BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

BEM PERTO DE UM ELOGIO

   Estava quase a ensejar um enorme elogio ao nosso fundo de pensão pela boa performance do ano de 2016, quando nem precisamos lançar mão da contribuição extra...Mas, eis senão quando, de repente, surge a notícia no Globo.com de que o feito foi devido à venda de ativos, especificamente na participação da CPFL, nada menos do que fabulosos 7,5 bilhões de reais (que número, velho conhecido!) que diminuíram os déficits gerados anos anteriores.

Leiam a matéria na fonte clicando aqui.

   Por consequência, deixarei de emitir o meu selo verde, pois houve apenas uma troca contábil: Tiramos dos ativos (= dinheiro vivo) para cobrir o déficit! Aí não vale! Por falar em Vale, estou curioso para saber sua performance neste fim de ano. Apesar do acidente terrível envolvendo a Samarco e suas péssimas e caras consequências, a Cia Vale tem reagido bem na bolsa de valores (valorização de mais de 100% no ano) em que pese o dólar em queda mas ainda bem cotado (3,35). Acho que teremos aí uma boa recuperação.
    Fico às vezes muito chateado porque o nosso patrocinador coloca o que tem de melhor de seu quadro de pessoal a serviço do nosso fundo e mesmo assim, parece que a coisa não deslancha. Vamos orar neste ano novo para que acertemos o passo. Que nossos dirigentes saibam conduzir o navio a um porto seguro. Vida longa ao Gueitiro, Marcel, Zeca, Marcus, Cecília e ao Renato Proença. Bem como a todos os ilustres conselheiros deliberativos! Um forte abraço e feliz ano novo para todos!



27 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente, professor Ari, não cabe elogio algum.
A questão é a seguinte: no caso de superavit, o patrocinador abocanha 50%; no caso de equacionamento de deficit, bem, aí vendem-se ativos (dinheiro vivo) e o patrocinador não precisa repassar recursos.
Simples assim.
E o futuro, o que nos reserva??

Anônimo disse...

Venderam ativo "blue chips" (29,4% CPFL) para cobrir déficit, só isso! Exatamente 7,5 bi. QQer. semelhança de vr. é mera coincidência. Não teve nada a ver com o humor do mercado, fatores econômicos - a economia e feita de ciclos e nenhuma crise dura para sempre - , conforme alardeado.

Anônimo disse...


Prof Ari

Gostaria de aproveitar este prestigiado blog para cumprimentar os responsáveis pelo contracheque da Previ que a partir deste dezembro/2016 incluíram na verba C751 nova nomenclatura com o sugestivo nome CAPEC MORTE. Até então era sòmente CAPEC. Obs.: deve ser para o velhinho já ir se familiarizando com o seguro que vai deixar aos entes queridos. Ou um recado aqueles que a pouco sugeriam a liberação de parte do seguro para utilização em quitação de dívidas. Vai duvidar. Taí. A Capec é só para MORTE.

Anônimo disse...


Não consegui ler a matéria no site Globo.com, pois pede login e senha para ter acesso.

Anônimo disse...

Previanos,


Quando notícias desse quilate chegam "transparentes" algum sinal de alerta deve ser considerado.

Venda açodada?
Venda de urgência, ou mesmo emergência, por situação de caixa?
Aplicações em renda fixa, letras do tesouro em longo prazo, o que não seria de todo um desastre?

Exigência do patrocinador para não ter desencaixe mensal?

Medo do momento político e econômico que assola o país?
Perspectiva da mortandade dos velhinhos trambiqueiros com a atual remuneração baixa e a estratosférica para os estatutários, sem os mesmos terem contribuído para tal?

ENFIM A CHEGADA DAS 9 MIL E TANTAS APOSENTADORIAS FORÇADAS PELO BANCO EM EXIGENCIA DO GOVERNO FEDERAL?
Caixa, Caixa mais Caixa...
O futuro nos dirá , claro para aqueles que até lá resistirem as brilhantes obras da Previ.

Que mais minha gente?

Como está a saúde financeira da Previ, com os astronômicos pagamentos a estatutários, inclusive aqueles que fazem ou fizeram parte do funcionalismo da Previ, com este tipo de aposentadoria?

MPF











Anônimo disse...

Desculpem,


Não entendam mal MPF = Medida PALIATIVA FINANCEIRA.

Anônimo disse...

Assim até o Zé Mindiguim da bodega da esquina aqui de casa consegue. Molim, molim e sem MBA.
Isso me fez lembrar da minha infância, quando no armazém do meu avó, os ciganos iam comprar um palmo de fumo de rolo. O palmo dos cabra dava quase 1 metro.




* Professor se precisar enfiar um supostamente no texto cê faz o favor?

WILSON LUIZ disse...


Francamente, num entendo vocêis. Muitos criticam ferozmente a diretoria, por deixar super-aplicado em renda variável um fundo de pensão fechado, em processo de extinção e que, realmente, deve equacionar melhor seu portfólio.
Considero a venda das ações da CPFL a única ação inteligente dos recebedores do bônus-incompetência durante este ano, proporcionou um lucro de R$ 2.9 bilhões sobre o valor contabilizado no balanço de 2015. Gente, os R$ 7.5 bilhões da venda não sumiram, serão aplicados em outros ativos. Se isto ajudou a não pagarmos mais contribuição em 2017, que bão.

Na verdade verdadeira, a PREVI funciona assim: quando as ações sobem, durante o ano, temos superávit, quando elas caem, temos déficit, as aplicações em renda fixa rendem seus juros sobre juros. A diretoria pode ficar dormindo, o barco segue sozinho.

O déficit de 2015 ocorreu por culpa de Dilma e do PT, o resultado de 2016, se positivo, deveremos ao hoje presidiário Eduardo Cunha, que carregou nas costas, praticamente sozinho, o impeachment da presidenta.

Ari Zanella disse...

Anônimo das 22:59

Tente no link da postagem, foi enviado por um anônimo que certamente tinha acesso. Se eu clicar nele, abre tranquilamente.

Anônimo disse...

Sr ari,

Aqui, a gente tem até receio de fazer comentários que retratem uma realidade existente, com medo de represália das milícias de diversos matizes que pululam no nosso morro chamado brasil. No entanto é verdade inegável que para salvar, a mando ou por pura bajulação, a cara do Poder, a maioria esmagadora de patrícios, sob o pálio protetor das benesses, não exitam em cortar os dedos (dos outros) para colher anéis.Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência. A Inocência não medra em nossos campos mas colheita vai bem, obrigado!





Anônimo disse...

Querido Professor Ari,
Já é possível saber de quanto será o nosso aumento em Janeiro/2017?

Abrs.

Ari Zanella disse...

O índice de dezembro do INPC vai sair lá pelo dia 08.01.17 que completará o índice para o reajuste de janeiro. Mas já sabemos que será mínima (a inflação de dezembro) em torno de 0,1 ou 0,2. Desta maneira, eu acredito num índice ao redor de 6,60% para os nossos proventos.

Anônimo disse...

O meu economês funciona assim:

Pego os carnês e jogo para cima. Os que conseguirem chegar até as minhas mãos são privilegiados com o pagamento.
Lá na belíssima África, os economistas de lá, quando organizações entram em problemas de caixa como o meu, desfazem dos seus ativos e alardeiam que não tiveram déficits para os seus acionistas.
Comigo existem órgãos de controle como SPC e SERASA, para me enquadrarem e restringirem as minhas ações. Já nas grandes organizações africanas, como as transações não acontecem às claras (auditorias mandraques) e ninguém consegue acesso `contabilidade, principalmente os acionistas, deitam e rolam sem mecanismo de controle algum. E tem mais, ainda procuram os grandes meios de comunicação para cantar a maior goma de que atuaram de maneira competentíssima.
No fundo meu economês é idêntico ao deles. Venderei o Chevetão carinhosamente apelidado de Pantaleão para acertar as contas. Os gabaritados economistas africanos vendem as ações de empresas. Eu só preciso botar um tirinha no jornal da parte de RECADOS avisando que meus dependentes ganharam um presentão, mas quando perceberem que estão a pé vão me enfiar a porrada.

Anônimo disse...

Caro Wilson Luiz,

A hora de vender ações é sempre quando as mesmas estão no maior patamar e não quando lucramos alguns caraminguás.

Bem, quando temos a bola de cristal é só acionar o dispositivo VENDER!

Prefiro RENDA FIXA para um plano finito, SMJ, entulhado de velhinhos trambiqueiros, completado por milhares de recém entrantes, na marra.

Mil explicações serão dadas pelos administradores, todas tenderão em ser convincentes, justificadas, explicadas em seus "mínimos detalhes" e muito "transparentes".

As ações administrativas serão sempre translúcidas, claras, evidentes, límpidas, etc...

Futuro tranquilo, penso eu, está com céu de brigadeiro para os estatutários e somente para eles, às custas de uma coletividade espezinhada com a retirada de 7.5 BILÕES, pela res. 26, engendrada no meio governamental, quiçá a título de recompensa por "serviços prestados", sempre com Salvo Melhor Entendimento.





Anônimo disse...

A CPFL estava como "aplicação em renda variável " ?
Ou era um outro tipo de investimento ?
Não foi vendida aos chineses a participação que a Previ detinha em conjunto com a Camargo Correa e outros fundos de pensão ?
Se tivesse sido vendido o mico COSTA DO SAUIPE, ai seria "bão".
Vida longa a todos os citados administradores. Mas curta e breve administração, no máximo, só 2017.
PLP 268.

Anônimo disse...

Emérito Professor ZANELLA:


Não estou querendo debochar ou ironizar do anônimo de 26.12.16, 22:57 hs., pois no meu contracheque há muitos anos que conta CAPEC/MORTE/ESPECIAL. Ou a PREVI me condenou à morte antes do tempo ou ele vai ter de trocar de óculos.

Anônimo disse...

Protesto contra a nova nomenclatura CAPEC MORTE na FOPAG. Foi de péssimo gosto essa idéia. A Lei de atração funciona para todos. Quem teve essa idéia não pensa positivamente. P R O T E S T O!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Se privatizarem o BB, aguardem choro e ranger de dentes.
Falam o que queremos ouvir, contam transparências opacas e nos convencem que teremos um futuro promissor (o sr. Trump disse isso?).

Anônimo disse...

Ao anônimo das 11,02,
Acho que trabalhamos em banco diferente, pois no meu contracheque SEMPRE
constou somente CAPEC.

Anônimo disse...

PLP 268 ONTEM. COM OU SEM NOTIFICAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Anônimo disse...

Anônimo 27/12/16 11:02

É que no caso ele contratou somente um seguro, denominado "morte".

Já o seu, da mesma forma que o meu, tem o "morte" e o "especial".

O primeiro gera indenização a terceiros em função de nosso óbito e, no segundo, nos recebemos dita indenização em função do óbito de cônjuge.

Anônimo disse...

"Utilizam as bandeiras da esquerda para manter um poder parasitário e não ideológico"

Guilherme Fiuza

Anônimo disse...

Previ: funcionários e aposentados não terão que fazer aportes extras
Fundo de pensão do BB conseguiu tapar rombo que precisava ser equacionado no Plano 1
POR RENNAN SETTI
16/12/2016 14:53 / ATUALIZADO 16/12/2016 15:02
Agência do Banco do Brasil no Rio de Janeiro - Nadia Sussman / Bloomberg

RIO - Os funcionários e aposentados do Banco do Brasil receberam um presente de Natal antecipado nesta sexta-feira: não vão mais precisar fazer contribuições extras para cobrir o rombo da Previ, seu fundo de pensão.
O déficit da Previ em 2015 foi de R$ 13,9 bilhões, o que obrigaria o fundo a promover um equacionamento (exigência de contribuições extraordinárias) de R$ 2,9 bilhões no seu principal plano (o Previ 1, de benefício definido). Mas a Previ informou nesta sexta que, até 30 de novembro, o Plano 1 acumulou rentabilidade de 15,75% no ano, gerando um excedente de R$ 4,8 bilhões — maior do que o equacionamento exigido, o que evita a necessidade de pagamentos extras. No geral, a rentabilidade acumulada de todos os fundos da Previ foi de 11,30%.
O resultado de dezembro ainda não foi apurado.
A Previ afirmou em nota que “a ausência de contribuições extraordinárias é fruto de uma política de investimentos robusta, que tem foco no longo prazo.”
“A economia é feita de ciclos e nenhuma crise dura para sempre. Fundos de Pensão precisam mirar no longo prazo. Com uma carteira de ativos forte como a da Previ, a tendência é que a curva de crescimento das rentabilidades seja retomada, melhorando os resultados”, acrescentou a entidade em nota, citando entre os desafios enfrentados este ano a CPI no Congresso que apurou desvios nos fundos de pensão.
Em setembro, a Previ selou um negócio importante para o seu caixa, ao vender sua participação de 29,4% na CPFL, distribuidora de energia do interior de São Paulo. À época, o fundo de pensão previu que o negócio representaria ao todo uma entrada de R$ 7,5 bilhões no caixa da Previ e um ganho de R$ 2,9 bilhões em relação ao valor que a participação que havia sido registrado no balanço de 2015 da Previ, “contribuindo para redução do déficit apurado naquele período”.



Anônimo disse...

Emérito Professor ZANELLA:


Agradeço a esse ilustre blog, caso possa transmitir o meu muito obrigado ao anônimo de 27/12/16, às 14:19 hs. e desculpas ao anônimo de 26/12/16, às 22:57 hs., é que "verificando melhor" o meu contracheque, constatei que a minha verba é C753, e não C751.

Anônimo disse...


Ilustre anônimo das 15:57

Foi só um deslize. Agiu com correção. Todos nós damos uma escorregada. Isso não é nada. Só acho que deveria continuar no contra-cheque como sempre foi: CAPEC. Não precisam explicitar se é morte, vida, extraterrestre ou qualquer coisa. Obrigado.

Anônimo disse...

Cara,

Vou te falar uma coisa: É triste demais você morar num país onde a maioria das autoridades comete crime. É um sentimento de impotência sentir seus direitos usurpados e não ter a quem recorrer. Judiciário? A tá...
Tão moendo o dinheiro que juntamos e ao invés de punição são premiados.
Devemos estar no fim dos tempos mesmo. Será que a Besta não sairá do Brasil? Perfil para tanto tem de A a Z.
Ah! Pior de tudo é que ouvi dizer (não lembro de onde) que o braço esquerdo e direito do Manteiga, um esteve outro está na chefia do Guloso

Aí eu choro

Help Moro!!! Vira seu canhão para o lado de cá

joao trindade disse...

Infelizmente o colega das 21:25 de27/12/16 está certo.
País sem futuro não dá futuro para seu povo. Não temos a quem recorrer.
Estamos sem alternativa e a poucos centímetros da Venezuela (não só pela proximidade dela).