BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

NO LIMITE DA SERENIDADE

NOTÍCIAS PARA VOCÊ


Superávit? Suspensão de Contribuições? Conheça o longo caminho até o equilíbrio do Plano.

     O nosso maior fundo de pensão não precisa ser tão repetitivo. Há uma ave verde na fauna brasileira sendo imitada; deixemo-la praticar o que mais sabe fazer: "Loro-oro!" Nós, pessoas tarimbadas  por décadas de aprendizado, não somos assim tão primários, a ponto de ficarem a nos repetir histórias como se fôssemos todos fãs do Legião Urbana - Mais do mesmo.
     Ontem o meu amigo Rossi me ligou: - Jovem, você leu o que escreveram no site da PREVI? - Não. Pois veja, estão, pela milésima vez, explicando como se forma o superávit do fundo. De tão irritado, dizia o Rossi, não vou comentar.
      Para a PREVI, se houver novo superávit, daqui a uns 10 anos, eles não irão pagar as doze parcelas faltantes do BET. Jamais! Irão discutir a distribuição do novo superávit com todos os envolvidos: Pessoal que permanece na ativa vai receber numa conta especial para saque quando da aposentadoria, o patrocinador querido e dominador; e por último nós, os otários verdadeiros, donos do patrimônio.
    Já estou começando a me irritar. Deus me ajude a manter a serenidade. Não dá para acreditar, meus caros colegas, que dirigentes pensem desta forma. Que nas entrelinhas peçam para nos esquecermos de uma dívida, um compromisso, um Acordo assinado até por órgãos governamentais. Eles dizem que o corte está previsto no capítulo 18 da famosa Resolução 26, e resolução o fundo cumpre à risca! Só não cumpriram uma ordem da PREVIC para que o TETO de benefícios fosse implantado em 33.000 reais; daí o patrocinador bateu o pé, negou-se a cumprir e fim de papo! Resultado: Prevaleceu a implantação do TETO pelos senhores conselheiros deliberativos do fundo e deu no que aí está, em valores atualizados mais de sessenta contos de reis. A PREVIC que implantou a 26 para nos ferrar (somos o elo fraco da corrente) não teve coragem de enfrentar o BB e a PREVI (será devido à Tafic?) para impor-lhes o TETO acordado.
     Somente um novo governo central, justo e equilibrado, compromissado com a justiça, aliado dos aposentados, poderia por termo a essa ignomínia.
Hoje é utópico achar que o nosso fundo vá tentar um acordo conosco para, assim que a situação melhorar, voltar a pagar as doze parcelas deixadas para trás.
      Pode ser ainda que o Senhor lá do alto de sua glória ponha, em breve, um ponto final em nossa injusta nação. Israel é o relógio do mundo. Jerusalém, a cidade eterna, logo deve chamar-se a Nova Jerusalém, que desce dos céus.

JAEL PERDEU DOIS PÊNALTIS NO ÚLTIMO JOGO CONTRA O BRAGANTINO. SE MARCASSE APENAS UMA DAS PENALIDADES, TERIA LIVRADO O JEC DO DESCENSO.

95 comentários:

Anônimo disse...

A Lei deveria ser cumprida à risca, o estatuto também. Mas a resolução (resolveram) é que prevalece sobre tudo o mais. Não dá para compreender.Mesmo que queira.

Anônimo disse...

Está muitíssimo claro que os "dirigentes" atuais da Previ estão alarmados com a possibilidades de que recorramos em massa à Justica, para revermos nossos direitos e para que sejamos novamente recolocados no nosso devido lugar de donos do Fundo. Essas insistentes negativas de reconhecerem nossos direitos e essas irritantes postagens com "justificativas" de o porque não o fazem, tentando colocar-nos na posição de burros idiotas, me parece mais uma politica de lavagem cerebral do que uma explicação real.
Quanto às eleições de Diretoria que se aproxima, penso o seguinte: já que temos a certeza de que, qualquer pessoa que elejamos, ao tomar posse virá com a mesma desculpa que não pode fazer nada por nós pois estará com as mãos e boca amarradas pelo patrocinador, pergunto: por que participarmos dessa farca de democracia? Se a Previ está sob a ditadura do Banco do Brasil, por que elegermos representantes nossos "pro forma"? Proponho ninguém votar nas eleições e convocarmos a mídia falada, escrita e televisiva para dizer que esse foi o meio de nos manifestarmos contra a tirania do Banco do Brasil, que de fato se apoderou ilegalmente do nosso dinheiro. Ficaria assim registrado nosso desgosto para todo o país.

Anônimo disse...

É muito revoltante e indigesto conviver com tudo isso que a Previ nos impõe. ATÉ QUANDO?

Ari Zanella disse...

Segundo o colega Tarcísio Bulhões de Uberaba-MG me informou, os servidores do Estado de Minas Gerais que ganham acima do teto constitucional, deverão DEVOLVER o excedente ao erário público. A determinação é do Tribunal de Contas do Estado e vale para todo o território mineiro. Pelo menos lá a CONSTITUIÇÃO está sendo respeitada. Tarcísio diz ter ouvido a notícia nesta manhã através da Rádio Sete Colinas de Uberaba cujo repórter falou ao vivo direto de Belo Horizonte.

Carlos - Rio Pardo(RS) disse...

ES - Suspensão - A próxima matéria no site da Previ será sobre porque não suspender as prestações do ES. Será aquele monte de blá, blá, blá pra dizer que será ruim para todos nós.
Abr

Alexandre França disse...

Caso ao BB seja privatizado o que acontecerá com a PREVI?

Anônimo disse...

Vem aí o COMITE DE AUDITORIA EXTERNO E INDEPENDENTE, CRIADO PELO CNPC.
Seus futuros efeitos já estão sendo sentidos ?
Percam um pouquinho agora e mantenham tudo como dantes.

Anônimo disse...

Colegas,

A administração dos poderes nacionais teriam virado caso de polícia?
Mais da metade dos políticos eleitos estão sendo indiciados, processados, presos preventivamente e outros com tornozelos anilhados.
Dirigentes e ex-dirigentes de empresas de economia mista, federais, estaduais e municipais estão sendo processados, suspeitos de mau uso do dinheiro público.
Entidades de classe, Fundos de Pensão, organizações para-estatais estão sendo visitadas por Policiais Federais e Ministério Público.
QUE PAÍS É ESTE?
ROMBO NAS APOSENTADORIAS DA CAIXA FEDERAL, DOS CORREIOS, DA PETROS, outros com prejuízos inexplicáveis...
QUE GOVERNANÇA É ESTA?
PROCESSADOS QUE ASSINARAM ACORDOS EM PREJUIZO DOS APOSENTADOS DEVOLVERÃO OS VALORES ILEGALMENE RETIRADOS?





Anônimo disse...

ATENÇÃO INVESTIDORES EM BOLSA

Caro leitor,
Se você quer ver seu dinheiro crescer de maneira realmente relevante, precisa ter algum dinheiro na Bolsa neste momento.
É por isto que você está recebendo este alerta.
Nossa equipe acabou de descobrir uma oportunidade única de investimento.
São 3 ações com potencial para até mesmo triplicar seu capital.
Quando uma janela de ganhos como essa se abre, convém ser rápido.

As 3 ações entraram em nosso radar por unir dois fatores muito especiais:
✓ Grande potencial de valorização
✓ Preço de entrada muito baixo
É uma chance imperdível de investir em ações de alta qualidade, e que custam atualmente menos de 9,99 reais cada.
Isso mesmo.
Menos de dez reais.
Veja, não se trata de ações quaisquer.

Estamos falando de 3 ações com poder de transformar seu patamar financeiro.
Se você já investe na Bolsa, não perca esta oportunidade de turbinar sua carteira investindo pouco.
E, se nunca comprou uma ação, chegou o momento de você também usufruir do potencial de ganhos que apenas a Bolsa oferece.
É possível começar com pouco dinheiro. As ações selecionadas custam menos de dez reais.
Você também terá todo o passo a passo e a orientação para começar seu investimento.
Não deixe para depois.

ATENDIMENTO@MAIL1.EMPIRICUS.COM.BR

Anônimo disse...

Prof. Ari - comentário de 13/12 - 09:38 h

O estado de Minas Gerais não cumpre integralmente as leis, quando, por qualquer razão, seu interesse está em jogo. Veja: há tempos vem parcelando o pagamento dos servidores públicos em três vezes,sendo que a 1ª parcela é bem depois do 5º dia útil. Efetua o pagamento sem o devido acréscimo, ou seja, os servidores públicos têm que pagar acréscimos de seus débitos (inclusive em favor do Estado de MG)quando o pagamento é efetuado com atraso, mas não recebe os devidos acréscimos do estado. Além deste desrespeito com a respectiva lei e com os servidores públicos, demora imensamente a divulgar a escala de pagamento, deixando os servidores sem condições de programar, tempestivamente, seu orçamento financeiro. A titulo de exemplo registro que a escala de pagamento para o mês de dezembro/2017 foi divulgada dia 07/12 à tarde e o pagamento foi programado para 14/12, 22/12 e 28/12, mas nem sempre cumpre as datas programadas a partir da 2ª parcela. Outro exemplo: 13º salário; o de 2016 foi pago em três parcelas, sendo a 1ª em dezembro/2016, a2ª em janeiro/2017 e a 3ª em março/2017, mas no informe para declaração de imposto de renda veio como pago em 2016. O 13º/2017 não tem previsão para pagamento ainda, embora hoje seja 13.12.2017. Pode isto Professor?????

Anônimo disse...

TEXTO 1

Apenas a título elucidativo, vale mencionar que não procede a afirmativa de que as rentabilidades dos investimentos nas empresas Vale S.A. e Banco do Brasil S.A. sejam baixas, pois desde o início desses investimentos seus resultados têm se mostrado acima da meta atuarial do período.

Para que fique mais claro, apenas em 2017, até o mês de setembro, ambos ativos contribuíram significativamente para a valorização de aproximadamente R$ 7,3 bilhões na carteira de investimentos do Plano 1, o que corresponde a uma rentabilidade de 11,02% no ano, frente à meta atuarial acumulada de 5,02% no mesmo período. Desses R$ 7,3 bilhões, quase metade, R$ 3,5 bilhões vieram de Banco do Brasil S.A. e Vale S.A. (Marcelo Coelho de Souza -Chefe de Gabinete)

PARTE 2: POR QUE O HODIERNO CAPITALISMO É UMA ESPÉCIE DO GÊNERO CONSPIRAÇÃO?

-Simplesmente porque tal mercado é apenas uma pirâmide financeira. Ademais, toda pirâmide financeira têm um tempo de vida limitado, como a seguir iremos observar.

Trader anônimo


Anônimo disse...

TEXTO 2

1. O que distingue o campo das finanças dos outros estudados pela teoria econômica é o fato de que este tem por objeto não os retornos dos indivíduos com as mercadorias, como freqüentemente ocorre no da economia, mas os retornos dos indivíduos, com o tempo. ENTRETANTO, UMA DIFICULDADE MAIOR É INTRODUZIDA, DEVIDO À NATUREZA INTRINSECAMENTE INCERTA DESTAS GRANDEZAS. Com efeito, os investidores não conhecem de maneira certa quais serão os ganhos financeiros futuros. (18) (maiúsculo nosso)



2. [...] Segundo os economistas neoclássicos, os títulos têm um valor intrínseco, também chamado de “valor fundamental”, que determina o movimento dos preços. A adequação desta hipótese com a realidade nada tem de óbvio. Como podemos conciliar, sem contorções excessivas, os movimentos erráticos que sofrem as cotações bursateis, tanto para cima como para baixo, com a hipótese de um valor intrínseco estável? ASSIM, FREQÜENTEMENTE, OS ECONOMISTAS SÃO LEVADOS A RECONHECER QUE OS DADOS OBJETIVOS NÃO SÃO BEM SUCEDIDOS EM EXPLICAR AS VARIAÇÕES DOS PREÇOS. (18) (maiúsculo nosso)

3. [...] A observação dos mercados financeiros enfraquece esta visão idílica. A "bolha da Internet" mostrou como as avaliações do mercado podem se dissociar da realidade econômica. Quanto à função de financiamento, deve-se lembrar que, nos Estados Unidos, durante o mesmo período (1995-2000), a emissão líquida de ações permaneceu negativa, principalmente devido aos grandes programas de recompra de ações. Mesmo assim, o mercado financeiro exerceu uma influência dominante nas empresas e em todo o desenvolvimento econômico!

Trader anônimo


Anônimo disse...

TEXTO 3

NO MÍNIMO, ESSE FATO PROVA QUE O PODER DO MERCADO DE AÇÕES TEM OUTRAS FONTES ALÉM DO FINANCIAMENTO DA ACUMULAÇÃO. De modo mais geral, história financeira nos dá uma sucessão permanente de booms e cracks, dificilmente compatível com a "teoria da reflexão".
ENTÃO, PRECISAMOS REVER NOSSA COMPREENSÃO DAS FINANÇAS. PARA FAZER ISSO, O PONTO DE PARTIDA QUE PROPOMOS É O DA LIQUIDEZ. ESTA É, A NOSSO VER, A FUNÇÃO ESSENCIAL DOS MERCADOS FINANCEIROS. PARTINDO DA LIQUIDEZ NOS LEVA A CONSTRUÇÃO DE UMA ANÁLISE DA FINANÇA DE MERCADO MUITO LONGE DA TESE DE UMA ESTREITA CUMPLICIDADE ENTRE A FINANÇA E A PRODUÇÃO.(28) (maiúsculo nosso)

Neste ponto de nossa tratativa parece-nos oportuno perguntar:

Como seria esta “análise da finança de mercado muito longe da tese de uma estreita cumplicidade entre finanças e produção”, acima mencionada?

- Seria uma análise da finança de mercado distante de duas funções atribuída à finança de mercado pela escola neoclássica de economistas, quais sejam: (1) avaliar os títulos bursateis; (2) financiar a acumulação. Entretanto, parece-nos que mercado bursátil não se presta a função de avaliar títulos. Neste sentido, o seguinte fragmento de texto:

[...] AO CONTRÁRIO DOS MERCADOS DO BOM E VELHO FAZENDEIRO, A QUALIDADE INTRÍNSECA E REAL DO QUE É NEGOCIADO NOS MERCADOS FINANCEIROS NÃO É RELEVANTE PARA OS COMPRADORES, APENAS A PREVISÃO DE PREÇOS É. (51)

Em termos grosseiros, a função das Bolsas de Valores é apenas àquela de “prever” preços. Ademais, o fator primordial para previsão dos preços são os fluxos: Em outros termos, “contra fluxos não há argumentos”, como a seguir veremos.

Trader anônimo


Anônimo disse...

TEXTO 4

4. [...] A liquidez cria um mundo no qual a única justificativa para o preço é a sua legitimidade. Os preços das ações não pretendem fornecer uma imagem adequada da realidade do ponto de vista da produção, se tal coisa é sequer imaginável em uma economia que, em um grau ou outro, é caracterizada por uma incerteza radical. Tudo o que importa é que estes sejam aceitos pela comunidade financeira. (18)

5. O apego manifestado pela escola neoclássica da economia em relação ao modelo fundamentalista está parcialmente relacionado a sua subestimação crônica
dos efeitos da liquidez. Temos que ir mais longe e
dizer que a liquidez é um fenômeno que, em sua maior parte, escapa a compreensão destes. É verdade, essa realidade não é totalmente ignorada; os economistas neoclássicos tem tentado definir e a medi-la. Entretanto, a liquidez permanece um fato secundário, subsidiário, de escasso alcance. QUE A LIQUIDEZ POSSA SER CRIADORA DE PREÇOS É UMA TESE DE QUE A TEORIA DO VALOR NÃO PODE ADMITIR. Sobre este ponto, a posição de Walras
é inequívoca: a transação deriva inteiramente da
"Riqueza". Para ser objeto de transações, basta que os
bens tenham valor, ou seja, que sejam úteis e em quantidade limitada. Como conseqüência, a circulação propriamente dita não requer uma compreensão específica. A questão das transações é curto-circuitada. Apenas a restrição de solvência é importante. (18) (maiúsculo nosso)

Trader anônimo

Anônimo disse...


TEXTO 5

6. Na verdade, sob o impulso da cotação contínua, a utilização especulativa do preço de mercado se espalha inevitavelmente. É a própria existência da liquidez, como uma produção institucional dos mercados organizados, que atrai as transações especulativas, forçando a comunidade de investidores a situar-se em relação à opinião majoritária para precedê-la em suas evoluções.
No entanto, esta atividade especulativa sustentada, longe de ser o resultado de um comportamento individual independente e desviante, parece ser "... como uma resposta adequada dos agentes às restrições sociais impostas pelo desenvolvimento da liquidez". Por sua natureza, que não pode ser mais racional ao nível individual, quando esse comportamento é generalizado leva a avaliação coletiva a se separar gradualmente de uma avaliação razoável dos fundamentos. Na medida em que é apenas ex post que se pode determinar se o cenário de referência em que os investidores coordenaram era congruente ou não, o caminho está aberto a todos os excessos. (7)

Trader anônimo





Anônimo disse...

TEXTO 6

7. [...] Em síntese, podemos concluir que A QUANTIDADE DE VALOR CRIADO É PROPORCIONAL NÃO APENAS AOS PREÇOS MÁXIMOS ALCANÇADOS, MAS É IGUALMENTE PROPORCIONAL, AO TEMPO EM QUE OS TÍTULOS PERMANECEM NAS MÁXIMAS OU EM REGIÕES PRÓXIMAS A ESTAS. Tal assertiva pode ser confirmada pelo cálculo das respectivas integrais destas curvas, como antes vimos. Em outros termos, quanto maior a área abaixo da curva de preços bursateis, maior a respectiva criação de valor. Assim, o tempo é o fator vital da criação de valor bursátil, como antes vimos. DA MESMA MANEIRA, O TEMPO É O FATOR VITAL DA MANIPULAÇÃO BURSÁTIL.

Em conclusão, a forma da curva representativa de um “sistema aberto”, que podemos visualizar no Gráfico 9, expressa em termos gráficos a ideia inicialmente imaginada pelo especulador Jesse Livermore (10), conforme se segue:

[...] Na realidade, o único momento em que um vendedor pode ganhar dinheiro grande vendendo uma ação é quando a ação está alta demais. Ademais, a forma da curva encontrada no Gráfico 9, expressa certa observação que antes mencionamos, vale dizer:

ASSIM, É SUFICIENTE MANTER CERTA ESPECULAÇÃO POR DETERMINADO TEMPO (forma continuada), PARA TRANSFORMAR TAL ESPECULAÇÃO NUMA MANIPULAÇÃO. Os fundamentos de tal assertiva estão em Marx, que dizia: […] É apenas por meio de uma transação que os produtos do trabalho ADQUIREM VALORES como uma existência social idêntica e uniforme, distinta da sua existência material e multiforme como objetos de utilidade. (23) (maiúsculo nosso)

Trader anônimo

Anônimo disse...

A troco de que estão fazendo publicidade para a Empiricus?
Cuidado com suas promessas, em muitos casos as mesmas não são cumpridas.
Digo isso porque sou assinante de alguns produtos dos mesmos, com propostas de ganhos mirabolantes que até agora não ocorreram.

Anônimo disse...

TEXTO 7

Em outros termos, a característica da INCERTEZA que existe no conceito de especulação, é transformada na característica da CERTEZA que podemos inferir é encontrada no conceito de manipulação. EM SÍNTESE, O TEMPO É O FATOR VITAL DA MANIPULAÇÃO BURSÁTIL. Portanto, àquilo chamado de “criação de valor bursátil” é apenas uma “manipulação continuada e planejada”.

Como acima vimos, o tempo é o fator vital da criação de valor bursátil! Entretanto, tinha-se que arranjar um substituto para aquele “público”, que se ajustasse àquela sugestão de Jesse Livermore, porém, de forma perene, como sustentamos no Anexo 3. Entretanto, esse público deveria ser tanto ou menos informado quanto àquele público que comparece ao final das fraudes, como vimos na segunda tese. Igualmente, concorre para a certeza de nossa hipótese de manipulação continuada nos hodiernos mercados bursateis a “assimetria de informação e/ou percepção relativa, características inerentes a grande maioria dos participantes das Bolsas de Valores”.

Em síntese, tanto a estratégia de Jesse Livermore objetivando distribuir as ações para o público nas cotações próximas às máximas, quanto à atual determinação dos investidores institucionais de manutenção das cotações das ações dos grupos em que estes detêm ações junto as suas máximas nominais, ou ainda o “espírito” das “tendências Ponzi dos mercados”, se assemelham, tem o mesmo objetivo; almejam uma especulação bem-sucedida: ou melhor, tem por objetivo apenas uma manipulação planejada e de forma continuada.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 8

Em apertada síntese, tal prática tem como objetivo viabilizar inicialmente a criação de valor bursátil, antes mencionada; em seguida, tem por objetivo materializar a mencionada transferência do valor bursátil anteriormente criado entre participantes do mercado (“transferência de riquezas”). O objetivo final é obter a razoabilidade encontrada na “liquidez principal” (“moeda”), por meio do artificialismo total da “liquidez subordinada” (“ações”), como vimos na primeira e segunda tese. Assim, este é um indício da existência de paradoxos e/ou sutilezas das finanças que sustentam a hipótese do surgimento de uma espécie do gênero conspiração no hodierno capitalismo bursátil. Um TERCEIRO INDÍCIO da hipótese de transferência de riquezas no hodierno capitalismo bursátil, que estamos sustentando na presente tese, é conseqüência direta da existência da “lei do valor.” Assim, tal hipótese tem seus fundamentos na existência da lei do valor, conforme se segue:

A reversão bursátil, portanto, deve ser interpretada como uma forma de um lembrete da existência da lei do valor, que segue sua trilha independentemente das tendências econômicas. O QUE DIZ ESTA LEI? DUAS COISAS BEM SIMPLES: QUE HÁ UM VALOR QUE É SIMPLESMENTE AQUELE CRIADO PELO TRABALHO E QUE NÃO SE PODE DISTRIBUIR MAIS VALOR DO QUE AQUELE QUE FOI CRIADO. (45) (maiúsculo nosso)

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 9

8. [...] Aqui nos parece oportuno fazer uma pausa em nossa abordagem para fazermos um importante questionamento: haveria “segurança do principal” e uma “satisfatória taxa de retorno” ao aplicarmos financeiramente em títulos de Petrobras e Vale, títulos cuja valorização ultrapassou em doze vezes o conjunto da valorização média ponderada dos demais títulos da composição do Ibovespa?

- Com certeza, não.

Neste sentido, o seguinte fragmento de texto de autoria do grande aplicador financeiro, Warren Buffett:

Para um título ser considerado um investimento, disse Graham, deve haver certo grau de “segurança do principal” e uma “satisfatória taxa de retorno”. [...] Um rendimento satisfatório inclui não apenas um rendimento, mas também uma valorização dos preços. (10)

Em síntese, tanto a “segurança do principal”, quanto uma “taxa de retorno satisfatória”, são altamente questionáveis em títulos que anteriormente ultrapassaram em doze vezes a valorização dos demais títulos do índice Ibovespa, num longo período (no mínimo dezesseis anos), como antes mencionamos. Entretanto, alguns investidores institucionais têm uma política de investimentos de manter « em carteira » títulos de « liquidez subordinada », de forma permanente. Não obstante, tais títulos estariam « sobre avaliados », como acima sustentamos. Ademais, sustentamos na primeira tese que tais títulos, estariam igualmente « manipulados ». Assim, a conservação destes títulos « em carteira » de forma permanente, é o PRIMEIRO INDÍCIO de que o único objetivo do hodierno capitalismo bursátil é transferir riquezas.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 10

No presente item observamos que os títulos de Vale e Petrobras tiveram valorização que ultrapassou em 12 (doze) vezes o conjunto da valorização média ponderada dos demais títulos da composição do Ibovespa, num período de no mínimo 16 (dezesseis) anos. Tal valorização, portanto, foi extravagante. Ademais, observamos que – por definição fundamental, todo mundo sabe que, o preço se afastando dos fundamentos, este afastamento “anormal” não pode durar. Quanto maior o afastamento e quanto maior a duração deste afastamento, maior a probabilidade de um retorno aos fundamentos. Isto leva, necessariamente, um dia ou outro, a uma reversão das expectativas da maioria o que engata uma baixa auto-sustentável, que pode tomar a forma de um crack, seguido de uma bolha negativa. (34) Tal situação se equipara a uma tendência irreversível de baixa. NATURALMENTE, QUEM “MANTÉM EM CARTEIRA” DE FORMA PERMANENTE ESTES TÍTULOS TRANSFERE RIQUEZAS PARA OS DEMAIS PARTICIPANTES DO MERCADO, QUE ANTES ALIENARAM SUAS AÇÕES. Esta é uma daquelas sutilezas das finanças que sustentam a hipótese de que o hodierno capitalismo bursátil é uma espécie do gênero conspiração.

Neste sentido, podemos ver no Gráfico 5, que semelhantemente ao Gráfico 4, igualmente ocorreu uma acomodação dos preços das ADRs de Vale em novos e menores patamares.

Em outros termos, “a discrepância entre a inflação exuberante da esfera financeira e o crescimento mais moderado da economia real é o cerne do problema.” (44)

Trader anônimo



Anônimo disse...

TEXTO 11

9. A seguir, iremos transcrever certo fragmento de texto encontrado na Internet:
Mariana Durão Vinicius Neder / RIO ,
O Estado de S. Paulo
28 Janeiro 2017 | 07h52

Dos US$ 16,5 milhões pagos como propina pelo empresário Eike Batista ao ex-governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ), conforme apontam as investigações da Operação Eficiência, apenas um décimo foi recuperado. Os valores foram repassados em ações da Vale, da Petrobrás e da Ambev e, ao liquidar os papéis, somente US$ 1,6 milhão (R$ 5,4 milhões) foi arrecadado pelo Ministério Público Federal.
O MONTANTE É 10% DO VALOR INVESTIDO NOS PAPÉIS e uma parcela pequena dos cerca de R$ 270 milhões repatriados até agora pela força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro. “Por opção de Cabral, os US$ 16,5 milhões foram investidos em ações. O que se conseguiu recuperar dessa conta da (empresa) Arcadia no (banco) Winterbotham é um valor muito pequeno porque boa parte do que foi aplicado nas ações evaporou”, disse o procurador da República Sérgio Pinel. Ele afirmou que no fim do ano passado a força-tarefa solicitou a liquidação dos papéis restantes na conta e a repatriação do valor correspondente.
(maiúsculo nosso)

Trader anônimo

Anônimo disse...

sim, o blog virou propaganda direcionada (???)

Anônimo disse...

Texto 12

Vamos nos abster de comentar a possível ilegitimidade e/ou ilegalidade de tal aplicação financeira. Assim, vamos nos limitar a comentar tão somente a RENTABILIDADE financeira de tal aplicação. Neste sentido, observamos que valores equivalentes a apenas 10% do originalmente aplicado, foram obtidos na liquidação da operação, a qual ocorreu no fim do ano passado. Entretanto, a recuperação de apenas 10% dos valores originais comprova algo que antes vimos: o valor do “bem líquido” * que detém o indivíduo A depende do comportamento dos outros detentores.

* liquidez subordinada (títulos bursateis)

Em síntese, os títulos bursateis sem substância de Petrobras, Vale e Ambev assemelha-se aos efeitos de uma fraude, conforme sustentamos na primeira tese. Ademais, parece-nos oportuno observar que a “evaporação” de 90% do valor original dos mencionados títulos está em sintonia com a hipótese de que está em curso uma “TIBBB”.

Trader anônimo


Anônimo disse...

TEXTO 13

10. [...] A QUEDA CONTINUADA DAS ADRS DE VALE DE JANEIRO DE 2011, ATÉ FEVEREIRO DE 2016, FOI DE APROXIMADAMENTE 92%. TAL IMPRESSIONANTE NÚMERO EQUIPARA-SE E MESMO ULTRAPASSA A ABRUPTA QUEDA OCORRIDA NA BOLSA DA ISLÂNDIA EM 14 DE OUTUBRO DE 2008, como podemos comprovar pela simples visualização dos gráficos 4 e 5. Assim, no Gráfico 4 a abrupta queda observada seguiu as forças naturais do mercado. Não obstante, imaginamos que a queda que podemos visualizar no Gráfico 5 foi administrada, ou planejada, conforme sustentamos na primeira tese. Em síntese, a única diferença entre a queda sofrida pelos títulos de Vale, de Janeiro de 2011 à Fevereiro de 2016, comparado ao crack ocorrido na Bolsa da Islândia se encontra no tempo de baixa. ADEMAIS, UMA INFORMAÇÃO ADICIONAL OBTEMOS DA VISUALIZAÇÃO DO GRÁFICO 5: UMA POSTERIOR QUEDA ADICIONAL DE APENAS 8% TERIA LEVADO À 0 (ZERO) A COTAÇÃO DAS ADRS DE VALE.

Trader anônimo

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ari Zanella disse...

Vou levar cacetada por publicar propaganda da Empiricus, comentários longos do nosso amigo Trader Anônimo...Mas o blog é democrático pessoal! Quem não tiver interesse, simplesmente não leia. Obrigado!

Anônimo disse...

TEXTO 14

11. Há pessoas que se adaptam mais rapidamente às mudanças, pois tem um faro mais apurado para perceber a virada dos ventos. Elas se antecipam ao mercado, ajustam suas velas e tiram proveito inteligente da alteração das correntes. Como elas conseguem? Ora, o próprio mercado manda sinais. Outras, entretanto, demoram mais tempo para compreender o que está acontecendo e continuam suas operações utilizando as mesmas estratégias como se o mercado fosse uma coisa estática. Esta lentidão no processo decisório, que resulta em demora nas tomadas de decisão, vai ser responsável pelo prejuízo indesejável. (58)

Como exemplo da observação acima mencionada, a seguir apresentaremos um comentário retirado do blog Investmania (04/12/2014):

Se você observar o gráfico de Vale há 6 anos atrás ele mostrava só um lado da MONTANHA ... Eu falava para uns caras na última corretora que eu trabalhei, SE VOCÊ TEM UM LADO DA MONTANHA FATALMENTE NO FUTURO TERÁ O OUTRO LADO. Não deu outra. Mas as pessoas são céticas só acreditam quando acontece. Tenho um amigo que foi meu cliente, e tem já há muito tempo, eu calculo 400.000 Vale5... Falei isso para ele, quase perdi o amigo... (maiúsculo nosso).

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 15

Tanto a lentidão quanto a pressa, são prejudiciais quando administradas em porção mal calculada. Entra aí a importância do timing, que em outras palavras significa a noção da hora certa em que se deve entrar ou sair de um negócio, qualquer que seja. De igual importância, é o cuidado para com a dose de rapidez ou cautela que se deve imprimir numa determinada operação. Desse modo, sairá bem de qualquer situação, aquele que melhor ajustar suas velas e mais rápido se adaptar aos diferentes cenários.
Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 13

10. [...] A QUEDA CONTINUADA DAS ADRS DE VALE DE JANEIRO DE 2011, ATÉ FEVEREIRO DE 2016, FOI DE APROXIMADAMENTE 92%. TAL IMPRESSIONANTE NÚMERO EQUIPARA-SE E MESMO ULTRAPASSA A ABRUPTA QUEDA OCORRIDA NA BOLSA DA ISLÂNDIA EM 14 DE OUTUBRO DE 2008, como podemos comprovar pela simples visualização dos gráficos 4 e 5. Assim, no Gráfico 4 a abrupta queda observada seguiu as forças naturais do mercado. Não obstante, imaginamos que a queda que podemos visualizar no Gráfico 5 foi administrada, ou planejada, conforme sustentamos na primeira tese. Em síntese, a única diferença entre a queda sofrida pelos títulos de Vale, de Janeiro de 2011 à Fevereiro de 2016, comparado ao crack ocorrido na Bolsa da Islândia se encontra no tempo de baixa. ADEMAIS, UMA INFORMAÇÃO ADICIONAL OBTEMOS DA VISUALIZAÇÃO DO GRÁFICO 5: UMA POSTERIOR QUEDA ADICIONAL DE APENAS 8% TERIA LEVADO À 0 (ZERO) A COTAÇÃO DAS ADRS DE VALE.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 16

12. Três são os SINAIS que desenvolvemos no presente trabalho para tentar demonstrar que a Bolsa de Valores brasileira está em tendência irreversível de baixa: (1) a emergência em determinados títulos bursateis de relações matemáticas e/ou temporais extravagantes;
(2) análise gráfica destes títulos bursateis; (3) e finalmente, mas não menos importante, o surgimento de paradoxos e/ou sutilezas das finanças.

13. Adicionalmente, parece-nos oportuno observar que as ADRs de Vale tiveram uma expressiva alta recentemente (Fev - Nov /2016). Não obstante, tal expressiva alta, de aproximadamente 400%, é insignificante quando inserida num contexto temporal maior, conforme o Gráfico 5 nos permite compreender. Ademais, a irrelevância desta expressiva alta, frente à enorme e prolongada tendência de baixa que podemos observar no Gráfico 5, desde Janeiro de 2011 (US$ 36/ADR), até fevereiro de 2016 (aproximadamente US$ 2/ADR), permite-nos comparar tal gráfico com o Gráfico 4. Desse modo, semelhantemente ao Gráfico 4, no Gráfico 5 igualmente podemos observar duas relevantes informações: UMA GRANDE DESVALORIZAÇÃO E UMA POSTERIOR ACOMODAÇÃO DAS COTAÇÕES EM MENORES PATAMARES

Trader anônimo

Anônimo disse...

Texto 17

Em outros termos, o Gráfico 5, mesmo não sendo a representação gráfica de um grande crack, igualmente apresenta as duas características encontradas no Gráfico 4, gráfico este último representativo de um grande crack, qual seja: uma enorme desvalorização dos títulos de Vale, por aproximadamente 5 (cinco) anos, e uma posterior acomodação das cotações das ADRs de Vale em novos patamares, significativamente menores.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 18

14. [...] A leitura e interpretação das partes em maiúsculo dos dois fragmentos de texto, acima mencionados, sugere-nos que a inteligência de ambos é a mesma. Logo, quer nos parecer que o autor do primeiro fragmento, André Orléan (18), reconhece tacitamente que o hodierno capitalismo bursátil se equipara as “tendências Ponzi dos mercados”, conhecidas popularmente pelo nome de “correntes” ou “pirâmides financeiras”. Neste sentido, observamos que o segundo fragmento de texto é parte relevante do conceito de “tendências Ponzi dos mercados”, conforme a explicação proposta pelo economista Frédéric Lordon (14), como vimos acima no segundo fragmento de texto. Não obstante, tais “tendências” são conhecidas particularmente por serem fenômenos que tendem a ter um fim, geralmente abrupto, devido à impossibilidade matemática de sustentação destes fenômenos por longos períodos de tempo.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 19

Podemos expressar com palavras tal paradoxo, conforme se segue:

• [...] SE É POSSÍVEL A UM INDIVÍDUO SE LIVRAR DE UM TÍTULO QUE ELE JULGA POUCO COMPETITIVO, TAL POSSIBILIDADE NÃO EXISTE PARA O MERCADO COMO UM TODO. O mercado, tomado em sua totalidade, não consegue se livrar de tal título. Para que um indivíduo venda um título, é necessário que outro se disponha a comprá-lo. Em verdade, independente dos movimentos de compra e venda, o número de ações permanece constante, assim como o lado do capital permanece inalterado na forma de capital produtivo. Isto é o que chamamos de “paradoxo da liquidez”. (18) (negrito e maiúsculo nossos)


[...] A liquidez liga estreitamente os atores econômicos entre si. É assim, em primeiro lugar, porque o valor do bem líquido que detém o indivíduo A depende do comportamento dos outros detentores. Se os outros titulares deste título, por um motivo ou outro, não desejarem mais o bem líquido, seu valor irá cair para zero e o indivíduo considerado poderá ser arruinado sem nada ter feito. ASSIM, CADA ATOR NÃO TEM OUTRA ESCOLHA ALÉM DAQUELA DE ESTAR CONSTANTEMENTE ATENTO AO COMPORTAMENTO DO GRUPO DO QUAL DEPENDE SUA RIQUEZA. (18)
(maiúsculo nosso)

Em síntese, como antes vimos às bolhas especulativas apóiam-se numa hipótese impossível: a de que novos investidores entrarão na ciranda para sustentar o ganho dos que chegaram antes. Igualmente é uma hipótese impossível àquela que novos investidores irão fazer aplicações financeiras em títulos negociados na Bolsa de Valores brasileira, para sustentar o ganho daqueles que mantiveram “em carteira” títulos bursateis negociados nesta Bolsa de Valores, mormente após o reconhecimento pela grande maioria dos investidores que o hodierno capitalismo bursátil é apenas uma espécie do gênero conspiração.

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 20

Portanto, a “Tendência Irreversível de Baixa da Bolsa Brasileira”, doravante “TIBBB”, deve prevalecer, como iremos sustentar ao longo do presente trabalho. Aqui se encontra um primeiro fundamento da “TIBBB”. Ademais, as “tendências Ponzi dos mercados” são fenômenos que tem um tempo de vida limitado, como antes vimos. Este é um segundo fundamento do porque sustentamos a “TIBBB”. Um terceiro indício da “TIBBB” está na “forma de montanha” de vários gráficos encontrados no presente trabalho.

15. [...] Neste sentido, a assimetria de informação encontrada nos fundos de pensão pode ser resumida, conforme se segue:
• As principais dificuldades no tocante à administração dos fundos de pensão relacionam-se à separação entre propriedade e gestão, assimetria de informação e divergência de objetivos entre o principal e o agente, tendo como conseqüência os chamados “problemas de agência”. (21)

• Essa assimetria de informações torna a gestão de ativos dos fundos de pensão uma “indústria ineficiente”, pois os donos finais dos ativos (“principais”) não dispõem de suficiente informação sobre as atrocidades que são cometidas em seus nomes, tanto que a gestão de ativos é considerada pelos experts o calcanhar-de-aquiles do sistema de fundos de pensão. (21)

Trader anônimo

Anônimo disse...

TEXTO 21
• A teoria da agência enfatiza a tendência natural de os dirigentes, em função da posição que ocupam, deterem mais informações que os associados, cujo poder de controle se apresenta fraco. Desse modo, a assimetria de informação abre espaço para informações oportunistas, pois pressupõe que o agente pode utilizar informações em seu benefício próprio. Assim, resta como alternativa a observação dos resultados alcançados pelo agente. (54)

Entretanto, ao associarmos o fato dos resultados alcançados pelos AGENTES serem observados somente no futuro, com a divergência de objetivos entre os AGENTES e os PRINCIPAIS, não nos parece exagerado prognosticar que teremos como resultado o surgimento dos chamados preços “virtuais” e/ou “manipulados”, conforme antes sustentamos.

Trader anônimo


Anônimo disse...

TEXTO 22

16. Conseqüentemente, aqui encontramos a explicação do por que o “destino das riquezas, cada vez mais, se concentram em poucas mãos”. (9) Entretanto, esta concentração das riquezas em poucas mãos tem suas raízes no fato de que são falhas maiores as duas linhas de força em torno das quais se estruturou o novo regime de acumulação, como sustentamos na primeira tese. Adicionalmente, na terceira tese iremos observar que o tempo é o fator vital que maximiza a criação de valor; logo, quanto maior for o tempo de transferência de riquezas, mais riquezas serão transferidas.
Em outros termos, permitimo-nos imaginar que como conseqüência do surgimento destas duas falhas maiores*, quanto mais tempo a grande maioria dos acionistas mantiverem em carteira tais títulos, mais eles tendem a ter seu capital diminuído. Tal observação é o QUINTO INDÍCIO de que o único objetivo do hodierno capitalismo bursátil é apenas transferência de riquezas. Voltaremos a esse tema mais detalhadamente na terceira tese.

* Desregulamentação dos mercados de ativos e a poupança concentrada coletiva**

** Fundos de pensão e fundos de mútuo

Trader anônimo

Anônimo disse...


TEXTO 23

17. Marcelo Coelho de Souza - Chefe de Gabinete, aduz: “Apenas a título elucidativo, vale mencionar que não procede a afirmativa de que as rentabilidades dos investimentos nas empresas Vale S.A. e Banco do Brasil S.A. sejam baixas...”

- Entretanto, a nosso ver, “A QUEDA CONTINUADA DAS ADRS DE VALE DE JANEIRO DE 2011, ATÉ FEVEREIRO DE 2016, FOI DE APROXIMADAMENTE 92%. TAL IMPRESSIONANTE NÚMERO EQUIPARA-SE E MESMO ULTRAPASSA A ABRUPTA QUEDA OCORRIDA NA BOLSA DA ISLÂNDIA EM 14 DE OUTUBRO DE 2008, como podemos comprovar pela simples visualização dos gráficos 4 e 5. [...] ADEMAIS, UMA INFORMAÇÃO ADICIONAL OBTEMOS DA VISUALIZAÇÃO DO GRÁFICO 5: UMA POSTERIOR QUEDA ADICIONAL DE APENAS 8% TERIA LEVADO À 0 (ZERO) A COTAÇÃO DAS ADRS DE VALE. (ver item 10)

Trader anônimo


Anônimo disse...

Comentário das 12:25 - A matéria, na realidade, desmente o boato, favor deletar ou desconsiderarem. Grato!
https://veja.abril.com.br/blog/me-engana-que-eu-posto/tiririca-armou-grande-golpe-para-se-aposentar-como-deputado/

Anônimo disse...

TEXTO 25
18. Ademais, observou o economista francês, André Orléan: “[...] o valor do bem líquido que detém o indivíduo A depende do comportamento dos outros detentores. Se os outros detentores, por um motivo ou outro, não quiserem mais o bem líquido, seu valor irá cair para zero e o indivíduo considerado poderá ser arruinado sem nada ter feito. Assim, cada ator não tem outra escolha além daquela de estar constantemente atento ao comportamento do grupo do qual depende sua riqueza. (18)
(ver item 14)

Referências bibliográficas

(7) BOURGHELLE, David e HYME, Pauline. Du mythe de l'efficience des marchés au krach: l'illusion de la liquidité boursière, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27.06.2011;

(9) VACCARO, Stefania Becattini. Fundos de Pensão : Um Caminho Socioeconomicamente Viável ? Universidade Federal do Espírito Santo. Centro de Ciências Econômicas e Jurídicas, Vitória, 2009;
Trader anônimo

Anônimo disse...

Será mais um saco sem fundo?
https://istoe.com.br/guarulhos-fara-aumento-de-capital-de-r-850-mi/

Anônimo disse...

TEXTO 26
(10) LEFÈVRE, Edwin. Reminiscências de Um Especulador Financeiro. Tradução e Revisão Técnica do Dr. Roberto Luis Troster. São Paulo : Makron Books, 1994. Originalmente publicado em 1923;

(14)diplomatique.org.br/o-mundo-refem-das-finanças/

(18) digamo.free.fr/empirval.pdf;

(21) MOTA DE FARIA, Cláudio. Fundo de pensão estatal brasileiro: uma fundamentação equivocada e inadequada, 2006;

(23) regulation.revues.org/9483;

(28) www.parisschoolofeconomics.com/orlean-andre/depot/publi/RAP2004tBOUR.pdf;
(44)https://arxiv.org/pdf/0905.0220.pdf

(45) hussonet.free.fr/mhz.pdf;

(51)http://blaqswans.org/en/2010/02/introducing-economist-andre-orlean-and-his-work-on-the-efficient-market-hypothesis/;
(54)http://www.scielo.br/pdf/rac/v12n1/a04v12n1;


(58) LEITE, Luiz Carlos. Estratégia Cálculo Equilíbrio. Editora Petrus, BH, 2013;

Trader anônimo

João Rossi Neto disse...

A Diretoria Executora (trocadilho proposital) e Maligna, que só cumpre a legislação para favorecer o BB e reduzir benefícios e direitos dos associados, antecipou, em 01/01/14, dia macabro, o corte do BET, lesando-os no pagamento de 12 parcelas mensais, correspondentes cada uma a 20% dos benefícios PREVI, já que a parcela recebida do INSS não foi computada em tal cálculo. Esse massacre desproporcional, com brusca redução nos proventos foi à ruína, uma vez que abalou as nossas finanças e aprofundou ainda mais a nossa pobreza.
Os documentos que deram origem a destinação da Reserva Especial de 24/11/14, foram subscritos por mais de uma dezena de pessoas proeminentes que participaram ativamente do fechamento do acordo negocial do BET e da suspensão das contribuições, posteriormente rompido, unilateralmente, pela Diretoria Executiva, em jan./14, à revelia do grupo envolvido, como se o compromisso ético, moral e profissional de cada um não tivesse valor algum. Uma simples conversa fiada de mesa de bar ou devaneios e frivolidades de adolescentes em um convescote.
Somente para enfatizar, cito que nesse grupo seleto de interlocutores influentes estava o Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão da época, cujo compromisso pessoal firmado por ele foi lançado no lixo como se o mesmo fosse um Zé Ruela qualquer.
Além desse Ministro, outras autoridades que citarei a seguir, participaram compulsoriamente do processo de distribuição de superávits, a saber: O Secretário Executivo do Ministério da Fazenda, dois Diretores do Banco do Brasil, o Conselho Deliberativo da PREVI e a PREVIC. Aliás, em qualquer negociação que vise à destinação de Reserva Especial esses representantes institucionais são obrigados a participar por força de lei.
É oportuno salientar que, sem à autorização dessas autoridades o dinheiro do superávit não é liberado para os beneficiários. Portanto, trata-se de um ato jurídico legal, perfeito, acabado, líquido e certo e que não poderia ser rasgado sem análise e discussão profundas de alternativas viáveis e exequíveis para contornar a letra fria de uma resolução ilegal, cuja validade jurídica, desde aquela época já estava sendo contestada na Justiça.
Ora, veja, saídas técnicas, legais e morais era o que não faltava para resguardar a Diretoria Executiva para não autorizar o corte do BET. A principal justificativa, sem dúvida, foi o resultado do Balanço Patrimonial, de 31/12/13, por ter apresentado o gigantesco superávit de R$ 24.7 bilhões, façanha financeira inédita, sem precedentes e resultado positivo imbatível até por outras empresas privadas de grande porte do País. Uma sobra técnica estratosférica como essa era para ser comemorada, aplaudida e nunca para servir de parâmetro para corte.
É verdade, para cobrir integralmente a Reserva de Contingência no valor de R$ 29.6 bilhões, faltaram R$ 4.9 bilhões (R$ 29.6 – R$ 24.7 = R$ 4.9), porém em se tratando de grandezas dessa magnitude, essa diferença, relativamente pequena, poderia muito bem ser ponderada e nunca dar causa para mutilar os rendimentos dos donos do fundo de pensão, os quais não têm ingerência alguma na gestão.


(Continua...)

João Rossi Neto disse...

(Continuação...)

Isso é um absurdo inaceitável, dirigentes não cumprem a meta e recebem Remuneração Variável, enquanto que os inocentes associados são punidos e perdem grossa fatia de seus proventos (24,8%) por algo que não fizeram. Essa inversão de papéis é abominável.
O pior dessa história foi o açodamento e a pressa da Diretoria Executiva para cumprir a resolução, como se fosse sangria desatada, numa correria desenfreada para prejudicar os associados e agradar o patrão BB. Nem esperaram o fechamento definitivo dos números do balanço que normalmente ocorre no transcurso do 1º trimestre do ano seguinte e muito menos os pareceres da Auditória Independente, do Conselho Fiscal e a aprovação das contas pelo Conselho Deliberativo.
Com base apenas em “apontamentos contábeis preliminares e provisórios”, sujeitos a falhas, erros e consertos, determinaram o corte do BET e a volta das contribuições, atabalhoadamente, em 01/01/14, mesmo com saldo superior a R$ 1 bilhão no Fundo Previdencial, na época, suficiente para honrar os 12 meses restantes do BET. Essa atitude arbitrária e ditatorial demonstra que os dirigentes queriam ser mais realistas do que o Rei.
Essa atrapalhada lambança administrativa calcada no achismo e na adivinhação, foi irresponsável e de má-fé, porque uma medida dessa envergadura, tão grave e aguda de reduzir benefícios, teria que ser alicerçada em números concretos, fechados e definitivos. Faltou seriedade quando se invocou a visão de futuro do balanço para autorizar e divulgar a tragédia da suspensão do BET.
A propósito, a fragilidade da resolução espúria que amparou o corte do BET era tanta que, no momento, já foi ANULADA, em sentença de 1º grau, prolatada por Juiz do Rio-RJ, na ACP do MPF.
Se essa decisão não for reformada em instâncias superiores, todos os atos abusivos, ilegais e imorais, praticados durante a sua vigência serão anulados e os dirigentes que adotaram as suas diretrizes, sobretudo os Diretores da PREVI, certamente serão punidos, porque tinham ciência das ilegalidades e dos riscos a que estariam sujeitos, mas optaram por apostar na impunidade, executaram o serviço sujo e perderam, pelo menos, até aqui. Essa perda da Diretoria será semelhante ao grito em assalto: Perdeu playboy!
Para resumir, a Diretoria Executiva roeu a corda e rompeu levianamente até a sua própria palavra, uma vez que subscreveu os documentos das tratativas preliminares e do acerto final como figura de proa, porque o processo de destinação de Reserva Especial não se inicia e nem se conclui sem a sua participação direta.
Insatisfeita com a façanha deletéria (corte de 20% do BET), aproveitando o bisturi que já estava na mão, ampliou a cisão e retornou a cobrança da contribuição de 4,8%, ou seja, com o aval a guilhotina do patrocinador do BB, senhor absoluto do fundo de pensão, decepou 24,8% dos nossos benefícios, de uma só tacada, o que refletiu em um impacto financeiro negativo de 1/5 sobre os nossos proventos totais. A pergunta se que impõe: Um corte (4,8% ou 20%) apenas não seria suficiente?
Tomamos conhecimento do presente grego, de Natal e Ano Novo, que a Diretoria Executiva deu aos aposentados, através da publicação da mensagem pessimista e apocalíptica dos fins dos tempos, onde salienta que no atual cenário é impossível cogitar a obtenção de superávits para constituir nova Reserva Especial, tendo presente que somente para satisfazer a Reserva de Contingência, necessitaríamos de R$ 38.4 bilhões de sobras técnicas. Como conseguir isso se o fundo, posição de 31/10/17, está deficitário em R$ 7 bilhões?

João Rossi Neto disse...

( Final )

Aqui cabe um elogio. De fato a Diretoria Executiva sabe escolher com precisão cirúrgica, o momento estratégico ideal para torpedear o Corpo Social com noticias desagradáveis. Se esse sarcasmo e deboche não for um ato para tripudiar, não sei mais o que é caça as bruxas e revanchismo.
Nós podemos considerar que o BB, depois a resolução 26/2008, passou a ser nosso sócio, pois a nossa Caixa virou uma das suas subsidiárias. Metaforicamente, colocando uma vaca para representar a PREVI, somos donos de uma banda dessa vaca e o BB da outra. O que está escancarado nessa relação é que a Diretoria Executiva, sem vergonha nenhuma, só protege e faz engordar a parte do banco. Em consequência, a vaca ficou cambeta.

Anônimo disse...

ERRATA: O TEXTO 25 é o TEXTO 24; logo, o TEXTO 26 passa a ser TEXTO 25.

Trader Anônimo

Josué PARANÁ disse...

O que vem a seguir pelo Trader Anônimo? Publicação da Constituição Federal de 1988? Estejamos preparados.

Anônimo disse...

Anonimo das 14: 12.

Acabou??

Anônimo disse...

Fernando Lamas, tem noticias do nosso colega que fez a cirurgia do coração?

João Rossi Neto disse...

Caro Ari e colegas,

Como não tenho compromisso com o erro, cabe-me corrigir o valor da Reserva de Contingência de 31/12/13 que, equivocadamente, informei como R$ 29.6 bilhões, mas na realidade é menor e totalizou R$ 28.5 bilhões. Em consequência do erro, o valor a descoberto, ou seja, o que faltou para cobrir a RC caiu para R$3.80 bilhões (R$ 28.55 bilhões - R$ 24.75 bilhões superávit de 2013= R$ 3.80 bilhões. As demais considerações permanecem intactas.

Anônimo disse...



Ari Zanella13/12/2017 12:27
Vou levar cacetada por publicar propaganda da Empiricus, comentários longos do nosso amigo Trader Anônimo...Mas o blog é democrático pessoal! Quem não tiver interesse, simplesmente não leia. Obrigado!

Blog democrático ? Kkkkkkkkkkk

Piada do dia

Humberto - Caxias do Sul disse...

Prezado João Rossi Neto: mesmo sem tua autorização, já estou fazendo campanha e divulgando teu nome entre colegas de Caxias do Sul e região Nordeste do RS, para uma possível candidatura a Diretoria da Previ nas eleições de 2014.

Urge que essas associações ditas representativas dos interesses dos aposentados BB deixem de lado suas diferenças, picuinhas insignificantes, interesses e veleidades pessoais, etc, e passem a se organizar, desde já, no sentido de apresentar, de forma unida, uma chapa forte, com nomes de colegas realmente preparados e conhecedores não só dos assuntos referentes a PREVI, mas também cientes dos problemas que atingem considerável parte de colegas menos afortunados, com situações financeiras complicadíssimas e que não cabe aqui comentar, pois sao de ordem pessoal e muito particular.

Um dos colegas mais preparados para ocupar um cargo diretivo na PREVI, tenho certeza disso, é o teu nome JOAO ROSSI NETO.

Assim, associações e representantes dos aposentados, busquem desde agora uma ampla União, com nomes expressivos dentre os colegas, formem essa chapa e vamos tratar de divulgar esses nomes, na expectativa de que, uma vez eleitos, busquem recuperar alguns de nossos direitos e benefícios perdidos nos últimos anos, especialmente aqueles citados no teu brilhantissimo comentário das 14,12
Ou nos unimos de vez em torno de nomes que realmente defendam nossos legítimos interesses ou entao jamais teremos voz ativa na diretoria da Previ

Anônimo disse...


Prof. Ari, tendo em vista que os encargos de correção do sado devedor do empréstimo simples estão menores, uma boa sugestão seria a Previ cancelar a necessidade de carência para renovação do empréstimo neste mês de dezembro. Muitos poderiam se aproveitar e melhorar um pouco a situação de final de ano. Só como exemplo, no meu caso com 3 parcelas pagas poderia receber perto de RS 3.500,00 na renovação.

Humberto - Caxias do Sul disse...

Prezado João Rossi Neto: mesmo sem tua autorização, já estou fazendo campanha e divulgando teu nome entre colegas de Caxias do Sul e região Nordeste do RS, para uma possível candidatura a Diretoria da Previ nas eleições de 2014.

Urge que essas associações ditas representativas dos interesses dos aposentados BB deixem de lado suas diferenças, picuinhas insignificantes, interesses e veleidades pessoais, etc, e passem a se organizar, desde já, no sentido de apresentar, de forma unida, uma chapa forte, com nomes de colegas realmente preparados e conhecedores não só dos assuntos referentes a PREVI, mas também cientes dos problemas que atingem considerável parte de colegas menos afortunados, com situações financeiras complicadíssimas e que não cabe aqui comentar, pois sao de ordem pessoal e muito particular.

Um dos colegas mais preparados para ocupar um cargo diretivo na PREVI, tenho certeza disso, é o teu nome JOAO ROSSI NETO.

Assim, associações e representantes dos aposentados, busquem desde agora uma ampla União, com nomes expressivos dentre os colegas, formem essa chapa e vamos tratar de divulgar esses nomes, na expectativa de que, uma vez eleitos, busquem recuperar alguns de nossos direitos e benefícios perdidos nos últimos anos, especialmente aqueles citados no teu brilhantissimo comentário das 14,12
Ou nos unimos de vez em torno de nomes que realmente defendam nossos legítimos interesses ou entao jamais teremos voz ativa na diretoria da Previ

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais.

Caro Professor Ari e demais colegas, desconheço o resultado da cirurgia prevista, para o Ex-Diretor do BB, senhor Aristophanes. Saberei, somente, pelo blog. Salvo engano meu, a previsão da primeira etapa, era para o dia 12, ontem e a da segunda etapa, será para o dia 16, sábado.
Oremos ao Senhor, pelo respeitadíssimo colega.
Grato e PAZ E BEM!

"O temor do Senhor alegra o coração e dá contentamento, gozo e vida longa." Eclesiástico 1,12

Anônimo disse...

Emérito Professor ZANELLA:


Tenho a vaga impressão que o Trader Anonimo, a quem muito admiro pelas suas epístolas econômicas (ou seria astronômicas), seria aquele "orador oficial", que toda Agência ou AABBs, nos velhos bons tempos possuiam, para pontuarem em nossos momentos alegres. Acho que ao final de cada seu discurso, só restava os encarregados de "fecharem o recinto" e os que tinham ficado nos "braços de Morfeu", pelo excesso de libações.

Jose Roberto Eiras Henriques disse...

Sr. Rossi,

Os representantes do Governo, Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Sr. Paulo Bernardo e o Secretário Executivo do Ministério da Fazenda Sr. Nelson Machado, à época da distribuição do superávit não assinaram o Termo de Compromisso.
Conforme cópia do Termo de Compromisso distribuído aos participantes do Plano, consta as assinaturas dos representantes do Banco do Brasil, da Previ, da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, da AAFBB, ANABB e da FAABB, não constando as assinaturas no espaço reservado aos representantes do Governo.
Parece que já pressentiam ou não pretendiam cumprir integralmente as condições acordadas.

PS. Pelo menos a cópia do Termo Compromisso que recebi não consta as assinaturas dos emissários do Governo.

Anônimo disse...

O exercício de 2017, pelo andar da carruagem, deverá ser superavitário para o PB-1. Mas, levando-se em consideração o acumulado de anos anteriores, o resultado ainda será deficitário. Uma pergunta que se impõe. Será que, mesmo assim, haverá pagamento de bônus de remuneração variável para os membros da diretoria executiva? Quem souber a resposta por favor se manifeste.

Anônimo disse...

Provérbios 6:16-19 – “Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos”.

Irmão Zanella nesse versículo o Senhor esta dizendo a sétima, dessa lista de pecados, Ele não só aborrece Deus, mas também abomina; que é semear contendas entre irmãos.

O Sr. não fica constrangido ao fazer oração e falar com Deus e saber que esta semeando a discordia entre os irmãos em sua vida?

Divany Silveira A/C Fernando Lamas disse...


À

Familia de Aristophanes

Solicito ,por obséquio, informações se o colega fez a operação e se está

passando bem. A resposta pode ser via Blog do Ari.

Divany silveira - A/C Fernando Lamas -Blog do Ari

Anônimo disse...


Prof. Ari
Enquanto essa diretoria petista, principalmente o diretor de seguridade, se mantiver aí, mandando e desmandando na Previ, continuo achando que o PT ainda está governando esse país.

abraço.

Anônimo disse...

Meu amigo, a Previ é a galinha de ovos de ouro para o Banco do Brasil e para sua Diretoria Executiva. Nos aposentados somos somente os "contribuintes" que se serve dos farelinhos do banquete que caem do no chão, tipo ES....., já que somos reféns do ditador BB.
Não nos enganemos: na próxima eleição da Previ, os "nossos representantes" empossados, no mesmo dia do resultado das apurações de votos, já vão declarar que "estão de mãos e bocas atadas" para poder fazer alguma coisa por nós, nos mesmos moldes da tal "chapa 3" para quem trabalhei feito mula, visitando 11 agências do bb aqui em São Paulo para fazer propaganda e hoje em dia temos o que temos: pensam somente no salário e outras benesses que recebem. Antes eramos "caros colegas" e hoje somos "velhinhos trambiqueiros".

João Rossi Neto disse...

Caro José Roberto Eiras Henriques,

O exemplar do Termo de Compromisso que você possui é igual ao que eu tenho e o Paulo Bernardo e o Nelson Machado não assinaram esse documento. Nós temos ciência da participação deles nas negociações e o compromisso à instalação do processo para adotar alterações no Regulamento do Plano de Benefícios do Plano de Benefícios 1, foi verbal, apesar de que esse tipo de mudança não passa pelas suas áreas de atuações. Agora, depois que o Corpo Social aprovou o Memorando de Entendimentos, em votação específica, o processo da destinação dos superávits passou pelo CD da PREVI, BB, Secretaria Geral da Fazenda, DEST-Planejamento e pela PREVIC.

Ari Zanella disse...

19:23

Fico muito constrangido, meu irmão. Desde já peço-lhe perdão se o machuquei ou se estou praticando esta discórdia entre irmãos. Obrigado por alertar-me, assim tenho a oportunidade de me corrigir e converter. Deus seja louvado! Continue assim vigilante, meu amado irmão, eu aceito a correção.

Anônimo disse...

Qual discórdia? Não entendi o fariseu usando a Sagrada Escritura para puxar a orelha.

Seu Ed não tem notícias do Diretor?

Professor,

Muito obrigado pelo excelente trabalho que desenvolve sem ganhar nada em troca. Ah! Fora os conselhos...

Blog do Ed disse...

Estimado Ari
Eu também estou ansioso por notícias do estimado diretor Aristóphanes.
Edgardo

Marlise Schauren disse...

Prezado amigo e colega Jõao Rossi Neto, li com muita atenção e entendi que a
suspensão do Bet e a cobrança dos 4,8 de contribuição foram totalmente injustas e ilegais o que me deixa indignado (da vontade de entrar na sede da
Previ dando tiro pra todo lado), no entanto pergunto se, diante de tudo, não
caberia uma ação coletiva na JUstiça para corrigir este absurdo contra nós?

Um fraterno abraço e feliz Natal e saúde e energia para continuar na defesa dos nossos direitos,

Carlos Machado Sobrinho
Lajeado-RS

WILSON LUIZ disse...

Reitero indagação feita ao trader anônimo em postagem anterior, ainda sem resposta.

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Pergunto ao trader anônimo, que defende que as ações de sólidas empresas caminham para valer zero, o que ele acha de aplicações em títulos do governo, que não têm qualquer lastro real ou garantia?
Lembro que no governo Collor, quando a coisa apertou, ele simplesmente "congelou" tais investimentos.

Reitero o que escrevi anteriormente, quando as ações da Apple, que hoje valem 900 bilhões de dólares, valerem zero, compro todas.

Anônimo disse...

Seu Ari, sem essa de ficar constrangido, e blá blá blá. Esse colega, carta fora do baralho, só entrou pra te deixar assim, se sentindo culpado. Manda ele ou ela ficar o dia inteiro sentado em frente ao computador e trabalhando de graça pra ver o que é bom pra tosse. Essa gente é muito engraçada. Vc não precisa de conselhos.

Nos poupe né 19: 23.

Heleno Pinto, cadê vc?

Anônimo disse...

Indepiedente do resultado, parece que o Vasco perdeu o título de VICE para o Flamerdo.
Gastaram os tubos e os resultados não apareceram
Parece familiar


Zé da Lua

Anônimo disse...

Kkkkk

Arrumaram o Maracanã para los hermanos fazerem a festa

Vice da Copa do Brasil

Vice da Sul-americana

2017 foi perfeito

Anônimo disse...

Zé da lua mesmo kkkk Flamengo ganhou

Anônimo disse...

Muito bom irmão Zanella, sempre é tempo de arrepender - se. Nós os Cristão não podemos ser exemplos de contenda, pelo contrário, devemos ser luz para a escuridão do mundo, assim como Cristo foi

Anônimo disse...

Aqueles que não torcem pelo Flamengo estão felizes. Com toda razão. Nós flamenguistas não costumamos discutir com os outros, principalmente aqui no Rio, onde somos quase 50% da população. E mais, o freguês tem sempre razão.

Anônimo disse...

Caro Wilson Luiz,

Não estamos sugerindo aplicações em renda fixa!
Talvez aumentar a carteira de ES pode ser um caminho...
Temos que pensar algo fora da caixa..

Trader anônimo

João Rossi Neto disse...

Caro Ari e colegas,

TARTARUGA VERSUS JUSTIÇA: QUEM CHEGA PRIMEIRO?

Desde que me entendo por gente, o que sempre ouvi, de forma unânime, foram críticas duras, pesadas e atrozes sobre a morosidade da Justiça, sobretudo as dirigidas ao STF, e com justa razão, porque ali a maioria dos onze Ministros é composta por juristas idosos, cansados e de baixa produtividade. Não seria exagero alguém afirmar que lá impera a marcha lenta o que faz da Suprema Corte o "Reino da Sonolência".

Como tese de defesa, poder-se-ia argumentar que devagar se vai ao longe. Mas, na era digital, onde as evoluções em todos os segmentos da vida se atropelam e pedem passagem, em franca ebulição, a sociedade cada vez mais exigente, quer as soluções de seus conflitos e problemas, na área do Direito, para ontem. Assim, refuta a teoria do marasmo.

Neste contexto, a lentidão é inaceitável e a engrenagem do Judiciário (na primeira instância é mais ou menos), notadamente nas instâncias superiores, de giro lento, precisa ser modificada. Em suma, que o Poder Judiciário, há décadas, carece de uma ampla e inadiável reestruturação, isto é fato.

Agora, foi a primeira vez que vi a coisa em sentido oposto, na contramão da história.Eis que,espantosamente, o advogado do Lula criticou a “rapidez” da Justiça, dado que o TRF-4 marcou para o inesperado dia 24/01/18, o julgamento do seu cliente.

Que é uma situação excepcional, impar, fora dos padrões habituais, isso não resta dúvida, mas a prioridade faz todo o sentido e justifica o emprego da urgência nesse caso, com a aplicação do princípio do “Periculum in Mora – Fumus Boni Iuris”, já que o Lula pode conturbar o processo eleitoral, como, aliás, vem fazendo com essa campanha extemporânea.

Ao final das contas, o Tribunal Regional Federal ao dar celeridade neste julgamento, estará prestando um excelente serviço à sociedade, pois em caso de condenação, fará o expurgo de um candidato que não tem a mínima condição de pleitear nada, salvo uma cela razoável no sistema prisional pela sua condição de ex-presidente, porquanto sem curso superior (parece que não tem nem primário completo), o normal seriam as masmorras que os pobres mortais, sem privilégios, ocupam.

Anônimo disse...

Dileto Mestre,

Apostei com o flamenguista Divany, meu BET contra o dele, que o urubu seria depenado.
E agora teacher?

A quem devo recorrer?

Ele tinha tanta certeza que apostou 10 contra 1 - O BET dele é 10 X maior

Minerin do Quejin

Anônimo disse...

A explicação que a Previ dá para os bons resultados do PB-1 poderia se resumir apenas em duas palavras:
para os associados - nada
para a diretoria - bônus

Ari Zanella disse...

POR ENQUANTO CORRE TUDO BEM COM O DR. ARISTOPHANES, GRAÇAS A DEUS!

Fiz um périplo virtual pelos hospitais do Recife para localizar onde estava internado o nosso querido amigo, sem sucesso. Então, liguei para a ASFABE, uma associação de aposentados do Bandepe. Lá a Sra. Maria Auxiliadora me passou os telefones de familiares de José.
Então consegui falar com a filha mais velha, a CRISTINA, que me disse que ele está no Hospital Português do Recife, já submeteu-se à cirurgia inicial, nas carótidas, que desvia o curso de sangue para o cérebro. Tudo transcorreu bem, graças a Deus. Ficou um dia na UTI mas já está no quarto, conversando, alegre, aguardando a SEGUNDA e principal cirurgia (ANEURISMA) que ocorrerá no próximo sábado, dia 16. O desvio do fluxo sanguíneo foi necessário porque os médicos irão mexer nos vasos e na veia causadora do ANEURISMA, sem contudo, deixar de irrigar o cérebro por outros caminhos a fim de nutri-lo com o indispensável oxigênio.
No domingo ligo novamente para a CRISTINA para saber como foi a delicada cirurgia do sábado.
Continuemos a orar ou rezar para que o Senhor o assista na delicada intervenção.

Anônimo disse...

A CORAGEM PETISTA

Estou no aeroporto de Brasília aguardando um vôo para Sampa. Perto de mim está um daputado federal petista do nordeste. Já avisaram que é a última chamada 250 mil vezes e o cara não vai, com medo desse negócio estranho chamado povo

Anônimo disse...

Bom dia Professor Ari! Não sabia que o Dr:Aristophanes é de Recife. Eu também sou de Recife. Assim que ele sair do hospital entrarei em contato para uma visita.

Anônimo disse...

Professor,

Na página 11 do primeiro caderno do Correio Braziliense de hoje, tem uma propaganda de página inteira escrito em cima: Parabéns, Petros. Parabéns , Funcef


A J & F ,com muito orgulho, vem a público agradecer...o inestimável apoio prestado no investimento da Eldorado Brasil.


Que tenha rendido 800 milhões de porcento.
O momento é inadequado


Zoneou geral

Anônimo disse...

Caro Wilson Luiz,

Sugiro, tamem, a compra de precatorios. A partir de R$ 1 milhao. Em 6 meses garanto lhe entregar o triplo, no minimo. Caso tenha interesse, basta entrar em contato. Nao havera desconto de IR.

Trader Anonimo

Divany Silveira disse...

Venerável Mestre Ari Zanella,

Não é segredo para ninguém que as coisas na vida tem o seu tempo,
e se o passageiro não ficar ligado perde o trem. Aliás, capiaus ,
sempre iletrados, são sempre prevenidos e não perdem condução Al-
guém pode estar pensando que isto é obvio que a ditadura que a
PREVI impôs a um contigente humano, incluídos todo osdependentes
a quase um milhão de pessoas.Mas, colegas, coisas acontecem nós
ficamos iguais aos idosos da praça 7 de B.Hte.Protestamos, veemên,
tes todo dia,mas não decidimos. Então, meus amigos,mesmo sem ter
erudição de tantos co-irmãos eu levanto esta questão da candida -
tura de um colega para defender nossos interesses e na m/opinião
ninguém mais preparado do que João Rossi Neto, que, juntamente
com o Mestre Ari e outros poucos já vêm defendendo bravamente
a causa. É hora de o Mestre comandar preparativos para o mister.
De minha parte,prometo visitar o norte de Minas,onde houver um
posto de serviço estarei lá,pois basta o que me tiraram na marra.

Cláudia Márcia Santana disse...

Sr. Humberto de Caxias do Sul,
O comentário do sr. foi perfeito. Temos que nos unir para vencermos.Só tem um problema! Será que as vaidades pessoais permitirão essa união?

Anônimo disse...

Temos um sósia (clone)

Anônimo das 13:19

Trader anônimo

Anônimo disse...

comentário de 13/12 - 13.26 hs. Aumento de capital 850 milhões mais financiamento Banco Daycoval .GRU airport. Invepar. Revista Isto é.
Mais injeção de dinheiro da Invepar (Previ é sócia ) por que ?
Não estava sendo negociada concessão do aeroporto de Guarulhos com o fundo Mubadala ?
Há diretor da Previ que defende maternalmente esse investimento, inclusive o ágio pago no leilão.
Teríamos , por acaso, o nascimento da substituta da falecida ( para a Previ não para quem comprou) Costa do Sauipe ?
O prazo era 20 anos já se foram 5. Dá tempo "dar lucro" ?

Ari Zanella disse...

RECEBIDO HÁ POUCO DO AMIGÃO JOSÉ ARISTOPHANES PEREIRA:

Prezado amigo Ari.
Soube de sua ligação, que agradeço muito. Primeira fase cirurgia bem sucedida. Sábado, farei segunda fase, com reparo endovascular do aneurisma. Internet fraca, no quarto. Minha filha me ajudou.Desculpe não pormenorizar. Abraço a todos os colegas do grande blog AriZanella.
PS.: aproveito para reconhecimento nossa valiosa CASSi, da qual temos que cuidar com toda força.

Enviado do meu iPad=

Anônimo disse...

ATENÇÃO!
Se você tem algum dinheiro aplicado, corra para sacar.
No próximo sábado o GRÊMIO vai acabar com o Real.

Humberto Stumpf disse...

Aos colegas Divany e Claudia Marcia: temos que levar adiante esse movimento no sentido da candidatura de um nome forte, respeitável e de profundo conhecedor dos meandros da PREVI, citando o colega João Rossi Neto entre os favoritos.

Existem outros nomes em condições similares espalhados por esse Brasil inteiro e que poderiam compor essa chapa unitária.

Precisamos contar com expressivo apoio de nossas entidades representativas, daí vamos conclamar o apoi o da Anaplab, através do Ari Zanella, nesta iniciativa.

Força nós temos, fortes também somos, inteligentes não restam dúvidas, então falta promover essa UNIÃO em torno dos objetivos propostos e convidar pessoas com as características pessoais antes citadas.

Em tempo: ainda não sou sócio da ANAPLAB, mas no início do ano próximo, voltando de viagem, será minha primeira iniciativa.

Anônimo disse...

Deus abençoe o Diretor Aritophanes

Juntando a bondade do fundo da pensão, com a publicidade do Grupo J & F, será que podemos ter esperança qto ao que o "italiano" irá cantar?

Sempre frisando que perguntar não ofende

Anônimo disse...

Correção do FGTS tem julgamento previsto para fevereiro no STJ.
Essa ação TR, que no período considerado não refletiu a inflação.
- notícia consta do site ANABB, 14.12.2017, 11:48h.
Talvez possa interessar a vários colegas.
Grande Abraço.

Anônimo disse...

Contra cheque disponível no site da Previ.

Divany Silveira disse...




colega Stumpf, foi um prazer ver a sua conformidade à minha idéia,
na realidade .colega, eu não sei onde o o nosso grupo encontrou esta
LETARGIA pois o mundo está pegando fogo,refiro-me ao mundo nosso refe
rente à PREVI, todos assistimos sonolentos às ações invasivas do
GRUPO PAGADOR e nem parece se lembrar de um poema que foi estampado
meses atrás que dizia : "no primeiro dia mexeram na janela ; no 2ºdia
roubaram uma rosa do jardim; no 3º dia mataram o cachorro, amigos a cronologia pode não ser esta , mas neste momento , pra mim é a 25a
hora do nosso equilibrio financeiro, temos de apelar para nossas RESERVAS ,todas elas, morais,psicológicas,pois a turma de GENGIS KHAN
está dopada quando viu a montanha de dinheiro. Assim colega,precisa-
mos do ED Amorin, do Rafa, dos Blogs amigos,do Fernando Lamas (que é Limo)do Mineirin,do Heleno Pinto(cadê vc Heleno),precisamos da expe -
riência do bravo Medeiros.Gente, citei apenas colegas que vi hoje no
blog.Vamos aproveitar a experiência do João Sem Medo(João Rossi) que
tem conhecimento jurídico e experiência advocaticia para o embate .
Convém o Mestre estudar se seria conveniente fazermos uma captação
de rcursos e já nos indicar a formula.Gente, desculpe meu entusias-
mo, sei que temos milhares de colegas para fazer este chamamento,mas
minha indignação é do tamanho da intromissão ditatorial dos novos
donatários da nossa, sempre eterna PREVI. Amigos,eu peço, não vamos
deixar esta chama apagar. Apoiemos Ari,Rossi e quem for iindicado !!

Anônimo disse...

Já deu tudo certo Aritophanes! Fica calmo aí. O tempo é de espera Deus já tomou as providências a teu respeito.