BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

sábado, 13 de fevereiro de 2016

UMA VERDADE INCONTESTE


Mudando um pouco de assunto, com a devida licença do amigo Ari, digo que acabei de entrar no site da Previ (são 07:35hs de 13.02.16) para ver o meu espelho de fev/16. A informação no autoatendimento é de que o contracheque do mês solicitado ainda não foi processado. Em seguida fui ao site do Banco para tirar um extrato da minha conta. Para minha surpresa já consta em lançamentos futuros o valor do crédito da Previ relativo ao mês de fev/16. Se a Previ informa que o contracheque de fevereiro ainda não foi processado, como o site do Banco já coloca o valor dos proventos em lançamentos futuros? Agradeço manifestação de quem tiver uma explicação plausível para o ocorrido.
13/02/16 07:45
     A constatação feita pelo colega acima, realizada empiricamente, traz à tona uma realidade que é ocultada por nosso fundo de pensão, a de que somos totalmente controlados pelo patrocinador, embora negado veementemente por nossos dirigentes.
       Não há nenhuma obrigação de nosso fundo em informar-nos sobre o contracheque com antecedência de uma semana; em contrapartida haveria obrigação de nos informar ANTES que terceiros o façam pois é sua obrigação manter os seus assistidos bem informados posto ser essencial à missão do próprio fundo de pensão. Evidente que isso está implicitamente relacionado com o vazamento de informações privilegiadas a terceiros, no caso a seu patrocinador. Se ao tempo em que a PREVI informa no seu site, no Autoatendimento, protegido por senha individual, que "o mês solicitado ainda não foi processado" e simultaneamente o patrocinador divulga o valor líquido nos "Lançamentos Futuros", fica evidente que um dos dois está mentindo.
      Por outro lado, acusam esse blog de estar "denegrindo a imagem da PREVI". Pergunto, se com o procedimento demonstrado acima, quem está desvirtuando a missão do nosso fundo? Está aí um belo tema para os caros conselheiros deliberativos debaterem. Se não o fizerem, fica provado que são subservientes, demonstrando por A + B e por C + D a que Senhor servem.
      Lembrem-se senhores o que dizem os textos sacros. 

20 comentários:

Anônimo disse...

Senhores,
É lamentável sobre todos os aspectos o que ocorre com nosso fundo de pensão. Nosso, será que é nosso? O pior é que a única representante em quem poderíamos ter uma pequena confiança, a Sra. Cecília, está em recesso. O pessoal já voltou há 3 dias e a douta senhora está de recesso. E pergunto: em relação ao diretor anterior, o que mudou com a eleição da Sra. Cecília? Para mim nada.
Olha gente, só sobrou 2 pessoas em quem confiar: no Ari e no Medeiros. O resto é resto. E ainda querem botar para escanteio o Ari. Era só o que faltava. Por ele falar a verdade. Nem vou escrever mais para não tornar esse comentário impublicável.
Se não bastasse o patrocinador colocar 2 diretores e o presidente, ainda quer boicotar um dos poucos candidatos íntegros que temos. Repito, era só isso que faltava. Celio

Anônimo disse...

Estadão de hoje:
Operação Lava Jato

‘Novas estatais virão, fundos de pensão virão’, afirma procurador sobre futuro da Lava Jato.

Anônimo disse...


Eis a prova de quem manda na Previ. Primeiro precisa informar o "rei" depois o "povo".

Anônimo disse...

No sati da Previ o meu contra-cheque também não aparece mas não banco sim. Fiquemos de olho, tem caroço nesse angu.

ESCONDIDO DA LUZ disse...


Tempos atrás um dos colegas já comentou o fato e ensinou o caminho das pedras.

E, se o estimado professor permitir um chute, digo, sem certeza absoluta, com base em outras consultas/reclamações do genero, acreditar na grande possibilidade de que, em eventual questionamento, tanto a PREVI como o BB responderão na forma usual, qual seja a do famoso "carimbo padronizado": sairão pela tangente, alegando que se trata de antecipação necessária para possibilitar a execução, em tempo hábil, de software específico.

E a alegada famosa transparência continuará cada vez mais opaca.

A propósito: como se trata de pagamento de benefícios, como está a situação dos SEM-TETO? A PREVI vai ou não cumprir a determinação da PREVIC?

WILSON LUIZ disse...

Li alguns comentários que o déficit do balanço da PREVI em 2015 teria sido em torno de R$ 12 bi. Uma dúvida me ocorre: R$ 12 bi é o déficit total de 2015, e com a dedução do saldo da reserva de contingência, também em torno de R$ 12 bi, a situação da PREVI estaria zerada, isto é, sem saldo na reserva de contingência, mas ainda não deficitária?

Ou R$ 12 bilhões de déficit seria a situação atual do fundo, também com a reserva de contingência zerada? Isto significaria que o déficit operacional da PREVI em 2015 teria sido de R$ 24 bilhões.

Em sendo R$ 24 bilhões o déficit de 2015, a diretoria vai pleitear abono por desempenho em dobro?

José Carlos Ferrari disse...

Comigo aconteceu a mesma coisa. No site da Previ o contracheque ainda não foi processado, mas já há o líquido no extrato da minha conta. Seria o BB vidente, adivinhando o líquido mesmo antes de ser processado. Estranho, muito estranho...

joao trindade disse...

Hoje, mais do que nunca, se percebe nas entrelinhas, o uso de dois pesos e duas medidas. Lembram-se de quando nos fizeram aderir à Previ, quando tomamos posse no banco (condição SINE QUA NON) e agora querem se desvincular por que somos PÓS-LABORAIS (bonito termo, para não dizer velhos improdutivos)?
Há muita coisa sendo escondida por nuvem de fumaça que é lançada sobre nós para não enxergarmos a realidade triste que virá à tona, em breve, quando a fumaça for dissipada.

Anônimo disse...




PRELIMINARES DAS ELEIÇÕES PARA A PREVI

Mestre, finalmente, começa a movimentação visando
a sucessão na PREVI e começou no ritmo FLAXFLU;
embora não me lembre do teor da discussão , mas me
fez lembrar as brigas de escola quando um cuspia
no chão e dizia : se você for homem, pisa aqui !
Chamou minha atençao o fato de ambos serem cultos
e muito respeitados no grupo~. Saudações,divany
silveira-sete Lagoas-mg








Anônimo disse...

Será que não tem nenhum de nós que manja do riscado e que tenha o saco roxo, para bater um papo com um desses procuradores da Lava Jato?

Só bola nas costas? (no bom sentido)

Anônimo disse...

O meu líquido não aparece no meu extrato do BB. Muito menos o contracheque no site. Dancei!

Anônimo disse...

Caríssimos colegas.

Algum colega já recebeu o Demonstrativo para Declaração do IMPOSTO DE RENDA? Gostaria de saber. No site da Previ parece não constar esse documento.

Anônimo disse...

Dilma, ministra, foi advertida sobre tramitação imprópria de MPs suspeitas de serem “compradas”Em 2009, quando Lula assinou a medida provisória 471, agora investigada na Operação Zelotes, o servidor Luiz Alberto dos Santos alertou a então titular da Casa Civil para a forma afoita com que o assunto era tratado
O servidor Luiz Alberto dos Santos conhece como poucos os meandros da burocracia dos governos do PT. Concursado do Senado e professor da Escola de Administração Pública da Fundação Getulio Vargas, ele atuou por mais de onze anos, entre janeiro de 2003 e julho de 2014, como subchefe da Casa Civil, o ministério mais importante da República. Nesse período, assessorou José Dirceu, Dilma Rousseff, Erenice Guerra, Antonio Palocci, Gleisi Hoffmann e Aloizio Mercadante - todos ministros da Casa Civil. Sua tarefa era eminentemente técnica. Em novembro de 2009, logo depois de o ex-presidente Lula assinar a medida provisória que concedia incentivos fiscais às montadoras, agora investigada pela Polícia Federal, Santos alertou Dilma sobre a forma afoita com que o assunto estava sendo tratado. Foi ignorado.
Qual foi a razão do alerta? No governo do presidente Lula, e depois também no da presidente Dilma, tornou-se muito comum o ministro levar a medida provisória e despachar diretamente com o presidente. Saía do gabinete já com o sinal verde. No mesmo dia, à noite, chegava a proposta de MP, às vezes pelo e-mail, com a seguinte orientação: "Olha, tem que sair amanhã". Isso é absolutamente equivocado. Enfraquece a própria lógica da análise de mérito da matéria, uma das atribuições da Casa Civil.
O senhor está dizendo que medidas provisórias eram aprovadas sem a devida análise técnica? O papel de coordenação governamental da Casa Civil é exatamente o de dizer se uma matéria pode ou não ser submetida à decisão presidencial. Isso não estava acontecendo. Por isso, a nossa preocupação. Ao não se seguir o rito técnico de análise da matéria, o risco de ocorrer uma decisão manipulada e vinculada a interesses é muito maior. O presidente tem legitimidade para tomar a decisão diretamente, sem seguir os ritos, mas ele é responsável por isso.
As medidas provisórias e os decretos que estão sob investigação do Ministério Público tramitaram dessa maneira? Sim. O Ministério da Fazenda levava direto para o presidente as suas propostas de MP, e a orientação era "para sair amanhã". Chegava a ser constrangedor. O sistema existe para prevenir problemas. A instância final de análise técnica e jurídica é a Casa Civil.
O Ministério Público suspeita que essas medidas que beneficiaram o setor automobilístico foram compradas. Tenho visto tudo isso com preocupação. É óbvio que ninguém assinou um contrato firmando o compromisso de entregar uma MP a A, B ou C, mas não é totalmente absurdo que isso possa ter acontecido. Nesse caso específico, do setor automotivo, se alguém pagou, foi enganado, comprou um terreno na Lua. Era quase impossível que aquele benefício não fosse prorrogado.
Essa MP sob suspeição foi "analisada" e aprovada pela Casa Civil em menos de 24 horas? Exatamente. Isso aconteceu em muitos casos.
O senhor informou a então ministra Dilma Rousseff? A Casa Civil passou por um processo de enfraquecimento muito forte em relação à área econômica. Na nossa área, nós sempre questionávamos isso. Decisões tomadas, anunciadas, questionávamos internamente. O papel do burocrata é trabalhar para dentro do governo. Nesses casos se fazia um alerta: "Olha, essa medida provisória não deu para analisar, estamos preocupados".

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO

E qual foi o resultado? Não adiantava reclamar porque os ministros da Casa Civil não tinham força nem queriam comprar esse tipo de briga. Quando alertei, disseram apenas que o assunto já estava resolvido, que já havia sido discutido com o presidente e que a decisão já estava tomada. Isso dificulta o trabalho das áreas técnicas. Se a decisão já estava tomada pelo presidente, não havia o que fazer.
Quando o senhor alertava a então ministra Dilma, havia algum tipo de explicação? Normalmente tínhamos reuniões nas quais esses assuntos podiam ser falados: "Olha, tal situação está acontecendo". Sempre se dizia que "é matéria que já foi decidida, já foi levada ao presidente pelo próprio ministro". O nosso pessoal na área técnica cansou de alertar, mas sempre ouvia: "Isso está resolvido, vai ter de sair no Diário Oficial".
A medida provisória dos carros, que não passou pelo crivo técnico da Casa Civil, envolvia uma renúncia fiscal de mais de 1 bilhão de reais. Todas essas matérias envolviam renúncias tributárias enormes, muitas vezes mal estimadas. Nós cansamos de alertar: "Olha, isso aí não está de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal".
Alertavam o pessoal do Ministério da Fazenda? Sim, mas eles sempre diziam que aquilo já estava decidido. Davam uma envernizada na exposição de motivos para tentar justificar, faziam umas contas lá que ninguém sabia se estavam certas e levavam direto ao presidente. Às vezes, a gente ficava sabendo dos detalhes pela imprensa.
Dilma não se insurgia contra essa situação? Ela era a ministra da Casa Civil que colocou como prioridade zero o PAC, o Minha Casa Minha Vida, o marco regulatório do pré-sal e algumas outras coisas. Mas no varejão, e particularmente nessas matérias econômicas e tributárias, ela não se envolvia muito.
Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/dilma-ministra-foi-advertida-sobre-tramitacao-impropria-de-mps-suspeitas-de-serem-compradas

E AGORA???

Anônimo disse...

O colega que postou mais acima um comentário sobre as preliminares das eleições para a Previ poderia ser um pouco mais explícito no que pretende colocar?

Anônimo disse...

O prazo para disponibilizar o Demonstrativo do Imposto de Renda se encerra no último dia de fevereiro. Sempre foi assim. O que acontece é que algumas entidades (Cooperforte, por exemplo) entregam lá pelo meio do mês de fevereiro.

Anônimo disse...

Já achei meu lançamento futuro no extrato da conta salário. Sou ex orpag.

Anônimo disse...

Caro colega 13/02/16 21:07

Consoante a legislação vigente, para efeito de declaração do IR, as fontes pagadoras de salários, proventos, benefícios, etc..., dispõem de prazo até o último dia útil do mês de fevereiro para prestar a informação ao contribuinte.

Queira notar que o LEÃO, por força disto, só começa a receber as declarações no mês de março de cada ano.

Ari Zanella disse...

NOTA DE FALECIMENTO DE COLEGA

Mestre, com pesar venho informar aos leitores o fale-
cimento do colega Io-Iô , ocorrido recentemente nes-
ta cidade.Como é sabido ele trabalhou nas cidades de
Araçuai e curvelo (mG) e após aposentar mudou-se p/
Sete lagoas. divanysilveira-seteLagoas-mg

Anônimo disse...

Caro Ari,

Segue o link com o áudio da entrevista da jornalista Miriam Leitão falando sobre o uso dos fundos de pensão pelo governo federal. A Previ está no meio.

http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/miriam-leitao/2016/02/15/GOVERNO-USOU-E-ABUSOU-DOS-FUNDOS-DE-PENSAO-DE-ESTATAIS.htm

Abraços,

Francisco Rodrigues