BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

sábado, 12 de agosto de 2017

HOMENAGENS AOS PAIS, MORMENTE OS QUE VIVERAM O TEXTO DO RAIMUNDO

Para Turma das Antigas do BB.
😀😀😀
BB - BONS TEMPOS!!!!!!

Você é do tempo da Revista do Desed? Fez a prova de datilografia para entrar no Banco? Ouviu a mãe dizer: “Meu filho, pense no seu futuro, faça o curso de datilografia”? No concurso, a folha de resposta era de perfurar? Leu as histórias não-escritas no BIP? Eram ótimas, não eram? O quê?! Você não sabe o que foi o BIP? Foi o Boletim de Informação ao Pessoal. Ou será que você é do tempo do Bipel e do BB Net? Você ouviu ou falou em terminal burro?Enviou ordem de pagamento via telefone com aqueles codificadores: A de Aracaju, B de Bahia, C de cachorro...? Pensou que estava vendo assombração quando as teclas do telex se mexiam sozinhas? Dizem que um vigilante, ao ver pela primeira vez aquele batimento de teclas, ficou assustado, sacou o revólver e abriu fogo contra o aparelho de telex. Leu mensagens que começavam com Reseu? Na linguagem telegráfica, significava “em resposta ao seu (telegrama)”.Lembra daquele aparelho telefônico de discagem circular? Por causa dele surgiram o verbo “discar”, o substantivo “discagem” e as siglas DDD e DDI. Você alguma vez disse "o depósito caiu na vala”? Lembra do papagaio? Ele não dava o pé, mas, às vezes, dava muita dor de cabeça. Lembra do DEB744 na área dos caixas? Era nele que ficava o saldo de todos os clientes. E nele eram registrados débitos e créditos: para os depósitos, caneta azul; para os cheques, caneta vermelha. Lembra das máquinas autenticadoras? E das maquininhas calculadoras? Elas tinham um singelo apelido: Sharpinha. E a máquina de escrever, hein! A Olivetti elétrica era o máximo, uma maravilha tecnológica. Por acaso, você conheceu a guilhotina? Ah, vai dizer que não usou o mimeógrafo! Lembra do claviculário? Quando ouviu essa palavra pela primeira vez pensou que era algo relacionado a clavícula?

Mala velha cheia

Você confeccionou talão de cheque para clientes? Lembra do jerimum? E do slip? E o goiabão? Pediram pra você pegar o alicate de puxar saldo? Lembra da igrejinha? Tomou posse fazendo juramento à CIC Funci? Não sabe o que foi a CIC? É o LIC de hoje – a mudança ocorreu entre 1996 e 1998, mas tem-se a impressão de que foi há muito tempo. Você sabe o que é espelho? Sabe o que significava precário? Conheceu algum ex-menor que ficou congelado? Viu um tal Novo Rosto? Lembra de siglas como Cesec, Retag, Plata, Cefor, Setin, Creai , Setex e Setop? O oitavado, lembra? E a burrinha? Você concorreu pela mula-mecânica? Lembra do macho-e-fêmea? Foi chamado de marajá? Quando tomou posse, caiu em trote? Procurou a máquina de achar diferença? Lavou papel-carbono? Fez assinatura do BIP? Mandaram você procurar um tal “envelope redondo para colocar uma circular”? Procurou a manivela da xérox? E a máquina de escrever em inglês? E a régua de calcular juros? Assinou um papel em branco que virou saque e serviu para pagar as despesas da festa de chegada? Foi escalado para “levar o lucro para Brasília”? O novato era convencido a viajar de ônibus para Brasília, com uma mala velha cheia de papel – e teve gente que viajou... Na qualificação para a posse você fez exame de fezes? Sim, ele era um dos exames médicos exigidos – estava lá na CIC Funci 2.2.2.”c”. Para encerrar, uma última perguntinha: você fez ou ouviu algum alívio na agência? Calma,calma,não se assuste! Foi só uma viagem ao túnel do tempo. Afinal, recordar é viver – ou morrer de rir.

RAIMUNDO PESSOA NETO
Aposentado BB

(MENSAGEM RECEBIDA PELO WHATSAPP)

    FELIZ DIA DOS PAIS AOS AMIGOS LEITORES!

MINHAS HOMENAGENS AO MESTRE (GRANDE PAI) DR. MEDEIROS QUE SE ENCONTRA EM TERRAS PORTUGUESAS. NA FOTO, O NOBRE MEDEIROS ESTÁ NA ÁGUA, OLHANDO UMA ONDA FORMADA A QUAL PRETENDE ATRAVESSAR DE CABEÇA. (QUASE NO MEIO DA FOTO, AO FUNDO)

31 comentários:

joao trindade disse...

Grande Raimundo Pessoa Neto,

Naquele tempo tínhamos um país chamado Brasil e que tinha seu Banco Oficial de que tanto nos orgulhávamos. Hoje, nas agências modernas somos tratados como qualquer cliente sem valor de reciprocidade, esquecendo-se as novas gerações que fomos nós que ajudamos a construir o que estão destruindo. É a inexorável marcha do tempo, que não pára.
Parabéns à todos nós pais, avôs e bisavôs bebeanos (previanos).

Anônimo disse...

E pensar que ouvi muita reclamação das coisas do banco serem relacionadas às coisas dos militares. Éramos felizes e não sabíamos. Tínhamos que ter o pensamento progressista e chegamos onde chegamos.
O carimbo de caixa era TANQUE. Tinha a BATERIA de caixas assistida pela RETAGUARDA. A abertura de contas era feita na PLATAFORMA.

Saudades

Intervenção militar já!!!

Anônimo disse...

E máquina Burroughs de lançar nas fichas de contas de clientes, abria o carro e a ficha era lançada ao ar, e tinha que pegar antes de cair no chão. Kkk. Posicionei minha máquina de modo que quando a ficha are arremessada, já caia na mesa só chefe para conferência. Kkkk

geraldo mendes disse...

C CORUMBÁ
D DIARIO
E ERNESTO
F FORTALEZA
FUI DO TEMPO DO TELCO

Anônimo disse...

Feliz dia dos pais aos meus colegas expropiados pelos marionetes bem remunerados

Adaí Rosembak disse...

Raimundo Pessoa Neto,

E tem histórias para contar. Uma das melhores era a do contínuo que o odiava o gerente e, antes de servir o cafezinho, esfregava o pinto na xícara. E o gerente ainda agradecia ao contínuo pelo delicioso cafezinho. A garotada se mijava de rir. A primeira funcionária que assumiu na agência, enfrentou um problema: não existia mictório para mulheres. E o caixa executivo na "gaiola"? Era um horror. E quando dava diferença de caixa? Entrava-se pela madrugada até achar a tal da diferença. As mensagens eram passadas pelo telefone e éramos obrigados a berrar para entenderem do outro lado da linha. Depois veio o telex. Foi um salto tecnológico. E haja estória para contar...

Boas lembranças

Anônimo disse...

Tomei posse em minha cidade em 02/09/1974.Foi no tempo da CREAI E DA CREGE, quando havia dois auxiliares de supervisor: um da CREAI e outro da CREGE.
Na CREGE sempre eu substituia o colega comissionado quando tirava férias. Substitui o JOSE BERNARDO, o GUALTER, o MIRANDA, o MAGNO, o FRANCISCO QUINTEIRO (meu padrinho de casamento).
Havia na CREAI um Supervisor: o JOSÉ PAULO que faleceu há 15 dias. Tudo que se perguntava pro homem êle sabia e por preguiça fazíamos isto: sempre o consultávamos. Êle sempre respondia: não vou dar mais a resposta, pesquisem na CIC.
Foi quando aprendi a ler e escrever na minha vida, por ler e interpretar as instruções na marra, apesar de minha Licenciatura Curta em Ciências na FAFI/FUOM de Formiga/MG.
Sinceramente, o JOSÉ PAULO foi o melhor funcionário do Banco que conheci. Deveria ter ido prá Brasília fazer instruções para as CICs.
Então quando chegava sexta-feira eu ficava triste pelo fim de semana, de ter que voltar somente na segunda-feira.
Eu realmente amava o que estava fazendo, com todas as letras.
Assim o pouco que sei, agradeço o meu berço lá no "BANCO DO BRASIL DAQUELES TEMPOS"
Que saudades!!!!!!!!!!!!
Jamais este tempo voltará, infelizmente!!!!!!!!!!!!
FELIZ DIA DOS PAIS a todos que o são e a mim também que sou.
CELSO BERNARDES
FORMIGA/MG

Anônimo disse...

Saudades!!!!!!

Anônimo disse...

Fui do tempo do caixa de carreira

aquele que dava diferença e saía na carreira para alcançar o cliente

bons e inesquecíveis tempos

Anônimo disse...

- Que Deus abençoe e tenha piedade de todos os pais e mães previanos.

Anônimo disse...

Esqueceram de citar os laudos do Fiscal da CREAI, que na minha agência era sempre aguardado com ansiedade.

Anônimo disse...

Boas lembranças

Divany Silveira disse...



RAIMUNDO, SUA NOTA É CINCO ! ESTÁ REPROVADO !!!!!

Mestre, a raiva passou e eu vou chamá-lo de Rai, aliás vou adi-
cionar (não sei a razão, mas gosto deste verbo ! ) um Y ao seu
diminutivo o que, de ceta forma, será uma promoção, pelo me -
nos fonética, pois chama-lo-ei ( eu gosto de uma forma erudita,
mas não passo daqui , pois respeito o terreno dos veneráveis
Ed Amorim ( eu gosto de chamá-lo de ED,pois assim tiro 30 anos
de sua carga sem tirar a majestade. O outro notável deste blog,
nosso não menos admirado Stepanhes anda sumido e isto me preo -
cupa,pois noticiei que ele estava "boy" na praia. Acho que ele
não gostou e fico preocupado,pois meu intento era mostrar que
ele preocupa com o espirito e corpo !!! Deus sabe o quanto ad -
miro esses dois Foras de Série ) . Mas, continuando, sei que tem
gente pensando que eu esqueci "o fio da meada" mas o pequi não
me deixa "alone", assim vamos em frente !!! Acho que o nosso
venerável Ari deveria repreender, não precisa suspender,mas nós
temos tido tantos percalços e um historiador ao lado tão lacôni-
co. Não Faz isto não, Ray !!! Você é um arquivo vivo dos mais in-
teressantes e indispensáveis,pois neste momento de turbulência
precisamos de gente que tem humor e que tem "garrafa vazia" para
vender, e comprar outra cheia. Mas, Caro Raimundo, vou lhe con -
tar um caso , uma passagem, acontecida há 1/2 século. Lá no nor-
te de Minas, o continuo chamava o cliente pelo nº da ficha e
falava o nome do "mutu",ou melhor, mutuário. Assim, depois de
chamar " N" clientes, o continuo que era meio ZEN chamou alto e
em bom som : Procópio Neto ( era o jogador do Atlético e seleção
do Brasil, que era procurador da mãe, fazendeira na região),após
os aplausos, o Continuo achou que tinha caido num trote e disse
ao entregar a ficha ao Procópio : qualquer dia vão me pedir para
chamaar Pelé (acham que sou tolo !!). Ao meu fã (sem nome e não
é sorvete;mas é gente boa) um abraço neste dia especial !!!

Anônimo disse...

E TINHA A PARTIDA MAIS FAMOSA 01.01

QUANDO ENTREI NADA SABIA DE BANCO,,,O CHEFE DO SETOP ME MANDOU CONFECCIONAR UMA E ALERTOU CO VOZ DE PROFESSOR

PRESTA ATENÇÃO 'A TODO DÉBITO CORRESPONDE UM CRÉDITO'

TEMPO BOM D+

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais a todos.

UMA BELA INSPIRAÇÃO
Caro Professor Ari, primeiramente, agradeço a ti, por manteres este espaço, rico de convivência fraterna que ensejou essa matéria tão feliz e que deixou felizes a todos os leitores. Raimundo, RESEU "Para Turma das Antigas do BB", lhe agradeço muito pela bela inspiração.
Parabenizo aos pais, pela festa de hoje. Que todos confiemos, mas confiemos mesmo, sem reservas, na providência divina que, obviamente, supera, infinitamente, toda expectativa nos poderes humanos. Confiemos!! Grato por tudo e segue um PAZ E BEM!

"O Senhor nos dará tudo o que é bom."
Salmo 85(84),13

Anônimo disse...



O Divany esqueceu de mencionar o velho "Cauby Peixoto"! Aquele grampeador enorme que os grampos eram colocados por trás.

Anônimo disse...

Dileto Mestre,

Primeiramente Feliz Dia dos Pais a todos cole-
gas e pensionistas que desempenham o mesmo pa-
pel.
"Segundamente", em homenagem a pessoa que resi-
na cidade com nome de algarismo contarei um e-
pisódio,que aconteceu lá pelas bandas de Minas.
Um temido Inspetor (aquele que inspeta) foi de-
signado para uma missão numa cidade do interior
das Minas Gerais. O dito cujo era casado com u-
ma senhora de nome HERDA. Ao chegar na agência
um funci que tinha o apelido de "Diva" foi in-
cumbido de recepcioná-lo. Cheio de medo e pro-
curando ser o mais amável possível com o terrí-
vel inspetor, o "Diva" perguntou:- Como esta a
Dona JOSTA? Resultado: a inspeção demorou o do-
bro do tempo que estava previsto.


Ass. fã de um botafoguense que foi juvenil do
clube em 1910.

*desculpe resumir tanto, mas o homenageado é
PhD em Língua Portuguesa pela universidade de
Nova Iorque,município brasileiro do estado do
Maranhão.

Anônimo disse...

Caros colegas,

Sou do tempo de tudo o que foi citado no texto do grande colega Raimundo Pessoa Neto, mas trabalhei numa máquina que não lembro mais o nome. Era um verdadeiro trem, lançava juros nas fichas amarelas dos empréstimos rurais em tempos de balanço em junho e dezembro de cada ano. Por favor se alguem souber o nome daquela maquina?

Milton

ricardo o.c. albuquerque disse...

Apenas dois comentários. Ainda bem que datilografia não eliminava. Tirei 22 na prova. E na lista faltou PR(pronta resposta). Bom dia dos pais para todos. ricardo

Anônimo disse...

Saudade que dói. Agradeço a Deus por ter entrado no BB porque fui muito feliz (mas não sabia). Estou sempre lembrando de uma situação e hoje o colega Raimundo me fez chorar.

Ari Zanella disse...

Aos colegas que me aturam,

Sintam-se TODOS abraçados neste dia como todo filho devia abraçar seu pai e por que não todo pai abraçar seu filho(a) com todo amor deste mundo!

Sinto-me recompensado e consolado por ter tantos amigos queridos....

Anônimo disse...

Prezado Ari,
Um fiscal da CREAI, apos visitar um cliente, em época de grande seca, escreveu"O mutuário está em situação dificil perante o rebanho". A impressao é que o rebanho colocou o mutuario contra a parede, reivindicando capim...
Bons tempos aqueles...ate dói o coraçao...

Anônimo disse...

O pior no tal exame de fezes é que eu peguei segunda época... Tive que repetir o exame, e não explicaram o motivo. Mas, na segunda vez fui aprovado, e em maio de 1971, empossado no cargo de "Auxiliar de Escrita referência 050", popularmente conhecido por "bola cinquenta".
Abraços a todos e todas.

Anônimo disse...

Amigos,
Faz me lembrar a minha posse em janeiro de 1977. Eu ganhava salário mínimo, Cr$ 886, e no BB o inicial era de Cr$ 3.200. No primeiro dia tive um adiantamento de um salário para pagar em 25 vezes sem juros, além de um cheque ouro de Cr$ 5.000. Derrepente um moço que ganhava Cr$ 886 tinha Cr$ 8.200 na conta. Naquele mesmo ano comprei meu primeiro carro: um fusca.
Apesar dos dias atuais, sempre serei grato a Deus e ao BB.
Célio

Anônimo disse...


É MENTIA TERTA?







Tinha um gerente extremamente exigente no norte de Minas. A vontade dele é que o papel higiênico fosse utilizado a frente e o verso, para economizar. Qualquer despesa na agência exigia comprovantes anexados às partidas que debitavam a conta referente. Numa ocasião, houve a necessidade da contratação de um profissional para fazer a limpeza no forro da agência, porque um gato morrera ao levar um choque elétrico no local. Jogaram o abacaxi para ser descascado pelo "precário" recém empossado. Amedrontado pelo que os colegas contaram a respeito do gerente, não teve dúvidas em terminar a partida com os seguintes dizeres: ... conforme couro de gato anexo.



VERDADE

Anônimo disse...

Anônimo das 11:50 as primeiras máquinas eram as Burroughs que abriam o carro a toda hora e saltava as fichas, depois mais modernas , as NATIONAL, que tinhas barras, que se montavam, CFE. o tipo de serviço, Crege, Creia, Fopag, fichas de clientes, balanço. Fiz um curso desta máquina e tenho diploma guardado.abraço nesta data tão importante, a todos.

Jair Mário Bork disse...

Acho que poucos lembram da origem do termo: FOLHA de Pagamento, abreviada para FOPAG. Quando ingressei no Banco, em 1966, lá em Videira-SC, na véspera do dia de pagamenta, um contínuo passava de mesa em mesa com uma folha de papel pautado, com o nome de todos os funcionários e a descriminação dos valores e descontos. Cada um rubricava na linha correspondente e a FOLHA era entregue para o FUNCI (funcionário) encarregado de lançar, manualmente, os valores líquidos nas fichas gráficas de conta-corrente. Finalmente, em abril de 1967 a agência foi implantada com o sistema NCR, quando passamos a receber o famoso "espelho". Éramos felizes e não sabíamos, ou melhor, sabíamos sim.

Anônimo disse...

Quem não molhou os dedos na b......., esponja umedecida para manusear papéis e notas. Confesso que quando menor-estagiário(6 horas) pela primeira vez me pediram para pegá-la fiquei sem saber o que fazer. kkkkkk

Anônimo disse...

Um fiscal da CREAI do meu tempo redigiu esta pérola:

O trator do mutuário fez AQUELE barulho e soltou AQUELA fumaça .

Anônimo disse...

Minha história é parecida com a do Célio 18.44 Minha vida deu um salto depois de entrar no BB e me emociono até hoje pois pude dar uma vida melhor até para meus pais. Parabéns aos colegas por essas lembranças.

Anônimo disse...

Na CREAI havia a "formula para carbonar as cédulas rurais". Era "N-1", sendo N o numero de vias do contrato....o resultado preciso era a quantidade de papel-carbono a ser intercalada. Quem redigia os contratos trabalhava na "Batelança"