BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

DECISÃO QUE AFETA O EMPRÉSTIMO CONSIGNADO


Direito Privado

STJ afasta limite para banco debitar empréstimo em conta corrente

Decisão é da 4ª turma da Corte.
terça-feira, 29 de agosto de 2017

Em julgamento acirrado, com dois pedidos de vista, a 4ª turma do STJ decidiu não ser possível fixar limite para os bancos descontarem as parcelas de empréstimos pessoais na conta corrente em que o cidadão recebe seus proventos.
Prevaleceu no julgamento a tese do relator, ministro Luis Felipe Salomão, após o voto de minerva do ministro Antonio Carlos Ferreira, proferido nesta terça-feira, 29. Foram vencidos os ministros Buzzi e Raul Araújo; a ministra Gallotti também votou com o relator.
Para o ministro Salomão, não é possível a limitação que as instâncias ordinárias têm imposto às instituições financeiras, ao aplicarem, por analogia, a limitação de 30% prevista para consignados com desconto em folha de pagamento (lei 10.820/03)
Diferenciação com o consignado
No voto que proferiu em sessão de abril, o ministro explicou ser salutar a norma que prevê a limitação em caso de empréstimo consignado, quando o desconto é direto na folha de pagamento, na medida em que o consumidor obtém condições mais vantajosas, em decorrência da maior segurança para o financiador.
Mas, no caso de empréstimo bancário normal, a instituição financeira faz uma análise do crédito com base no histórico do correntista.
É impossível ao banco avaliar o risco quando ele não sabe quais as fontes que o cidadão pode ter. Ele pode ter um pai rico que vai ajudar a pagar a parcela, outra fonte de renda não declarada. É atirar no escuro. É impossível carrear ao banco qualquer responsabilidade e dizer que deu empréstimo que sabia que não ia receber.”
Ainda mais, considerou o ministro, que muitos consumidores concentram na mesma conta uma série de despesas: luz, internet, água, cartão de crédito e por aí vai.
“Não parece razoável e isonômico, a par de não ter nenhum supedâneo legal, aplicar a limitação legal do empréstimo consignado a desconto de empréstimos em folha de pagamento, de maneira arbitrária, em empréstimos livremente pactuados."
Ao acompanhar o relator no voto de desempate, o ministro Antonio Carlos reforçou a tese de que o crédito consignado é diferente da autorização para débito na conta bancária por conta do empréstimo pessoal, na medida em que naquela modalidade, se o devedor se deparar com uma adversidade, não terá acesso aos recursos, sem a opção de deixar de honrar com suas obrigações.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

AQUI E ACOLÁ; ALHURES E ALGURES

    Em se referindo a planos de benefícios definido, conhecidos pela sigla BD, até agora não visualizei outro mais enxuto nem funcional do que o da privatizada Cia Vale do Rio Doce, o ValiaPrev.
      Conforme o Relatório anual 2016 o plano Valia BD tem mais de 87% de seu investimento em renda fixa (títulos públicos R$ 8,16 bilhões = 38% do ativo, mais R$ 10,45 bilhões em fundos de investimentos = 49% de um ativo de R$ 21,41 bilhões de reais).
Neste balanço de 2016 o superávit técnico acumulado é de R$ 2,36 bilhões (11% do ativo total).
Você pode ver o Relatório 2016 da Valia, clicando Aqui
        Se a PREVI em seu plano um (BD) fosse similar na escolha de seus investimentos, ou seja, tivesse 87% de seu ativo aplicado em títulos públicos e fundos de investimentos (podemos copiar o que está dando certo em outros fundos BD) estaria com 11% de superávit sobre seu ativo de mais de R$ 160 bilhões, equivalentes a mais de R$ 17 bilhões de reais...
      Certa feita o amigo João Rossi Neto me disse que os balanços da PREVI são complicados para se entender. No balanço da Valia é tudo muito simples, descomplicado, transparente...Nas fotos abaixo há um "folder" publicado em junho do ano passado para explicar como funciona o plano da Valia.


TUDO MUITO SIMPLES, DEMONSTRAM COMO SE ESTIVESSEM EXPLICANDO A UMA CRIANÇA.

sábado, 26 de agosto de 2017

NÃO SOU A FAVOR, ANTES O CONTRÁRIO!

Itaú prepara a privatização do Banco do Brasil.
Pedro Moreira Salles, do Itaú Unibanco, faz parte do conselho administrativo da empresa Falconi Consultores e Resultados, contratada, sem licitação, para preparar o desmonte do Banco do Brasil. O maior banco privado do país está de olho na privatização dos bancos públicos
“Colocaram a raposa no galinheiro dos ovos de ouro”. O ditado popular explica com exatidão o que vem acontecendo dentro do Banco do Brasil, para atender interesses privados, mais precisamente, do Itaú. Em 2016 foi contratada, sem licitação, por “notório saber”, a Falconi Consultores de Resultados, para preparar o desmonte do BB, chamado oficialmente de “reestruturação”.
O trabalho desta empresa é enxugar a estrutura do banco público, preparando-o para a privatização, política do governo Fernando Henrique Cardoso, retomada pelo seu aliado, Michel Temer. Entre os membros do Conselho de Administração da Consultoria Falconi está Pedro Moreira Salles, à época da contratação Presidente do Conselho de Administração da holding Itaú Unibanco, atualmente Presidente do Conselho Diretor da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).
O absurdo é um banco privado estar conduzindo as políticas de um banco público, que tem um papel estratégico, o de fomentar o desenvolvimento econômico e social do país. No mínimo a situação configura um conflito de interesses, já que o desmonte da rede de agências, com extinção de milhares de postos de trabalho, abriu espaço para os bancos privados, entre eles o próprio Itaú. A primeira fase da reestruturação resultou no fechamento de 402 agências, extinção de 9.400 postos de trabalho e redução salarial drástica que atingiu quase 4 mil funcionários.

O concorrente continua dentro do BB. A mesma consultoria está fazendo o mapeamento dentro da Diretoria de Tecnologia do banco, um setor altamente estratégico a cujas informações o setor privado está tendo acesso. Seguindo a linha de “mãos de tesoura” da Falconi, de corte dos custos, há o temor de extinção de funções, abrindo espaço para a substituição de funcionários concursados por trabalhadores precarizados de empresas terceirizadas.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro.



PEDRO MOREIRA SALLES, SEGUNDO A FORBES, TEM FORTUNA DE 3 BILHÕES DE DÓLARES AMERICANOS. SEU PAI WALTHER MOREIRA SALLES FUNDOU O UNIBANCO. BANQUEIROS POR EXCELÊNCIA.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

RESPOSTA DE QUEM NÃO QUER RESPONDER



Senhor Ari,

Em atenção à sua solicitação, informamos que até novembro de 2017 serão realizados estudos de revisão dos parâmetros do Empréstimo Simples do Plano I.

Em caso de alterações, daremos ampla divulgação a todos os nossos associados.

Atenciosamente.

Gerência de Atendimento
PREVI

      Da resposta acima deduzo um desejo de ocultar que beira a certo deboche, de querer nos fazer entender que o fundo é soberano, é ele quem manda e ponto final.
    A transparência é um fator essencial, sempre foi, mais agora em que os sistemas estão a um toque dos dedos. Claramente existe na PREVI uma situação de hierarquia em relação aos associados. Lá em cima está a diretoria (com diretores recebendo soldos acima do teto constitucional, mais de R$ 50 mil/mês). Adicionalmente, há, pelo menos, quatro abonos anuais, pagos se determinadas metas forem atingidas. A única diretora a abrir mão desse privilégio imoral foi a Sra. Cecília Garcez, pelo que se sabe. Enfim, há este pagamento elevado sem a anuência dos associados, que são os verdadeiros donos do fundo. Conclui-se que o "empregado" do fundo está mandando e vilipendiando o patrão. Estamos em situação deprimente. Temos que nos contentar com respostas lacônicas como a que reproduzi acima. Dizer que os "estudos" para aumentar 5 ou 10 mil o limite vão até novembro é um tapa na cara do associado. Dias virão em que essas pessoas que hoje nos humilham prestarão contas diante do Criador.
     Por ora tranquilizo os famintos de que setembro não termina sem a notícia, no site do fundo, de grandes "novidades" no ES mas apenas no tocante ao pequeno aumento pela inflação anual.
BOA SEXTA-FEIRA AO DIRETOR DE SEGURIDADE MARCEL BARROS, ELEITO POR QUASE 25% DOS ASSOCIADOS (PLANO UM E FUTURO) PARA DEFENDER OS NOSSOS INTERESSES NA DIRETORIA DA PREVI. JESUS TE AMA!!!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

NÚMEROS ILUSÓRIOS

    Há vários meses a bolsa brasileira apresenta bons índices fazendo aparentar um suposta estabilidade da economia.
        Isso pode significar a excelente aceitação da atual equipe econômica do governo Temer, que apesar de seu desastre político, consegue boa performance no quadro macroeconômico. 
        A bolsa paulista, apesar de ter conseguido atingir a marca dos 70.000 pontos, não retrata a pujança da indústria nacional que pelos números de desempregados, está muito aquém do crescimento da bolsa. Um comentário muito feliz, na postagem anterior, nos dá clara visão de que o alto número atingido pelo Ibovespa não necessariamente melhora a nossa PREVI.
 
Anônimo      Anônimo disse...
O fato do índice Bovespa ter atingido os 70.000 pontos, não tem grande impacto para a Previ. O que conta mesmo é se as ações que a mesma detém estão tendo boa valorização. A não ser que ela aplicasse tudo no BOVA11 que é um papel que busca reproduzir mais ou menos o desempenho da Bovespa como um todo. É um ETF como dizem os entendidos.
22/08/2017 15:24

    Para a PREVI, a boa notícia é que o minério da Vale está se valorizando na China, nosso principal comprador. Para a elevação da bolsa ontem contribuiu (e muito!) a privatização da Eletrobras mas hoje deve oscilar para baixo.
Outro fator importante para a PREVI é a recuperação das reservas matemáticas e especial, além, é claro, equacionar o déficit de quase 14 bilhões, tentar zerá-lo para então, pensar na recomposição das reservas.
Outro sensato comentário:
 
 
 Anônimo disse...
Estimados Colegas,

É certo, a bolsa está por volta dos 70.000 pontos.
Mas, pelo que já ouvi, é preciso reconstruir a reserva de contingência , depois a reserva especial e então garantir, pela realização de resultado, a distribuição para os participantes.
PARTTICIPANTES = APOSENTADOS.
O que me parece factível é a suspensão da contribuição, pois isto seria de agrado do patrocinador.
Quanto ao BET, este deveria e deve ser cobrado do BB, que o abocanhou pela Res.26, ILEGAL.
Assim, debelado o mal 26, recobraríamos os 7.5 BILHÕES mais o que rendeu, se é que rendeu, em aplicações, SMJ.
Saudações

22/08/2017 15:37

    E já passou da hora de divulgar os novos parâmetros do ES. Alô Seguridade! Para que segurar um aumento de 5 mil? Será que abalará os alicerces do fundo? Mamma mia!!!

                        DE NADA VALE SUBIR AQUI SE O MEU FUNDO DE PENSÃO NÃO SOBE...

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

MAIS CEM IGUAIS E NÃO HAVERÁ MAIS CONTRIBUIÇÕES

Notícias

21/08/2017

Investimento da PREVI tem retorno relevante


FIP Caixa Barcelona supera a marca de 400% de rentabilidade acumulada.


O Fundo de Investimento em Participações (FIP) Caixa Barcelona, que faz parte da carteira de investimentos estruturados da PREVI, tem apresentado excelentes resultados em 2017. A PREVI tem 25% fundo, que investe em ações do IRB Brasil Resseguros S.A. (IRB Brasil RE).


No mês de julho, após conclusão da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) do IRB Brasil RE, a rentabilidade acumulada chegou a 433,67%. O resultado considera a valorização do ativo, o recebimento de dividendos e a venda de papéis em bolsa.

O investimento inicial no FIP foi feito em 2013, e recebeu novo aporte dos cotistas em 2014. Na ocasião, o Caixa Barcelona detinha o equivalente a 9,85% das ações do IRB Brasil RE, totalizando R$ 290 milhões em valores investidos. Desse montante a PREVI investiu R$ 72,4 milhões. O preço médio de compra na época era de R$ 9,37 por ação.
Em janeiro de 2017, o investimento do FIP já estava avaliado em cerca de R$ 543 milhões, ou R$ 17,67 por ação. Uma valorização de 89%, antes mesmo do IPO. Falando em valores reais, o fundo já distribuiu a seus cotistas R$ 205,7 milhões em dividendos, o que representa um retorno de 71% do valor investido. Como cotista do Caixa Barcelona, a PREVI recebeu até agora R$ 51,4 milhões em dividendos.
Valorização após IPO

Em 28/7 foi realizado o IPO do IRB Brasil RE. Na operação, o FIP pôs à venda parte de suas ações e recebeu mais de R$ 183 milhões com os papéis avaliados a R$ 27,24 por ação, cabendo à Previ cerca de R$ 45,9 milhões. Após a oferta, os papéis do IRB Brasil RE subiram ainda mais, fechando o mês de julho cotados a R$ 29,29. Isso representa uma valorização de 212% em relação ao preço médio inicial da ação no início do investimento (R$ 9,37). Se considerarmos a distribuição de dividendos, a venda de papéis em bolsa e a rentabilidade, o Caixa Barcelona termina o mês de julho com valorização acumulada recorde de 433,67%.
O retorno obtido com o FIP Caixa Barcelona demonstra a importância do segmento de investimentos estruturados nos investimentos da PREVI e como a diversificação das aplicações contribui para melhorar a rentabilidade de seus planos. No gráfico, abaixo é possível verificar a dimensão do retorno:

Rentabilidade acumulada FIP Caixa Barcelona vs. Meta Atuarial e Ibovespa
Rentabilidade_acumulada_FIP_site.png

O que é um FIP?
Os Fundos de Investimento em Participações (FIP) são destinados à aplicação de recursos em títulos e valores mobiliários de companhias abertas ou fechadas, passando a participar do processo decisório da empresa, com efetiva influência em sua política estratégia. Ou seja, visam captar recursos para desenvolver empresas com potencial de crescimento, preparando a companhia para operações de abertura de capital, fusão ou aquisição, que permitam o desinvestimento com geração de valor tanto aos cotistas do FIP, quanto aos demais acionistas. É um dos segmentos de investimento autorizados pela legislação vigente para aplicação de recursos pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar.
O sucesso de um investimento desta natureza depende do efetivo ganho de valor pelas empresas investidas, bem como a assertividade na estratégia de prospecção e desinvestimento dos ativos, sendo a atuação do gestor essencial para o atingimento dos objetivos propostos, bem como o monitoramento intenso e contínuo do cotista em relação às ações do gestor.
As Políticas de Investimentos da PREVI para 2017 preveem alocação máxima de 1% em investimentos estruturados no Plano 1 e de 5% no PREVI Futuro. Atualmente, o Plano 1 possui 28 fundos de investimentos no segmento de investimentos estruturados, que representam 0,5% dos recursos garantidores do plano, em julho de 2017. Desses fundos, 9 estão em período de investimento. Por consequência, ainda não proporcionam rentabilidades positivas, comportamento esperado e natural nesse estágio de maturação.
Já o PREVI Futuro possui investimentos em 18 fundos, representando 1,0% dos recursos garantidores do plano, em julho de 2017. Destes fundos, 9 ainda estão em período de investimento. Os 28 fundos investidos pela PREVI possuem 17 gestores, além de investirem em empresas de diversos setores.

Portanto, a postura adotada pela PREVI quanto à alocação de recursos no mercado de investimentos estruturados mostra-se conservadora, dados os montantes envolvidos, e cuidadosa, se considerarmos os aspectos de diversificação dos projetos, seleção dos gestores, com base em metodologia desenvolvida pelo corpo técnico e aprovada pela Diretoria da entidade.

Neste ano, até julho, a carteira de investimentos estruturados, onde são classificados os FIP, rendeu 17,65% no Plano 1 e 36,60%, no PREVI Futuro, superando o atuarial, que está acumulado em 4,20% no mesmo período.


Obs: Ao tempo em que dou ênfase a uma boa notícia do site da PREVI, realço na parte amarela o auto elogio que o fundo faz de sua administração com o fim de promoção própria.
É obrigação dos gestores realizarem o melhor em rentabilidade, para tanto são regiamente alto remunerados. O que não pode continuar é colocar em nossos ombros suspensão de direitos (BET) e continuidade de pagamento de contribuições.

 "Angústia e sofrimento me assaltaram; minhas delícias são os vossos mandamentos." Sl 118,143

sábado, 19 de agosto de 2017

CHEFE DE TREZENTOS PICARETAS

    Antes de alguém censurar-me digo que a conclusão foi feita pelos jovens procuradores da Lava a Jato do Ministério Público Federal; assim é que sirvo tão somente de veículo de repercussão.Por favor, isentem-me de qualquer condenação pelas assertivas.
      Isso posto, vamos ao fato. Luiz Inácio é o "Big Boss" de uma intrincada quadrilha de operadores ilegais que tornaram o Brasil uma pátria dilacerada. São troca de favores, propinas, obras superfaturadas para enriquecer ilicitamente empreiteiras, amigos e parentes de todo o grau, além, é claro, de monetizar os partidos políticos para um longo reinado. O fim do filme hoje assistimos na Venezuela de Maduro, a quem Lula apoia abertamente.
      Todos os que apoiam (ou apoiaram) o apedeuta viperino integram aqueles trezentos picaretas que outrora o metalúrgico condenava. Todos os recentes governadores e prefeitos do Rio são amigos do ex-presidente: Pezão, Eduardo Paes, Sérgio Cabral...Por isso o Rio está neste caos econômico.
O governo federal acaba de concluir investigação sobre a aposentadoria concedida à ex-presidenta Dilma Poste, digo, Rousseff logo após seu "impeachment". Mamma mia!!!
      O que impressiona é o contingente de pessoas estúpidas, a maioria semi-analfabetas mas muitos super alfabetizados, que defendem este crápula, ora fazendo périplo político antecipado, de ônibus, pelas capitais nordestinas.
     O "boom" do crescimento encontrado na primeira década após 2.000 foi todo engolido e mergulhado numa profunda miséria nesta década 2011-2020. Era o zênite que passou ao nadir. Estava no topo e caiu ao abismo. Como diz o grande João Trindade, esse país não tem mais jeito.
       O grupo JBS que cresceu graças ao Lula, agora começa a diminuir. Vendeu as sandálias Havaianas ao grupo Itaú. Ironicamente, estas sandálias hoje representam a pobreza do brasileiro que não tem mais onde consertar.
A MAIORIA DOS BRASILEIROS FAZ JUS, HOJE, AO FAMOSO "PÉ-DE-CHINELO" GRAÇAS AO QUE SOBROU DE NOSSO PAÍS LULISTA/BOLIVARISTA.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

OUVIDORIA RESOLVE?

    Faz pouco tempo foi implementada a Ouvidoria em nosso fundo de pensão. Tentei dela utilizar-me para acabar com uma prática sistemática em nosso fundo, a tal das respostas prontas com modelo padrão. Perguntei no 'Fale Conosco' em que mês do ano em curso seria implantado o novo limite do ES (havia 5 alternativas possíveis para a resposta: a) setembro b)outubro  c)novembro  d) dezembro e) ainda não definido
Pasmem para a resposta dada:


Nº de Atendimento: 77054394
e-mail: azarizanella@gmail.com


Senhor Ari,

Em atenção à sua solicitação, informamos que a PREVI realiza revisões permanentes nos parâmetros do Empréstimo Simples, visando a atender os interesses do conjunto dos participantes e mantê-lo como produto mais barato do mercado.

Para alongar prazos ou aumentar o valor dos empréstimos, é comum no mercado a prática da compensação do custo ou do risco, por meio da elevação de tarifas, da taxa de juros e de descontos sobre o valor do crédito. Para não onerar os seus participantes, a PREVI não segue tais práticas.

No Empréstimo Simples, são aplicadas as menores taxas permitidas aos fundos de pensão, conforme a legislação vigente, que é a Taxa Mínima Atuarial atualmente, o INPC mais juro atuarial de 5% a.a.

Para manter essa vantagem para os participantes, constantemente são monitoradas as variáveis que compõem o Empréstimo Simples de modo que assim que algum fator propiciar o redimensionamento das condições do empréstimo, a PREVI envidará esforços para a implementação da melhoria.

Esclarecemos ainda que a margem estabelece a capacidade de pagamento do participante, expressa pelo valor máximo da prestação do Empréstimo Simples que o mutuário pode comprometer.

A margem tem o valor equivalente a 30% da remuneração disponível, que corresponde à diferença entre a renda bruta e as consignações obrigatórias. Algumas das consignações obrigatórias são: contribuição da PREVI, verbas de Imposto de Renda, e verba de Pensão Alimentícia.

Uma vez encontrada a margem, dela serão debitados os valores das prestações do Empréstimo Simples e Financiamento Imobiliário vigentes para encontrar o valor da prestação máxima disponível para a contratação do Empréstimo Simples.

Atenciosamente.

Gerência de Atendimento
PREVI

O retorno desta mensagem não é monitorado. Caso necessite respondê-la, encaminhe sua mensagem por meio da seção Fale Conosco, opção Participante.

      Notem que aquilo que perguntei não foi respondido. Então liguei para a Ouvidoria para reclamar da resposta. E o que eles me disseram? Que eu tinha feito uma solicitação e que deveria fazer agora uma reclamação de que a resposta não me satisfez. Se a PREVI não me atendesse nessa reclamação, então sim, poderia recorrer à segunda instância, isto é, à Ouvidoria.
Daí então eu fiz a reclamação cuja resposta está abaixo:

Obrigado por entrar em contato com a PREVI.
Sua solicitação encontra-se em análise e o prazo para atendimento é de até 17 dia(s) úteis.

Gerência de Atendimento
PREVI

     A pergunta que não quer calar é: Será que haveria mesmo necessidade dessa demora na resposta de ATÉ 17 dias úteis? Fico imaginando o trâmite da pergunta dentro da sede. Primeiro é redirecionado para a mesa do computador de fulano; daí segue para beltrano, para finalmente chegar a sicrano (somente aí já se passaram 3 dias úteis. Sicrano analisa a reclamação e fica matutando porque não foi aceita a resposta padrão. Finalmente descobre que a dita cuja não continha o mês da implantação, conforme solicitado. Até chegarmos neste ponto mais alguns preciosos dias úteis se foram. Quanto mais tardar a resposta, melhor. Talvez já esteja até no site. Então a resposta poderia vir noutros termos: "Sr. Ari, caso você não fosse tão apressado poderia verificar que a resposta à sua indagação (mera curiosidade) já está estampada em nosso site na coluna "Notícias". Permanecemos à disposição."
     É claro que tudo isso é devaneio de uma cabeça doentia (deste que escreve). Nosso fundo tem muita transparência na relação com o associado. Possíveis falhas estão do lado de cá, dos blogueiros mal-falantes que nada entendem do que seja uma governança corporativa de excelência. Para desdizer esse blogueiro inútil, está estampado no site da PREVI o reconhecimento do Banco Central do Brasil:


Notícias

15/08/2017

PREVI está entre as instituições que mais acertam projeções no Bacen

Entidade alcançou a 6ª posição do ranking de inflação do Banco Central

No dia 9/8, o Banco Central divulgou o ranking das instituições que mais acertam suas previsões sobre o comportamento das principais variáveis macroeconômicas. Entre as entidades participantes da pesquisa de expectativas de mercado do Banco Central, a PREVI foi referência na projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de médio prazo, figurando na 6ª colocação do ranking.
A PREVI começou a divulgar suas projeções no Sistema de Expectativas do Banco Central a partir de março de 2016. E já havia alcançado as primeiras colocações do ranking em projeções da Taxa Selic e do IGP (Índice Geral de Preços).
O Sistema de Expectativas do Banco Central
O Sistema de Expectativas do Bacen é uma ferramenta que disponibiliza projeções de variáveis econômicas de mais de 130 instituições financeiras, bancos de investimentos e empresas de consultoria financeira.
As expectativas de mercado são subsídio importante para decisões de política econômica. A disponibilização desses dados ao público possibilita que os agentes econômicos tenham conhecimento sobre o que as instituições de mercado estão projetando, o que os torna ferramenta importante para o planejamento de ações de curto, médio e longo prazos.
     Ora, se o fundo sabe muito bem fazer previsões, claro está que saberá do mesmo modo, fazer o anúncio de seu melhor produto de mercado, com espessas vantagens ao associado, no momento certo. Por que a pressa? Cada blogueiro chato!
        O consolo é que minha crítica não é sobre pessoas que compõem o quadro da instituição. Minha crítica é contra o sistema operacional que trava, embrutece, e não transparece.
NOVO ACORDO DE ACIONISTAS DA VALE AVANÇA. BOAS NOTÍCIAS NO SITE DA PREVI. http://www.previ.com.br/home.htm

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

FUNDAÇÃO IBM EM INTROMISSÃO GRATUITA

    A Ação Civil Pública sentenciada em Primeira Instância de forma insofismável contra a PREVIC e contra a reversão de valores ao patrocinador Banco do Brasil, por extensão a todos os patrocinadores dos planos BD (Benefícios Definidos) que tiveram a ilegal reversão de valores na distribuição de superávits, teve a Fundação Previdenciária IBM, da gigante americana IBM, pleiteando se atravessar em nosso caminho via inclusão como interessada, causando o maior rebuliço.
     A meu pedido, o advogado da ANAPLAB, Dr. Thiago Ramos Kuster, fez uma incursão pelos caminhos tomados pela ACP cujo relato reproduzo a seguir. Tenho três anexos em PDF enviado pelo Dr. Thiago que foram tirados do processo em curso. Se houver interesse em ler estes anexos (acho desnecessário pois o relato do causídico é bem explicativo) peça-me pelo email azarizanella@gmail.com

Oi Ari,

Peço desculpas pela demora em responder. No entanto, consultei a Ação Civil Pública de nº 0114138-20.2014.4.02.5101 e vi que, embora tenha sido proferida a sentença de procedência em 1ª instância, há recurso das partes para o Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Portanto, a sentença, ainda, está pendente de análise em 2ª instância e pode ser mantida ou modificada.

Vi que a Fundação IBM quer intervir no processo como terceira interessada e está causando um verdadeiro tumulto processual. O Juiz de 1ª instância, não aceitou a intervenção deles no processo, mas a 7ª Turma do TRF 2ª Região, determinou que o Juiz de 1ª instância aceite eles como terceiros prejudicados e profira nova decisão em relação ao embargos de declaração opostos por eles.

Assim, acredito que o Juiz analise novamente as alegações da Fundação IBM e negue provimento aos embargos de declaração opostos. A partir daí, o processo irá prosseguir, normalmente, com o recebimento das apelações manejadas e intimação das partes para apresentarem as respectivas contrarrazões. 

Desta forma, embora a sentença proferida pelo MMº Juiz de 1ª instância tenha sido favorável os participantes e assistidos da PREVI, determinando a reversão de valores auferidos pelo BB, de maneira ilegal, o processo está sujeito ao duplo grau de jurisdição, de modo que o efeito suspensivo a ser concedido nas apelações interpostas, não permitirá a execução provisória da sentença, sendo necessário aguardar o julgamento pelo E. TRF 2ª Região, para que se adote providências.

Seguem em anexo, algumas peças retiradas do processo.

Bom, espero ter esclarecido um pouco sobre o andamento do processo, no entanto, caso reste qualquer dúvida, fico à disposição.

Att.

THIAGO RAMOS KÜSTER
OAB/PR - 42.337
OAB/RJ – 208.227
OAB/SC – 47.214-A


TROMBA DE ELEFANTE SE ATRAVESSANDO EM NOSSO CAMINHO. DELENDA CARTHAGO!!!!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

NÃO DÁ PARA SER FELIZ

   Nós, aposentados, temos que lutar contra tudo e contra todos. Tudo está configurado para nos prejudicar. Parece que sempre somos os culpados das chagas que recaem sobre nós. E o pior de tudo é ver que parece estarmos lutando contra principados e potestades, no dizer do apóstolo Paulo em Efésios 6:12.
      A justiça comum é um "espinho na carne" dos aposentados. Estou deveras desapontado, desanimado, com as decisões tomadas em nosso desfavor; e mesmo nas ações que já ganhamos "de lavada" na primeira instância, nos impõem um terrível trâmite (tartaruga) para as demais instâncias (superiores). Há centenas de recursos interpostos pelos perdedores que protelam a decisão final "ad eternum". 
    Na justiça comum a coisa é ainda pior. Juízes despreparados para julgar o mérito (houve caso em que numa ação 30% Consignado um juiz aplicou a sentença de uma ação IR 1/3 PREVI. O amigo Gilvan se descabela com tais absurdos. E as custas são cobradas regiamente...
    Outros descabimentos em voga estão aí para provar nossas assertivas. Um deles é o teto salarial no qual reza ninguém pode ganhar mais que um ministro do STF: Pouco mais de 33 mil reais. No entanto, é useiro e vezeiro salários atingirem,  no serviço público, 50, 60, 70 mil reais. E fica por isso mesmo.
     Meus amigos, o tempo do fim está próximo. Somente a vinda gloriosa de Cristo pode dar um basta nesse sistema poluído, corrupto, viciado. Os lázaros de hoje são os aposentados e o rico é toda essa maioria de mandantes que nos oferecem apenas as migalhas.


sábado, 12 de agosto de 2017

HOMENAGENS AOS PAIS, MORMENTE OS QUE VIVERAM O TEXTO DO RAIMUNDO

Para Turma das Antigas do BB.
😀😀😀
BB - BONS TEMPOS!!!!!!

Você é do tempo da Revista do Desed? Fez a prova de datilografia para entrar no Banco? Ouviu a mãe dizer: “Meu filho, pense no seu futuro, faça o curso de datilografia”? No concurso, a folha de resposta era de perfurar? Leu as histórias não-escritas no BIP? Eram ótimas, não eram? O quê?! Você não sabe o que foi o BIP? Foi o Boletim de Informação ao Pessoal. Ou será que você é do tempo do Bipel e do BB Net? Você ouviu ou falou em terminal burro?Enviou ordem de pagamento via telefone com aqueles codificadores: A de Aracaju, B de Bahia, C de cachorro...? Pensou que estava vendo assombração quando as teclas do telex se mexiam sozinhas? Dizem que um vigilante, ao ver pela primeira vez aquele batimento de teclas, ficou assustado, sacou o revólver e abriu fogo contra o aparelho de telex. Leu mensagens que começavam com Reseu? Na linguagem telegráfica, significava “em resposta ao seu (telegrama)”.Lembra daquele aparelho telefônico de discagem circular? Por causa dele surgiram o verbo “discar”, o substantivo “discagem” e as siglas DDD e DDI. Você alguma vez disse "o depósito caiu na vala”? Lembra do papagaio? Ele não dava o pé, mas, às vezes, dava muita dor de cabeça. Lembra do DEB744 na área dos caixas? Era nele que ficava o saldo de todos os clientes. E nele eram registrados débitos e créditos: para os depósitos, caneta azul; para os cheques, caneta vermelha. Lembra das máquinas autenticadoras? E das maquininhas calculadoras? Elas tinham um singelo apelido: Sharpinha. E a máquina de escrever, hein! A Olivetti elétrica era o máximo, uma maravilha tecnológica. Por acaso, você conheceu a guilhotina? Ah, vai dizer que não usou o mimeógrafo! Lembra do claviculário? Quando ouviu essa palavra pela primeira vez pensou que era algo relacionado a clavícula?

Mala velha cheia

Você confeccionou talão de cheque para clientes? Lembra do jerimum? E do slip? E o goiabão? Pediram pra você pegar o alicate de puxar saldo? Lembra da igrejinha? Tomou posse fazendo juramento à CIC Funci? Não sabe o que foi a CIC? É o LIC de hoje – a mudança ocorreu entre 1996 e 1998, mas tem-se a impressão de que foi há muito tempo. Você sabe o que é espelho? Sabe o que significava precário? Conheceu algum ex-menor que ficou congelado? Viu um tal Novo Rosto? Lembra de siglas como Cesec, Retag, Plata, Cefor, Setin, Creai , Setex e Setop? O oitavado, lembra? E a burrinha? Você concorreu pela mula-mecânica? Lembra do macho-e-fêmea? Foi chamado de marajá? Quando tomou posse, caiu em trote? Procurou a máquina de achar diferença? Lavou papel-carbono? Fez assinatura do BIP? Mandaram você procurar um tal “envelope redondo para colocar uma circular”? Procurou a manivela da xérox? E a máquina de escrever em inglês? E a régua de calcular juros? Assinou um papel em branco que virou saque e serviu para pagar as despesas da festa de chegada? Foi escalado para “levar o lucro para Brasília”? O novato era convencido a viajar de ônibus para Brasília, com uma mala velha cheia de papel – e teve gente que viajou... Na qualificação para a posse você fez exame de fezes? Sim, ele era um dos exames médicos exigidos – estava lá na CIC Funci 2.2.2.”c”. Para encerrar, uma última perguntinha: você fez ou ouviu algum alívio na agência? Calma,calma,não se assuste! Foi só uma viagem ao túnel do tempo. Afinal, recordar é viver – ou morrer de rir.

RAIMUNDO PESSOA NETO
Aposentado BB

(MENSAGEM RECEBIDA PELO WHATSAPP)

    FELIZ DIA DOS PAIS AOS AMIGOS LEITORES!

MINHAS HOMENAGENS AO MESTRE (GRANDE PAI) DR. MEDEIROS QUE SE ENCONTRA EM TERRAS PORTUGUESAS. NA FOTO, O NOBRE MEDEIROS ESTÁ NA ÁGUA, OLHANDO UMA ONDA FORMADA A QUAL PRETENDE ATRAVESSAR DE CABEÇA. (QUASE NO MEIO DA FOTO, AO FUNDO)

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O NÓ GÓRDIO DO ES

    Anunciaram hoje em Balneário Camboriú, no valioso litoral catarinense, que a PREVI sepultou a ideia em definitivo de aumento no prazo para 180 meses. Chegaram a alegar que seria inimaginável um mutuário de 80/90 anos  terem um prazo destes!
    É claro que haveria o efeito redutor pela idade, exatamente como há hoje, mas preferem desdenhar das nossas pretensões para que prevaleçam as suas. Deixa pra lá, mentes bitoladas não se mudam por nada.
      Obviamente teremos aumento de limite de acordo com a inflação oficial. Portanto, aqueles que tiverem margem poderão contrair. E não são muitos.
Desde 2012 o ES está sendo pilotado pela mesma ideia fixa, inflexível, inacessível a mudanças benéficas aos beneficiários. Sequer a possibilidade de admitir a modalidade prefixada, que poderia ser opcional, logrou êxito. O lema do patrocinador já foi "Tradição que se moderniza" que, acredita-se, jamais seria empregado  em nosso setor de Seguridade.
     Forte abraço a todos e a todas e um excelente final de semana!
         NESSA CARTEIRA NÃO EXISTE GÓRDIO...