BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

terça-feira, 1 de novembro de 2016

OS SANTOS QUE NÃO SÃO DE CASA

Há 7 anos era fundada a Empiricus com uma razão: ajudar pessoas a investir melhor. Sem politicamente correto ou outras hipocrisias baratas.

Nós da PREVI - Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil - se estivéssemos sob nova direção, num governo sério e não corrupto, deveríamos formar parceria com uma empresa de consultoria de investimentos como a Empiricus - não necessariamente esta - com profissionais que seguramente nos dariam superávits sucessivos e uma vida pós-laboral muito melhor do que hoje.
Os "profissionais" do nosso quadro de diretoria estão muito aquém de dezenas de experts do mercado, fruto talvez de fatores extrínsecos ou mesmo da influência política. Neste contexto, a nova configuração dada pelo PLP 268 se encaixaria como uma luva no modo de administrar nossos ativos, sem a malfadada ingerência nada benfajeza de nosso patrocinador.
Nos contratos de consultoria caberia cláusulas de não remuneração em caso de prejuízos, com as quais os contratados certamente iriam concordar. Nosso fundo possui um patrimônio muito alto para ser administrado de um modo tão insípido. Falta a ele o sabor e o tempero que sobram aos craques do mercado.

34 comentários:

Anônimo disse...

Caro, prof. Ari,

Prova inquestionável que a Previ é controlada por quem não tem o menor interesse em cuidar de NOSSOS INTERESSES.
Fizeram dos recursos da Previ uma conta para ser ¨trabalhada¨por interesses que não são os dos associados (hoje, espertamente chamados de ¨assistidos¨). Não há interesse em manter a Previ, enquanto associação com a finalidade para a qual foi criada. Vão usar e abusar da autoridade que acham que têm até exaurir nossos recursos, depois...

Anônimo disse...

Alguem saberia informar que no dia 20 a previ vai cobrar o adiantamento do 13 na fopag. Depois vai ser liberado a modalidade para nova contratação. ?

Anônimo disse...

Caro Professor ,

Com sindicalistas dirigindo a Previ, a Previc, o Sr. acha que vão topar se submeter a pessoas competentes, que não sejam da turminha?
E olha que tão prendendo sindicalistas e esquerdinhas de rodo.
Todos santos é claro, irão se apresentar ao Holiness Pope Francis para santificação em vida, como costumam pregar suas inocências.

Anônimo disse...

Para o enquadramento dos consignados da Previ nos 30% falta boa vontade.
Fiz os cálculos com a calculadora do BC dos dois empréstimos que possuo (ES e Cooperforte) e precisaria:
A Cooperforte utilizar o capital para abatimento do saldo devedor e refinanciar o restante em 72 parcelas
A Previ refinanciar o saldo devedor em 150 parcelas (atualmente meu prazo é de 108 parcelas)
A soma dos dois ficaria dentro dos 30% como manda a lei.
Quando fizeram a reunião pensei que estudariam algum plano como esse mas não.
A Previ poderia também fazer a portabilidade da Cooperforte.Os Bancos fazem e a Previ está equiparada aos Bancos para fins dos empréstimos consignados (lei 13183)
Sem deixar de pagar, sem nenhum favor, existem caminhos para a Previ, a Cooperforte e os demais cumprirem a lei mas simplesmente não querem.

rafa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

A BBDTVM monopolizou essa tarefa.

Anônimo disse...

Prezado Professor Ary,
A ANAPLAB, única defensora de seus associados, já tem uma posição de quem enquadra no RMI - ESTATUTO DE POSSE, com base nos e-mails que a Previ enviou para alguns assistidos (eu recebí). ?
Pedi p a Previ dar mais informações e ela acusou recebimento e, uma semana após, mandou email dizendo que tinha ido para análise setor jurídico.
Meu caso (posse 1971 - aposentadora julho 1995).
Caso algum colega tenha mais informações seria interessante publicá-las, com a anuência do Sr. Ary (blog).
Abraços

Anônimo disse...

Prezado Prof. Ari,

Tenho empréstimo imobiliário, cujo saldo devedor é de R$55.239,00 que será liquidado daqui a 3 anos. Será que vale a pena fazer o ES Finimob com prazo maior para liquidá-lo?

Antecipadamente agradeço sua resposta.

Um abraço.

divany Silveiira-S.lagooas disse...



Mestre, Mestre você abordou um tema hiper importante, tão mpor -
tante que é dificil para nós que passamos a vida atrás do balcão
abordar, embora devamos estar sempre informados,pois temos uma vi-
da contribuindo para formar este capital. Mas, a diferença entre um
operador apadrinhado e um profissional do mercado é a mesma de um
dentista prático ( lembra de Zeca diabo ?) e um odontólogo saído da
faculdade. agora,Mestre, a bolsa quando quer subir é igual fêmea
no cio, ninguém segura.Neste momento, dependendo do que o governo de
liberar até estagiário ´dá certo.Para terminar a Empicus é lº mun
do.

Ari Zanella disse...

17:20

Desconheço as condições do seu financ. imobiliário mas sei que se ele nunca foi repactuado as suas condições devem ser melhores que a do ES Finimob
Faça uma análise do juro que paga na Carim e veja também o índice de correção. Se este índice não for o INPC acho melhor deixar como está.

rafa disse...

RMI E NOVA REDAÇÃO DA SÚMULA 288 TST - No site do TST tem várias decisões recentes já aplicando a nova redação da súmula. O Tribunal está julgando IMPROCEDENTES as ações nas quais o autor não informou que tinha direito adquirido na data da vigência da LC 109 (29.05.2001). Parece que o próprio TST, na vigência por vários anos da redação anterior da mesma súmula, e todos os advogados das nossas associações juntos, não atentaram para a aparente clareza (agora )do artigo 17 e parágrafo único respectivo da LC 109? Talvez todos foram induzidos pela postura anterior do TST. O STF decidiu que a partir de 20.02.2013 é a Justiça Comum que julgará ações sobre previdência complementar. Será que o entendimento vai ser o mesmo do TST? Ou deveríamos invocar a inconstitucionalidade do tal artigo? Mas é estarrecedor o poder do BB e Previ de mudar a cabeça dos tribunais superiores, não é? Rafael

Anônimo disse...

Colega Zanella : o Sr. parece estar de brincadeira. Entregar a administração do nosso dinheiro para o mercado (essas empresas tipo pirâmide financeira) ? O Sr. não recorda o que aconteceu com o Postalis, que confiou num banco americano, e este aplicou os recursos penosamente pagos pelos humildes carteiros em papéis da Venezuela e da Argentina ? Resultado : perda total.
Prefiro que os nossos recursos sejam administrados pela BBDTVM...

Anônimo disse...

Colega,


Quanto a atividade dos sindicalistas é só ver o que se noticia sobre governo, com eles todos os fundos de pensão, autarquias, sociedades de economia mista e similares se deram mal.
A resposta veio das urnas: esquerdopatia NUNCA MAIS.

Graças a Deus a seita lulopetista fez autofagia corrupta.

Anônimo disse...

Professor Ari,

Seu texto é irretocável e aborda o nosso problema crucial. Centenas de milhares de pessoas subjugadas por uma minoria descarada. O papel do Mourisco e suas luxuosas benesses não passam de uma fantasia para legitimar o assalto aos velhinhos trambiqueiros.
A história demonstra que os explorados sempre atingem seu limite. Espero que o nosso não seja o limite "Aerus". Nossa situação chega A COLOCAR EM XEQUE o Estado Democrático de Direito.
É igual a história do homem da mala. Parecia perna de cobra porque ninguém conseguia enxergar. Bastou um JUIZASSO de Curitiba ter o saco roxo e amostrar para o mundo: ESTÁ AÍ O HOMEM DA MALA.
A Greenfield parece ter arranhado a pele do monstro. Resta-nos esperar que infeccione, agrave, entre em coma e morra.

Anônimo disse...

Anônimo das 17:20

Grata pela resposta Prof Ari.O meu financiamento foi repactuado.

Anônimo disse...

No site da Previ há uma matéria sobre alteração nos critérios de remuneração do presidente e diretores.
Francisco Santos

Anônimo disse...

Caro Ari, a ANAPLAB ja tem uma posicao com relacao ao nosso direito na acao RMI? No meu caso, posse set-1974 e aposentadoria abr-2004.

Ari Zanella disse...

Colega das 17:57

Calma aí. Os profissionais seriam apenas CONSELHEIROS. A última palavra é sempre nossa. Pense bem: Se a BB-DTVM fosse tudo isso a PREVI não teria amargado tanto prejuízo. Você pode alegar que é a crise (ou conjuntura ou qq outro nome que queira dar) mas é possível GANHAR com a crise. Daí entra a EXPERTISE desse pessoal que sabe o que fazer numa hora dessa.
Mas atenção: O comando do navio será sempre nosso, JAMAIS DE TERCEIROS. Este teu argumento é típico de sindicalista ou de quem já está dentro do fundo.

Ari Zanella disse...

Colega das 22:26

Os nossos advogados estão debruçados sobre o assunto. Ainda não nos posicionaram. Entretanto, podemos afirmar que existe no entendimento do Tribunal um corte no direito a partir de 2001, após a LCs 108 e 109.
O colega RAFA que participa nos comentários traz o assunto à baila sempre com ênfase nas decisões recente de casos concretos. Parece importante ressaltar no judiciário que o acontecimento da aposentadoria deu-se anteriormente ao ano de 2001.

Anônimo disse...

nos, associados da PREVI, somos considerados incapazes,NAO PODEMOS CUIDAR E NEM SABER COMO CUIDAM DO NOSSO DINHEIRO!

Anônimo disse...

01/11/16 22:23

Então no caso de déficit no exercício, não existe razão para o pagamento de bônus variável para a diretoria e do PLR para os funcionários. Todos deveriam, na verdade, é PAGAR o respectivo percentual sobre o prejuízo verificado. Simples assim, pois todos seriam altamente gabaritados para o exercício das respectivas funções. Ou não?

rafa disse...

Colegas, completando a minha postagem anterior, as "condições para ter o direito adquirido em 29.05.2001" eram as constantes do artigo 30 do Regulamento do Plano de Benefícios 1 ( no meu caso, tempo de contribuição ) de 24.12.1997 - que vigorou até 2004 - a saber:

Art. 30. O Complemento de Aposentadoria por Tempo de Serviço será devido ao participante a partir da data em que este satisfaça as seguintes condições:

I - conte com pelo menos 55 (cinquenta e cinco) anos de idade;

II - tenha cumprido a carência de 180 (cento e oitenta) contribuições mensais para o Plano de Benefícios;

III - esteja em gozo de aposentadoria por tempo de serviço concedida pela Previdência Oficial Básica;

IV - rescinda o vínculo empregatício com a empresa patrocinadora.

§ ÚNICO - A condição a que se refere o inciso I não será exigida do participante cuja filiação à PREVI tenha ocorrido anteriormente a 24.01.78.

A não ser que tenha alguma exceção nas Disposições Gerais ou Transitórias, que não li. Interessante ver no site da Previ os regulamentos sucessivos do Plano 1: a partir da LC 109 e 108, de 2001, tem quase uma dezena de alterações! Agora é aguardar a posição da Justiça Comum ... Só por Deus, sempre.

Blog do Ed disse...

Wladimir Novaes Martinez, na minha opinião, a maior autoridade em Direito Previdenciário, afirma que essa orientação do STF existe desde l963, na Súmula 359 e que ela foi formulada precisamente, imaginem só, para benefício de quem se aposentava. Ele distingue direito simples e direito adquirido. Direito simples ao valor da aposentadoria tem-se na filiação ao fundo. Direito adquirido à aposentadoria integral, decorrido o prazo estipulado. Atente-se, entretanto, segundo penso, que os pré-67 tinham um contrato de trabalho (Circular Funci) de aposentadoria integral até o fim da vida e da esposa. Entendo ser direito adquirdo, já que não havia condicionamentos. Então, prevalece o compromisso do Banco. Não garanto, mas acho que esse compromisso manteve-se, pelo menos, até aquela famosa intervenção na PREVI, em fins do século passado, quando foi criado o PREVI FUTURO (conta de poupança). Penso, pois, que também os pós-67 do Plano de Benefício 1 têm direito adquirido ao benefício da aposentadoria integral.
Edgrdo Amorim Regp

Blog do Ed disse...

Atentem: sei que sou um ignorante. Mas, por isso mesmo, vocês entenderão a minha perplexidade: um fundo de pensão tem sua sede no Palácio de Cristal de um Centro Empresarial, o mais chique da cidade do Rio de Janeiro (certamente que a aquisição se baseou em preciso cálculo de custos/benefícios) e uma eficientíssima funcionária desse fundo, cedida pelo Patrocinador e que deve receber belíssima remuneração paga com dinheiro proveniente de aposentadorias qwe, na maioria, nem dá para sobreviver (porque os serviços médicos estão nas alturas do morticínio) ainda tem tempo para cursar UNIVERSIDADE, fazendo tese de doutoramento em Psicanálise (ciência em fase de encolhimento, em virtude dos avanços da Neurociência)! Colegas solidários em greve, com apoio do Sindicato!... Na minha ignorância, fico perplexo meditando no custo administrativo desse fundo que deu prejuízo de l8 billhões, apesar de eximiamente administrado. NÃO ponho isso em dúvida alguma.
Edgardo Amorim Rego

Anônimo disse...

Dileto Professor,

Será que conseguiremos repatriar nosso BET? E por falar em repatriação está aberta a temporada de lavar o dinheiro conseguido durante décadas de forma criminosa. No Dia dos Mortos o dinheiro está vivinho.
Quebram o país com tanto roubo do erário público e depois fazem uma lei para legalizar o produto do assalto. E daí vem a cantilena que é a previdência a responsável pelo desajuste nas contas


6 tão é de sacanagem

Anônimo disse...

Essa questão do direito adquirido no caso da Previ é bastante polêmica principalmente para aqueles em que a filiação era obrigatória e que portanto fazia parte do contrato de trabalho.Os que defendem essa tese alegam que o contrato válido para a RMI era o vigente na admissão.

Anônimo disse...

Abaixo assinado suspensão ES da Marisa

Faltam 88 assinaturas para completar 2500.
assinem, por favor

Anônimo disse...

Ari, bom dia,
Estou terminando uma casa e não vai ter jeito, vou ter que entrar no ES. De qualquer forma estou adequando as prestações para que se limitem ao reajuste de janeiro (em torno de 6%, já deduzido o 1%.de aumento da Cassi). Assim, não terei desembolso extra, simplesmente terei em 2017 os mesmos proventos de 2016. Já que a bolsa vai indo bem, estou contando que o percentual da Ptrevi continue o mesmo.
Agora, por favor, para que eu comece a pagar em janeiro, o crédito em minha conta tem que ser feito após o dia 6 de dezembro, é isso?
Agradeço sua atenção.
Celio

Ari Zanella disse...

Amigo Célio,

O sistema funciona assim: Pedir o empréstimo no mês antecedente ao mês do crédito. Exemplo:

Você solicita no Autoatendimento o empréstimo no dia 28.11.2016, uma segunda-feira (pode ser também no dia 29 ou 30 ou mesmo dia 24 ou 25). Quando você vai optar pelo dia do crédito (obrigatoriamente dois ou mais dia depois do pedido) deverá indicar o dia 01.12.2016 ou dias subsequentes a este. O sistema não permite debitar a primeira prestação no mesmo mês do crédito.
Antes de você fechar a operação aparecerá um resumo dando os principais pontos do contrato como prazo, IOF, taxa administração, valor e o vencimento da primeira parcela etc

Anônimo disse...

Professor Ari,

O INPC ficará só em 6% em janeiro? Vixeee
O Bibica me garantiu que o aumento seria de 10%. Vou enfiar a porrada nele...
Brincadeirinha! O governo passou a perna nos cálculos dele.
O churrasco da pelada agora será de carne moída. Aí eu choro

Anônimo disse...

Precatórios não pagos até o final do exercício podem ser computados no orçamento da União p/gerar superávit primário. Estranhamente tenho uma ação ganha, que entrou no orçamento de 2016/precatório, depósito feito na CEF, cálculo indenizatórios efetivados/trabalhista, etc., porém até agora não foi expedido o alvará p/o saque - http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/02/precatorios-pagos-e-nao-sacados-viram-superavit-fiscal-quer-governo.html - Trata-se de ação impetrada em 1990, ou seja, há 26 anos, e o seu produto vai ser literalmente usado para liquidar o meu ES, eis que não vislumbro aplicação financeira ou qqer outro investimento que superem os encargos extorsivos do ES. A ansiedade é grande, haja vista o recesso no judiciário que se inicia em 20/12 e termina em 06/12/2017.

Anônimo disse...

Amigo Ari,
Obrigado pela sua atenção. Estava morando no Rio, mas a insegurança lá tá grande. Por isso mudei pro interior de Minas e estou construindo. Tá quase pronta a casa, mudo em dezembro ou janeiro, se Deus quiser. Sabia que os recursos seriam insuficientes, analisei e o ES continua sendo o menos ruim, pois dívidas nunca são boas, mesmo para investimento. Isso porque meu perfil é de avesso ao risco.
Aqui no interior, embora haja violência, nem se compara a das grandes cidades brasileiras como São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Recife, entres outras.
Abraços,
Celio

Anônimo disse...

Colega Célio 02/11/16 14:41

Aditando a sugestão do professor Ari, talvez fosse mais propício solicitar em fins de dezembro para crédito no início de janeiro/2017.

Assim haveria melhor compatibilidade entre o reajuste dos benefícios em janeiro e o da prestação em fevereiro (13ª, 25ª, etc.).

Isto, claro, se houver possibilidade de aguardar o crédito para o próximo ano.

Anônimo disse...

Aditando o comentário 02/11/16 21:29 ao colega Célio

Mas se proceder conforme orientado pelo professor Ari, o reajuste das prestações ocorrerá em janeiro, que também é o do reajuste dos benefícios.

Desculpe pois acabei vendo chifre em cabeça de cavalo...