BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quarta-feira, 25 de março de 2015

O SONHO ACABOU...

     Conforme a Isa Musa o valor foi pago como adiantamento em 23.09.1997 (2.250) e em 29.10.1997 (750). Ela reconheceu o pagamento e a Ação Civil Pública não terá sequência de cobrança. Lamentamos todo este transtorno que poderia ter sido evitado se tivesse tido esse entendimento anteriormente.
Peço desculpas a todos pela falsa expectativa de recebimento, profundamente lamentável. Estou arrasado. Tanto trabalho realizado por nada.

40 comentários:

Anônimo disse...

segue a vida...como fica a ação dos 30% consignados? Tambem é uma nuvem num dia ensolarado?

sergio luiz romagnoli machado disse...

Não cabe na minha cabeça> Essa ação "Abono de 3000,00", deve mudar o nome para SAMBA DO CRIOLO DOIDO!!!.Em que pese toda boa vontade da FAABB, é absolutamente incompreensível tamanho erro.Muito trabalho jogado fora, expectativas foram pro ralo. Confesso que nunca vi tanto amadorismo das pessoas envolvidas.Mas ainda uma dúvida. Por que a PREVI, no transcurso da ação judicial, não disse isso que está nos dizendo somente agora ? É, no mínimo, sureal !!!!

Anônimo disse...

BOA TARDE , O QUE FAÇO COM MEUS DOCUMENTOS QUE ENVIEI ? MAIS UMA VEZ ESTAMOS ARRASADOS .

Marcelino Maus disse...

Caro Ari, mesmo com essa notícia, insisto em contestar a validade da quitação por "adiantamento por crédito em conta"...

Muitos colegas informaram não haver recebido em conta (podem ter-se equivocado).

Sugestão:
A AFABB, de posse dos dados de CADA UM dos Aposentados em 09/1997, SIMPLESMENTE EXECUTA AÇÃO DE COBRANÇA da ACP.
- qualquer documento por mais precário que seja comprovará a Aposentadoria.
A PREVI e o BB que provem que o Aposentado:
- não direito ao abono ou não se enquadra na Sentença da ACP;
- já recebeu o abono, fornecendo a Fopag PREVI ou o Extrato da Conta com o Crédito.
- OBS: extrato da conta com crédito de "adiantamento" não comprova o origem do crédito e não servirá como quitação.

É PRECISO APURAR COM MUITA PRECISÃO A INFORMAÇÃO E ORIGEM DO CRÉDITO EM CONTA.

SE O CRÉDITO EM CONTA EM 1997 refere-se ao Abono, OS ADVOGADOS DA PREVI DEIXARAM ROLAR A ACP para mamarem nos
Honorários pagos pela PREVI (inutilmente)? Ou simplesmente por descuido e por haverem mais pedidos na ACP?

Estariam o CD e o Jurídico pensando, inclusive, em retaliações contra a AFABB, impondo Honorários de Sucumbência?


POR FIM, persiste o parecer do PERITO, que não constatou o trânsito via FOPAG PREVI.
Na Execução de Sentença não se faz prova de questão transitada em julgado.


Ab.

Anônimo disse...

Estimado professor Ari Zanella,

Não se amofine, pois no afã de atender os anseios de tantos desamparados, é possível cometer-se erro. Afinal errar é humano.

O negócio, como diz o sambista, é: "reconhece a queda e não desanima, levanta e dá a volta por cima".

Cabe lembrar Guilherme Arantes:

Aprendendo a Jogar

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Água mole em pedra dura
Mais vale que dois voando
Se eu nascesse assim pra lua
Não estaria trabalhando

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Mas em casa de ferreiro
Quem com ferro se fere a tudo
Cria fama, deita na cama
Quero ver o berreiro na hora do ronco

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Vivendo e aprendendo a jogar
Vivendo e aprendendo a jogar
Nem sempre ganhando
Nem sempre perdendo
Mas aprendendo a jogar

Quem tem pavor do cachorro
Quer sarna pra se coçar
Boca fechada não entra besouro
Macaco que muito pula quer dançar

--------------------

Vamos em frente porque o caminho é árduo, cheio de pedras e não podemos nos deixar abater.

Veja o que o BB-Guloso, porque não conseguiu eleger um petralha, fez com a CAREF Juliana. Suspensão por 20 dias com base em "análise comportamental".

Pura retaliação de quem não é democrata.

Rosalina de Souza disse...

Prezado Ari Zanella,

Ista situação porque passa a Faabb e a maior prova que temos que criar um departamento para as ações judiciais na ANAPLAB.

Um departamento que cobre posição mensal dos trabalhos, do andamento das ações judiciais interpostas.

Não é cabível um erro grosseiro desses, ainda mais quando falamos de escritórios de advocacia renomados e que tem sempre contratos em vigor de recebimento e não no findar da ação.

Por 18 anos a Faabb alimentou esses escritório com pagamento de taxas e honorários para ao findar do processo descobrir que a Previ não deve nada, mesmo que o objetivo da ação tenha sido outro, cabe um melhor acompanhamento neste sentido, pois destas lidas é que sai o aprendizado e as cobranças para uma melhor gestão do dinheiro do associado, no caso as afiliadas a Faabb que contribui mensalmente com a Federação.

Mais uma vez a esperança se foi, e continuamos com o bolso a espera de um milagre.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Anônimo disse...



MESTRE, NÃO VOU DESCULPAR !!!


É isto mesmo, Mestre, não posso desculpa-lo de maneira alguma. Pra
mim, isto está decidido. E não costumo arrepender de minhas decisões,
q não são tomadas apressadamente. O caso é o seguinte : como vou des se culpá-lo se não acho que você foi culpado ! O que aconteceu é que es-
te coração grande que o Mestre carrega, tão grande que é quase chagá - sico vai sempre trai-lo , no afã de servir o próximo.Acho que quem
tiver um pouco de generosidade deve abraço-lo , agradecer e dizer :
vida que segue, velho blogueiro ! Obrigado pelo esforço e boa inten-
ção. Saude pra você e família. Da mesma forma, quero reafirmar, com
sua licença, minha admiração e respeito a D. ISA , que continua sendo
a MUSA dos "coroas" aposentados. Gente, mais tem Deus pra dar que o
capeta pra tirar ! FUI . . .DivanySilveira- SeteLagoas-mg

Anônimo disse...


VEJAM BEM,

Um pouco antes de serem criados os planos Previ 1 e Previ Futuro foi pago um abono para TODOS - ativa e aposentados, indistintamente. Porém, logo após, quando nos desvinculamos do BB - acredito que foi em 1997 - o Banco pagou um novo abono, mas este somente para os que estavam na ativa. Nós aposentados não o recebemos, me lembro muito bem, pois fiquei revoltado na época. Será que não seria a esse segundo abono que a justiça se refere e que foi determinado nos pagar agora?

Anônimo disse...

Pior do que os 3 mil é ler da diretora eleita, que única coisa na Previ a ser apurada pela CPI é a aplicação feita na 7 Brasil.
As apropriações indevidas feitas pelo Bebê Guloso, Renda Certa, Despesas administrativas, Confidencialidade mandraque, Investimentos em imóveis para favorecer construtoras, Demais investimentos Ad Eternum para beneficiários imortais usufruírem; tudo tem que ser apurado.
Outra coisa: Não me chamem mais para campanha que estejam a Cecília e o Carvalho.

Zé Furtado

Anônimo disse...


Diante dessa notícia, vamos tentar bloquear os vários 500 mil doados aos diretores da Previ e tirado do cofre do NOSSO fundo de pensão?

Anônimo disse...


Cheguei à conclusão de que aqui no Brasil o aposentado não representa mais nada, mesmo tendo contribuído muito para a criação do maior fundo de pensão da América Latina. O Fundo de Pensão que deveria beneficiar a si próprio e sua família, está beneficiando os que não contribuíram e nem existiam na época, ou eram apenas pobres desconhecidos.

Anônimo disse...

Sr Ari Zanella,
Não tenho direito a esse abono justamente porque em 1997 eu ainda estava na ativa.
Tenho acompanhado essa questão e vejo que muitos cobram pelo erro dos advogados, gestores e autores da ação.
Na minha opinião, a Previ informou o Juízo sobre o pagamento que havia feito em forma de "adiantamento". Ocorre que o juiz despachou transferindo para a fase de execução da sentença EVENTUAL COMPROVAÇÃO DO PAGAMENTO JÁ EFETUADO.
Tomei a liberdade de copiar e colar parte do texto do Dr Medeiros em seu blog:
"" No acórdão do TJ do Rio de Janeiro consta o seguinte: "eventual pagamento do valor reclamado pelos autores, correspondente ao abono mensal (leia-se anual) realizado, segundo a recorrente (PREVI e BB) sob a forma de adiantamento, poderá ser demonstrado na fase de execução de sentença, evitando-se, assim, a ocorrência de bis in idem." (pagamento em dobro).

Portanto, o Tribunal deslocou para a fase da execução a verificação se houve ou não o pagamento do abono de três mil aos autores. Tirou o corpo fora na fase de conhecimento. Mas se houver comprovação de que houve o pagamento do abono, o autor terá que arcar com ônus de despesas e honorários, salvo se tiver assistência judiciária gratuita.""

Anônimo disse...

A culpa como sempre é do mordomo.
O perito é o culpado.
Essa deslizada me fez recordar a ACP contra a Res. 26 patrocinada pela FAABB que o ministro devolveu e disse que não era com ele. Era com o vizinho do andar de baixo.
Não recebi e ainda gastei 3o reais com a papelada.

Anônimo disse...

Prezado Ari!
Sem querer causar mais "comoção" diante da situação, reitero abaixo meu comentário de dias atrás:
..........
Prezado Ari!
Infelizmente, sem notar má fé, considero que a divulgação do desfecho dessa ação, pela Sra. Isa Musa foi inconsequente. Deveria, antes, ter verificado a real situação da mesma. Se, de fato, a mesma seria executada, em benefício dos favorecidos. Essa falta de prudência tem causado muito desgaste em todos os aposentados e pensionistas. Sem contar a via crucis para obtenção do tal contra cheque de setembro/1997, agora possivelmente desnecessário (se não houver pagamento algum a ser feito).

Anônimo disse...

Mais uma vez servimos de massa de manobra para essas pessoas que almejam o poder. Recentemente, elegemos alguns colegas q ue fizeram promessas que logo se tornarem mentiras. Depous se dividiram, acabando definitivamente com todo o sentido para o qual foram eleitos. Fossem pessoas dignas e honestas moralmente, certamente a renuncia seria um bom caminho, não a desagregação . Não acredito mais nesses ambiciosos sem bandeira, sem historia de luta . Que sigam seu caminho direto para o esquecimento, pois esse é o maior castigo para quem um dia se imaginou no cume da piramide, mas que nunca vai chegar lá porque existe uma justiça maior que a dos homens. Depois de acordar de mais um sonho, lá vou eu de novo tentar construir, novamente, minhas esperanças despedaçadas.
Carlos Roberto A. Lima

Anônimo disse...

Prof Ari, me desculpe .
Mas, como foi que constatou a dona Isa que o abono foi pago?
De que forma foi pago? Foi pelos extratos de conta corrente dela ou de todos os aposentados à época ?
Um engano dessa magnitude merece uma comprovação à altura.
Na minha fopag não há registro. Na minha declaração de renda também não.

Anônimo disse...

Colegas,

Isto está muito mal explicado!

POSTULEMOS UMA CPI AO CONGRESSO PARA AVERIGUAR O QUE A TODA HORA ESTÁ SENDO DITO E REDITO NOS BLOGS, má administração dos fundos de aposentadoria e pensão.

Chega de ERROS, MUITOS VOLUNTÁRIOS.

por favor associações REAJAM!
Pagamos para que a ANABB QUE PAGA VERDADEIRAS FORTUNAS AOS ADMINISTRADORES para defender aqueles que nos massacram.
CPI NA ANABB, também

Anônimo disse...

Colegas, "os finalmentes" desta ação do abono de três mil reias demonstram a baita incompetência que, de um modo geral, reina em várias associações (claro que há pequenas exceções), por isto não sou associado de nenhuma delas por ter vivido situação constrangedora envolvendo a ANABB.

Anônimo disse...

Eu nunca vi em mais de quarenta anos de BB/PREVI, pagarem adiantamento na conta corrente, sem transitar pelo contra-cheque. Implantei a FOPAG em determinado CESEC, isso não existe. Tenho todos os contra-cheques, declaração de IRPF, aposentei-me em 1990, portanto me garfaram R$ 3.000,00, pois eu não recebi e ponto final. Lembro-me que fiquei puto da vida por causa desse abono fantasma. Até uma próxima garfada, isto se chama falta de liquidez de caixa (grana).

WILSON LUIZ disse...


Ontem, a presidenta Dilma declarou que o orçamento não suportaria a renegociação dos encargos das dívidas de estados e municípios. Horas depois, o presidente da câmara, Eduardo Cunha, comandou votação de projeto que obriga que a renegociação seja efetuada, no máximo, em 30 dias. Muito justa, a decisão dos deputados. Estados e municípios pagam, atualmente, juros escorchantes, IGP-DI mais 6 a 9% ao ano, bem diferente dos juros de 4% a.a. que alguns amigos do rei pagam por empréstimos do BNDES.

Atualmente, o poder político em Brasília está assim dividido:

Eduardo Cunha – presidente da república em exercício

Renan Canalheiros – vice-presidente da república em exercício

Dilma Rousseff – “rainha da inglaterra”

Michel Temer – mordomo do palácio do planalto

Aloizio Mercadante – bobo da corte

Pepe Vargas, também conhecido como Pepe Legal – saco de pancadas.

Anônimo disse...

Prof.Ari,

Muita esmola até o santo desconfia. Vamos lutar agora pelo ES ou pela suspensão da cobrança de prestação ,por no mínimo três meses.

Anônimo disse...

Ari,

Gostaria de prestar aqui minha solidariedade à Isa a quem considero uma guerreira das nossas causas.

Não atribuo a ela culpa nessa confusão toda, afinal o despacho é um trânsito em julgado e bem claro, o perito afirmou e os advogados, naturalmente, a autorizaram a fazer a publicação do resultado da ação.

Falhas, todos cometemos. A você também não temos nada a desculpar.

E para que fique registrado, confirmo aqui, tenhamos ou não o direito ao abono, o fato é que eu não recebi nada apesar de aposentado em set/97.

E a vida segue, sempre em frente.
Lydio

Anônimo disse...

Esse vacilo lembrou muito o episódio do escaninho errado da Ação contra a Resolução 26.
Profissionais renomados e experientes cometeriam tais erros?
Os valores, as partes, a história, coloca sob suspeição todo o processo.
Quem aventaria anos atrás que a diretoria da maior empresa brasileira estaria fazendo falcatruas bilionárias? Numa investigação de um doleiro suspeito de lavagem de dinheiro, miraram numa mosca e acertaram um mamute.

Tomara que seja aprovada a CPI dos fundos de pensão trazendo à tona tudo relativo a BB, Previ, Cassi, antes que se repita o Aerus e agora o Postalis.

Anônimo disse...


SRS.,

MINISTÉRIO PÚBLICO NELES !

É urgente antes que destruam as provas.....

Marcelino Maus disse...

Caro Ari, me desculpe a insistência, mas o histórico de sacanagens do BB e da PREVI exige que DESCONFIEMOS SEMPRE.
Tem muita coisa mal contada no caso do Abono de 1997.
Se ao final não der em nada, vale o exercício do "raciocínio jurídico".

Processo: 0094827-35.1999.8.19.0001
https://groups.google.com/forum/#!topic/pdv-ba/dyn_KXoME5E
Íntegra do Acórdão - Data de Julgamento: 29/10/2008.
“Registre-se que eventual pagamento do valor reclamado pelos autores, correspondente ao abono mensal, realizado, segundo a recorrente, sob a forma de adiantamento, poderá ser demonstrado na fase de execução de sentença, evitando-se, assim, a ocorrência de bis in idem.
Pelo exposto, voto no sentido de dar provimento parcial ao recurso, condenando os apelados a pagarem aos associados da recorrente o valor correspondente ao abono mensal de R$3.000,00 (três mil reais), devidamente corrigidos e acrescidos de juros de mora desde a data do pagamento à época realizado até o efetivo cumprimento da obrigação.
Diante da sucumbência recíproca, custas pro rata e honorários compensados.
Rio de Janeiro, de fevereiro de 2011.”

Interpretemos a Sentença:
..eventual pagamento do valor reclamado pelos autores, correspondente ao abono mensal,
realizado, segundo a recorrente, sob a forma de adiantamento, poderá ser demonstrado na fase de execução de sentença, evitando-se, assim, a ocorrência de bis in idem.”

... segundo a recorrente... poderá ser demonstrado... (pela Previ)... condeno os apelados (PREVI) a pagarem...

O ENCARGO DA PROVA É DA APELADA(PREVI), está na Sentença.
A Previ deve apresentar o comprovante de pagamento MESMO NA FASE DE EXECUÇÃO.

1) quem estava aposentado em 1997 pode habilitar-se na Execução;
2) o aposentado não precisa provar que não recebeu o crédito – é encargo da PREVI, está na Sentença, e não há litigância de má-fé, mesmo que o crédito tenha ocorrido em 1997.
3) esse ônus de prova significa que a PREVI deveria(poderia) repassar para a FAABB a lista de TODOS OS CRÉDITOS DO ABONO PAGO EM 1997, para evitar desgastes e custas processuais de execução do abono já pago.

SE o BB está dificultando fornecer os extratos, é porque vários aposentados não receberam, ou porque. BB e PREVI sabem que o “adiantamento em conta” não é prova válida porque não especifica que é pagamento de abono... quem paga mal, paga duas vezes.

SE a Sentença previa prova de quitação na Execução, isso REFORÇA a suspeita que a PREVI não tinha como provar que PAGOU TODOS OS APOSENTADOS, ou porque sabia que o “adiantamento em conta” não caracteriza a quitação da obrigação (abono), quitação que só se opera com TRÂNSITO NA FOPAG, como faz o BB com todas as verbas pagas como adiantamento.

Para a FAABB suspender as execuções, é preciso que a PREVI prove que pagou a todos.
Insisto que a PREVI pode ter pago a apenas um grupo de Aposentados, diante da declaração de colegas que afirmam não terem recebido.

Mesmo assim, diante da obrigação da PREVI PROVAR, qualquer um pode fazer a execução, e a PREVI que se vire.
Os honorários são devidos na Ação Principal, que teve mais questões tratadas.
Na execução não creio que possa recair honorários ao exequente, eis que à PREVI restou o ônus da prova de quitação do abono.

Abs.

Anônimo disse...

Prezado Ari, nada a desculpar, a intenção foi válida de todos e da D. Isa em nos passar uma boa notícia, nada de errado nisso e errar é humano, quem irá errar? aquele que está sentado na poltrona e nada faz? ou voces que estão o tempo todo batalhando por nossas causas?
Agora, apesar do desacordo da notícia eu acho que esse abono deixou muitos na mão e eu fui um deles, pois na época, me recordo muito da revolta que fiquei, não recebi o abono por estar em benefício acidente, não consta nada no contra-cheque nem em extratos ,como vou conferir isso?concordo com os colegas de 18:53 e de 21:13. Saudações

Anônimo disse...

Ari,

Há consistência no que o Marcelino falou. São muitos colegas aposentados em set/97 que alegam não ter recebido, como é o meu caso.

Esse dinheiro passou longe da minha conta, e olha, meu amigo, perrengue financeiramente há anos, como estou, um crédito desse na minha conta seria motivo de comemoração até hoje.

Como previsto no despacho, penso que caberia pedir à previ a prova da quitação.

Basta o sistema listar o nome de quem recebeu. Há forte indício de que muitos colegas aposentados em set/97 não estariam nesta lista.

Simples assim.
Lydio

Anônimo disse...

Marcelino Maus, 00:40
Conforme seu relato (Acórdão), "... correspondente ao abono mensal, realizado, segundo a recorrente, sob a forma de adiantamento...", entendo que houve, na verdade, confusão feita pelo julgador da ação, que deixou que a mesma prosseguisse, embora o pagamento já haver se dado (realizado), cabendo à fase de execução, apenas, comprovar que de fato já houvera o pagamento anteriormente. Entendo também que houve "erro" da parte autora em prosseguir, à época, com a ação, pois não verificou que o pagamento se deu anteriormente (embora na forma de "adiantamento"). Entendo que, não obstante a forma como se deu o pagamento, se via fopag, se via crédito em conta, o mesmo se deu, é fato, e quem recebeu anteriormente não há o que falar em "receber de novo" (bis in idem). Finalmente, entendo que resta à Previ (ou melhor, ao BB, considerando que houve pagamento em conta corrente), apresentar documento que comprove o referido pagamento (extrato da conta?). É uma pena, considerando a expectativa criada com a (má) notícia da ação ganha. Inconsequência da FAABB? Imprudência?
Por fim, penso que a melhor estratégia agora é "esquecer" tudo, tocando a bola pra frente.
Saudações.

Anônimo disse...

Alguns colegas estão achando que esse abono é um direito geral de todos os aposentados à época de 1997. Mas, entendam colegas, que é restritivo e destinados apenas aos membros de associaçoes ligadas a Faabb. Portanto, não esquentem a cabeça e se conformem. No meu caso, aposentado em 1994, e incluso nos criterios, confirmo que recebi tal valor, assim como tantos outros.

tarcisio augusto bulhoes martins disse...

Prof.Ari, bom dia. Conforme comentários acima; anonimo 25.03.15, 18:53, VEJAM BEM....e anonimo 25.03.15, 21:13, EU NUNCA VI......concordo plenamente com o que disseram. Lembro com clareza da revolta dos colegas aposentados, pelo o recebimento do abono de 3.000,00, somente pelo pessoal da ativa. Aposentei em 91, e afirmo, não recebi o famigerado abono. Ao Senhor, Dr. Medeiros, e principalmente a D. Isa, o meu apoio, e profundo respeito. Tarcísio.

Anônimo disse...

À época, estava na ativa, recebi apenas R$ 2.250,00. O restante, R$ 750,00, a tropa do FHC abocanhou (IR). A ANABB, moveu ação contra Receita Federal, mas sem êxito.
Eita bananão>>> só para Politicos e Poderosos. Para os pobres contribuintes, NADA !!!

Anônimo disse...

Para que ninguem fique com dúvida se recebeu ou não só resta cada um verificar os extratos da conta ref. setembro/1997 e outubro/1997.Algum poderia informar se o BB ainda tem e fornece os extratos daqueles meses?

Anônimo disse...

Marcelino Maus como sempre perfeito.
Não está comprovado que a Previ pagou a todos logo a Faabb não deve encerrar a Ação.
Como disse o colega ficou claro qu é a Previ que deve provar a quem pagou. Espero que a Faabb faça a Previ cumprir a sentença integralmente, ou seja, provando se realmente pagou a todos. Se isso não for feito A Faabb será sim culpada pelo prejuizo dos aposentados que eventualmente não tenham recebido.Que o comentário do colega Marcelino Maus seja muito bem analisado.

Anônimo disse...

Ainda não está devidamente esclarecido.
Ainda não se comprovou que TODOS receberam o abono reclamado.
Antes era líquido e certo.
Agora, imediatamente após a nota Previ, virou somente líquido. Derreteu. Muito rápido.
Meio ressabiado. São tantas coisas sem sentido, quase inacreditáveis.

Anônimo disse...

Anônimo 7:31 e demais colegas.
Atentem para o fato: não foram TODOS os aposentados à época (set/97) que tiveram direito ao abono. SOMENTE aqueles ligados a alguma associação vinculada à FAABB. Acredito que seja essa a confusão de alguns. Quem era aposentado à época e NÃO recebeu, certamente não era associado a alguma entidade, smj. Convém verificar.
REITERO: não bastava estar aposentado. Era condição obrigatória ser associado de alguma entidade ligada à FAABB.

Anônimo disse...

Prof.Ari,
O que me deixa intrigado é que não há nenhum aviso de crédito, de lançamento, etc. Nos demonstrativos da PREVI para o IR, o único rendimento fora do tradicional é o 13 sal. mais nada. E eu tenho todos os demonstrativos, desde 1996 até hoje.

Anônimo disse...

Ari

Mas vc não disse que a PREVI estava blefando?

Ari Zanella disse...

Pois foi, sem informações detalhadas, sem a passagem do adiantamento pela Fopag, o que poderíamos dizer? O próprio perito disse que o abono deveria ser estendido aos aposentados...
Neste caso a PREVI tinha razão.
Não tem sentido, porém, pagar 500 mil de bônus a dirigentes em épocas de crise.
Não tem razão, no entanto, em perder tanto dinheiro nosso em aplicações como a Sete Brasil e na Petrobras.
Mais sobre a PREVI leia na postagem
"RECEBIDO DA FAABB"

Anônimo disse...

Professor

Confirmado! Na minha conta o dinheiro entrou, em 2 parcelas, no ano de 1997.
Sonho que se acaba!!!

Henrique Soares disse...

Anônimo das 21.45h, vamos lutar agora pelo ES, é isso mesmo? - Não acredito. Abono de R$ 3.000,00 não acredito. Revisões? Não acredito. Minha margem que caiu pra menos da metade do que era? É verdade.