quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

AGENDA MÍNIMA

O brioso Juarez apresenta no seu blog WWW.previplano1emfoco.blogspot.com em esboço do que seria a “pauta mínima” dos objetivos a serem perseguidos neste pontapé inicial da nossa chapa de oposição. Ali estão elencadas algumas metas deveras ousadas, uma das quais diz sobre o Conselho Fiscal:
Deverão também impedir que nosso Estatuto, bem como os Regulamentos dos Planos sejam modificados a nosso desfavor.”
É importante observar que no Conselho Fiscal temos o “voto de Minerva” a nosso favor, ao contrário do Conselho Deliberativo.
João Rossi Neto há uns dois meses mencionava este fator relevante nas próximas eleições. Tão ou mais valioso do que o cargo de diretor é o cargo de presidente do Conselho Fiscal, posto que aqui temos em teoria a maioria a nosso favor.
Outra questão primordial é a Lei Complementar 108/2001. Segundo o mestre Valentim Deblaterar sobre escolha de bons nomes, que possam mudar alguma coisa neste e outros governos de qualquer partido, é sonho, pode ter certeza. O xis da questão está na LC 108/2001. Enquanto ela viger, coisas nebulosas e cabeludas poderão acontecer. Então a principal mobilização deverá contemplar a sua rejeição, acabando com o voto de minerva, restituindo a figura do corpo social com poderes para rejeitar contas, mudar Estatuto e Regulamento.”
Já existe uma proposição para alterar alguns artigos da LC 109/2001. Seria de bom alvitre que se propusesse idêntica intenção quanto à LC 108/2001, também, propondo exatamente o que Valentim aborda no seu comentário  acima transcrito.
Esperamos que as ideias ganhem “corpo” nas mãos do nosso coordenador Raul Avellar para, então, brevemente surgir o documento que sintetize nossas metas e planejamentos. Assim, nossa chapa já teria o slogan “pelo que lutamos.”

Um comentário:

Juarez Barbosa disse...

Prezado colega Ari,

Pois é, meu amigo. Se tivéssemos de fato representantes eleitos por nós comandando o Conselho Fiscal da Previ e usando nosso "voto de minerva" de forma perspicaz, tenho a convicção que muitas deliberações feitas a nosso desfavor teriam sido barradas ou pelo menos teria uma grande repercussão em nosso meio a tentativa de obstaculizá-las.

Infelizmente nosso atual presidente deste Conselho, eleito por nós volto a enfatizar, faz "vista grossa", peculiaridade de quem é conivente com as ações danosas a nossos interesses e que desvirtuou-se completamente dos propósitos de nossa "delegação de poderes" para os quais foi eleito.

Não podemos mais permitir tamanho descaso de um representante nosso. Isto tem que acabar !!!