BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

segunda-feira, 27 de abril de 2015

DEPOIS DA CASA ARROMBADA

     Muito oportuna a seção Economia e Negócios do Estadão do dia 24.04.2015, sobre a inoperância da PREVIC como fiscalizadora dos fundos de pensão. Isto prova que a criação desta impostora foi meramente política para apadrinhar afiliados políticos, criada em 2008 pelo mestre Lula e seus asseclas desejosos por cargos bem remunerados pagos pelos assistidos do fundos de pensão. Em outras palavras, bem pagos para fechar os olhos às investidas de assalto aos fundos, três dos quais já sacrificados a fazer novas contribuições e novos aportes. É triste mas é verdade. E a nossa PREVI não é uma ilha de prosperidade em meio a esse mar de suborno e propinoduto a que são alvo nossos fundos de pensão.

"O dito popular "depois da casa arrombada é que se coloca cadeado na porta" se aplica à decisão da Superintendência Nacional da Previdência Complementar (Previc) de fiscalizar 1.099 planos de aposentadoria, em especial 43 fundos de pensão, na maioria de empresas estatais, que em 2014 tiveram déficit de R$ 31 bilhões, 42,71% superior ao de 2013. O Postalis, dos Correios, e a Funcef, da CEF, respondem por metade do déficit e anunciaram ajustes.
Nos Correios, na folha de pagamento deste mês será feito o desconto adicional de 5% sobre os salários de 150 mil trabalhadores da ativa e aposentados. Medidas extremas como esta poderiam ter sido evitadas se a Previc tivesse realizado a fiscalização para a qual foi instituída.
Como noticiou O Estado (19/4), diretores da Previc explicam que os déficits decorreram da queda de cotações em bolsa e de mudança da meta atuarial das fundações. Mas é público e notório que fundos de pensão estatais fizeram aplicações de alto risco. O Postalis comprou papéis lastreados por títulos argentinos e venezuelanos, perdendo R$ 190 milhões. E fundos de pensão de estatais foram frequentemente "convocados" pelo governo para alavancar investimentos em infraestrutura, muitos sem conclusão e retorno.
O problema é grave. Mesmo fundos que não registraram prejuízos não atingiram as metas atuariais - a rentabilidade capaz de garantir o pagamento de aposentadorias. Em média, os fundos renderam 7%, em 2014, abaixo dos 11,73% necessários.
As diretorias de alguns fundos querem agora não só mudar a meta de rentabilidade, mas alterar o porcentual que os obriga a se recapitalizar, sem ter de aumentar a contribuição de associados e patrocinadoras. A tolerância atual é de um déficit de até 10% do patrimônio líquido.
A associação dos fundos (Abrapp) argumenta que contribuições extras podem ser até desnecessárias. O governo, diz o presidente da Abrapp, José Ribeiro Pena Neto, quer adiar a discussão, para não ser acusado de "afrouxar" regras em face de déficits bilionários. A discussão é importante, mas não nos termos colocados. A confiabilidade é o maior ativo de qualquer fundo - e ela está em jogo à falta de fiscalização adequada, com apoio ativo dos associados, que são os principais beneficiários. Estes precisam ter voz nos conselhos deliberativos dos fundos, como reivindicam associados da Previ, da Petros e da Funcef que apontam má administração e ingerência política nos investimentos."
( O Estado, 24.04 - Economia & Negócios )

32 comentários:

Carlos - Rio Pardo(RS) disse...

Sr. Ari, tudo bem? Cesta Alimentação.

Gostaria de um auxílio seu e de algum outro colega que teve de devolver os valores ganhos mensalmente a título de cesta alimentação.

Contatei meus advogados e os mesmos disseram que terei de devolver e que será debitado mensalmente 10% de meu líquido até completar o valor que tenho que devolver, devidamente corrigido.

O Sr. saberia me dizer se sabe algo a respeito e se esses 10% do líquido também incidem sobre o décimo terceiro salário.

Não é fácil, me acostumei com a idéia do fim do BET, do fim da cesta que ganhava mensalmente, depois me acostumei com o fato de não poder mais renovar meu ES.

Agora essa Bomba que está por vir a qualquer momento, segundo meus advogados.

Agradeceria um retorno. Obrigado.
Carlos - Rio Pardo(RS)

Anônimo disse...

Enfim um órgão da imprensa de grande repercussão no país aborda o assunto e coloca o dedo na ferida.
Talvez com isto o governo, o patrocinador e seus representantes nos fundos de estatais e economia mistas resolvam recolher-se à sua insignificância de meros subalternos dos verdadeiros donos, que somos nos, os participantes, assistidos e pensionistas.

Luis-BH disse...

Prof. Ari e demais colegas,
Leiam a reportagem da Exame no link:
http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1088/noticias/o-buraco-sem-fim-dos-fundos-de-pensao

Ela fala da ingerência política nos fundos de pensão e conta como um fundo canadense quase quebrou e agora se recupera com uma gestão autônoma. Os fundos brasileiros são também abordados, inclusive a Previ.

Anônimo disse...


Pergunto: o que a Previc realizou de importante para os fundos de pensão desde que foi criada? Resposta: NADA!

Só tem ajudado a complicar a vida dos assistidos.

Trata-se de criação do Lula para dar cargos com altos salários para os petistas de carteirinha.

Anônimo disse...

COMPARATIVO PARA AVALIAR O ROMBO NO NOSSO PODER DE COMPRA

Em 1992 comprei um apartamento no RS, financiado pela Carim, cujo valor do imóvel estava abaixo do montante que eu poderia financiar. Com meu limite de financiamento poderia até adquirir um imóvel de valor de 35% superior àquele que estava negociando.

Em janeiro passei naquele mesmo local e me informei do valor atual do mesmo imóvel, depois de 23 anos passados. Está avaliado em 285.000,00. Mas a Carim me financia o máximo de 114.500,00.

Resumo: perdi 60% do poder aquisitivo em 23 anos. Antes eu podia financiar um imóvel de ótimo padrão. Hoje, nem no programa "minha casa, minha vida" tenho condições de adquirir.

Enquanto isso, na Previ, 500 mil anuais de extra é troco.

Gostaria que o Marcel, o Gheitiro, a Cecília e o Carvalho refletissem sobre a verdadeira situação de penúria por que passam os aposentados e das pensionistas.É para isso que estão no comando.

Que mandem os projetos do governo às favas e nos distribuem o que temos por direito depois de 40 anos contribuindo para a Previ.

rafael campagnoli disse...

O ápice da maldade foi a edição da Resolução 26. Com um detalhe diabólico: foi adredemente pensada,idealizada às escuras por alguém que conhece a fundo o assunto, de modo a arranjar uma maneira de SACAR DINHEIRO DOS FUNDOS DE PENSÃO ESTATAIS sob o manto da "legalidade". Alguns disseram que o BB se apropriou "legalmente" de mais de R$30 bilhões, via Resolução 26 e outras contabilizações discutíveis. Se tivesse uma AUDITORIA INDEPENDENTE realmente confiável, ao menos a contabilização dos R$7,5 bilhões do último superávit não teria ocorrido. E pensar que - com certeza - muitos colegas se debruçaram noites e noites sobre o assunto para produzir a pérola! E depois todos foram para alguma churrascaria comemorar ...

Anônimo disse...

Ao anônimo 27/04/15 10:12:

enquanto isso, têm aposentados da Previ nadando de braçadas, não tendo o menor problema. A conta ficou para os "mais novos", criados pelas maracutaias de FHC e dos governantes de plantão, que nunca haviam comido mel.
Lamentável isto tudo.

WILSON LUIZ disse...


Ao contrário de muitos colegas, acho que, neste momento, a PREVI não deveria abrir mão de suas posições em rendas variáveis. O mercado de ações no Brasil está entre os mais baratos do mundo, tem grande potencial de crescimento. Somente este ano, a Bolsa de Valores de São Paulo valorizou 13,17%, principalmente devido ao mercado ter percebido que a presidenta não manda mais nada na área econômica de” seu” governo, imaginem o quanto teria subido, se o PT tivesse sido chutado do governo na eleição de 2014. Ações que têm grande peso no patrimônio da PREVI tiveram valorização expressiva, Petrobrás subiu mais de 40% este ano e a Vale, só na semana passada, subiu quase 30%. A Petrobrás demonstrou que ainda é uma empresa bastante viável; não tivesse que dar baixa contábil de R$ 51 bilhões, referentes à corrupção e à incompetência, em vez de prejuízo, teria lucro de uns R$ 30 bilhões.

Também sou contra venda de ações porque, se dinheiro na mão é vendaval, dinheiro na mão do PT é furacão, sabe-se lá o que vão aprontar. No Postalis, transformaram mais de R$ 5 bilhões do patrimônio em ativos podres.
Por falar em dinheiro na mão, alguém sabe onde foram parar os R$ 616 milhões que a PREVI recebeu pela venda de sua participação na Usiminas?

Outro erro é achar que aumentando a aplicação em renda fixa os superávits voltarão, os rendimentos de tal aplicação, atualmente, mal cobrem o índice atuarial.

Anônimo disse...

Professor Ari,

Será que esses panfletos que chegam nas nossas casas durante as eleições de Cassi e Previ foram impressos na Gráfica Aitude?
E os colegas Bernardo e Gleise que admitiram ter recebido doações para a campanha da senadora, de todos os presidiários da Lava Jato, mas tudo dentro da lei. A senadora admitiu até que pediu a grana, mas tudo limpinho ...

Acho que vai acabar sobrando até para o Papai Noel.
Neste exato momento ligo na TV Senado e quem preside a sessão é a dita senadora. Ela segunda-feira em Brasília? Medo faz coisas que até o mais crédulo duvida

Ari Zanella disse...

Prezado amigo Carlos - Rio Pardo (RS)

Sobre o 13} salário nada pode incidir, a não ser que haja autorização expressa do beneficiário.

Quanto ao resto não sei, contudo, se como você diz, são instruções de seu advogado, penso que deva ser isso mesmo quanto ao salário, exceto o 13º.

Ari Zanella disse...

Apenas a título de informação, hoje eu não estou participando do Encontro da AFABB-RS (Medeiros) com o presidente da PREVI, sr. Gueitiro.

Carlos - Rio Pardo(RS) disse...

Sr. Ari - Primeiramente obrigado pelas informações.
Já haviam me falado que não poderia incidir nada sobre o décimo terceiro salário, e agora o Sr. também afirma isso.

No entanto, para meu espanto, por telefone meu advogado disse que inicide sim sobre o décimo terceiro e inclusive para piorar a situação, quando ele me falou que seria 10% sobre o líquido, achei que seria sobre o líquido que aparece em meu contracheque, mas não, segundo ele (o advogado) os 10% devem incidir sobre o líquido que é considerado apenas descontando do bruto as contribuições para a a Cassi e Previ, ous seja, empréstimos não são considerados. E ainda pago pensão decidida judicialmente, mas que não é descontada em folha, pago direto.

Estou apavorado.

Abraço a todos
Carlos - Rio Pardo(RS)

Anônimo disse...

Como é do conhecimento geral,a PREVIC,com nome pomposo,não passa de mais um vampiro criado para chupar o nosso sangue e fazer de conta que veio para nos ajudar.Ledo engano,para nos mandar para o inferno,com um prospecto de venda de geladeira,freezer,frigobar etc.É melhor morrer de fome,com uma foto de um suculento bife na mão.
João Trindade

Anônimo disse...

14:14

O quê, diga-se de passagem, não é bom para nos. Sua presença (olhos e ouvidos) é imprescindível para uma melhor avaliação do que lá está se desenrolando. Isto sem querer fazer qualquer desfeita ao honrado anfitrião, Dr. Medeiros.

Anônimo disse...

Será que diremos logo, logo "Até que enfim "?
Os fundos de pensão das estatais (Previ no caso ) precisam de mudanças.
A volta do corpo social participando de decisões. Acabar com o voto de minerva na mão do patrocinador, acabar com os altos salários e bônus. No mercado se encontra dirigentes com mais capacidade, sem vínculos com patrocinadores ( ou com o alto ganho), e com menores salários em relação ao que paga a Previ, mas de bom tamanho em relaçaõ ao próprio mercado .
Devemos usufruir do imenso patrimônio que temos na Previ, não simplesmente deixar para terceiros, quando se for o ultimo de nós. Esse argumento utilizado "que temos de administrar o fundo com responsabilidade pensando no futuro", já era. Precisamos de melhores aposentadorias, já.
Por isso, vamos acordar e repensar essa historia de eleições e promessas que nunca são cumpridas. Pensem bem !

Anônimo disse...

Sr. Professor ARI,

As associações deveriam processar os dirigentes da Previc por fiscalização temerária, ou eles estão imunes?
att saudações

Anônimo disse...

Professor Ari,

Como não chega notícias importantes gostaria de compartilhar com os colegas uma manchete que está no site do IG:
Foi inaugurado em Milão o "Museu das Fezes", o primeiro do gênero na Itália. Lá é chamado de museu della merda.

Espero que as notícias do RS sejam melhor do que essa

rafael campagnoli disse...

POLÍCIA FEDERAL NA PREVIC X PREVI X RESOLUÇÃO 26!
O que acham de pedir para aquele Procurador da República do RJ, que impetrou a ACP contra a Resolução 26, para que apresente PEDIDO DE INVESTIGAÇÃO, pela PF, sobre a edição da citada norma e seus reflexos negativos, mormente quanto à transferência dos R$7,5 bilhões à Previ etc?
Pode ser um caminho, porque no âmbito do STJ não temos nenhuma chance. Ainda mais agora que aquele antigo Diretor que usava gravata borboleta cumprirá prisão no Brasil? O que teríamos a perder?

Anônimo disse...


Colega 12:23

É bem isso daí.
Via de regra (não todos óbvio) os caras não querem nem saber de blog, notícias ruins (até agora a Previ paga religiosamente), eleições, etc.etc.
Só vão se apavorar o dia que o seu $$$
não estiver na conta.
As reclamações e choradeiras ficam para o baixo clero. Coisa de miserável mesmo. Estou no porão do navio como muitos enquanto outros desfrutam dos salões, convés e ótimos camarotes. Coisas da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil. E tem mais: aí vem o Pizolatto buscar o dele que estava bem guardado pela Previ.

Ari Zanella disse...

Amigo Tarcísio,

Vamos verificar amanhã o que ocorreu. Aguarde que pode ser um prazo para modificar alguma coisa. Abraços.

Anônimo disse...

Será que o Pizzô fará delação premiada? Ou não tem mais jeito?
O Gushiken não o apoiou e nem está mais na fita. A cumpanheirada finge que não conhece.
Ele deve até ter um "cascai" escondido (todo bandido sempre tem), mas parece que terá que puxar 12 anos em regime fechado.
Acho melhor a cotovia piar e fazer igual seu cumpanheiru Genuíno, que na Guerrilha do Araguaia não precisou levar nem um beliscão. Amarraram na árvore e o destemido guerrilheiro entregou todo mundo que fazia parte do movimento

Anônimo disse...


Caro anônimo das 19:50,

Coincidência ou não, se esse tal de "Museu das Fezes" existe mesmo na Itália , foi criado depois da chegada do Pierzolat por lá. Non è vero?

Anônimo disse...

""O BENEFICIO PARA A IMAGEM DO SETOR COM A CRIAÇÃO DA SUPERINTEN -

DENCIA É MUITO GRANDE " -SERGIO ROSA


Na ocasião o Dr. Sergio Rosa, sem ficar rubro, segundo testemunhas,
disse que o novo orgão traria mais segurança para os participantes
dos fundos de pensão.E continuou : o benefício para imagem do setor
será muito grande. Destacou ainda o fato de a PREVIC ter orçamento
próprio ( o dinheiro cai do céu )e quadro de funcionários mais qua-
lificado ( como exclamou um anônimo ontem : af !)Aliás, faltou
explicar se a segurança maior seria para o quadro de dirigentes ou
para a plebe que paga !Cordialmente,Divany Silveira-SeteLagoas-mg

Anônimo disse...

22:29

O Pizzô nada falará, mesmo porque não tem mais direito à delação premiada, já que foi condenado com transito em julgado.
E que transito -- inclusive via Itália ;))
Tomara que apodreça na cadeia.

Anônimo disse...

Prezado Carlos-Rio Pardo(RS),

Vou lhe relatar o meu caso, é diferente do seu, mas talvez semelhante:
Nos meses de jan e fev/15, não descontaram o IR na fonte, pois haviam deferido m/pedido de isenção, mas, voltaram atrás, e em março, me ligaram da PREVI, dizendo que iriam descontar os 3 meses e se eu concordasse, os 2 (jan e fev) c/atraso,me fariam um adiantamento e o pagamento seria feito c/juros, calculados 10% do valor bruto do benefício da PREVI, até a sua liquidação.Concordei. E em abril veio o 1º débito, e foi calculado, 10% sobre a soma do benefício PREVI-verba P300+ a verba P340-13º. Pode ser que o seu também seja assim, e no meu caso, não deduziram nada, é sobre o bruto mesmo.

Carlos - Rio Pardo(RS) disse...

Ao anônimo das 00:38hs, obrigado pelo auxílio.

Vou ter que infelizmente me preparar para o pior.

Agradeço sua atençao e parabéns ao Sr. Ari pelo blog.

Acho muito válido e proveitoso o fato que aqui no seu blog uma pessoa escreve com uma dúvida e outras com boa vontade também escrevem para ajudar.

Essa é a moral de um blog.

Obrigado.
Abr
Carlos

Anônimo disse...

Como disse o colega acima este blog é diferente porque além do Prof.Ari os colegas ajudam uns aos outros.Já fiz várias consultas nos outros blogs e fiquei sem reposta.

Anônimo disse...

Prof.

Depois da postagem do Dr. acho que estou apaixonado pelo japonês

Georgete

rafael campagnoli disse...

CONFUSÃO NA ANABB - Viram a notícia no site da ANABB? Parece que resolveram tirar o presidente do Conselho Deliberativo, tendo sido eleita a colega Cecília Garcez? Acredito que pode ser um fato positivo, porque a ANABB é um braço da PREVI, do BB e do Governo atual contra os interesses dos aposentados e assistidos. Tenho feito vários pedidos para que a ANABB crie uma Diretoria para Aposentados, porque desde o fim do BET não vejo nenhuma intervenção de peso a nosso favor, justamente nós que a construimos! Vai que a moda pega!

Anônimo disse...

Srs.,
Cuidado pode ser lobo em pele de ovelha na Anabb, smj.

João Lopes Rodrigues disse...

Colegas, e em especial ao Rafael Campagnoli.

Sou sócio da ANABB desde a sua criação. Por que ainda continuo sócio da mesma? Boa pergunta!

Ao longo dos anos tenho visto a ANABB não como "aliada" na defesa das causas de seus associados; mas como um "entrave" na vida desses.

É uma associação complexa demais, extremamente burocrática, politicamente de natureza duvidosa, e, sobretudo, "amiga" de mais do governo, em especial do poder judiciário.

Em geral se posiciona "favorável" a determinadas questões em favor de seus associados; mas, por outro lado, costuma "abrigar-se" sob as asas dos ditames do governo, e, com isso, tende a ficar "esperando" que as coisas aconteçam.

Sua comunicação com os associados é "emperrada". Costuma dar respostas confusas, ou, quando muito, "vazias"; pouco ou nada acrescentando.

Conduz nossas ações judiciais sem o mínimo empenho, abrigando-se na máxima de "a justiça é lenta". O recente episódio da Ação IR Previ 1/3 nº
144606020104013400, em que "pisou na bola", e foi a responsável por atrasar o andamento da ação em mais de 1 ano (não tomou as medidas preventivas exigidas pela justiça a partir de abril/14) demonstra total descaso com seus associados. A tentativa de "remediar" a situação (o próprio presidente enviou e-mail solicitando urgência no envio das autorizações) só demonstrou mais ainda a falta de empenho da mesma.

Enfim... Não é a toa que muitos colegas têm cancelado seus registros junto a essa associação, considerando decepções e desgastes. Não por não terem sido atendidos em seus pleitos; mas sobretudo pelo descaso com que foram tratados.

É uma pena!

Era isso!

Anônimo disse...

Parece que tentaram, mas não elegeram a Dona Cecília.
Parecia ser fácil como a chapa 3, mas não foi.