BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

VINHO NOVO EM ODRES VELHOS

      Apesar das boas intenções, o novo empréstimo imobiliário (CARIM) alongando seu prazo para até 420 meses (35 anos) não atenderá aos anseios da maioria do Plano Um pois os assistidos vão avançando na idade  e beneficiários dos 420 meses serão pouquíssimos. De bondade nesta renovação vi quase nada, a não ser os cinco anos que alongam o prazo, porém em sã consciência alguém acha que o assistido de 65 ou 70 anos terá ânimo para comprar um imóvel devido a esse pequeno aumento no prazo?
      Outra decisão que inviabiliza a tomada do financiamento é a mudança na margem consignável, antes de 70% para 30% (a mesma que baliza todos os empréstimos consignados). Ora, se já não temos margem para tomar um simples empréstimo que dirá para um valor alto como o de um financiamento imobiliário?! Em minha opinião, para a grande maioria, os novos parâmetros inviabilizam novos financiamentos. Talvez haja algum benefício quando forem adequados os contratos existentes, a partir de 30 de junho.
      Aguardemos a divulgação das novas margens que começará com o novo empréstimo imobiliário em fevereiro. Eu, que já tive à disposição 130 mil, hoje preciso me contentar com o limite de R$ 35.153,00. As imobiliárias andam "loucas" atrás de mim para fechar negócio. Mamma Mia!
                        IMÓVEL À VENDA EM BAIRRO DE JOINVILLE POR R$ 170.000,00


"A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original". (Albert Einstein)
  

16 comentários:

Anônimo disse...

O colega Lourival está revoltado com razão por perder a ação e ainda ter que pagar a sucumbência de 300,00.Mas o meu caso foi pior.Paguei os honorários de sucumbência de 400,00 ao advogado em ação da Afabb-sp e depois o judiciário bloqueou o valor em minha conta, ou seja, paguei duas vezes e agora o escritório nem dá satisfação.

Anônimo disse...

No site da Anabb consta que em novembro 9 autores receberam R$ 165.000,00 ref. a ação 1/3 IR Previ.O colega que publicou que perdeu essa ação deveria informar mais detalhes do seu caso ou então alguém da própria Anabb para que possamos entender.

Anônimo disse...

Falar em processo, o grupo 19 dos 30% mexeu hoje: documento anexado eletronicamente. Deveria ser mais rápido. Saudade dos tempos ágil dos não eletrônicos. Professor Ari nos salve desse juízo lento do RJ.

Ari Zanella disse...

26/01/2016
Financiamento Imobiliário - Carim
Novas condições estarão disponíveis aos participantes a partir de 01/02.
Em fevereiro, os participantes terão acesso às novas condições do Financiamento Imobiliário. A previsão está de acordo com o cronograma para implementação do pacote de melhorias do Empréstimo Simples e Financiamento Imobiliário, divulgado pela PREVI em 10/11/15.

A reformulação da linha de crédito traz mais vantagens aos participantes. Dentre elas, destaca-se a elevação do limite de idade de 80 para 85 anos, a dilação do prazo máximo de pagamento de 240 para 420 meses e a alteração da metodologia de cálculo da prestação.
Por enquanto, as mudanças vão contemplar os novos contratos. A previsão é de que a partir de 30/06 os mutuários com contratos já existentes façam jus a mais essas vantagens oferecidas pela PREVI.
Em atendimento à legislação vigente, para as futuras concessões de Financiamento Imobiliário será considerada a nova margem consignável, em substituição a margem de 70%.

Site da PREVI

Anônimo disse...

Quando o milagre é demais...muita falta de consideração com quem estava aguardando 01 de Fevereiro para novos parâmetros e agora???
A mc 30% vai anular os demais itens com benefícios aos participantes ou assistidos.

Anônimo disse...

É preciso que o departamento jurídico da ANAPLAB ou de outras das nossas associações tomem providências judiciais ou administrativas para forçar a PREVI a se adequar a lei nº 13183, que entrou em vigor em 04.11.2015 e ate esta data nada foi providenciado, a não ser uma simples informação de que a implantação será gradativa, de forma a evitar alterações abruptas para....
Lembrando que já decorreram 83 dias da vigência da lei e que ela não faculta esse tipo de procedimento que a PREVI pretende adotar, ou seja, implantação a longo prazo, sendo previsto que:
Art. 5o O empregador será o responsável pelas informações prestadas, pelo desconto dos valores devidos e ....
§ 5o O acordo firmado entre o empregador e a instituição financeira poderá prever que a responsabilidade pelo desconto de que trata o caput será da instituição financeira mantenedora
Art. 6o Os titulares de benefícios de aposentadoria e pensão do Regime Geral de Previdência Social poderão autorizar.........................
§ 5o Os descontos e as retenções mencionados no caput não poderão ultrapassar o limite de 35% (trinta e cinco por cento) do valor dos benefícios, sendo 5% (cinco por cento) destinados exclusivamente para: (Redação dada pela Lei nº 13.172, de 2015)
§ 6o A instituição financeira que proceder à retenção de valor superior ao limite estabelecido no § 5o deste artigo perderá todas as garantias que lhe são conferidas por esta Lei. (Incluído pela Lei nº 10.953, de 2004)
Lembrando que a PREVI não tem pressa em agilizar qualquer providência que vise ajudar o associado. Basta lembrar que o empréstimo Imobiliário só vai ser renegociado no 2º semestre. Waldemar

Anônimo disse...

MC ES-30% x CARIM-70%:

SE a Lei 10.820 de 17.12.2003 já limitava em 30% os descontos dom EMPRÉSTIMOS e FINANCIAMENTOS... a CARIM utilizava 70% para apurar a MC do FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO...
"VI - pagamento de empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil concedidos por instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, públicas e privadas, quando expressamente autorizado pelo beneficiário, até o limite de trinta por cento do valor do benefício.
(Incluído pela Lei nº 10.820, de 17.12.2003)"

A LEI 13.172 . . . A L T E R O U apenas o percentual de 30% para 35% ! ! !
VI - pagamento de empréstimos, financiamentos, cartões de crédito e operações de arrendamento mercantil concedidos por instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, públicas e privadas, quando expressamente autorizado pelo beneficiário, até o limite de 35% (trinta e cinco por cento) do valor do benefício, sendo 5% (cinco por cento) destinados exclusivamente para:
a) a amortização de despesas contraídas por meio de cartão de crédito; ou
b) a utilização com a finalidade de saque por meio do cartão de crédito.
(Redação dada pela Lei nº 13.172, de 2015). . .

SUBENTENDE-SE que o termo 'financiamento' não aludia à FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS que, em TODAS AS DEMAIS INSTITUIÇÕES, inclusive BB e CEF, sempre utilizaram a MC 79% ou parecida.

PORQUE HÁ DE SE FALAR EM ALTERAÇÃO da MC de 70% para 30% na CARIM ?

Marcelino Maus

Anônimo disse...

27/01/16 16:47


Simplesmente porque a Lei nº 13183, que entrou em vigor em 04.11.2015, no que se refere a financiamentos e empréstimos, enquadrou os fundos de pensão nos mesmos moldes das instituições financeiras.

Ari Zanella disse...

17:20

Está explicado o motivo. Agradeço.

Anônimo disse...

.....o problema eh um soh:nao temos mais salario!!!!.e os ladroes jogando nosso dinheiro no lixo atraves da petrobras,vale,etc........e eu querendo um apartamento igualzinho ao do Jacques Wagner em Salvador.....................

Anônimo disse...

Concordo com o colega Waldemar 16:07. A Previ teria que ter se enquadrado na nova lei desde a sua publicação em 05:11:2015 e não de forma gradativa

Anônimo disse...

Eita TRIPLEX custoso!!!

Pelo menos cumpanheiru vali mais do que uma Elba. Será que é "menas maracutaia"?

Santa alma molusca...

Anônimo disse...

Tudo bem, Ari ? Estou com imóvel escolhido - já fui "classificado" e estava esperando apenas o mês de fevereiro para efetuar a compra. O valor que poderia financiar, em 240 meses, variou - neste tempo todo - de R$ 142.000,00 para R% 134.000,00, aproximadamente, com uma prestação máxima de R$ 1.282,00. Infelizmente, liguei para a PREVI e o atendente Guilherme confirmou a MÁ notícia. Provavelmente , NINGUÉM terá direito ao Financiamento Imobiliário, uma vez que TODOS os empréstimos e financiamentos serão balizados pela Margem Consignável de 30%, sendo a partir de agora desconsiderada a margem de 70%. Mais uma grande PISADA NA BOLA da Previ, porque TODOS os empréstimos e financiamentos SEMPRE foram concedidos considerando as RESERVAS de cada um. Tanto é verdade que um parente próximo, com alguns anos de Previ Futuro, tem um limite muito baixo para Empréstimo Simples e quase nenhum limite para Crédito Imobiliário, justamente por ter uma RESERVA ainda pequena. Também um colega (mais novo que eu uns 8 anos) tem sómente R$ 70.000, 00 para Financiamento Imobiliário (nos moldes atuais) por conta do valor de suas reservas. Espero que os "gênios" da PREVI encontrem uma solução, uma vez que o Financiamento Imobiliário é uma das mais rentáveis e seguras aplicações da PREVI (muito mais segura e rentável do que aplicar na BOVESPA, por exemplo). Estamos emprestando NOSSO dinheiro para uqe os colegas interessados comprem seu imóvel, garantindo o retorno necessário para que sigamos recebendo nossa complementação de aposentadoria. O dinheiro existe e É NOSSO. Muito diferente do que emprestar de qualquer outra instituição financeira, como a INFELIZ Lei 13.183 nos equiparou.

Nascimento.

João Lopes Rodrigues disse...

Prezado Ari e colegas!

Em adição a alguns comentários anteriores acerca da ação IR Previ 1/3, divulgo abaixo informações prestadas pela Anabb. Favor reproduzir.

..............
Pergunta:
Srs! Acerca da ação judicial IR Previ 1/3 nº 144606020104013400, favor esclarecer: - qual a razão para TODA VEZ que a mesma está pronta para votação (TRF1), a mesma é NOVAMENTE requisitada para inclusão de petição? Sabemos que esse é o momento da inclusão de documentos, por ambas as partes, mas, ATÉ QUANDO esse artifício se dará? É notório que tal medida trata-se apenas de artifício protelatório. Na presente ação, observe-se a quantidade de PETIÇÕES juntadas durante o ano de 2015! E pelo que se vê, este ano repete-se tudo de novo! O que os advogados da Anabb têm feito para evitar tal manobra?

Resposta:
Prezado João, em atenção a sua mensagem, esclarecemos que a última movimentação na ação coletiva IR PREVI se refere a juntada de um ofício com informações prestadas pela 27ª vara federal. O processo foi requisitado para a juntada de informações fornecidas pela vara, necessárias para o prosseguimento do feito. Colocamo-nos à sua disposição para maiores informações que julgar necessário. Agradecemos o seu contato.

Atenciosamente, Mariana Caetano
Atendimento ao Associado
ANABB/VIREF
..............

Maiores informações acerca da ação, consultar o item "movimentação" da mesma no site abaixo:

http://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?trf1_captcha_id=6d77ff514fc04179293e644ca7b34bdb&trf1_captcha=54rx&enviar=Pesquisar&proc=144606020104013400&secao=TRF1

Era isso!

Anônimo disse...

Mestre Ari,
Diante do que estabelece a Lei 13.183, de 04.11.2015, que somente agora incluiu os financiamentos concedidos pelas entidades de previdência privada no rol dos empréstimos e financiamentos sujeitos à margem consignável de 30%, depreende-se que o Empréstimo Simples PREVI não deveria ter sido incluído quando da apuração da margem consignável de 30%, como procedeu a PREVI, prejudicando os aposentados e pensionistas do Fundo de Pensão. Outra discrepância na metodologia utilizada pela PREVI para apurar a margem consignável é a de considerar as consignações obrigatórias (mensalidades PREVI e CASSI) como dedutível para a apuração da Margem Consignável de 30%, quando a lei anterior previa que, nesses casos, a margem a ser considerada seria de até 40%. Cabe agora à PREVI reparar esse erro, permitindo a renovação dos Empréstimos Simples, por uma única vez, antes de implementar medidas visando o enquadramento nos moldes estabelecido pela nova Lei que regulamenta a matéria.
Filomeno José Linard Costa - Matr. 3288840-6

tarcisio augusto bulhoes martins disse...

Prof. Ari, bom dia. Ainda sobre a ação IR 1/3 PREVI. Depois de dizerem que os advogados estavam tentando reduzir os honorários sucumbenciais dos autores, brá, brá.....etc. e etc.... e diga-se de passagem, a resposta ao referido email foi rápida, questão de horas. Pois bem, quando indaguei se pagaria os honorários do próprio bolso, não obtive resposta. Já cobrei através dos protocolos e nada; já se vão três dias. éeeeeeeeeeeee???????????? Tarcísio.