BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

COMISSÃO NO SENADO PARA VARREDURA DE SUPERSALÁRIOS

     O esperto senador Renan Calheiros ao instalar a Comissão no Senado que tem por objetivo fazer varredura nos supersalários mira, antes de tudo, o juízes do poder Judiciário.
             Contudo, apesar de não ser o objetivo inicial do enrolado senador por Alagoas, a metralhadora giratória pode atingir o alto escalão das estatais, como os diretores "talentosos" do Banco do Brasil e, por extensão, toda a diretoria do nosso fundo de pensão.
          O tema já abordado por mim na postagem "Quem mexeu no meu queijo?" de 05 de novembro do mês corrente onde menciono o soldo de cada diretor da PREVI. A Constituição Federal estabelece que o maior vencimento mensal pago a um servidor público não pode ultrapassar o valor do ministro do Supremo Tribunal Federal que é de R$ 33.763,00 (Trinta e três mil, Setecentos e Sessenta e três reais).
         Sabemos que nem o teto da PREVI foi ainda estabelecido porque o Banco Brasil negou-se a acatar uma decisão da Previc. E os valores recebidos por cada diretor (mais ou menos R$48.000,00) fora os acréscimos como bônus ou remuneração variável de até 06 salários. Com isso, a remuneração, em alguns casos, pode atingir os R$ 100.000,00.
        Desta forma, será um meio direto de fixar o teto na PREVI. Daí fica escancarado como estamos sendo surrupiados em nosso fundo, posto que somos nós que pagamos estes supersalários!


28 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente essa ação envolve somente os três poderes (Judiciário. Legislativo e Executivo), não creio que fundo de pensão de estatal sejam atingidos.

Anônimo disse...


A Previc se tornou um grande meio para simpatizantes do BB conseguirem super-salários, tal como acontece na Previ.

A Previc e tão fraca em sem-importância, que nem o BB obedeceu a sua ordem de estabelecer um teto.

O que fazem os pouco funcionários da Previc com os milhões que recebem a cada bimestre?

Se somente a Previ lhes repassa R$ 2.500.000,00 a cada dois meses,imaginem o valor que arrecada somando todos os fundos de pensão!!!

Tem muita coisa que precisamos ainda saber sobre essa caixinha preta.

Moro neles!!!!!

Anônimo disse...

Amigos,
A gente fica fora da ativa e se surpreende quando faz um cálculo simples.
Se eu pegar ÉS de 10 mil em 120 meses hoje receberei liquido 9.652,70 e a prestação será de 135,14. 135,14 corresponde a 1,4% de 9.652,70,
Isso quer dizer que pagarei 1,4% por mês. Como em função da inflação o saldo devedor não vem sofrendo redução, isto quer dizer que efetivamente a taxa de juros mensal que pagarei será de 1,4%, ou seja, 18,59% ao ano. E quem disse que a taxa anual é de 5%?
Estou certo ou errado?
Celio

Anônimo disse...

Teacher, (nosso TITE mesmo) não há momento mais propicio para acabarmos com essa pouca vergonha. A hora é agora! Vamos aproveitar o levante desse Renan e escancarar os salários absurdos dos diretores sem direção dessa Previ. Eu quero meu dinheiro surrupiado do BET. Quero ES maior e mais baratinho. Quero renegociação da CARIM mais justa e mais longa. Quero que esses caras paguem os prejuízos que nos deram perdendo bilhões de reais. Quero a dignidade financeira dos aposentados e pensionistas. Quero a separação do Plano 1 do Previ Futuro. Quero que os usurpadores do nosso rico dinheirinho saíam da nossa casa. Quero a suspensão da contribuição que no meu caso já passa de 450 parcelas. Quero um atendimento educado e sem aquela maldita espera com aquela musiquinha insuportável do 0800.Quero a minha PREVI de volta e nosso dinheiro de volta. Vamos brocar Mestre Ari, nosso TITE no jogo.
Quero a implantação urgente dos 30%. Quero a nossa União para o resgate da nossa Previ. Que os Diretorezinhos e essa Praga Vermelha chamada PT nos usurpou!!! Esse blog do senhor é um santo remédio pra baixar pressão.

Blog do vovô disse...

Buenas Ary.
Alguma noticia se estão nos planos da PREVI, a prorrogação ou adiamento das parcelas do Empréstimo Simples?
Obrigado

Anônimo disse...

PESSOAL,

COMEÇA HOJE A VOTAÇÃO DA PROPOSTA QUE AUMENTA A CONTRIBUIÇÃO MENSAL PARA A CASSI. ESTÃO QUERENDO TAMBÉM CRIAR UMA CONTRIBUIÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE 1% (UM POR CENTO). GOSTARIA QUE ALGUEM SE MANIFESTASSE A RESPEITO. DEVEMOS VOTAR PELO SIM OU PELO NÃO?

ABRAÇO.

Paulo Ricardo disse...

Muito bem. Bela postagem.

Anônimo disse...

Meu Nobre Presidente,

Gostaria de levantar uma questão de ordem: O fundo está uma desordem.

Agradeço a Vossa Excelência por ter abordado um tema tão importante para moralização dessa zorra. Enquanto tentam tergiversar sobre o assunto, Vossa Excelência enfrenta a questão com altivez.

Agradeço o aparte concedido por Vossa Excelência e peço que seja incluído no seu discurso.

Anônimo disse...

Infelizmente tais disparates só entram na pauta como munição para defender interesses outros. Isto evidencia que eles sabem de tudo, mas estrategicamente, só trazem assuntos dessa natureza à baila com o intuito de intimidar "ameaças" ou, quando não, por outras conveniências políticas. Uma vez alcançados os objetivos nada republicanos, são novamente engavetados como “arsenal em potencial" para outras ocasiões oportunas. Em nosso caso, o patrocinador arrogante, afrontando as determinações da PREVIC, no caso dos sem teto, jogou por terra a sua legitimidade, eis que até agora não lançou mãos de outros recursos institucionais e cabíveis diante da resistência do patrocinador.

Anônimo disse...

Globalização, tão presente que o efeito Trump afundou a Bolsa.

Anônimo disse...

Caro Ari,
E de se lamentar o estado a que foi levada a nossa CASSI, atualmente na UTI e necessitando de aporte de recursos, a fim de que possa sair do estado pré-falimentar em que foi jogada.
A meu ver, a principal causa que a levou ao estado em que se encontra é a má gestão, onde se pode detectar a falta de fiscalização das despesas médico-hospitalares, principalmente no interior dos estados, por falta dos CEMEDs instalados nas principais cidades, responsáveis que eram por esse serviço e que, inexplicavelmente, foram extintos.
Diante dessa lamentável situação, resta-nos tão somente votar pela aprovação do Termo de Compromisso entre CASSI e Banco do Brasil que implica em aporte de recursos da ordem de R$ 40 milhões mensais a ser feito pelo Banco do Brasil e participantes do Plano Associados da CASSI, até dezembro de 2019, recurso esse que permitirá o soerguimento do nosso plano de saúde.
Outro motivo que, a meu ver, levar-nos-á a votar pela aprovação desse documento é a implantação de Comitê de Auditoria e a revisão de processos com auxílio de Consultoria contratada com recursos do Banco, medidas essas por demais reclamadas por nós associados da CASSI.
Em sendo assim, votarei “SIM” à consulta ora formulada através dos terminais de autoatendimento localizados nas dependências do Banco do Brasil e acredito seja essa a opção a ser adotada pelos associados que desejam salvar a CASSI, além de se considerar o pequeno aumento de contribuição a que ficamos obrigados, por tempo determinado, frente ao preço mensal de outros planos de saúde, principalmente em se considerando a faixa etária da maioria dos associados.
Filomeno José Linard Costa - Matr. 3288840-6 (aposentado)

Anônimo disse...

O "deus" Mercado está nervoso. Bolsas caindo ... Cassi, Previ ...

Anônimo disse...

Caro Colega 11.54.

A Previc não tem capacidade em determinar nada, nada mesmo, ao Banco do brasil e quem quer que seja.
Aparentam ser criados a imagem e semelhança do criador, fala muito e ineficaz, smj.

Paulo Ricardo disse...

Sr.Ari,

Em 10/11 último, o colega jaime munari, post anterior, remeteu o informativo 94/06 - PREVI/SEBEN, de 19/01/94, que trata de verbas inclusas. O sr. vai disponibilizá-lo no blog?

Anônimo disse...

Socorro financeiro - CASSI - meu medo é que essa contribuição extraordinária se torne definitiva. Que esses aportes se tornem novamente insuficientes e logo sejamos outra vez conclamados a aumentar contribuições.

Achava que em razão dos mesmos problemas enfrentados anteriormente, essas medidas de um maior acompanhamento (Comitê de Auditoria, revisão de processos, etc.), já tivessem sido adotadas quando ocorreram no passado os primeiros problemas de déficit financeiro.

Como desgraça pouca é bobagem, a Bolsa de Valores caiu abaixo dos 60.000 pontos, e se não houver recuperação certamente nos levará a novo desembolso para cobrir o déficit da Previ.

Quem tem alta aposentadoria dá para suportar, para os demais que já estão com a água pelo pescoço, vai ser complicado.


Wanderley

Anônimo disse...

Preparem seus bolsos !!!

Num curto espaço de tempo, as mensalidades da CASSI deverão ser majoradas significativamente, aproximando-as aos preços praticados pelo Mercado. Não existem outras alternativas e, com certeza, a consultoria apontará para isto.

Este 1% de agora é apenas o pontapé inicial.

Quem viver, verá !!!

Anônimo disse...

Professor Ari,

Sugira a Previ que além de ficar de olho nos ativos, FIQUEM DE OLHO NOS INATIVOS também

Cláudia do Rêgo

Anônimo disse...

Hoje, ao acessar o Terminal de Autoatendimento, automaticamente, abriu a tela de votação do acordo BB/CASSI. Votei, sem hesitar, pelo SIM, e espero que os demais colegas façam o mesmo. Apesar dos pesares, ainda estamos em situação muito mais vantajosas, se comparada ao custo de mercado de um plano de saúde.

Rubens disse...


Pergunta do dia e do mes, pra que esta servindo a Previc, se na sua gestão nos últimos meses, apareceu o rombo no Posthalis dos correios , na Previ, do BB, na Cef, da Caixa, e assim por diante??? Já esta mais que na hora de fazermos um Abaixo assinado/Petição e perguntar o que acham a maioria dos APOSENTADOS E PENSIONISTAS E DA ATIVA??? Da minha parte,pretendo assinar, e solicitarei aos meus contatos, que façam o mesmo, E a Previc foi criada com fins políticos, para atender aos apadrinhados do Senhor Lula e compa-
nheiros...

Ari Zanella disse...

Colega Paulo Ricardo,

O documento em sua segunda parte está quase ilegível. Mas a primeira parte, vamos reproduzir aqui, está em boas condições de leitura. A essência é entender as verbas que fazem parte do menu no caso de ser aplicado o Estatuto de Ingresso:

Para as Reclamatórias em andamento na Justiça Trabalhista, deverá seguir a atual redação da Súmula 288 do Colendo TST, item “III – Após a entrada emvigor das Leis Complementares nºs 108 e 109, de 29/05/2001, reger-se-á a complementação dos proventos de aposentadoria pelas normas vigentes na data da implementação dos requisitos para obtenção do benefício, ressalvados o direito adquirido do participante que anteriormente implementara os requisitos para o benefício e o direito acumulado do empregado que até então não preenchera tais requisitos.”
O Tribunal Pleno, em sessão realizada em 12 de abril de 2016, procedeu à revisão da jurisprudência uniformizada do Tribunal Superior do Trabalho, objeto da Súmula nº 288(Resolução nº 207/2016, DEJT divulgado em 18, 19 e 20/4/2016). Entendo que o artigo 15 da LC 109/2001, entre outros, foram devidamente debatidos para se chegar ao consenso e edição da referida Resolução. Portanto, deve ser cumprido o “direito acumulado do empregado que até então não preenchera tais requisitos”.
De acordo com o seu caso concreto, o direito acumulado relativo ao Estatuto 1967/1972 também terá a recomposição da média das últimas 12 remunerações para o cálculo do salário-de-benefício (usando o término do mês salarial, dia 20 de cada mês/dia do pagamento, devido à habitualidade), considerando também as seguintes verbas, além das verbas normais da sua folha de pagamento:
I. Ajuda-Alimentação 963 (Cartão Alimentação Visa Vale);
II. Auxílio-Refeição (Cartão Alimentação Visa Vale);
III. Assistência Materna Infantil – Creche (085 – crédito c/c);
IV. Adicional de Férias (237);
V. Férias Conv. Esp. (230);
VI. Abono Conv. Esp. (099);
VII. Licença-Prêmio Conv. Esp. (220);
VIII. Verbas Rescisórias (crédito c/c);
IX. Participação Lucros e Resultados (crédito c/c);
X. Verbas Salariais, remanescentes da Rescisão (crédito c/c);
XI. Horas Extras -Prorrogação de Expediente;
XII. Aviso Prévio.
Segue abaixo o informativo expedido pela PREVI em 1994 a respeito da inclusão das verbas supramencionadas:

rafa disse...

Sobre a postagem do professor Ari de 21:29, deparei-me com o julgado 797-19-2010-5-04-0024 do TST, publicado hoje, julgando improcedente uma ação RMI de colega que tomou posse em 1975 e se aposentou em 2003. Não sei os detalhes da petição inicial, mas o TST confirmou acórdão do TRT pela improcedência do pedido, acatando o recurso do BB e da PREVI que anexaram planilha de cálculos com base no estatuto de 1997 ( da aposentadoria ), cujo valor inicial seria MAIS BENÉFICO ao participante do que com base no estatuto da posse ( 1967/72). Fiquei estarrecido, porque o TST disse que a reclamante omitiu a existência de TETO DE CONTRIBUIÇÃO, apontando valor de mais ou menos R$16.0000,00, ao passo que a RMI dela em 2003 seria em torno de R$4.500 pelo estatuto da POSSE, mas ela recebeu em torno de R$5.500,00 pelo estatuto de 1997. Será possível que é assim mesmo? Decerto a PREVI está emitindo convocação para mostrar que estamos errados e que desistamos das ações. Será?

Ari Zanella disse...

Caro Rafael,

Sem deduções que não estejam baseadas nas decisões. Que teto de contribuição é este? Muito estranho esta diferença de 1.000,00 sendo que pelo Estatuto de 1967/1972 não há Parcela Previ. O Estatuto 67/72 não prevê aposentadoria pelo valor das contribuições, apenas as verbas que o Jaime Murari descreveu ali em cima (21:29).
Outra: O comunicado da PREVI, em nenhum momento, dá a entender o que você deduz na última linha de seu comentário.

Anônimo disse...

11/11/16 07:27

A taxa de juros é de 5% a.a.

O colega esqueceu foi de acrescentar o índice de reajuste pelo INPC, conforme previsto em contrato.

Anônimo disse...

Colega Celio (11/11/16 07:27)

O tal de 1,47% a.m. significa o custo efetivo total (famoso CET), que engloba juros (5% a.a.), mais correção pelo INPC e FQM.

Não se pode confundir taxa de juros com encargos financeiros totais.

Jaime Murari disse...

Ao Paulo Ricardo 11/11/16 18:32

Digitalizado na íntegra.


002800801000Ca

COMUNICAÇÕES DA DIREÇÃO GERAL DO BANCO DO BRASIL S.A., expedida em 19/01/94, as 00.12.00 hs, INF 801, fls. 07 para a Agência: 3018-X Boa Vista / São José do Rio Preto (SP), Grupo SETEX 07-8.

REPRODUZIMOS MENSAGEM DISPONÍVEL NO QUADRO DE AVISOS, OPÇÃO E DO BBMAIL, FOLDER PREVI.

INFORMATIVO PREVI – 94/06

DIVULGAÇÃO DOS NORMATIVOS DA ÁREA DE BENEFÍCIOS – MÓDULO I

A PREVI TEM RECEBIDO UM NÚMERO EXPRESSIVO DE SOLICITAÇÕES DE REVISÃO DE BENEFÍCIOS. A ANÁLISE INDIVIDUALIZADA DOS PEDIDOS REVELA O DESCONHECIMENTO DA GRANDE MAIORIA DOS ASSO CIADOS A RESPEITO DOS PARÂMETROS UTILIZADOS PARA O CÁLCULO DA COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA.

COM O OBJETIVO DE REVERTER ESSE QUADRO DE DESINFORMAÇÃO, TANTO DE ATIVOS QUANTO DE APOSENTADOS, INICIAMOS A PARTIR DESTA DATA A PUBLICAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO NOSSO PLANO DE BENEFÍCIOS. O TEMA, POR SER BASTANTE AMPLO, FOI DIVIDIDO EM TÓPICOS. NESSA PRIMEIRA EDIÇÃO, FALAREMOS SOBRE A COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA GARANTIDA PELOS ESTATUTOS DA PREVI. PROCURAREMOS ABORDAR, DA FORMA MAIS SIMPLES POSSÍVEL, INCLUSIVE COM A UTILIZAÇÃO DE EXEMPLOS PRÁTICOS, OS PRINCIPAIS CONCEITOS E CRITÉRIOS RELATIVOS AO CÁLCULO INICIAL.

PARALELAMENTE, PROVIDENCIAMOS ALTERAÇÕES NAS FICHAS DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA, DE MODO A PERMITIR AOS ASSOCIADOS MELHOR COMPREENSÃO DA METODOLOGIA UTILIZADA PARA APURAÇÃO DO VALOR INICIAL E PARA EFEITO DOS REAJUSTES, COM INCLUSÃO DE NOTAS EXPLICATIVAS E ELIMINAÇÃO DE REGISTROS QUE NÃO MAIS APRESENTAVAM VINCULAÇÃO COM O BENEFÍCIO CALCULADO.

NA PRÓXIMA EDIÇÃO, FALAREMOS SOBRE A FORMA DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA GARANTIDA PELOS ESTATUTOS DA PREVI, ASSIM COMO DO REAJUSTAMENTO DESSES BENEFÍCIOS.

1 – APOSENTADORIA ESTATUTÁRIA

A COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA PREVISTA NOS ESTATUTOS DA CAIXA, PARA TODOS OS ASSOCIADOS EM ATIVIDADE INDEPENDENTEMENTE DA DATA DE FILIAÇÃO A PREVI, NÃO É CALCULADA SIMPLESMENTE COM BASE NA SITUAÇÃO FUNCIONAL DOS ASSOCIADOS, MAS SIM LEVANDO-SE EM CONTA AS REMUNERAÇÕES SOBRE AS QUAIS TENHAM INCIDIDO AS CONTRIBUIÇÕES – SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO – NO PERÍODO BÁSICO DE CÁLCULO, PROPORCIONALMENTE AO TEMPO DE FILIAÇÃO A PREVI. ASSIM SENDO, É IMPORTANTE PRIMEIRAMENTE SE DEFINIR O SEGUINTE.

A – SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

É A REMUNERAÇÃO CONSIDERADA PARA CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO MENSAL A PREVI DOS ASSOCADOS EM ATIVIDADE, APARECENDO NO ESPELHO NO CAMPO RELATIVO A BASE DA VERBA 800, PODENDO SER COMPOSTA DAS MESMAS VERBAS PASSÍVEIS DE INCIDÊNCIA PARA O INSS PARA EFEITO DE SUAS CONTRIBUIÇÕES, COM EXCEÇÃO DA GRATIFICAÇÃO SEMESTRAL E A DE NATAL, SUJEITAS AS RESPECTIVAS CONTRIBUIÇÕES SEMESTRAL E ANUAL, QUAIS SEJAM
- VENCIMENTO-PADRÃO
- ANUÊNIO
- ADICIONAL-PADRÃO
- ABONO-HABITUALIDADE
- HORAS-EXTRAS, HABITUAIS OU NÃO
- ABONO EM CARÁTER PESSOAL
- ADICIONAL POR INSALUBRIDADE OU DE PERICULOSIDADE
- ADICIONAL DE TRABALHO NOTURNO
- GRATIFICAÇÃO DE CAIXA
- GRATIFICAÇÃO PELA CONDUÇÃO DE NUMERÁRIO
- AUXÍLIO-CRECHE
- VANTAGENS DE FÉRIAS
- ADICIONAL DE FÉRIAS
- CONVERSÃO EM ESPÉCIE DE LICENÇA-PRÊMIO
- CONVERSÃO EM ESPÉCIE DE ABONOS-ASSIDUIDADE
- CONVERSÃO EM ESPÉCIE DE FOLGAS
- SALÁRIO-MATERNIDADE
- DIÁRIAS PELO VALOR TOTAL, QUANDO EXCEDER NO MÊS, A 50% DA SOMA DOS PROVENTOS GERAIS, GRATIFICAÇÃO SEMESTRAL E DE NATAL, NOS MESES EM QUE FOREM PAGOS. NA SOMA NÃO DEVE SER COMPUTADO O VALOR DA PRÓPRIA VERBA.

CRISTIANA disse...

Votarei pelo sim!
Não vejo outra saída.

Anônimo disse...

Que raio de abono habitualidade é esse?

Jaime Murari disse...

Ao anônimo 12/11/16 12:16


ABONO HABITUALIDADE/HORAS EXTRAS

Quando o funcionário do Banco do Brasil laborou por determinado período com jornada extraordinária de duas horas diárias que eram remuneradas com um adicional de 30% e que a partir de setembro/86 passou a laborar seis horas diárias. Entendeu o empregador por considerar garantido o regime de trabalho extraordinário, pela habitualidade verificada durante um determinado período, como consequência, especialmente da adoção de medidas administrativas internas que resultaram na proibição às agências, de convocar funcionários para a prorrogação de expediente, com vistas à redução de custos operacionais, conforme a Portaria 2378 de 30.04.86, c/c Telex Senor 1442 de 30.04.86.

Então foi concedido o abono habitualidade/horas extras sem contraprestação de labor extra, vigorando de setembro/86 a novembro/87, quando do sobrestamento provisório dos serviços complementares.

A partir de novembro/87, com a edição da carta circular 87/910 ficou restabelecida a sistemática de prestação de horas extras, sendo que os funcionários que as praticassem teriam no abono habitualidade já computado o valor correspondente da jornada extra.
Portanto, houve supressão do abono habitualidade quando “um acordo” com o empregador, através da manifestação expressa do funcionário que optou pela prática de horas extras, no seu valor computados os correspondentes ao abono habitualidade. Somente alguns funcionários abriram mão desse direito habitual adquirido.

A referida parcela teve origem na supressão de horas extras que haviam sido prestadas com habitualidade, passando a constituir parcela de natureza salarial do empregado.