos órgãos de fiscalização para nada! Foi esse exatamente o argumento que desencantou Gorbachov e fê-lo destruir a poderosa União Socialista Soviética. Normas existem em profusão. Mas, fiscalização, NA PRÁTICA, onde está? Doutores abundam por todos os cantos do Poder, mas COMPETÊNCIA PRÁTICA ONDE APARECE? Nos resultados financeiros negativos e nos desfalques gigantescos não percebidos?
Edgardo Amorim Rego

João Rossi Neto disse...

Caro Ari e colegas (em especial ao anônimo das 18:26)

PREVI cria Comitê de Auditoria (vide site de 21.12.17)

O Conselho Deliberativo aprovou na última sexta-feira, 15/12, a criação do Comitê de Auditoria da PREVI. Segundo suas informações, o objetivo do Comitê é ser um indutor de boa governança, assessorando o Conselho Deliberativo ao exercer funções como a avaliação das auditorias interna e independente, bem como a revisão de demonstrações contábeis.

Com essa novidade, a coisa degringolou de vez. Ficou patente que as demonstrações contábeis publicadas e aprovadas não eram revisadas. Ao que tudo indica, após décadas de descuidos, somente agora perceberam essa falha de fiscalização gravíssima e cabeluda que, talvez no passado, tenha desvirtuado resultados financeiros (para cima ou para baixo) que passaram despercebidos.

Tudo fica mais preocupante, quando vemos que esse novo Comitê de Auditoria terá a função de passar o pente fino e avaliar o trabalho das auditorias interna e Independente, numa clara alusão de que os serviços por elas prestados não são confiáveis.

Partindo da premissa de que as atuais Auditorias Internas e Independentes são acima de tudo órgãos de “controle” para analisar, avaliar e atestar, através de pareceres técnicos, a exatidão das Demonstrações Contábeis subscritas pela Diretoria Executiva e pelas quais responde, essa ação de segurança preventiva tomada pelo CD da PREVI, ainda que o fechamento da brecha seja tardio, poderá evitar malfeitos futuros via da contabilidade criativa.

De qualquer maneira, essa decisão do Conselho Deliberativo de inovar com o Comitê de Auditoria, é mais um crivo burocrático, são mais despesas, pois cria uma superposição de funções, ou seja, o controle do controle. Se o pano de fundo é a falta de confiança no pessoal técnico que está trabalhando, então, que se contrate uma Auditoria Externa de reputação ilibada para solucionar o problema.

Amanhã quem vai vigiar o Controle de Auditoria criado hoje e os demais que virão nessa espiral sem fim... Isso parece coisa do modelo de gestão japonês que gosta do “autocontrole” em tudo. Aonde vamos parar com essa história escabrosa que mais parece uma dízima periódica da Auditoria da Auditoria!

Notem que na minha matéria: “Intervenção da PREVIC no Postalis”, desta data, salientei a fragilidade da fiscalização sobre as demonstrações contábeis e adianto que não combinei nada com a Diretoria Executiva que, certamente, por enxergar igual deficiência, bateu na mesma tecla.

Blog do Ed disse...

Wilson Luiz, estou com você. É mais despesa para um esquema que não produz renda suficiente nem para fechar o ativo com o passivo que é exigido pelas NORMAS. Precisamos de administração enxuta e competente e sem penduricalhos governamentais excessivos e onerosos. Em 2010, bolsa a 50.000 pontos dava superávit de 15 bilhões, hoje nível de 80.000 pontos não completa a Reserva de Contingência?!...Por que? Por que? Algo aconteceu! O que foi? Não é grave? Não se investiga? Não se explica? Pleno Acesso CONSTITUCIONAL!
Edgardo Amorim Rego

Ari Zanella disse...

19:58 de ontem

Sim, É necessário ter dez anos de filiação ao Plano. A pessoa ora na diretoria possui esse requisito.

Cade Araujo disse...

Ari, em todas as eleições da previ acontece a mesma coisa, os "poderosos" se unem em prol dos interesses políticos individuais. Então, o que vemos é mais do mesmo, nada muda. Desta vez, podemos sair da zona de conforto e externar nossas opiniões. É preciso que, juntos, reunamos força política para vencermos a turma do PT. Nesta eleição, muitos sindicalistas profissionais, que estão desconfortáveis com a reforma trabalhista, vão tentar se "agregarem" no trem político da previ. É preciso que estejamos atentos e façamos as mudanças que a previ precisa. Para tanto, temos que buscar aliados, difundir ideias, e procurar aqueles que já não acreditam em mudanças.
Conta comigo, já comecei o meu trabalho. Todos os dias ligo para colegas, na AABB falo sobre o assunto. Afinal! Sou Educador da Universidade Corporativa do BB, fui funcionário da Dirge e trabalhei muitos anos na Super-PB.
Cadé

Anônimo disse...

Edgardo,

MAGNÍFICO!
"Se precisam ser fiscalizados por vários órgãos, sobrepostos, de igual incompetência, é assustador, pois revela inabilidade administrativa, quando não, temerária".
Ah se lá na Previ estivessem trabalhando iluminados como o Amigo!
Infelizmente, lá, só temos teleguiados e pouco competentes.
Oxalá tivéssemos muitos Edgardos em nossas administrações, uma personalidade ilibada, culto, inteligente e acima de tudo HUMANO!
FELIZ NATAL CARO EDGARDO, EXTENSIVO A SUA ESPOSA.

Ghost Writer

João Rossi Neto disse...

Caro Ari e colegas,

Notável e brilhante essa conclusão do Blog do Ed, feita às 8:04, puro talento, que o vento da sabedoria a trouxe aqui. Se não tivesse direitos autorais a pagar ao autor, confesso que a usaria como peroração ou epílogo, para emoldurar o meu texto: "Previ cria Comitê de Auditoria".

Essa amarração cirúrgica, providencial, perfeita e autêntica espelha a clarividência de quem conhece, por dentro, os meandros mais recônditos das engrenagens do mal nas relações sociais, em especial no âmbito da Previdência Complementar Fechada, eis que exprimiu com clareza absoluta a realidade subterrânea enganosa em que vivemos neste segmento, onde a deficiência na fiscalização, ausência de controle eficiente e de cobrança eficaz e perene de resultados verdadeiros, podem nos levar inconscientemente ao inferno de Dante, pela mão de gestão draconiana contra os associados, até certo ponto temerária, com má-fé ou não, só Deus sabe o futuro negro e imprevisível que nos espera nas próximas curvas das traições.

Carmita Santos disse...


Época de Natal...as esperanças se redobram...se não tivermos fé, nada faz sentido, porque através dela, levantamos todos os dias renovados...mas durante 46 anos de PREVI, já vi tantas promessas, tantos sonhos, tantas pessoas empenhadas na melhoria, a partir da equiparação dos salários com o Banco central há muitos anos e nunca conseguido, que estou direcionando minhas esperanças para outros focos...as boas intenções quando chegam no topo, se desfazem como fumaça no vento...os mais fortes engabolam (como se diz na minha terra) os mais fracos, o poder e o dinheiro corrompem, os que estão em baixo continuam recolhendo as migalhas...jaz por terra a bravura dos indômitos que depois de provar do sabor do mel, nunca mais querem o fel...

Anônimo disse...

Pelo que entendi, o COMITÊ DE AUDITORIA, INDEPENDENTE E EXTERNO, foi criado pelo CNPC.
Prevê que seus membros não podem ser parte da administração, de conselhos ou empregados. Devem ser "independentes" ou recrutados no mercado.
Me parece que a PREVI quando anuncia que "vai criar um comite de auditoria ", com membros próprios está "capitalizando" , como se ela estivesse aprimorando os meios de controle. Mas, com pessoal do quadro próprio ? E o conselho fiscal (eleito/indicado) que participa das chapas , que delas faz parte ? Está impedido de realizar seu trabalho ?
Partindo a iniciativa de um órgão externo de controle, até dá para entender e aceitar a criação desse comitê INDEPENDENTE, considerando-se o que ocorreu com os fundos de pensão, não só a PREVI, mas com todos os fundos de estatais prejudicados com sucessivos déficits e investimentos duvidosos.
Mas, quando a própria entidade avisa que vai criar o "seu" COMITÊ DE AUDITORIA, " a coisa degringolou de vez", como cita o senhor João Rossi Neto. Esta deficiente a fiscalização ?
É o que penso. Se estiver entendendo de forma errada, agradeço outras opiniões.

Ari Zanella disse...

Alguns pitacos subjetivos:

1) O título "Uma pitada de pimenta" foi colocado porque quando eu circulava pelos corredores da PREVI me "aconselhavam" a não "descer a lenha" no fundo. Diziam: "Escreva sobre receitas de bolo ou outras variedades!"

2) Amigo Cadê: Você está mapeado por mim para qualquer cargo que desejar em nossa humilde chapa a ser formada. A única proibição é negar-se a participar!
Caso o amigo Edgardo queira o nome dele já está gravado como cabeça de chapa.

3) Sinto-me consolado pelo magnífico nível de comentários hiper abalizados. Só está faltando o nosso eterno diretor Aristophanes que, presumo, esteja em plena recuperação cirúrgica!

4) O amigo Fernando Lamas vai ser impelido a participar da chapa pois com a participação dele todos os demais estão sob as bênçãos do Altíssimo. E se Deus é por nós, quem será contra nós?

5) Divany Silveira, prepara-te: Tu estás entre os eleitos!

O João Rossi Neto será o nosso Diretor-Geral, guiando-nos com seus altos conhecimentos. Deus seja sempre louvado!

João Rossi Neto disse...


Ari e colegas,

Meu caro Wilson Luís,

As suas opiniões são sempre procedentes e acatadas, mas nesse caso da segregação administrativa dos dois fundos de pensão, você está de fato nadando contra a correnteza. A estrutura operacional permanecerá a mesma, pois o quadro funcional é da EFPC-PREVI e alheio aos dois planos. Hoje, as despesas administrativas são contabilizadas pelo total no balanço consolidado e depois que as demonstrações contábeis são apartadas, o Previ Futuro (ou Previ 2) ressarce a parcela que lhe cabe no rateio e isso vai continuar sendo feito, estejam ou não os fundos separados, já que o balanço patrimonial é consolidado.

No final das contas, a mudança que vai ocorrer no Previ Futuro é que passará a arcar com os custos totais dos seus novos dirigentes, uma vez que atualmente banca proporcionalmente o custo dos gestores do PB-1. Por ser um fundo de contribuição definida, de finalidade e objetivos diferentes, o Previ Futuro é mais simples de ser gerido e, por isso mesmo, não há obrigação de que pague o mesmo salário que PB-1, sabidamente mais complexo, remunera o seu pessoal, fato em que se esse aspecto for bem negociado, as despesas serão menores.

O fator principal a ser observado, custeio à parte, é a relação custo/benefício, pois com a gestão separada, cada fundo será soberano na tomada das suas decisões mais polêmicas, sobretudo no processo eleitoral que é alvo de muitas críticas e reclamações. De sorte que esse gasto é para o bem de todos, visto que vem pacificar o clima de insatisfação que reina dos dois lados. Não se cogita e ninguém espera, nessa separação, modificação na autonomia dos diretores eleitos, medida que só será possível com alteração ou revogação da LC 108/2001.

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais a todos.

"PAZ NA TERRA"
Caro Professor Ari e demais colegas, a tua honrosa menção ao meu nome compromete-me, duplamente: para que eu não descuide dos assuntos graves da nossa comunidade E para que eu não desvie os meus olhos do Senhor, meu sustento e do universo todo, também.
Espero não desapontarte-te muito, mas confesso/reconheço não haver, em mim, perfil, para tão grave serviço, além do que o "expediente doméstico" exige muito, aqui. Todavia, joelhos dobrados, implorarei, do Altíssimo, abundantes luzes, para a chapa que adentrará, certamente, em região de trevas humanas e caminhará, "como cordeiros, entre lobos"(Lc 10,3). A minha participação é rara e modesta. Por isso, também, venho, hoje, despedir-me de ti e dos demais colegas, DENTRO DESTE 2017 TERMINAL, para retornar, oportuna e modestamente, em 2018. Digo isso, colega, porque, da minha parte, quero recomendar ao teu blog um merecidíssimo recesso natalino e de passagem de ano. TU MERECES, PROFESSOR; A TUA FAMÍLIA MERECE, assim como o merecem os outros blogs da nossa comunidade. Tudo, tudo o que passa, por aqui, pode esperar, sim. Sem mais alongamento, envio a todos o voto de Santo e luminoso e verdadeiro Natal do Senhor e toda a coragem, para o ano novo vindouro.
Tudo de bom, até breve, até 2018 e grato por tudo e segue um sincero PAZ E BEM!

"Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados."
Lucas 2,14

Anônimo disse...

Caro 11:34,

"Partindo a iniciativa de um órgão externo de controle, até dá para entender e aceitar a criação desse comitê INDEPENDENTE, considerando-se o que ocorreu com os fundos de pensão, não só a PREVI, mas com todos os fundos de estatais prejudicados com sucessivos déficits e investimentos duvidosos."

Estimado Colega e a PREVIC?
Entidade criada pelos antigos governantes indiciados, presos, acusados, a qual não cumpre nem decisão judicial.
De que adianta mais e mais fiscalização se nenhuma cumpre seu papel.
Lembro dos grupos de trabalho, que nunca trabalharam... quero dizer, trabalharam mas nunca ninguém cumpriu as sugestões, ou mesmo as determinações por eles concebidas.
Chega de gastar dinheiro bom encima de coisa mal projetada.
Abraço
Feliz Natal

Anônimo disse...

De quanto será reajuste em jeneiro?

Anônimo disse...

16:49,


Caca sobre caca, com exceção dos booonuuusss...

Edmilson lopes de sousa disse...

Anonimo 16:49. Pode ir gastando por conta : acumulado até novembro= 1,8% ; em dezembro do ano passado o inpc foi de 0,14%.Neste ano, se der 2%,pode soltar foguete,certo?A ótima notícia é que a nossa bondosa, carinhosa, meiga,humana,fraterno, compreensiva, solidária ,etc,previ informar que não haverá aumento na contribuição, qsl ?desculpe-me por me aturar.

Anônimo disse...

A PREVIC fiscaliza o macro. Todos os fundos e , segundo opiniões , nenhum é fiscalizado. Ela é que foi "mal projetada" acho que visando só as Tafic.
Agora, convenhamos que o Comite de Auditoria independente e externo, cuidaria exclusivamente do seu fundo e por ele mais fácil de ser cobrado. Isto é, desde que não seja formado por nenhum dos integrantes da entidade fiscalizada.
Se nunca foram cumpridas sugestões ou determinações, é hora de exigir que se cumpram . Exemplo : a exigencia da Previc de se estabelecer o teto das aposentadorias não cumprida.
Talvez um gasto adicional , se bem gasto, pode ser instrumento para se evitar aventuras com gastos maiores geradores de deficits tais quais os apresentados.
Infelizmente não tinhamos a cultura da cobrança. Tudo que era apresentado e levado a voto era aprovado. Os tempos mudam. Na época da vaca gorda não importava a cor do pasto.

Anônimo disse...

FessÕ,

Eu queria ganhar sozinho na mega, para poder pagar um bom cursinho e ser aprovado no concurso do banco novamente. Tudo isso só para ter direito ao vale refeição

Zé da Lua

Anônimo disse...

Emérito Professor ZANELLA:


A PREVI está rindo de "orelha à orelha", com o pífio aumento que concederá em nossos salários, fato que se avizinha (não mais de 2%). Basta um "reles" aumento na contribuição para a CAPEC (Seguros), para nosso aumento ir pelo "ralo". Não quero ser agourento, mas vou precisar de contorcer bastante em 2018, para "não estar na fila/inscrito" no próximo NATAL Sem Fome.