BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

ALBERTO MYRKO E AS ELEIÇÕES

    O advogado Alberto Myrko tem a capacidade de enxergar além das aparências como ninguém. Já conversamos muito ao telefone, oportunidade em que pude notar seu vasto conhecimento na área jurídica, recebi muitos conselhos sobre nossas ações judiciais (da Associação) sobre como produzir uma boa inicial de uma ação. Dizia ele, olha, é prudente fazer deste modo, colocar no polo ativo, se não for assim o juiz não vai considerar...E por aí vai.
    Myrko tem alguns problemas de saúde que o impedem de exercer a advocacia plenamente. Ele coordena um movimento, chamado Integração, onde com frequência expõe seus conceitos sobre vários assuntos. Desta feita, transcreverei sua opinião sobre as eleições em geral. O caro leitor poderá tirar grande proveito deste belo texto opinativo.

Amigos do Projeto integração! Estive ausente algum tempo, por motivo de saúde, fiquei internado por quase 3 meses, porém, agora já voltei para casa com a única recomendação de fazer repouso, internet pelo tempo  máximo de 20 minutos por dia.
Não posso ficar sentado mais tempo no computador e minha disgrafia piorou um pouco, estou devidamente medicado, para a disgrafia não existe remédio, assim tenho muita dificuldade para escrever textos, por isto desculpem os erros.
Estamos no ano de 2018, este ano é crucial para nós, haverá diversas eleições, seja no governo federal, seja na CASSI ou na PREVI, não esquecendo que muitas de nossas associações também farão renovação de seus dirigentes.
Minha opinião política não tem cor, também não sou amante de nenhuma desta sopinha de letras. Não sou candidato a nada e não indico ninguém. Peço encarecidamente  que não usem este banco de dados para fazer apologia política. CADA UM DE NÓS DEVE SUBMETER O ASSUNTO À SUA CONSCIÊNCIA.
Caso alguém queira saber como agiram os políticos da área federal na legislatura que passou eu recomendo pesquisar o currículo de cada um no site WWW.POLITICOS.ORG.BR ali você vai encontrar um RX de cada um dos parlamentares que anseiam se recandidatar. Muitas vezes vamos descobrir aqueles que nós pensamos serem ovelhas, e são na verdade lobos transvertidos.
No que diz respeito tanto para a CASSI  como para a PREVI, usem  a série de cadernos de informações contidas nas revistas pagas por nós, que relacionam os cargos que já ocuparam nos diversos conglomerados que se dizem nossos defensores, ali podemos ver os mais oportunistas pelo estado em que se encontram tais entidades, pode-se verificar a péssima ou a boa experiência acumulada de cada um nas Aabbs, qualquer coisa também podemos expurgar as ervas daninhas.
Como a maioria das eleições é direcionada para perpetuar no poder este ou aquele, assim, verifique na chapa quem é quem e votem naquela chapa que estiver nomes menos conhecidos e pecaminosos. É melhor votar em um desconhecido do que votar em alguém sabidamente bandido. Outra forma de fazer uma seleção é perguntar para seus contatos ( aqueles em quem você confia), a opinião deles sobre cada um dos candidatos,  PARA ISTO NÃO USE AS REDES E MUITO MENOS AQUELAS ASSOCIAÇÕES QUE SE DIZEM “MOVIMENTOS DISTO OU DAQUILO”. Facebook nem pensar.

O GRANDE CHAMAMENTO E O MOTIVO DESTA MENSAGEM SÃO PARA QUE O COLEGA E AMIGO NÃO DEIXE, EM HIPÓTESE ALGUMA,  DE VOTAR.
NÃO IMPORTA A IDADE ( eu tenho 76 anos) NÃO IMPORTA A DOENÇA (eu sou cardiopata e além da disgrafia tenho labirintite, por isto não posso dirigir).
        NÃO IMPORTA A DESCULPA, VÁ DE CARRO, OU CARONA, A PÉ, DE CADEIRA DE RODAS, MAS VÁ VOTAR.
     NÓS PODEMOS ATÉ VOTAR ERRADO, MAS NÃO SEREMOS OMISSOS.
        A OMISSÃO É O PIOR DOS PECADOS.

Alberto Myrko 0321750-7
Valença RJ

Observação do Blog: Com efeito, no texto em preto, escrito pelo amigo Alberto Myrko, havia alguns erros de grafia que foram facilmente corrigidos pelo blogueiro. Todos sabem, pela leitura, que o próprio Myrko tem sérios problemas de disgrafia.


37 comentários:

CLÁUDIO disse...

Alguns comentários aqui citam a tal "lei da mordaça" na Previ, e por conta disso acham que não vale mais a pena participar das eleições do Fundo, pois qualquer eleito vai ter que se submeter ao silêncio.

Que me desculpem os que assim pensam, mas acho esse argumento uma bela de uma grande desculpa esfarrapada que só serve para gerar mais omissão naqueles que pouco ou nunca participaram das eleições na Previ.

É justamente esse comodismo simplista que habita em muitas cabeças dos associados que nos levaram à situação em que hoje nos encontramos. Sim, somos os maiores responsáveis pelos males que nos afligem.

Marcel & Cia não estão lá por obra e graça do destino. Ele foi eleito democraticamente, não uma, mas 2 vezes para o cargo que ocupa.

Foi a vontade da maioria que o colocou lá. Mas foi também a falta de vontade de uma maioria maior que lhe deu esse triunfo. A maioria que votou optou por ele. Mas uma outra maioria silenciosa permitiu que ele fosse eleito pela maioria da minoria, se é que me entendem.

Tivemos duas grandes oportunidades para dizer não ao que o Marcel representa. Tivemos duas grandes oportunidades de formar uma chapa coesa, com nomes fortes, capazes de enfrentar os desmandos do patrocinador. Tivemos duas grandes oportunidades de unir vozes que poderiam enfrentar esse desmandos e, aos poucos, enfraquecer o poder que o patrocinador detém no fundo. Colocamos nosso futuro nas mãos daqueles que ainda estão na ativa e não vivem a nossa realidade.

Ou seja, nos é que nos submetemos ao silêncio e permitimos de forma passiva que o poder do patrocinador fosse maior do que a nossa vontade. E, ao contrário dos que se elegem para cargos na Previ, ninguém nos obrigou a esse silêncio. Nos calamos por vontade própria, ou pela falta de uma vontade.

Colocar a culpa na chapa 3 é cômodo, porque ela já entrou no jogo quando estávamos perdendo de goleada. Não estou defendendo ninguém, e pode ser que alguns dos integrantes da chapa tenha se deixado levar pelo oportunismo, mas nem isso soa como desculpa. O fato é que a reação que ensaiamos elegendo a Chapa 3 acabou vindo tardiamente. Marcel já estava lá, dando sua contribuição para fortalecer o poder do patrocinador. Ele veio do meio sindical para supostamente enfrentar o patrocinador. O que prova que sindicato e patrão se unem quando lhes é conveniente.

Marcel nem era para estar lá. Uma vez que entrou, nem era para ser reeleito. Mas foi. Podemos responsabilizar o pessoal da ativa, a chapa 3, o patrocinador, Lula, Dilma, Temer, res. 26, Previc, seja lá quem for. Mas o comodismo, a omissão, os egos inflados e a falta de visão dos associados é que permitiu que alguns dos responsáveis aqui citados entrassem em cena e fossem para o segundo ato.

E agora, fala-se novamente em jogar a toalha, achando que nada poderá mais ser feito.

Sinceramente, não há como concordar com um argumento desse.

Cláudio

WILSON LUIZ disse...


NÃO HÁ MAIS DESCULPA PARA A OMISSÃO

Brilhantes colocações do colega Alberto Myrko, concordo totalmente, ele sintetizou, em poucas palavras, umas dez postagens que eu faria sobre as eleições de 7 de outubro próximo.

Todos elogiamos os bravos Juízes dos processos da lava-jato, Moro, Bretas, Gebran Neto, Laus e Paulsen, os 3 mosqueteiros do TRF4, que aumentaram a pena do Lula; quando eles arriscam a própria vida em seus cargos, não se justifica nossa omissão de exercer o sagrado direito ao voto.

Sempre perdi algum tempo pesquisando a vida pregressa(às vezes folha-corrida) dos candidatos, nenhum nos quais votei me decepcionou até agora. Vamos arquivar em nossos “favoritos” o site www.políticos.org.br, para consultá-lo perto da eleição.

P.S. - também avalizo, totalmente,a postagem do colega Cláudio, acima; hoje estou uma "vaquinha de presépio", como nossos diretores.

Adaí Rosembak disse...

Caro Ari Zanella,

Parabéns por você ter dado espaço ao Alberto Myrko.
Ele é um dos mais atuantes e brilhantes colegas de nossa área.

Abraços

Adaí Rosembak

Anônimo disse...


COLEGAS,

Exortar aposentados bem idosos para votar é plantar no deserto, basta ver o índice de abstenção das últimas eleições. Quem ganha mesmo o pleito são os candidatos sindicalistas com os votos dos funcionários vinculados ao Previ Futuro, inclusive quando espertamente colocam um deles, da ativa, para compor a chapa. Os eleitos são representantes dos aposentados e simplesmente, como diz o termo, fazem apenas a REPRESENTAÇÃO destes e isto não inclui defesa de interesses. Aliás, não abarca nada.

Cade Araujo disse...

Gente! Vamos votar. A mudança que desejamos só ocorrerá se todos nós votarmos. Concordo com o Doutor Alberto Myrko, a hora é de mudança. Neste momento nada será impeditivo para o nosso compromisso de votar. A presente eleição da previ é uma oportunidade democrática que dispomos de alcançarmos as mudanças que desejamos. Além do mais é imperativo que não fiquemos olhando o passado, nem deslumbrado com um futuro utópico (a realidade é dura). A nossa escolha deverá se pautar no aqui e no agora. Vamos votar na esperança de mudança na administração do nosso fundo de previdência. Vamos mudar, para isso é preciso votar. Votem, votem...
Cadé

Anônimo disse...

As chapas foram espertas demais, desde outubro estão se articulando por que sabiam que neste ano as eleições seriam antecipadas. INFORMAÇÃO É PODER. O MALIGNO NÃO DORME BUSCANDO SEUS OBJETIVOS. As ovelhas somos nós, muito cuidado com os LOBOS!!!!

Anônimo disse...

Bom dia a todos se não for moderado,

RESPEITO a opinião do colega como respeito de todos (até a de não respeitar a dos demaisss), mas discordo do respeitável colega.
Pelas vias normais nada será alterado. Político só teme as massas nas ruas. Nem o judiciário é motivo de tantas preocupações. Mas enfim, cada qual com seu cada qual

Anônimo disse...

Artigo precioso o do colega Myrko.
Ele sintetizou o que sempre pensei sobre eleições e nunca fugi delas.
Já estou em idade que possibilita o voto opcional, mas não deixarei de exerce-lo. O voto mais certo possível é nossa verdadeira arma contra os lobos.

Anônimo disse...

Colegas,

Concordo em parte com o colega 10:50 (9 2 2018).

Só o povo nas ruas, quem sabe rompendo trincheiras malévolas, mesmo que com dolorosas e dramáticas consequências, irá mudar o descalabro que estamos vivenciando.

Pensamentos, opiniões desde que não sejam chulas ou de acusação simplória, (de papalvos) devem ser colocadas a todos.

Sempre se aproveita um modo de ver diferente do nosso, até mesmo pela quebra de um paradigma.

Inclusive me parece salutar ler o pensamento dos contrários.

Ao tempo desejo para o colega Myrko muita saúde e que sempre nos brinde com suas manifestações de alto interesse, para todos.

Saudações
Ghost Writer

Anônimo disse...


Alguns acham que não adianta participar das eleições da Previ por causa da lei da mordaça com razão. Na prática fica assim: os candidatos prometem mundos e fundos para se elegerem e depois nada fazem alegando a mordaça.Votar para que se qualquer um que for eleito nada fará por conta da mordaça? É muito cômodo. Eu sugiro que só votemos em quem estiver disposto a enfrentar a mordaça inclusive denunciando a nós e a todos os meios cabíveis.

Anônimo disse...

Colega,

Em 06/02/2018, as entidades representativas de funcionários e aposentados que compõem a mesa Cassi (Contraf, Contec, AAFBB, ANABB e FAABB) se reuniram com o Banco em sessão extraordinária de prestação de contas do Memorando de Entendimentos, firmado em outubro de 2016.

Por princípio de transparência, o Banco solicitou que a Accenture fizesse uma síntese do diagnóstico e das propostas constantes do relatório entregue na última sexta-feira.

Da exposição técnica da Accenture, os seguintes pontos podem ser sintetizados:
- a Cassi oferece excelentes benefícios aos participantes, principalmente pela abrangência das coberturas assistenciais do Plano de Associados, o que não ocorre em planos de saúde convencionais, onde o acesso está vinculado diretamente aos valores pagos;
- a sua sustentabilidade depende de mudanças na arquitetura organizacional, onde se impõe o desafio de compor o nível diretivo de profissionais com formação e conhecimento no segmento de saúde, sem abrir mão das representações do associado e do patrocinador;
- a Cassi necessita de investimentos em tecnologia da informação, de modo que haja instrumentos mais eficazes de gestão e tomada de decisão;
- a gestão do risco populacional praticamente inexiste na Cassi e isso prejudica o planejamento de longo prazo e a gestão do risco das carteiras; conhecer o comportamento de saúde dos associados, reunir informações sistematizadas desse comportamento e atuar sobre ele é fundamental para mitigar o risco de agravamento das doenças e o decorrente descolamento do nível esperado de despesas assistenciais;
- a assistência à saúde oferecida pela Cassi e os programas de saúde ocupacional e de promoção e prevenção à saúde do Banco precisam funcionar de forma integrada.

Na sequência, a Cassi apresentou um plano com ações de curto prazo, aprovado pela Diretoria e Conselho Deliberativo, para aperfeiçoar processos, estruturas e programas de atenção à saúde, enquanto são avaliadas as propostas da Accenture que, em razão da abrangência e complexidade, algumas poderão necessitar de consulta ao Corpo Social e um tempo maior de implementação.

A fim de equalizar o descasamento de receitas e despesas que a Cassi vem enfrentando, de modo a manter a liquidez e o nível de reservas nos padrões da ANS, foi comunicado que o Banco efetuará adiantamento à Cassi de R$323 milhões relativos às contribuições patronais sobre a folha de 13º. salário dos próximos quatro anos, algo sem precedentes na história das duas instituições. Esse valor será liberado em três parcelas, sendo a primeira efetivada em 06/02/2018, conforme o acompanhamento das entregas previstas no Plano de Ação apresentado.

Essa decisão demonstra o compromisso do Banco com a sustentabilidade da Cassi, garantindo a continuidade das operações enquanto se consolida o processo de decisão sobre as transformações que levarão a Cassi ao futuro, de modo propositivo, pelo diálogo consciente das escolhas e renúncias que todos os intervenientes precisarão fazer.

Há, sem dúvida, um senso de urgência por mudanças na Cassi. O momento requer a convergência de intenções em torno do propósito comum de preservar esse importante patrimônio, cujo desequilíbrio financeiro já repercute em apontamentos de desconformidade por parte do regulador, a ANS (Agência Nacional de Saúde Complementar).

Até o próximo boletim.

Diretoria Gestão de Pessoas

José Caetano de Andrade Minchillo
Diretor Gestão de Pessoas

João Batista Gimenez Gomes
Gerente Executivo

Anônimo disse...


Conforme disse o ANONIMO (14 hs 07:) concordo em tudo se o candidato diz q tem mordaça so depois de eleito pode ser um jeito de não cumpri promessa. Na campanha não deve prometer nada se o cara já sabi de anti-mão q nada vai cumpri. Tô cançado de toda eleição é a mesma lenga lenga.

Anônimo disse...

O cidadão está cansado de todos nós, inclusive do Judiciário", diz Cármen Lúcia
Fonte: Último Segundo - iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-02-09/carmen-lucia.html

DEMORÔ HEIN CUMADI?

Anônimo disse...

Estamos bem representados nessa mesa de negociações da Cassi, concordam?
Eles com eles mesmos - será que acreditam que acreditamos?

Anônimo disse...

Parabéns Claudio! Tudo que o colega falou é verdade. Nunca li um comentário tão verdadeiro.
Monte de velhos acomodados Aff...!!!

Confiaram no barrigudo e se f!! kkkkk




Anônimo disse...

http://www.folhadobico.com.br/02/2018/roberto-jefferson-aponta-possibilidade-de-dilma-disputar-senado-pelo-to.php


EFEITP ÇARNEI

Anônimo disse...

"O número total de participantes e assistidos com direito a voto é de 201.864. O prazo para inscrição das chapas vai de 15 a 28 de fevereiro. Dessa forma, o quórum para as Eleições Previ é de 100.933 votantes." (site da previ)


Pergunto aos colegas Se não chegar a ter 100.933 votantes a eleição fica sem efeito?

Anônimo disse...

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), que é uma das sub-relatoras da CPI do BNDES, apresentará um relatório no qual acusará o ex-presidente Lula de atuar para favorecer empresas brasileiras no exterior com a obtenção de recursos no banco público. O relatório será apresentado em fevereiro, na volta do recesso parlamentar.

Entre outros casos citados no documento, a que EXPRESSO teve acesso, Cristiane registra um suposto lobby de Lula em favor da mineradora Vale, em Moçambique. Segundo o relatório, Lula “esteve envolvido na negociação que favorecia a empresa brasileira em Moçambique, onde ajudou a empresa a conquistar a exploração da maior mina de carvão do mundo – a mina de Moatize, em 2009 – muito embora as autoridades moçambicanas tivessem expressado preocupação com a ‘inexperiência na exploração de carvão’ por parte da companhia brasileira”.

Fonte:http://epoca.globo.com/tempo/expresso/noticia/2015/12/em-relatorio-integrante-da-cpi-do-bndes-diz-que-lula-favoreceu-vale-em-mocambique.html

Anônimo disse...

10:40

Veja o regulamento que está no sitio da PREVI:

Art. 5º Poderão votar todos os participantes e assistidos maiores de 18 (dezoito) anos inscritos nos planos de benefícios da PREVI até o dia 31 de janeiro do ano em que se realizarem as eleições.
§ 1º O quórum para as consultas é o da maioria absoluta de participantes
e assistidos, maiores de 18 (dezoito) anos, com direito a voto,
considerando como base de votantes o número computado no dia 31 de
janeiro do ano em que se realizarem as consultas.
§ 2º O quórum para as consultas deverá ser divulgado pela PREVI até o
último dia útil anterior ao início do prazo para as inscrições de chapas.
§ 3º Encerrada a votação e verificado que não houve o quórum definido no
§ 1º deste artigo, a Comissão Eleitoral determinará nova votação no
prazo de até 15 (quinze) dias.
§ 4º Na nova votação de que trata o parágrafo anterior, o quórum
estabelecido no § 1º deste artigo não será observado e será considerada
vencedora a chapa que obtiver maior número de votos entre as chapas
concorrentes.
(grifos meus)

Blog do Ed disse...

Por que as nações fracassam? Porque suas instituições políticas e econômicas não são inclusivas (não aceitam a presença de todos os cidadãos), são extrativistas (são dominadas por um número restrito de pessoas, de líderes). Essa é a afirmação de dois professores norte-americanos, um do MIT e outro de Harvard. Reforçam minha opinião:
- Soberania popular já, democracia direta, respeito à Constituição (referendo, plebiscito, iniciativa popular);
- Pleno Acesso Constitucional.
Edgardo Amorim Rego

Anônimo disse...

Professor,

Até a nomeação para o ministério eu nunca tinha ouvido falar em Cristiane Brasil. E é filha do Roberto Jefferson.
Por isso nosso país está como está. Por causa de cidadãos como eu ...

Anônimo disse...

Sr. Ari, tem noticias da dona Rosalina? Sabe nos dizer se ela esta bem? Pergunto isso, porque o blog dela esta desatualizado. Tomara Deus que ela esteja bem...

Dona Rosalina, por favor volte! O Rossi tb faz um falta danada... Perdoa Rossi. O perdão libera a alma.

Anônimo disse...

Taí...

Diretor-geral da PF diz que deve sugerir arquivamento de inquérito contra Temer

Fonte: Último Segundo - iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-02-10/segovia-pf-michel-temer.html

Anônimo disse...

Correio Econômico: Previc impediu Serpros de impor perdas de R$ 200 mi a associados
Publicado em 10/02/2018 - 06:25 Vicente NunesEconomia
A farra com dinheiro dos trabalhadores no Postalis, o fundo de pensão dos Correios, levou a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) a ligar o sinal de alerta. A meta é evitar que mais dinheiro dos poupadores escorra pelo ralo da corrupção. Segundo o diretor de Fiscalização e Monitoramento do órgão, Sergio Djundi Taniguchi, 25 fundações estão hoje sob supervisão permanente. Juntas, representam quase 80% do patrimônio do sistema fechado de previdência complementar, de mais de R$ 800 bilhões.


Por meio desse monitoramento, a Previc coloca dois fiscais em cada fundo, que passam a acompanhar todas as operações da entidade. Nenhum investimento é realizado sem que tenha sido submetido ao crivo deles. Foi assim que os fiscais conseguiram abortar um prejuízo de R$ 200 milhões do Serpros, o fundo dos empregados do Serpro, empresa de tecnologia controlada pelo Ministério da Fazenda. O Serpros, pelo que levantou a Previc, estava repetindo todas as operações que levaram o Postalis a acumular prejuízos superiores a R$ 6 bilhões.



Quando chegaram ao Serpros, os fiscais da Previc perceberam que a então diretoria, indicada por partidos políticos, estava metendo o dinheiro dos trabalhadores em negócios sem retorno. Para tentar estancar a roubalheira, a Previc interveio na fundação. Durante mais de um ano, houve um processo de saneamento na entidade. Poucos meses depois de ser devolvido aos gestores, porém, o Serpros sofreu nova intervenção. A Previc constatou que todos os malfeitos haviam voltado com força. Ao retomarem a gestão do fundo, os fiscais brecaram um investimento milionário no antigo Porcão, que quebrou e foi um dos piores negócios feitos pelo Postalis. Mesmo com todo o trabalho da Previc, o Serpros acumulará prejuízos de R$ 500 milhões.

CONTINUA

Anônimo disse...

Reputação ilibada



O que chama a atenção nesse grupo de 25 fundos de pensão que estão sob supervisão permanente da Previc é que a maioria absoluta é ligada a empresas estatais, e acabam sendo usadas como barganha política. Taniguchi diz que o rigor maior na seleção dos administradores dos fundos é recente. Para se ter uma ideia, até o fim de 2017, não estava previsto em lei a necessidade dos dirigentes de fundações terem reputação ilibada, um requisito primordial. Qualquer um, mesmo com a ficha suja, poderia comandar um fundo de pensão. Agora, há um filtro maior feito pela Previc.



No fim dos anos 1990, depois de sucessivos escândalos, houve uma tentativa de moralizar a gestão das fundações com a aprovação, pelo Congresso, da Lei Complementar 109. Mas não se previu a reputação ilibada. Os congressistas, muito espertamente, deixaram as portas abertas para indicar seus apadrinhados, encarregados de surrupiarem o dinheiro poupado para complementar a aposentadoria dos trabalhadores. Antecessora da Previc, a Secretaria de Previdência Complementar (SPC) pouco pôde fazer para barrar a farra de indicações. Foi preciso anos e anos de irregularidades para se impor limites.



O diretor de Fiscalização da Previc ressalta que, além do maior rigor na seleção de dirigentes de fundos de pensão, há uma integração maior entre os órgãos reguladores e fiscalizações. Foi por meio de um amplo trabalho realizado pelo órgão que o Ministério Público e a Polícia Federal detonaram a Operação Pausare, que desvendou irregularidades no Postalis, e a Operação Greenfield, que combateu fraudes na Funcef, a fundação dos funcionários da Caixa Econômica Federal, e na Petros, dos empregados da Petrobras. Em outros tempos, todo o trabalho da Previc, certamente, iria para o lixo.



Relações políticas



Taniguchi reconhece que ainda há muito a avançar na regulação e na fiscalização dos fundos de pensão. Hoje, por exemplo, a Previc só consegue ter acesso a todas as operações das entidades que não estão sob supervisão permanente um mês depois de realizadas. O ideal é que esse acompanhamento passe a ser feito em tempo real. “Mas já caminhamos muito. Até bem pouco tempo, a prestação de contas era trimestral, e não havia um detalhamento das operações. Os fundos apresentavam um quadro fechado, sem explicar como o dinheiro havia sido movimentado no período”, explica.



Ele afirma ainda que a Previc está preparando uma minuta para aumentar a multa aplicada aos gestores de fundações que forem pegos desviando recursos das aposentadorias dos trabalhadores. Atualmente, a multa máxima é de R$ 46 mil por pessoa. O objetivo é elevar esse valor para até R$ 2,6 milhões, quantia comparada à cobrada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em caso de crimes no mercado de capitais.



Na avaliação do diretor da Previc, nem todos os problemas enfrentados pelas fundações devem ser atribuídos à má gestão e à roubalheira. O país viveu uma crise econômica pesada, que afetou vários negócios nos quais os fundos têm participação. “É verdade que houve muitas coisas não republicanas, mas a crise foi profunda”, diz. Ele ressalta que, com a queda dos juros, a administração dos recursos dos trabalhadores terá de ser ainda mais eficiente, pois os riscos assumidos vão aumentar. Nesse contexto, não há espaço para entregar o comando das fundações a pessoas cujas principais credenciais são as relações estreitas que mantêm com políticos.



O país têm 307 fundações fechadas de previdência complementar, que pagam cerca de R$ 50 bilhões por ano em benefícios. O número de participantes do sistema anda estagnado. Para Taniguchi, a falta de interesse dos brasileiros pelas fundações decorre, também, da imagem ruim que se difunde país afora por meio de casos como o do Postalis, da Funcef e da Petros. Já passou da hora de pôr um ponto final nisso.

Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/correio-economico-previc-impediu-serpros-de-impor-perdas-de-r-200-mi-associados/

Ari Zanella disse...

13:37

Não tive mais notícias da Rosalina. Acredito que ela esteja bem de saúde, está dando um "tempinho" no blog para descansar.

Divany Silveira disse...




Mestre Ari e demais Pebianos: Por falar em Rosalina que capacidade de
sintetizar o seu pensamento quando afirmou esta pérola : Esperança não
pode ser só nome de sogra. Gostei tanto que vou plagiar !!!

Anônimo disse...

RETIRADO DO FACE E SUPOSTAMENTE ESCRITO PELO SÉRGIO REIS

Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de Hospitais, bandidos matando por R$ 10,00 e pessoas andando feito zumbis nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6 x 8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país desfilando uma incompetência absurda, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos...

Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz...

Deveria ter ficado em casa quieto lutei pra ver corrupto no poder fazendo manobras pra se manter no poder e porque estamos quietos? Cade voce nas ruas? Esqueçam cor de bandeiras.vamos nos unir e lutar por so .motivo ; nossos direitos

SOMOS mais de trinta milhões de aposentados!

Nao podemos admitir

Policial R$ 3.660,00 para arriscar a vida;

Bombeiro R$ 3.960,00 para salvar vidas;

Professor R$ 2,200,00 para preparar para a vida;

Médico R$ 9.260,00 para manter a vida;

E o Deputado Federal?
💰R$ 26.700,00 (Salário)

R$ 94.300,00 (Verba de Gabinete)

R$ 53.400,00 (Auxílio Paletó)

R$ 5.000,00 (Combustível)

R$ 22.000,00 (Auxílio Moradia)

R$ 59.000,00 (Passagens Aéreas)

R$ 17.997,00 (Auxílio Saúde)

R$ 12.100,00 (Auxílio Educação)

R$ 16.400,00 (Auxílio Restaurante)

R$ 13.400,00 (Auxílio Cultural)

Auxílio Dentista

Auxílio Farmácia

E outros, para LASCAR a vida dos outros!

E o trabalhador R$ 937,00 para sustentar a família.

Será que o problema do Brasil são os aposentados?

Publique!!!😡

Se leu ate o final deixe um #UP e de sua opinião.

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais a todos.

SEMPRE ALERTA!!
Caro Professor Ari e demais colegas, a colega Rosalina, administradora de inestimável blog, tamanha sua grandeza, está atenta a tudo, sempre alerta. Ontem mesmo, dia 10, comentou, "de próprio punho".
Apenas, não postou, novamente. Sem problemas.
Grato por tudo e PAZ E BEM!

"Em Cristo, somos todos irmãos." Mt 23,8
Lema da Campanha da Fraternidade 2018
(Fraternidade e Superação da Violência)

Anônimo disse...

Senhores,


Se escrito ou não por Sergio Reis, o texto diz uma grande verdade:

ELEGEMOS CORRUPTOS!
Quantos ainda faltam ir para a CADEIA.

VAMOS MUDAR ESSA SITUAÇÃO OU VAMOS PERMANECER SUBMISSOS A BANDIDOS?

Povo nas ruas!

Anônimo disse...

Viu!!!!
Diretor-geral da PF diz que deve sugerir arquivamento de inquérito contra Temer

Fonte: Último Segundo - iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-02-10/segovia-pf-michel-temer.html


Viu!!!!!
https://veja.abril.com.br/brasil/stf-intima-segovia-para-confirmar-declaracoes-a-imprensa/

Ari Zanella disse...

Caro Anônimo 12:22

Segóvia é desafeto do delegado que investiga Temer (Sr. Cleyber) no episódio "Porto de Santos", desde quando trabalhava no Maranhão ocasião em que Cleyber investigava a família Sarney. Recentemente Segóvia foi indicado para o cargo de diretor da Polícia Federal pelo próprio Temer.

Gente, Temer está envolvido até o pescoço com escândalos de corrupção. A chapa inteira (Dilma/Temer) devia ter sido cassada, mas preservaram o Temer para que o Brasil não ficasse na linha sucessória que tinha, à época, Eduardo Cunha.

Precisamos dar um BASTA! Em Temer, Dilma, Sarney, Collor, Jucá, Moreira Franco, Aécio Neves, Eliseu Padilha, Rocha Loures, Yunes, etc. etc. etc.

Anônimo disse...

Eu perguntei por Rosalina e não publicou. Mas a postagem do FL o professor publicou.
Vai entender...

Anônimo disse...

13:02

Com absoluta razão o estimado professor, tanto que podemos iniciar esse BASTA já nas eleições deste ano.
Precisamos é votar com consciência, cientes da vida pregressa dos candidatos.
Quem tiver o mínimo de sujeira deve ser sumariamente excluído.

Anônimo disse...

Previc está de olho em valor de benefício pago pela Fapes
Publicado em 10/02/2018 - 18:10 Vicente NunesEconomia
A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) anda intrigada com o valor médio dos benefícios pagos pela Fapes, o fundo dos empregados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES): mais de R$ 40 mil por mês.

A preocupação faz sentido. O benefício pago pela Fapes é oito vezes maior do que a média registrada no sistema, de R$ 5.137, como mostra a Abrapp, associação que reúne os fundos de pensão.

A Fapes, como se sabe, está sob supervisão permanente da Previc, órgão responsável por regular e fiscalizar as entidades fechadas de previdência complementar. E obrigou os participantes a contribuírem com uma taxa extra para cobrir o rombo acumulado nos últimos anos.

Quem acompanha o dia a dia da Fapes garante que o clima na fundação nunca foi tão ruim.

Brasília, 18h10min

Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/previc-esta-de-olho-em-valor-de-beneficio-pago-pela-fapes/

HEI PSIU !!! JÁ OUVIU FALAR DO FUNDO DA PENSÃO DA DONA ZEFA?

Ari Zanella disse...

13:10

Não deletei ninguém que perguntou por Rosalina. Não há comentários a liberar. Logo, não chegou até mim.

Anônimo disse...

Comentário de 10/02/2018 13:37 perguntou sobre D. Rosalina.

Professor respondeu em 10/02/2018 18:32.

O pessoal tem que ficar mais atento e procurar ler também os comentários anteriores ou o que os demais comentam.