BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

DIDÁTICA PERFEITA

21/12/2015

Olha o trem

Uma viagem nos trilhos para explicar sobre as reservas da PREVI.

Recentemente, falamos sobre reservas da PREVI e sobre as novas regras de solvência definidas pela Previc, que é o órgão regulador dos fundos de pensão. Explicar alguns termos técnicos como duration, por exemplo, não é tarefa das mais fáceis. Mas vamos tentar novamente deixar tudo mais claro, desta vez usando uma metáfora bem simples: uma viagem de trem.

Imagine que todos nós, associados da PREVI, vamos fazer uma viagem longa de trem. Durante o trajeto, vamos atravessar desertos, terrenos acidentados, campos férteis, florestas. Enfim, paisagens bem diferentes entre si. Algumas belas e tranquilas; outras mais inóspitas.
A estação de partida dessa viagem é o balanço anual da PREVI e o destino final é o natural fim do Plano 1 lá na frente. Nós temos um mapa aproximado do percurso, que são nossas projeções contidas na politica de investimentos atualmente aprovada para 2016/2023, e também sabemos que há diversos pontos de controle e de reabastecimento.
Ou seja, não precisamos viajar com excesso de bagagem, carregando peso demais, e muito menos recarregar o trem desnecessariamente, só porque estamos passando por um deserto no momento, por exemplo. Para que a viagem corra bem, temos que seguir com os suprimentos necessários e alguma margem de segurança para encararmos os imprevistos - até a próxima estação, onde reabastecemos o trem com os recursos que precisamos.
Agora, vamos trazer este trem para o mundo da previdência complementar:

Qual o diário de bordo do trem? É o balanço anual, onde estão refletidos o quanto temos de suprimentos naquele momento (ATIVOS) e o quanto seria necessário para viagem (PASSIVO).
Qual é a quantidade de suprimentos necessária para o trem cumprir a jornada completa? É a Reserva Matemática, contida no passivo, ou seja, os recursos necessários para pagar os benefícios ao longo de todo o caminho.
Qual a distância a ser percorrida e o tempo estimado? É o período em que estimamos que o Plano 1 irá se extinguir, por volta de 2080, quando todos os associados e pensionistas já terão falecido.
Qual é a velocidade do trem? É a Duration, ou seja, uma métrica que calcula a Duração Média do Passivo. A duração do passivo é uma métrica que corresponde à média dos prazos dos fluxos futuros de pagamentos de benefícios de determinado plano, líquidos de contribuições incidentes sobre esses benefícios, ponderada pelos valores presentes desses fluxos No caso da PREVI, o resultado dessa fórmula complexa é de 12,4 anos.
Qual a provisão de suprimentos para a viagem? Os recursos que temos para a viagem estão no nosso Balanço Anual. São nossos Ativos em renda variável, renda fixa, imóveis etc.

Qual a quantidade mínima de suprimentos que eu preciso carregar em cada trecho da viagem? É a Duration menos 4. Ou seja, no caso da PREVI, com base no balanço de 2014 seria, 8,4% de todos os nossos compromissos (Reserva Matemática). Esse seria o "déficit" admitido sem a necessidade de que os passageiros façam compras de suprimentos (aporte). Somente se por acaso, durante o percurso do trem, o déficit superar esse limite (suprimentos mínimos necessários), é que os passageiros teriam que fazer aporte para equilibrar novamente a quantidade mínima de suprimentos.
Qual o volume máximo permitida de carga? O trem pode carregar a Duration mais 10%. No caso, da PREVI algo em torno de 23% dos nossos compromissos. Esse seria o "superávit acumulado" admitido sem a necessidade de descarregar o trem e dividir os suprimentos com os associados (distribuição do superávit)

Muito bem, sabemos que as condições da viagem neste momento não estão as melhores. Atravessamos um terreno árido agora. Mais adiante o nosso mapa aponta que há pontos de reabastecimento de suprimentos e melhores condições de viagem. Estamos monitorando e conduzindo o trem nos trilhos, sem riscos de descarrilamento. A PREVI segue em frente. Aproveite a viagem.
O trem de ferro partia cedo, acordando Ilhéus, os trilhos na terra esbranquiçada do mar. Rompia léguas, a máquina fervendo, as vilas e arruados ficando atrás. Internava-se pouco a pouco na mata, fumaça e pó nos vagões, seu apito gritando nos campos. Os cacaueiros escuros, casas em solidão, bolsões de capim alto. (...)   O TERRITÓRIO  (Texto de Adonias Filho)
Ilustração do autor do blog.

PS: Utilizamos a imagem da Maria Fumaça (em desuso) por representar melhor a metáfora do texto, haja vista, os trens não urbanos de hoje serem utilizados exclusivos para cargas, não para passageiros.
Se colocasse um moderno trem bala japonês não haveria necessidade de alguns ajustes sugeridos no texto, concordam?


13 comentários:

Ari Zanella disse...

Caros Valim e Luiz Carlos,

O texto foi retirado do site da PREVI, não sendo, portanto, de minha autoria.

Ao Luiz Carlos que abordou o derretimento das reservas, creio que a explicação para o fato está no último parágrafo.

Ao Valim, grande filósofo, o motivo de eu não publicar é o parágrafo em que sou citado em relação ao fundo.

A ambos peço escusas.

Anônimo disse...

PREZADO ARI,
Já que perdemos todos os trens da alegria, agora nos arranjaram um trem bala
metafórico.Sei nã0... os velhinhos trâmbis não têm mais gás nem tempo para essas
correrias a longo prazo...aliás Boa Viagem em minha cidade, é o nome da rua que
leva ao cemitério onde está escrito no portal da entrada "HODIE MIHI CRAS TIBI"

Cade Araujo disse...

Mestre Ari, muito legal as explicações sobre duration. Todavia, hoje eu gostaria de te perguntar sobre os depósitos judiciais que desde 2012 acontecem em nossos espelhos de pagamentos. Até prova em contrário, eu participo das ações coletivas da ANABB. Mas, não tenho nenhuma informação sobre a ação. Será que iremos receber alguns reais, ou não passa de mais um engana velhinhos para nós. Acredito que o tema deve ser tão instigante para muita gente. Caso saiba de algo, faz uma publicação a respeito do assunto. Antecipadamente, agradeço a tua prestimosidade.
Cadé - mat. 9.978.780-6

Anônimo disse...

Quer ganhar os 280 milhões da Mega da virada e ficar independente da PREVI e da CASSI? Eis o vídeo que revela os números que serão sorteados:

http://www.diariodopoder.com.br/videos.php?i=4664258

Tenho certeza que, após assisti-lo, se ainda não jogou, poupará no mínimo R$ 3,50.

Anônimo disse...

O perigo maior é esse trem descarrilhar e cair da ponte com todos os passageiros. Me parece que esta estrada atualmente não conta com trilhos bem assentados que permitam uma viagem tranquila.

Unknown disse...

Amigos,
O simples fato do texto ter vindo da Previ já acende a luz amarela.
Na verdade esse trem vem sendo carregado com carga que não é dele. Uma das cargas é a aposentadoria dos marajás da Previ (presidentes, diretores, superintendentes etc.) que contribuíram para receber R$ 30 mil e recebem R$ 50 mil.
Outra carga que sobrecarrega o trem é o uso dos ativos para atender aos interesses do Governo como Belo Monte, aeroportos e privatizações. Se fosse tão bom assim a iniciativa privada tomaria a frente; se há pouco interesse é porque o risco é grande.
Por essas e por outras é que temos que cuidar bem desse trem porque existe o risco dele não chegar no fim da jornada. Lembrem-se que há cerca de 2 anos a reserva de contingência somava R$ 25 bilhões. Hoje virou pó, sumiu. Assim, todo cuidado é pouco, até porque no curto prazo, o futuro do Brasil não é nada promissor.
Este ano a tendência da Previ é fechar com deficit devido principalmente a Bolsa que, neste momento, cai 0,5% com 43.780 pontos.
Celio

Anônimo disse...


Não entendi; se o plano um deve ser extinto em 2080, porque a duration é de 12,4 anos? Não deveria ser de 65 anos? Se alguém puder esclarecer.

Arnaldo

Anônimo disse...

Até na explicação a PREVI fica presa ao passado.
Usar um trem para se fazer entremder, é julgar os trâmbis meio lesos.
O trem está em desuso, até na ex- ALL.
Que durezation !!!

Valim disse...

Professor Ari Zanella.

Vindo de você, fiquei perplexo. Mas a vida continua, é ganhando e perdendo.
O meu último comentário está na mensagem anterior do nosso professor, e caso pudessem lê-los gostaria muito. Me dariam muitas felicidades.
De todo, professor, obrigado, mais pensei que fosse repetir meu texto anterior, é questão de editoração. Talvez não me fiz entender. Tomare!!!.

Pois caso a Cecília não publique, enfim, é só ir no comentário anterior. Está vendo como a primeira página de um jornal, é mais cara?
Abraços, professor.
Valim.

Anônimo disse...


Analisando...


Nesse trem, o número de passageiros vai reduzindo ao longo do trajeto. Uns desembarcam por motivo de doença, outros devido a idade ou, ainda, por desistências. Quando ele tiver percorrido 30% ou 40% dessa sua viagem sem volta, o estoque de "suprimentos" começa a sobrar. Por que, então, não repassar um pouco mais de suprimentos na passagem de cada "estação", para seus já famintos e desamparados passageiros? O que pretendem fazer com os milhões de toneladas de "suprimentos" que sobrarão no final da viagem? E para quem vai ficar a "locomotiva", já que a locomotiva ainda estará em condições de muitas outras viagens?

Anônimo disse...




''QUEM ME DEU P0SSE ME VENDEU BILHETE DE RRIMEIRA '"

Mestre, eu exigi bllhete no vagao de luxo, pois enjoava muito,
mas hoje descobri que estou perto do w.C ,ja´que trocaram o trem .
saudações,divany silveiras-sete lagoas-mg PS-Mestre,vcê tem esta
do no FACE aqui em Minas FREQUENTEMENTE,.

Anônimo disse...

O comentaristadas 22:22 acima sabe que o BB guloso e o pai dele vai comer a sobremesa farta que irá sobrar quando o trem parar e seus passageiros tiverem morrido à míngua. Esse é o plano que ninguém fala e todo mundo sabe.

Unknown disse...

Amigos,
Parece que saiu o aumento da Cassi, a ser aprovado. Sairá dos 3% atuais para 4,63% a partir de janeiro. Se o nosso reajuste for de 11% deduzindo o aumento da Cassi sobrará 9,37%. Este será o aumento estimado na aposentadoria.
Parece muito o incremento da Cassi, mas o importante é manter o atendimento, apesar de vários descredenciamentos no interior.
Celio