BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quinta-feira, 25 de junho de 2015

REVANCHISMO, PIRRAÇA E PERSEGUIÇÃO

De: jrossineto1@uol.com.br
Enviada: Quinta-feira, 25 de Junho de 2015 00:49
Para: azarizanella@gmail.com
Assunto: REVANCHISMO, PIRRAÇA E PERSEGUIÇÃO AOS TOMADORES DO ES COM FÓRMULAS PROIBITIVAS E CRUÉIS
Amigo Ari,
Tomara que o conteúdo do texto abaixo arranque a venda dos olhos dos dirigentes eleitos e que eles passem a ter perspectiva e dimensão corretas do que ocorre nas decisões sub-reptícias do ES, sobretudo no escamoteamento de informações de interesse dos participantes e assistidos, como é o caso da cobrança da Taxa de FQM sobre empréstimo simples liquidados espontaneamente pelos devedores e que não devolvidas.
                                                                                   OS FATOS
1 - O QUE ACONTECE, NO ÂMBITO DA PREVI, QUANDO MORRE UM ASSISTIDO (APOSENTADO)? O impacto imediato é que o Fundo deixa de pagar os 100% dos benefícios auferidos pelo “de cujus” e passa a pagar apenas 60% sobre esses benefícios para a sua esposa que, a partir do fato, receberá proventos na qualidade de pensionista.
Dou ênfase especial à figura da viúva, porque normalmente os óbitos ocorrem com mais frequência quando os titulares do plano estão com mais de 60 anos de idade e a essa altura, os seus filhos têm mais de 21 anos, estão formados, casados e não são mais dependentes, restando apenas a sua consorte.
2 - NESTE CONTEXTO, COMO FICAM OS DESEMBOLSOS DA PREVI? Obviamente, haverá uma economia compulsória de 40% e, por conseguinte, redução nas despesas com o assistido falecido, podendo chegar a 100%, caso o mesmo não possua dependentes.
3 – QUAL O DESTINO DO SALDO DA “RESERVA MATEMÁTICA”, VEZ QUE A SUA UTILIZAÇÃO, COM A MORTE DO ASSISTIDO-TITULAR, SERÁ INTERROMPIDA? Sem dúvida, esse Passivo Exigível, como o próprio nome explica, antes exigido gradualmente e quitado mensal, passa a ser Passivo Não Exigível, incorporando esse resíduo financeiro ao Ativo do Fundo.
4 - COMO FICA O SALDO DEVEDOR DE “ES” CONTRAÍDO PELO ASSISTIDO FALECIDO? Aplicam-se as normas de estilo, acionando o FQM para a quitação da dívida, encerrando-se a pendência. É justamente para isso que serve a taxa do FQM paga pelo tomador no ato da contratação do ES.
Embora o Financiamento Imobiliário siga rito parecido, abstemo-nos de tecer considerações a seu respeito, porquanto é o ES "complicado" pelas suas fórmulas abusivas a causa da enorme frustração e insatisfação do Corpo Social que é vilipendiado e tolhido no seu direito de usufruir dos recursos próprios do seu Fundo de Pensão, que servem de lastro para operacionalizar a linha de crédito criada à sua feição, altamente rentável e imune à inadimplência, mas que ao longo do tempo foi sendo cerceada, proibitiva e inacessível por fórmulas leoninas e lesivas intransponíveis.
Os paradoxos, a priori, em que pese tenham aparências e sentidos contraditórios, podem resultar no bem, como por exemplo, para obter a “Paz é preciso fazer a Guerra”, todavia, a tese paradoxal da Diretoria de Seguridade de proteger o dinheiro “poupado” pelos associados contra os próprios “donos desse dinheiro” é burra, maléfica e não tem final feliz, vez que os alija da melhoria da qualidade de vida, essência filosófica precípua e objetivo vital  que norteou a criação da PREVI.
Institucionalmente, a Diretoria de Seguridade deveria funcionar a todo vapor como agente mediador e facilitador voltado para satisfazer as necessidades dos associados, sobretudo nas suas reivindicações de crédito junto à sua casa (PREVI) e evitar que busquem fontes nocivas de provimento de recursos espalhadas no mercado financeiro.
Cabe salientar que se o dinheiro emprestado através do ES fosse de terceiros, captado no mercado a custo alto e reembolsável aos investidores, é claro que a política creditícia seria mais austera, contudo esse não é caso, porque os recursos são próprios e a custo “zero”. São meramente operações de repasse dentro do Fundo de Pensão.
No entanto, se estivéssemos cuidando da gestão de uma empresa privada, os empréstimos com os “donos”, “acionistas”, “cotistas”, etc., os negócios teriam natureza “caseira” e feitos à moda de “Adiantamentos a Sócios”, em condições amplamente favoráveis, porque, afinal de contas, “donos são donos” e, portanto, merecedores de tratamento diferenciado.
Na mesma linha de raciocínio, os associados na qualidade de donos dos recursos estocados no Fundo deveriam também ter tratamento especial nas suas pretensões de crédito. Nada impede a Diretoria Executiva da PREVI de enxergar as “Operações com Participantes e Assistidos” como negócios “CASEIROS”, conquanto na realidade são operações domésticas e em qualquer revés financeiro eles são convocados, conforme reza o artigo 21 da LC 109/2001, para equacionar os eventuais resultados deficitários (déficit técnico) do seu plano de benefícios.
É preciso dar a César o que é de César e dentro do mesmo espírito dos negócios com sócios das empresas, propiciar aos associados da sociedade civil sem fins lucrativos (EFPC), regras racionais, justas, favoráveis e descomplicadas na operacionalização do ES, por serem, repetimos, os proprietários do capital mutuado.
5 - QUAIS OS PARÂMETROS QUE MAIS PREJUDICAM OS MUTUÁRIOS NA CONCESSÃO DO EMPRÉSTIMO SIMPLES-ES? Vejamos, pois, os fundamentais que afetam os bolsos dos tomadores, prescritos no Regulamento da Carteira de Empréstimo Simples:
Art. 13 - Os valores máximos de concessão (Limites) das linhas de crédito serão definidos e alterados a qualquer tempo pela Diretoria Executiva com base em estudos efetuados pela área técnica gestora do produto, bem como de alterar o prazo de reposição.
Art. 16 - Letra c - Taxa para o Fundo de Quitação por Morte (FQM) – percentual definido com base em estudos atuariais e utilizado para constituir fundo garantidor destinado a quitar as prestações vincendas a partir do mês seguinte ao do falecimento do mutuário;  
         Letra d - Taxa para o Fundo de Liquidez/Inadimplência (FL) – percentual definido com base em estudos de risco, com a finalidade de constituir fundo garantidor destinado a quitar dívida inadimplida considerada irrecuperável pela PREVI após a adoção de todas as medidas cabíveis, inclusive judiciais.
Art. 18 - A Diretoria Executiva poderá rever periodicamente as taxas de FQM, FL e TA em virtude da ocorrência de alterações das projeções de longevidade, do risco de inadimplência e dos custos a serem cobertos.
Uma coisa que passa despercebida há décadas, que merece ser exigida, porque envolve valores vultosos, é que a TAXA DE FQM cobrada não é devolvida nas hipóteses de liquidações dos empréstimos por iniciativa dos devedores. A Diretoria de Seguridade não fala sobre essa questão e tão pouco a computa nos cálculos atuariais (engenharia financeira) para a formulação dos requesitos técnicos exigivéis para a concessão do ES.
Como são feitas milhares de “renovações” todas as vezes que os limites de crédito do ES são majorados e tendo presente que cada renovação implica em novo crédito, em operação mata-mata, na qual o saldo devedor “em ser” é descontado (liquidado) e o mutuário fica com o troco ou sobra, e, por não se tratar de uma liquidação por morte do devedor, a TAXA DE FQM recebida desde a formalização do contrato velho, primitivo, fica sem finalidade, NÃO É DEVOLVIDA, e reforça o Caixa da PREVI.
Existe uma versão mal explicada pela Diretoria de Seguridade, isto porque não apresenta planilha detalhada dos cálculos atuariais que englobam a operacionalização do ES, via da qual informa apenas, grosso modo, de que os valores arrecadados através do FQM não são suficientes para cobrir os saques feitos em face do elevado número de óbitos.
Entende-se, no entanto, que essa não é a realidade dos fatos, todavia, se a mesma fosse procedente, ainda assim, a culpa seria da própria Diretoria de Seguridade que subestima a taxa do FQM e, além disso, deixa de efetuar a revisão tempestiva dessa taxa, consoante previsto no artigo 18 do Regulamento da Carteira do ES.
A única saída satisfatória para aperfeiçoar o trâmite do ES, reduzir as amarras burocráticas e clarear a sistemática de cálculos atuariais, envolvendo risco, liquidez e rentabilidade, é o Diretor de Seguridade fazer o correto e computar todas as variáveis que interferem nas liquidações dos empréstimos motivadas pelos falecimentos dos devedores, a começar por considerar a redução abrupta de 40% nos valores dos desembolsos com os benefícios do morto, considerando que o Fundo se obrigará doravante ao pagamento apenas dos 60% da pensionista.
A situação ainda poderá ser minorada, caso o falecido não tenha dependentes, então, claro, essa redução se amplia para 100%. De qualquer maneira, o óbito vai ensejar saque no FQM, contudo, esse será mensal, em valor restrito ao pagamento da prestação vincenda do ES, motivo pelo qual julgamos improcedentes as lamúrias do Diretor de Seguridade em relação a falta de dinheiro no FQM para quitar os contratos dos falecidos.
Cessado parcial ou total (40% ou 100%) o desembolso do benefício do morto, essa economia forçada pela circunstância fúnebre deve ser sopesada dentre os fatores que dão sustentação ao cálculo atuarial do empréstimo, nas suas vertentes operacionais, a qual, por si só, seria bastante para quitar o saldo devedor em poucos meses. A verdade dura e crua é que a morte faz cessar tanto o recebimento de benefícios como a extinção da responsabilidade pela dívida relativa ao ES.
Afora isso, por onde andam os recursos correspondentes às taxas do FQM cobradas nos empréstimos liquidados antecipadamente com créditos novos (operações mata-mata), alvo das renovações, que igualmente devem integrar os aludidos cálculos do ES, por serem ingredientes significativos no aperfeiçoamento das fórmulas mais atraentes e facilitadoras do acesso ao ES pelos associados?
                                                                                         CONCLUSÃO
EM TERMOS PRÁTICOS, O QUE OS ASSOCIADOS QUEREM MODIFICAR NAS REGRAS DO “ES”? Pouca coisa. Basicamente elevar o prazo de reposição para 180 meses e o limite máximo para R$180 mil, mantendo-se inalteradas as demais exigências.
Falar sobre "Limite de Crédito" é quase perda de tempo, haja vista que o valor do empréstimo é limitado à existência da Margem Consignável de 30%, ou seja, poderia ser o limite-teto de R$ 500 mil que soaria utópico e inatingível, dado que tomador algum teria margem consignável suficiente para acessar 40% desse valor. Portanto, um limite ACIMA de R$ 200 mil é INOPERANTE, pois é a Margem Consignável de 30% que determina o valor do ES e ponto final.

JOÃO ROSSI NETO ENVIOU A MENSAGEM ACIMA AO PRESIDENTE DA PREVI, GUEITIRO MATSUO GENSO; DA MESMA FORMA AO PRESIDENTE DA ANABB, ANTONIO SERGIO RIEDE.

VALE LEMBRAR QUE O SR. GUEITIRO LÊ AS CORRESPONDÊNCIAS QUE LHE CHEGAM ÀS MÃOS, PROVA DISSO É QUE SUA DECLARAÇÃO EM GOIÂNIA SOBRE O ES-CAPEC FOI BASEADA NA CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA DO COLEGA ANTONIO AMERICANO DO BRASIL.
ES-PREVI VAI FICAR MUITO TEMPO SEM NOVIDADES BOAS.

42 comentários:

Anônimo disse...

O ex deputado federal Pedro Corrêa, atualmente residindo no Complxo Médico-Penal na região metropolitana de Curitiba, anda muito preocupado ultimamente. É que ele é tido como o comilão da cadeia. Traça seu marmitex numa rapidez monstruosa, aguardando a sobra dos demais. Segundo policiais ele come o dia inteiro.
Sua preocupação é com a expectativa da chegada de um novo companheiro de cela. O sapo cachaceiro. Dizem que seu prato predileto é o prato cheio. Será um concorrente desleal na disputa pelos restos dos marmitex. Mesmo sem poder tomar a "branquinha" para abrir o apetite, a disputa será acirrada. Será preciso fazer uma composição com políticos e empresários

Anônimo disse...

Parabéns ao Rossi.
Com o prazo de 180 meses a maioria regulariza (ou quase) a margem 30%.Implantar a margem de 30% mas deixar a soma dos débitos ultrapassar 50% da renda continua deixando a Previ na ilegalidade e mesmo sem possibilitar novas contratações levará muito tempo para ficar no limite legal.Somente o aumento do prazo regulariza o limite dos débitos.Acorda Previ.

Ari Zanella disse...

O diretor Marcel sempre diz-se preocupado com o FQM ao afirmar que o saldo não é suficiente para cobrir todos os empréstimos. Na reunião em que participei os técnicos da Seguridade afirmaram que NUNCA houve qualquer problema por falta de saldo no FQM e que o colchão de liquidez é suficiente para alguns anos. O dinheiro que sai é bem menor do que entra com as cobranças mensais. Mais um excesso de zelo perfeitamente dispensável de parte do insígne diretor de seguridade.

Anônimo disse...




""PENSANDO BEM , SE O PRESIDENTE FOR O QUE O QUE PENSO . . . .""

Mestre, é isto mesmo, se o presidente da PREVI for o homem ponderado
e bem intencionado que parece ser, me parece que a jornada ficará
bastante facilitada, diante da argumentação realística desta posta-
gem. É certo que haverá necessidade da vontade de fazer, ou seja ,
do espírito de equipe, e nem precisa ser do mesmo naipe do que li-
berou o bônus, porquanto o pleito aqui advogado é infinitamente me-
nor e vem socorrer um grupo de milhares de pessoas que, a bem da
verdade, são donos e têm interesse em preservar a solidez da ins-
tituição por razões óbvias. Por último,no caso da liberação do
BONUS há que se considerar que foi vantagem salarial ao passo que o
estudo em foco é para empréstimo, que retornará com juros/correção.
Sem mais, saudações,Divany Silveira- Sete Lagoas- Minas Gerais.-

Anônimo disse...




HABEAS-CORPUS EM FAVOR DE LULA


mESTRE, O sITE DO jORNAL eSTADO DE mINAS INFORMA A ENTRADA
DO PEDIDO EM FAVOR DO EX-PRESI INÁCIO LULA - dIVANY SILVEIRA


Jorge Teixeira - Araruama (RJ) disse...

Todos os informes muito bem elencados acerca do produto ES-Previ nos permitem inferir o quão importante é a diretoria de seguridade para nós associados. O momento é super oportuno para se fazer, mais uma vez, um chamamento a todos os internautas que se interessam pelos assuntos inerentes ao “PB-1” de que temos que começar a pensar em alternativas para 2016 quando da vacância do posto de diretor de seguridade. Não é sem motivos que um ex-titular da referida área já começa a se assanhar aqui na grande rede, ao “melhor” estilo petista. Inconformado e irado com a derrota de 2014 está fabricando boatos com o único objetivo de denegrir a imagem de um membro da atual diretoria, que venceu a chapa da “cumpanheirada” nas eleições do ano passado. Começa a mostrar a cara, quem sabe, já mirando as eleições de 2016. Sempre ouvi dizer que só a internet não é suficiente para vencer um certame na Previ. Penso que essa máxima foi definitivamente derrubada a partir do resultado das eleições de 2014. A cada dia que passa mais e mais colegas começam a frequentar a grande rede, se interessando, participando e opinando sobre os diversos assuntos, aberrações e injustiças que hoje nos preocupam. Acho que estamos ainda muito devagar no que concerne às discussões sobre as eleições Previ do ano que vem. Podemos e devemos nos aprofundar cada vez mais e pensar em nomes que poderão concorrer ao cargo de diretor de seguridade em 2016. Desde já cito como primeira opção o colega Medeiros que, caso aceite, reuniria experiência, conhecimento e credibilidade mais do que suficientes para ocupar o cargo.

João Rossi Neto disse...

Caro Ari e colegas,

O ADVOGADO DO DIABO

Da lama imunda do pântano nasce a pureza dos lírios... E da lama da corrupção nasce admirador e bajulador de bandidos perigosos, caso do Mauricio Ramos Thomaz. Esse senhor é seletivo na defesa de delinquentes e se vangloria de ter postulado habeas corpus para o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Segundo informou, está providenciando habeas corpus para o Marcelo Odebrecht e João Vaccari Neto, todos réus na Lava Jato.

Esse visionário do capeta, parecendo saber onde o galo cantou e prevendo a iminente prisão do Lula, entrou com habeas corpus preventivo para ele (Lula) não ser preso. Infere-se que tem informações privilegiadas sobre a decretação da prisão desse cacique petista na Lava Jato.

Mauricio Ramos Thomaz afirmou que considera do juiz federal Sergio Moro um "perigo" por, segundo ele, "não entender nada de Justiça e escrever tudo no futuro do pretérito". "Tenho analisado os despachos e são muito questionáveis", disse.

O Thomaz tem rompantes de ser destemido e corajoso, todavia, acho que ele não peito para ser mais agudo nas suas críticas a ponto de ofender e caluniar o brilhante e honesto Magistrado (Dr. Sérgio Moro), e se assim o fizer, certamente terá que formalizar o seu próprio habeas corpus. Conjecturas à parte, a verdade é que a coisa está ficando preta para o Lula.

Anônimo disse...


O BLÁ, BLÀ, BLÁ da campanha.

Dias atrás assisti um vídeo postado no Facebook, no qual o Marcel fazia suas fabulosas promessas de campanha. Se ele tivesse cumprido 50% do prometido, me daria por satisfeito. Mas de tudo o que prometeu, nada cumpriu. Deveria ter um meio legal de afastá-lo do cargo por enganar aqueles lhe deram o voto de confiança.

Anônimo disse...

Como comprovar a incompetência do diretor de seguridade? Pergunte ao Bradesco se o contrataria para ser executivo dele?

JAMAIS

Assim como só ganhou AP-06 ( comissão de Gerente Geral ) na marreta, pq sequer percorreu um caminho funcional para tanto, só ocupa o atual cargo por ser apoiado pela máquina governamental da CUT, prometendo na eleição BET virando BEP.

O BET VIROU PÓ.

ELE E O SASSERON REPRESENTAM AS MESMAS IDÉIAS CONTRA APOSENTADOS E PENSIONISTAS.

NUNCA MAIS VOTEM EM MARCEL E SASSERON E QUE A LAVA JATO CHEGUE NELES

Anônimo disse...

O Zé Meota é um bebo da vizinhança que volta e meia a polícia recolhe para dar um sossego. Cada dia ele acorda achando que é um grande nome da história. Já foi Napoleão, Hitler, JK, Obama, etc.
Caíram na besteira de informar-lo que esse tal Maurício R. Tomaz entrou com HC para que o molusco, que o Meota diz ser seu amigo de copo, não seja preso. Ficou impossível! Agora o Meota ameaça todos com o nome do " adevogado" seu amigo.

Durma com um barulho desse

Anônimo disse...

Falem para esse diretor de ECA que ele vai banar fora desse cargo daqui a alguns meses e essa coisa vai passar a ser gente como a gente e se ele ainda quiser fazer algo de útil nessa melancolica e imunda passagem pelo cargo que tome uma atitude de HOMEM e socorra que ficou em situação dificil por culpa da sua pirraça de criança.

Anônimo disse...

Faiô!

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,desembargador-diz-que-habeas-corpus-em-nome-de-lula-e-aventura-juridica-e-nega-pedido,1713487

Anônimo disse...

Prof. Ari,


Eu sou um assistido da Previ pré-1997.

E PERGUNTO ao Professor e a quem puder ORIENTAR, sobre as interrogações abaixo:

Há recolhimento de verba sobre o benefício previdenciário do INSS para a PREVI?

OU se o recolhimento é só para a CASSI?


Obrigado, e agradeço, desde já, aos que puderem oferecer a luz de sua inteligência e sabedoria sobre o assunto.

jpc

Fernando Lamas disse...

Saudações cordiais a todos.

SEM JUSTIÇA,"ATÉ AS PEDRAS GRITARÃO" (Habacuc 2,9-11)
Prezado Professor Ari, mais uma admirável contribuição do colega, Dr. Rossi, em favor da justiça, no trato dos negócios da Previ. Seja recebida com o respeito que merece, pela sua consistência.
Sem adulação, aproveito, para afirmar que considero o seu tempo MUITO PRECIOSO E CARO, diante das suas várias funções, sobretudo, receber as mensagens que chegam, por aqui.
O mesmo sentimento estendo aos outros administradores dos blogs.
Grato por tudo e PAZ E BEM!

"Quem ama o seu irmão(o seu próximo), permanece na luz e, nele,não hás ocasião de tropeço."
1Jo 2,10

Anônimo disse...

MUITO ESTRANHO: O BB busca uma reaproximação com os aposentados e de repente esse boato sobre a PREVI repassar o ES PARA O BB. AÍ TEM.....

Anônimo disse...

Sr.Ari

Desde quando um ex distribuidor de panfletos, Marcel, nas campanhas presidenciais de Lula, tem competência para ser diretor de estatal? Não tem e nunca terá! Ele não passa de um incompetente, fantoche, bajulador do Lula. Por isso é que botaram ele lá, na diretoria da Previ.
Um abraço.

Anônimo disse...

Perfeito e exato como sempre o comentário do Sr. João Rossi Neto.
Faço apenas um reparo. Um limite de R$200 mil poderia ser tomado
por algum agraciado com os "honorários " de R$50 mil mais o bônus.
Na margem de 30% sobra espaço.
Jamais seremos considerados como sócios do Fundo. Os que atingem
os cargos de direção ou conselhos, quando tem o poder, é que se acham os donos. Somos os meros "pedintes" assistidos.
Espero que um dia," o numero 1 peça para sair ", desistindo do patrocínio.

Anônimo disse...

REVISTA PREVI N. 182 - 2015.
" Entidade faz 110 anos. Com uma equipe composta por 830 profissionais, sendo 624 PRÓPRIOS e 206 TERCEIRIZADOS, a PREVI
tem seu capital humano oriundo em sua maior parte do Banco do Brasil.
Em 2014 a entidade celebrou seus 110 anos olhando para o futuro e valorizando sempre aqueles que construíram e constroem essa historia de sucesso."
Um quadro profissional expressivo.
624 PRÓPRIOS e 206 TERCEIRIZADOS.

Anônimo disse...

Prezado jpc 25/06/15 17:27

Vi seu questionamento e as contribuições são assim:

para a PREVI: só sobre o complemento Previ;
para a CASSI: sobre o total (complemento Previ + Inss).

Espero ter ajudado.

Um abraço.

Anônimo disse...

O problema da Previ e do PT é de junta.

Junta tudo e joga fora.

Essa praga de petismo é capaz de destruir qualquer coisa, exceto a vontade de Deus.

Fernando disse...

Professor Ari, "que texto!!!!este do colega João Rossi Neto. Parabéns. Explicando em detalhes, impossível quem lê, que não se sensibilize com a realidade do texto. E outra, será o cálculo atuarial leva em conta, o grande número de mortes de colegas fora da expectativa de vida de quase 80 anos, e com a redução do benefício que fica para a pensionista , que fica somente com 60%??

Anônimo disse...

EU: Nao tenho a menor duvida, peço a todos que leem esse comentário não esquece todos todos os culpados vão pagar ,porque Deus existe ,Deus não e brincadeira . Estamos sofrendo , aposentados e pensionistas , mas como estamos, fome humilhação meu Deus e muito forte, mas vou ver todos eles pagando, e vou dizer esse e meu Deus de justiça todos mas todos na cadeia, cadeia sim cadeia sem nada sofrendo fome , humilhação e verdade porque eu tenho um Deus, vocês tem dinheiro , o dinheiro de vcs não valem nada vou ver em Nome de Jesus

pensionista sofrida de mas todos os culpados voõs nsaber o que e fome Marcel Guriteiro mas vai ou Deus não existe

Anônimo disse...

Em vista dos pedidos do ES 180x180:
ES PREVI - Simulações na HP12:

A-Valor: 145.000.00 (simulação no site da Previ)
B-Prazo: 120
C-Pma: 1.950,00 = 1,34% de A (*)
D-Taxa: 0,8860% a.m. (**)

A-Valor: 160.000,00
B-Prazo: 144
C-Pma: 1.954,00 = 1,22% de A
D-Taxa: 0,8860% a.m. (**)

A-Valor: 170.000,00
B-Prazo: 144
C-Pma: 2.076,00 = 1,22% de A
D-Taxa: 0,8860% a.m. (**)

A-Valor: 180.000,00
B-Prazo: 180
C-Pma: 1.987,00 = 1,10% de A
D-Taxa: 0,8860% a.m. (**)

(*) não considera variações do INPC.

Observa-se que prazos elevados reduzem o percentual
De amortização (com aumento constante do Saldo devedor).

180 X 180 é inviável.

MELHOR OPÇÃO:
1) 160.000,00 x 144 em JULHO 2015
2) 170.000,00 x 144 em JANEIRO 2016.
Elevação de 5% a cada semestre.
A MC 30% regulará VALOR x PRAZO.

Anônimo disse...

Ari e demais colegas,

O Rossi desta vez se superou, aliás, anda sempre se superando.

A lucidez do texto é impressionante pela lógica incontestável das argumentações a respeito do ES, da economia gerada pelo falecimento de um aposentado e da não devolução do FQM nas renovações frequentes e usuais do ES.

Mas, ficam as perguntas:
entenderá tudo isso o diretor de seguridade...?
se entender, haverá boa vontade para implementar alguma mudança...?

Uma verdade inquestionável no perfil desse diretor é que o cargo lhe confere competência para agir e implementar as alterações no ES, mas não lhe dá a compreensão e o entendimento do que o Rossi expôs.

E aí fica difícil alimentar esperanças.

Rossi, parabéns, meu amigo, você é o Cara.
Lydio


Anônimo disse...

Ao anônimo 25/06/15 18:09

Você está terrivelmente enganado: o Marcel foi eleito por nós!!!!!

Mais não preciso dizer...

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega Ari Zanella,

Pelo que entendi, em 2015 não vamos ter revisão do empréstimo simples da Previ.

Nem poderia ter, pois o saldo devedor desde a ultima renovação, ao invés de diminuir,fez foi aumentar.

O Empréstimo Simples, como bem falou o João Rossi Neto, sem reformulação geral não nos serve mais, ficou inoperante(sem margem e com correção acima da amortização).

Se entendi bem, estamos no primeiro semestre de 2015, e aperte o cinto que o segundo semestre de 2015, sera muito pior.

Falta menos de 1 ano para dar adeus a esse Diretor de Seguridade e fico pensando se vale mesmo a pena participar das eleições, porque antes de eleito é tanta promessa, mas ao tomar posse, tudo muda e continuamos com a mesma sensação de que nada vai mudar.

Colega Fernando Lamas, ao ler seu comentário de ontem, me senti renovada, senti que Deus nunca abandona seus filhos, chorei não de tristeza mas de muita alegria, porque Deus veio em seu SOCORRO e da sua Família.

Parabéns por nunca desistir de Deus, e das suas "PROMESSAS".

Saudações a todos e tome o exemplo desse servo de Deus(Fernando Lamas), aqui na terra e nunca pare de lutar por seus Sonhos, erga a cabeça e saiba que cada um tem sua PROMESSA.

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Ari Zanella disse...

Caro Lydio (20:46)

Assim também considerei. Tanto que havia postado aos 18 minutos desta quinta-feira o LONGE DE MELHORIAS. Li o email do Rossi pela manhã e quando voltei do colégio, almocei e imediatamente o publiquei.
Com efeito, é uma das mais didáticas postagens já efetuadas aqui no blog. Agradeço muito ao Rossi pelo prestígio que me proporciona. Ele é mesmo uma das pessoas mais brilhantes que já conheci.

Anônimo disse...

Em política nada é absoluto, mas tudo leva a crer que esse mês de junho até o seu final, será revelador.

Anônimo disse...

Ninguem se lembra que as pensionistas pré 67 tem direito aos 100% de pensão

Marcelino Maus disse...

DÁ PARA ALGUÉM EXPLICAR?

Reajuste do s.m. atrelado aos Benefícios do INSS?

OUTRO GOLPE ???
O s.m. era corrigido pelo INPC+%PIB de 2 anos...
De 2014 em diante o PIB será NEGATIVO.
Então os Benefícios do INSS terão reajuste MENOR QUE O INPC?

Ari Zanella disse...

Enfim uma notícia não ruim:


Prezado senhor Ivo Ritzmann,

Atendendo expressa determinação do senhor senador Paulo Bauer, informo-lhe que o PDS nº 275, de 2012, que trata de tema de interesse das entidades fechadas de previdência complementar, voltou a tramitar normalmente. No momento, aguarda designação de relator na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), cujo presidente é o senador Delcídio do Amaral. Encontro-me à disposição para sanar quaisquer dúvidas ulteriores [(61) 3303.6530].

Atenciosamente,

Geraldo Martins Ferreira

Chefe de Gabinete do senador Paulo Bauer

Anônimo disse...

Estou vendo esse tal EMPRESTIMO SIMPLES,como uma verdadeira AGIOTAGEM. A gente paga, paga, e o saldo devedor diminui a conta gotas. Se não houver uma URGENTE reformulação, não sei onde vamos chegar.

rafael campagnoli disse...

Sobre a eleição do Marcel e demais representantes dos associados, é bom lembrar que somente na última eleição é que os aposentados conseguiram eleger a chapa 3, fazendo a diferença em relação aos funcionários da ativa. O discurso dos sindicatos, que sempre estão nas agências, são imensamente mais contundentes e convincentes. Quem arregimenta os velhinhos/velhinhas? É mais do que urgente a criação de conselheiros exclusivos de aposentados e pensionistas, um para o Plano 1 e outro para o Previ Futuro. É preciso separar os representantes, as demandas são distintas.

Anônimo disse...

A mulher do petista Fernando Pimentel, Carolina Oliveira, recebeu 3,7 milhões de reais entre 2011 e 2014, segundo a Época, sendo:

- R$ 300 mil da empresa de publicidade Pepper;

- R$ 362,8 mil do grupo francês Casino, dono do Pão de Açúcar;

- R$ 595 mil da empresa de alimentos Marfrig;

- R$ 2,5 milhões de Mario Rosa, coordenador da campanha de Fernando Pimentel.

Mario Rosa é ligado a Benedito Oliveira, o Bené, um dos financiadores da campanha do petista e cuja família controla a Gráfica e Editora Brasil, que recebeu R$ 294,2 milhões dos cofres públicos entre 2004 e 2014.

Enquanto a mulher de Fernando Pimentel embolsava dinheiro da Marfrig, a Marfrig embolsava dinheiro do BNDES, vinculado ao Mdic.

E adivinhe quem comandava o Mdic! Ele mesmo: Fernando Pimentel, então ministro do Desenvolvimento de Dilma Rousseff.

Em janeiro de 2014, o banco estatal adiou o vencimento de um título de dívida da Marfrig no valor de R$ 2,15 bilhões, em operação sem a qual o frigorífico poderia quebrar.

Ao todo, o BNDES investiu cerca de R$ 3,5 bilhões na companhia, salvando-a da falência.

Tem mais: em novembro de 2013, o então ministro Pimentel e sua mulher ficaram hospedados num hotel de luxo baiano com todas as despesas pagas por Bené. Diz a revista:

“O casal ficou hospedado no resort ‘Kiaroa Eco-Luxury’, localizado em Maraú, na Bahia, por dois dias (15 a 17 de novembro). Num dos trechos da decisão que autorizou a segunda fase da operação, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Herman Benjamin, afirmou: ‘apurou-se que o suposto operador da organização criminosa em tese, Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, possui relação profissional e de amizade com o Governador do Estado de Minas Gerais e com sua esposa, Carolina de Oliveira Pereira, a ponto de ter sido, segundo a Polícia Federal, por providenciar a reserva, o transporte aéreo em avião particular e o pagamento de despesas de hospedagem para ambos’”.

Coisa linda.

Os esquemas petistas se repetem. Essa gente não tem cura.

Felipe Moura Brasil

Anônimo disse...

Rossi , você ė fabuloso, texto esclarecedor impactante, agradecemos sua valiosa a ajuda, que o presidente Gueitiro leia suas informações.

Anônimo disse...

Não entendo porque tanta preocupação com o uso do pecúlio Capec para garantia do ES, porque tanto na europa como nos EEUU a prática de venda do seguro vida é normal.

Anônimo disse...



Ao anônimo das 17,45 , de hoje,domingo:

Caro colega, sem nenhum interesse em criar polêmica, não acho justo
vincular pecúlio/empréstimo , pelas seguintes razões : l° - as po-
bres das mulheres aguentaram bafo de cerveja durante l/2 século ou
mais; dormiram com "nego" que chegou tarde da noite e não tomou
banho; negou dinheiro para as despesas semanais da casa, alegando
que não tinha, quando a verba para após a "pelada " (gente, isto
aqui é "racha") estava guardada. Fica esclarecido que estou falan-
do isto , porque me contaram em "of", pois sou um coroa sério.Mas,
voltando ao assunto do pecúlio, não acho justo, mesmo porque a
maioria vai deixar alguma coisa "pendurada" em bancos, como Cheque
especial e, porque não dizer, é um prêmio pra quem nos tolerou om
tanto carinho, às vezes bravas, às vezes sorrindo, mas sempre amando.
Acredito até que muitas vão chorar ! DivanySilveira-Sete Lagoas-mg

Anônimo disse...

Também penso com desconfiança deste ES-CAPEC, já estão falando que mudou regra na renovação em 2015, eu não sei pois estou sem margem há muito tempo, se renovo pode mudar para pior. Penso que se sair o ES-CAPEC, deve ser "outro" empréstimo, por isso não vejo porque falar em renovação, se eles oferecerem o ES-CAPEC para liquidar o ES , pode desconfiar que só estão vendo o lado deles, não acredito em mais nada que vem da PREVI ou do BB e da ANABB .Eu quero limite de 30% de consignação, pois fomos enganados com propagandas de empréstimos em nossos contra-cheques , espero também pela cesta alimentação, valeticket, como andam as ações? ainda pode entrar?

Rosalina de Souza disse...

Prezado Ari Zanella,

A CARA DE PAU DO DIRETOR DE SEGURIDADE:

Na mesma revista o Diretor de Seguridade Marcel Barros, é destaque em matéria CONTAS EQUILIBRADAS.

PENSIONISTAS TOTAL DE 20.154 já aumentamos em mais de 1.000 pensionistas, menos 40% de pagamento.

APOSENTADOS TOTAL DE 71.968

ATIVOS TOTAL DE 24.741

SOMA TOTAL DOS PARTICIPANTES DO PLANO 1 116.863

PALAVRAS DO SENHOR DIRETOR DE SEGURIDADE:

reprodução:

(TEMOS QUE SER PRUDENTES NUM PLANO QUE TEM A MATURIDADE DO PLANO 1)

Que maturidade, em 12 meses, mais de 1.000 colegas morreram, fazendo uma economia aos cofres da previ de 40%, com o pagamento das pensões.

Estamos nas mãos de verdadeiros mercenários, a serviço do Patrocinador/Governo e nosso Eleito da chapa 3, diretor de planejamento não mexeu na politica que já estava traçada, pois o planejamento continua retirando recursos da rubrica OPERAÇÕES COM PARTICIPANTES.

Tenho absoluta certeza que estamos sozinhos, não temos nenhum dirigente disposto a por o CARGO a nos ajudar,hoje o que fala mais alto é os BÔNUS, AS MORDOMIAS, O CARTÃO CORPORATIVO, AS TRAMOIAS, AS BARGANHAS, E TUDO QUE DIZ RESPEITO A NOS PREJUDICAR.

Estamos por findar o mês 06 de 2015, e até agora só desculpas e mais desculpas, nada de concreto foi realizado a fim de melhorar a nossa vida, estou pronta para somar esforços no sentido por algo em pratica, serio capaz de resolver esta situação.

Não da mais para ler tanta desgraça e continuarmos calados, diante de deboche e cinismo, para todos os gostos.

Vamos agir colegas, vamos tomar uma atitude digna de nossa historia, de pessoas serias que sempre fomos, para chegar no final da vida, com 69 anos de idade, e ser tão humilhada desta maneira.

Não da mais para esperar pelos outros, vamos achar o caminho, trilhar uma nova historia, ou então recolhermos a nossa insignificância e morrer porque falto o remédio ou os cuidados necessários para continuar vivos.

Tem que ter um jeito de por fim a esta situação.

CHEGA DE TANTA HUMILHAÇÃO.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Anônimo disse...

Divany Silveira você se superou! Além de rir muito concordo totalmente com você.Quem está querendo ES Capec não se preocupa com ninguém após sua morte.Tá parecendo coisa de quem não tem quem vai chorar sua ausência.

Anônimo disse...

Gostaria de saber de quem entende do EMPRESTIMO SIMPLES, onde a PREVI se baseia para cobrar juros só apos a atualização monetaria do saldo devedor do EMPRESTIMO SIMPLES, li o regulamento e não consta em nenhum Art. que os juros sejam calculados apos atualização da correção monetaria, um exemplo, ja sabemos que os juros são de 5%, então vamos supor o INPC num ano seja de 8%, existe uma grande diferença entre aplicar os juros e a correção individualmente sobre o saldo devedor ao inves de calcular a correção primeiro e depois cobrar os juros, porque se fossem cobrados individualmente daria neste exemplo 13,00% e cobrados um sobre o outro dariam 13,40%, quem está com a razão ? Eis o regulamento Incidirão mensalmente sobre os saldos devedores dos Empréstimos Simples os
seguintes encargos financeiros:
a) Juro - percentual não inferior à taxa de juros atuariais ou índice de referência do
respectivo Plano de Benefícios ao qual o participante/assistido esteja vinculado;
b) Atualização monetária - percentual mensal medido pelo indexador previsto no
Regulamento do Plano de Benefícios ao qual o participante esteja vinculado, e
aplicado com defasagem de 2 (dois) meses;
c) Taxa para o Fundo de Quitação por Morte (FQM) – percentual definido com base
em estudos atuariais e utilizado para constituir fundo garantidor destinado a quitar as
prestações vincendas a partir do mês seguinte ao do falecimento do mutuário;
d) Taxa para o Fundo de Liquidez/Inadimplência (FL) – percentual definido com base
em estudos de risco, com a finalidade de constituir fundo garantidor destinado a
quitar dívida inadimplida considerada irrecuperável pela PREVI após a adoção de
todas as medidas cabíveis, inclusive judiciais.

Anônimo disse...

parece que a ANABB levou uma rasteira da COOP-ANABB. O prejuízo até agora é de R$ 265 milhões. Leiam a matéria clicando no link abaixo:

http://www.anabb.org.br/mostraPagina.asp?codServico=4&codPagina=48933

Jorge Nascimento