BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

domingo, 30 de novembro de 2014

ÉS GRANDE SANTA CATARINA!!!

     Menor estado da região sul do Brasil, Santa Catarina se fosse um país, seria um dos mais desenvolvidos do mundo. Com cinco portos e indústrias de ponta, a mais recente a automobilística BMW, uma bacia pecuária no oeste do estado (suínos e aves), tudo em harmonia com o desenvolvimento sustentável.
     O mais recente feito deste pequeno gigante foi colocar quatro times na elite do futebol brasileiro: Joinville E.C. campeão da série "B", Avaí (4º colocado da "B"), Figueirense e Chapecoense que permanecem na "A". Quatro clubes são o dobro do que possuem nossos queridos vizinhos do sul individualmente. Rio Grande do Sul tem dois e o Paraná idem.
     Apesar do vertiginoso crescimento do futebol de SC, o governo federal pouco ou quase nada ajuda na construção de estádios. Nada que se compare ao que Dilma colocou nas construções das arenas Pantanal e Arena da Amazônia, duas regiões que sequer clubes têm na disputa do brasileirão! Mamma Mia!!!
O novo estádio Itaqueirão, doado ao Corínthians por influência de Lula, igualmente recebeu vultosas somas injetadas pelo governo federal. RS e PR também foram socorridos com bilhões, SC ficou vendo a banda passar! É melhor ajudar Cuba com portos que já estão "negociando" com os russos, não é?
O nordeste também recebe generosas verbas do governo do PT: Arena das Dunas, Arena Castelão. O PT leva o nosso dinheiro (impostos) e Santa Catarina não vê retorno algum. Fica o registro.
     Apesar de políticos na contramão, SC cresce e hoje está radiante pelas conquistas de 2014.
Parabéns Joinville Esporte Clube!
Parabéns Avaí Futebol Clube!
Parabéns Figueirense Futebol Clube!
Parabéns Associação Chapecoense de Futebol!

TORCIDA DO JOINVILLE RECEPCIONANDO OS CAMPEÕES DA "B"




sexta-feira, 28 de novembro de 2014

UM ADJETIVO PARA DILMA

     Há inúmeros adjetivos que se coadunam com a presidente de pouco mais da metade dos brasileiros, de arrogante a petulante, mas o de melhor encaixe é dissimulada
(dissimular: Encobrir ou disfarçar propositadamente situação ou condição, erro, falha, defeito etc.)
Na escolha da equipe econômica foi de encontro aos interesses de seu partido, e dela própria, nomeando para a fazenda um da linha adversária. Dizem que somente para pôr a casa em ordem, depois volta a teimosia e a gastança.
O Levy poderia pedir à presidente, para começar o corte de gastos, que ela reduza o número de ministérios para 20. Será que iria atendê-lo?
De resto, a satisfação da amizade pessoal do Joaquim com o Medeiros (trabalharam juntos no Conselho Fiscal da Vale). Espero que meu padrinho consiga transformar em bônus para os associados da PREVI esta sua velha amizade.
     Em nosso fundo, o desmotivado Dan Conrado aposentou-se no regime dos sem-tetos. O Fundo Previdenciário (superávit) garantiu-lhe desde 2007, suas pesadas contribuições à formação de sua reserva matemática. Ele precisou tirar do próprio bolso para contribuir apenas de janeiro/14 até hoje. Lá em cima, como Míriam Belchior "perdeu" o ministério do Planejamento para Nelson Barbosa, deverá ser "acomodada" na presidência da Caixa Econômica Federal. Para o BB já está mapeado outro "queridinho" da presidente.
     E os escândalos continuam aflorando, agora foi a vez dos ministérios da Agricultura e da Reforma Agrária, apenas mais um bilhaozinho, é mole? Tem advogado de empreiteira querendo tirar o Juiz Sérgio Moro para transferir todos os processos para Brasília, onde há mais "respeito" aos réus. Os crimes praticados por políticos deveriam ir a JÚRI POPULAR, não ao manipulado STF. 
O Juiz do STJ, Newton Trisotto, afirmou que "poucos momentos na história brasileira exigiram tanta coragem de um juiz; coragem para punir os políticos e os economicamente fortes,..." O STJ está julgando mais de dez pedidos de "habeas corpus" impetrados por advogados dos malfeitores. Imaginem a pressão que estes juízes sofrem dos poderes "ocultos". Mamma Mia!!! 

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

EMBRAER HIGH TECH

    Na EMBRAER - Empresa Brasileira de Aeronática - o nosso fundo de pensão entrou com sabedoria, num dos investimentos mais seguros em que poderia entrar. É pena que o percentual de investimento nesta fabulosa companhia não seja tão elevado, certamente estaríamos muito mais tranquilos se o montante aplicado na Petrobras estivesse na EMBRAER. Não pela Petrobras em si, senão pelo mau uso que dela fizeram certos partidos políticos que hoje comandam a nação.
     A Azul Linhas Aéreas é o principal comprador doméstico da EMBRAER. Aviões com corredores de poltronas duplas, uma vantagem em relação aos de poltronas triplas, com TV a cabo a bordo, conforto e tranquilidade durante os voos, muito se assemelham aos famosos jatos executivos.
     Sempre surge nos noticiários de economia, fechamento de contratos de clientes de várias partes do mundo. Agora é a Skywest dos Estados Unidos que está confirmando a compra de mais sete jatos E175, de um pré-contrato de 100 aeronaves, das quais 40 já compradas, perfazendo com os sete de hoje o total de 47. Este contrato neste último quadrimestre deste ano tem suas entregas previstas para 2015, num valor de 301 milhões de dólares.


     Se a nossa PREVI tivesse mais dez EMBRAER em seu portfólio, seus associados e pensionistas estariam muito mais sorridentes, desde que resoluções fajutas e tendenciosas fabricadas pelo PT não lhes tirassem as justas correções das aposentadorias advindas de um bom investimento.

DELENDA CARTHAGO - O PATROCINADOR, NUM FUNDO DE PENSÃO, SÓ TEM OBRIGAÇÕES A CUMPRIR, JAMAIS PODE SER BENEFICIÁRIO! A RESOLUÇÃO CGPC 26 PRECISA SER EXTIRPADA!

SETE BRASIL

     A Sete Brasil foi fundada em 2011 com o objetivo de viabilizar a construção de sondas que seriam utilizadas no Pré-Sal, ou seja, em águas profundas do oceano Atlântico. Teve sete investidores iniciais, daí o nome Sete Brasil, a saber: Os fundos de pensão PETROS, PREVI, FUNCEF E VALIA; mais os bancos Santander, Bradesco e BTG Pactual. Mais adiante entraram como cotistas as empresas de investimento EIG Global Energy Partners, a Lakeshore, a Luce Venture Capital e o fundo FI-FGTS.
     Agora surge a notícia, nas revelações da operação Lava Jato, que a empresa pagou o montante de 6,5 bilhões de dólares (cerca de 16,2 bilhões de reais) a cinco estaleiros nacionais, por sondas que sequer haviam sido construídas! Mamma Mia!!! E por intermédio de um dos bancos acionistas, a empresa chegou a negociar com a OSX.
     E a nossa PREVI está lá, é acionista da Sete Brasil. E agora? Será que vamos ter prejuízo à vista? Seria de bom alvitre a área de investimentos do nosso fundo, ou a área de participações, colocarem uma nota no site da PREVI. Afinal, é preciso transparência na gestão. Uma explicação de que esta não foi uma aplicação com interferência política, mas sim, exclusivamente baseada em pareceres técnicos de boa governança corporativa.
     Só nos resta esperar que os estaleiros fabriquem as tais sondas de perfuração, afinal, pagamos adiantado.




terça-feira, 25 de novembro de 2014

VOZ DA NOSSA PENSIONISTA

de: Rosalina de Souza

para: diseg@previ.com.br

data: 23 de novembro de 2014 11:30

assunto: Empréstimo Simples 2015, 77 anos

enviado por: gmail.com



Prezado Diretor Marcel J.Barros,



Tem muito se falado nas redes sociais, sobre uma nova configuração para o Empréstimo Simples, que teria como base o fim do formula 170, dando então nova composição sobre a expectativa de vida, hoje em 87 anos.

Para todos que estão com até 77 anos de idade seria beneficiado, em poder renovar seu ES em até 120 meses, com limite fixo de 145.000,00.

Tenho que parabenizar sua equipe e o diretor, pois se for mesmo verdade, estaria corrigindo um erro grave, que foi a exclusão dos mais idosos, hoje com 69 anos de idade, eu seria uma das beneficiadas desta nova composição, pois voltaria a ter o prazo máximo das prestações dos mais jovens.

Mas uma iniciativa sua, que também lhe dou os parabéns se for mesmo verdade é a retirada das demais consignações da folha de pagamento da previ, mas se for de iniciativa dos mutuários, já lhe adianto que não prospera, pois nenhuma das cooperativas, fhe-poupex ou financeira alfa, aceitaria parar de descontar diretamente no contra cheque.

Sabemos que aceitamos assinar um contrato para descontos direitos, mas nossa situação beira a penúria, por completo e os demais eleitos o culpam por não ceder em propostas que nos beneficiam diretamente.

A previ na ultima revisão FLEXIBILIZAÇÃO só fez receber a vista as parcelas suspensas, quem aderiu pagou a vista todas as parcelas suspensas de uma só vez, engordando os lucros da Previ, nesta modalidade de investimento.

Não espero muita coisa do senhor, que tem se mostrado um aliado do Patrocinador, mais um membro a favor das decisões do banco e contra os seus eleitores, mesmo eu não o considerando legitimo ganhador com margem apertada de apenas 660 votos, fez valer a vontade da maioria, e suas decisões mancham sua historia que poderia ser brilhante, com um gesto que aliviasse boa parcela do nosso PB-1 de pessoas sobre-endividadas.

Para quem ganha muito como o senhor, não sabe o tamanho do sofrimento porque famílias inteiras passam, mesmo o senhor tendo uma opinião formada a nosso respeito e sabedor de suas obrigações, continua fazendo uma politica suja e nefasta contra os que o elegeram.

Seu gesto de boa vontade, poderia ser mostrado, já em 2014, fazendo com que muitas famílias tivesse ALIMENTO NA MESA, pois a merreca que estamos ganhando, não é digna de uma ceia, dos tempos do passado.

Sei também que o Ilustre Diretor não gosta que usamos deste canal, para fazer reclamações, prefere que usemos o "fale conosco", com respostas robotizadas, neste aspecto seu colega Sasseron era muito mais gentil, dando respostas oficiais, mesmo que contra nossas pretensões mas fazia com cordialidade.

Espero que algo mude na sua visão e nos seus pensamentos, elogio sua boa vontade, e se a Previ romper os contratos com terceiros, ficando apenas as consignações do ES,terá o meu respeito, porque para mim esse é o maior problema, mesmo que todos os contratantes tenha que resolver na justiça com processos judiciais, que é um direito dos emprestadores, mas mesmo assim louvarei sua iniciativa, honesta e verdadeira, porque estará cumprindo tão somente a lei, e resguardando os direitos da Previ.

Mas esta questão é muito complexa e divide as opiniões, de um lado os que estão ainda equilibrados e do outro lado da balança aqueles que já chegaram no fundo do poço.

Nunca me esqueço das suas palavras, quando disse a você numa das minhas cartas enviadas a diseg por e-mail que só um milagre na vida financeira poderia nos tirar da atual situação, e você me respondeu que não era o ES-PREVI que traria a solução.

Hoje passado um tempo, continuo na esperança de um milagre, com 69 anos de idade, cansada de tanto lutar, quero que Deus me dê vida e saúde para pagar tudo que devo, mas sinto que minhas forças tem diminuído, com tanto sofrimento, por ter que contar cada trocado para sobreviver, tive recentemente que me mudar, para um lugar mais distante para pagar um aluguel mais barato, sinto que a vida esta tão difícil, que só Deus pode nos aliviar, se bater em seu coração a misericórdia e a boa-fé ajudar a todos nós, seus colegas.

Faço votos que reflita, pense um pouco e tome uma decisão definitiva, para agradar a todos, aumente o limite do ES para 160 mil e estenda o prazo para pelo menos 136 meses.

Assim estaria dando condições de ajudar a todos, sem distinção, voltando a próxima renovação aos 120 meses, com carência de 12 meses.

Assim entregaria seu cargo, sem ter que ouvir falar em ES, pois a próxima renovação só seria possível daqui a 24 meses.

Ainda dá tempo para tomar esta decisão e por fim a esta situação por completo.

Sei das suas firmes posições em dar a esse empréstimo 10 anos, 120 parcelas, mas não custa ouvir a voz dos associados pelo menos uma vez.

Quem sabe o Papai Noel Marcel, pode nos proporcionar um natal mais encantador, em um ano de corte antecipado do Bet e problemas na bolsa que fatalmente dará deficit por problemas estruturais da nossa economia.

Atenciosamente,


Rosalina de Souza
Pensionista

Matricula 18.161.320-4

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

ACASO SE ATINGE O TRONO?

     Com as delações alvejando donos de empreiteiras, uma ponta do esquema de desvio s bilionários na Petrobras, chega-se à outra ponta onde se constata que o dinheiro desviado foi para o caixa de campanhas políticas. Renato Duque era o homem do PT na Petrobras. Alberto Youssef operava sob a égide do PP. Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, era o operador do PMDB. E o famoso João Vaccari Neto, o tesoureiro do PT. Diz-se que a "Operação Lava Jato" fará uma devassa nos cofres desses partidos. (IstoÉ 26.11.14)
     O deputado Antonio Imbassahy afirma, também entrevistado pela IstoÉ, que "tudo ocorreu sob as barbas da presidente Dilma, que fora ex-presidente do Conselho da estatal". Não posso concordar com o termo "sob as barbas", concordaria se fosse do Lula.
     Na Ação Penal 470, o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares foi condenado à prisão por valores infinitamente inferiores àqueles desviados neste segundo ataque aos cofres da estatal. Caso o STF tenha o mesmo entendimento do primeiro mensalão, e caso as investigações apontarem para culpa dos tesoureiros (operadores) do esquema nos partidos envolvidos, certamente terão o mesmo destino de Delúbio Soares.
     Porém o que mais intriga é que tudo morre no segundo escalão. No primeiro mensalão bastou Lula dizer que "não sabia de nada" para ficar livre de investigação. No caso em voga atualmente, bastaria, por analogia, a presidente Dilma dizer a mesma coisa que o ex-presidente Lula, para se ver livre de qualquer investigação.
Exceto se algum delator que apontasse diretamente o rei (ou a rainha), coisa muito difícil de acontecer pelo número exagerado de súditos que os protegem. Quero dizer que outros pagarão o pato, à semelhança de José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoíno.
     Antes o STF terá que "agendar" um julgamento que envolverá muitos mais deputados, senadores e ministros que o primeiro julgamento, Ação Penal 470. E agora não temos mais Joaquim Barbosa.

RECEBIDO DE ANÔNIMO: "ESPERO QUE O JULGAMENTO DESSE PESSOAL SEJA A JATO, A CONDENAÇÃO MAIS A JATO AINDA, MAS QUE O CUMPRIMENTO DA PENA SEJA BEM LENTO."

sábado, 22 de novembro de 2014

RESPOSTA À ALTURA DE MESTRES

     Simplesmente monumental a resposta dada pela diretora Cecília ao serviente petista Marcel J. Barros e a seus correligionários da chapa 6 e aos sindicalistas da Contraf-Cut: a começar pelo título "Seriedade e Mais Respeito Com os ASSOCIADOS". Peço que todos leiam em:



     Com efeito, não é a PREVI que necessita de respeito, somos nós, seus verdadeiros donos. Nenhum integrante da Chapa 3 - PREVI LIVRE, FORTE E DE TODOS é membro atuante de qualquer partido político. No entanto, o único "eleito" por nós na atual configuração de governança, pela chapa eleita em 2012, na prática é mais um integrante dos três indicados pelo patrocinador. Lula, no segundo mandato, fez um grande acordo com os sindicalistas e sindicatos, a principal a Contraf-Cut, que recebem quantias nababescas dos cofres públicos. Retiram uma parte do malfadado "imposto sindical", cobrado anualmente no mês de março, o equivalente a um dia do suado trabalho de cada trabalhador brasileiro. Lula autorizou a Resolução 26 que retirou dinheiro dos aposentados e pensionistas para dar aos patrocinadores. A maioria das indicações nas estatais e seus fundos de pensão são indicações políticas, de apadrinhamento. E ainda assim, enchem o peito tal pombos na praça para pedir mais respeito a eles que comandam os fundos de pensão. Total inversão de valores!

     Mil congratulações à diretora Cecília que está honrando com seus compromissos com os seus eleitores e associados. O oposto das promessas que fez a chapa 6 em 2012: elencou 11 promessas e não cumpriu nenhuma! É este o retrato do "nosso" diretor de Seguridade que defende a PREVI, menos os associados!
     Em 2016, vamos enxotar em definitivo os pombos remanescentes no Mourisco.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

NOVO ATUARIAL NOS FUNDOS DE PENSÃO

     Já não está mais valendo o parâmetro estabelecido em 2012 que previa uma redução gradual dos juros do atuarial nos fundos de pensão até 2018. O CNPC - Conselho Nacional de Previdência Complementar estabeleceu nesta data novos parâmetros que, na prática, estabelece uma espécie de "individualização" ou seja, cada fundo vai ter o seu. O índice pode variar para cima em até 0,4 e para baixo, até 70% do índice estabelecido. Exemplificando: Se o índice atuarial for estabelecido em 6%, poderia variar de 4,2% (mínimo) a 6,4% (máximo).

www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2014/11/19/internas_economia,458270/governo-muda-norma-que-define-rentabilidade-de-fundos-de-pensao.shtml#.VGzV7JFNoGQ.facebook

     Os parâmetros anteriores decrescentes foram estabelecidos em função de uma taxa de juros do Banco Central (COPOM) também decrescentes; hoje há uma tendência inversa, por isso a mudança. Para a PREVI vai ter reflexos no aumento dos juros no ES, já que há indexação com a taxa atuarial.
     Sobre o ES estão para ser anunciadas novas regras para valer em 2015. A suspensão da cobrança das parcelas creio já está descartada.
Porém me agrada a nova configuração de prazo e limite, muito embora não seja a inatingível 180X180, é bem melhor que a fórmula 170, em vigor. Baseada agora numa expectativa de vida maior (87 anos), a nova fórmula mantém os 120 meses de prazo para aqueles que possuem até 77 anos. Neste ponto houve avanço, o que é sempre bem-vindo.
     Amanhã é feriado em algumas praças. Comemora-se o dia da Consciência Negra. Os negros ainda não estão em pé de igualdade com os brancos, e onde eles mais se sobressaem, no futebol, não raro, assistimos a espetáculos degradantes, como no caso do goleiro Aranha do Santos, ocorrido em Porto Alegre, neste ano. Alegra-nos ver um juiz do STF, Joaquim Barbosa e o atual presidente da PREVIC , Carlos de Paula. Os merecidos PARABÉNS deste modesto blog a todos os negros e negras deste nosso querido Brasil!
CARLOS DE PAULA, PRESIDENTE DA PREVIC (À DIREITA), LADEADO PELO DR. MEDEIROS.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

DEMAIS PETISTAS SE MANIFESTAM

     Acaba de sair mais uma nota contra o nosso Manifesto, agora vindo dos eleitos de 2012-2016. Assim como os dirigentes da PREVI, não entenderam o espírito do Manifesto. Houve saques em fundos de pensão de estatais, caso da PETROS, conforme a delação premiada, provenientes da base aliada (PT, PMDB, PP, PR), e no Mensalão temos o caso Pizzolato numa subsidiária do patrocinador. A PREVI hoje, ainda está salva dos ataques políticos, contudo, com um possivel agravamento da crise já em 2015, todo o alerta e cuidado ainda é pouco. É este o espírito do Manifesto na Abrapp.
     Mesmo assim, temos alguns investimentos "indicados" na PREVI. Exemplo claro da Magazine Luiza, da Sr.a Luiza Trajano, amiga da presidente Dilma Rousseff, que inclusive esteve na cogitação de ser uma das ministras de Dilma. Outro investimento no PREVI Futuro, com prejuízo contabilizado, foram as empresas do amigo de Dilma e Lula, sr. Eike Batista, aquele dos grupos XX. As ações da Petrobras derrubaram tanto a Bovespa quanto nós da PREVI, e não tivemos um bendito planejamento para sair enquanto fosse tempo. Ou melhor, talvez não saíram por questões políticas na estatal. Adianta, sr. Marcel, dizer aos comandantes que temos excesso aplicado em renda variável? A diretora Cecília tem cansado de alertar sobre isso. Inobstante, sr. Marcel, que encabeça a lista desta nova manifestação, embora diz que é contra a Resolução 26, não move uma palha para combatê-la. É compreensível porque Vossa Excelência chegou onde está agora, graças ao sindicalismo, obtendo por isso, vantagens como graduação no AP do BB. Hoje o senhor aufere cargos em participadas, é representante no exterior, tudo graças ao PT, a quem defende com unhas e dentes, por isso está perfeitamente explicada a sua "revolta" quando alguém está a favor dos associados da PREVI. Além disso, é extremamente "zeloso" com o ES que está afeto à sua área de atuação dentro do nosso fundo. Vale lembrar que é dinheiro nosso e que pagamos juros e correção para utilizá-lo. Por que não tem o mesmo zelo com a renda variável onde corremos sérios riscos? Afinal, a governança é colegiada...
     Nesta infeliz manifestação dos petistas do baixo clero, há uma clara intenção de autoelogio de pagar 9 bilhões/ano em aposentadorias. Com um ativo de 170 bilhões, mal investidos digamos assim, rende no mínimo 10% a.a (só a inflação está em 6,7%), isto representa em valores 17 bilhões, quase o dobro do pagamento de aposentadorias. Dizem que há superávit atualmente, mas precisamos voltar a contribuir e termos benefícios cortados.
     Quando queremos uma PREVI LIVRE, FORTE E DE TODOS é sem ingerência política, sindicalista, classista. É tão difícil assim de entender? Podemos pensar em desenhar...

DELENDA CARTHAGO - QUANDO UM PROPINODUTO É FECHADO, LOGO OS VERMELHOS VÃO EM BUSCA DE OUTRO, E A NOSSA PREVI PODE SER A BOLA DA VEZ. NÃO HÁ COBIÇA MAIOR DO QUE 170 BILHÕES.

domingo, 16 de novembro de 2014

A CHAPA TRÊS É QUENTE

     O incômodo da PREVI no que concerne ao Manifesto na Abrapp é totalmente descabido porque visa a proteger o nosso fundo de pensão, jamais depreciá-lo. Aproveitou-se de um momento propício onde estavam presentes os representantes dos demais fundos de pensão, para elaborar um manifesto que reafirma, acima de tudo e antes de mais nada, a soberania de um fundo de pensão. Apenas para citar um exemplo claro, por qual motivo até hoje, não foi fixado um TETO de benefícios inclusive já determinado pela PREVIC? Não perceberam que é claramente uma determinação política para procrastinação do desfecho? O patrocinador, através de sua ingerência política, muda o nosso Estatuto na hora que bem lhe apraz, e nós, os verdadeiros donos do fundo, não conseguimos sequer mudar uma só vírgula, pois estamos aprisionados na masmorra do voto de Minerva. Porventura, a triste (para nós) Resolução CGPC 26 não é uma instituição política nos fundos? A infeliz resposta da PREVI, através de sua direção, é uma manifestação clara do desejo que o "status quo" permaneça. Será que o nosso fundo deseja que as ações da Petrobras continuem nos puxando para baixo? A nota diz que os diretores eleitos co-administram o nosso fundo, o que é verdadeiro, as decisões são, de fato, colegiadas, porém, pode-se comparar, pelo nível de importância estratégica, as diretorias de Participações e Investimentos nas mãos do patrocinador com a dos diretores eleitos? Obviamente, na constituição da estrutura organizacional, foi premeditado pelo patrocinador: as mais importantes diretorias para nós patrocinador, inclusa a presidência; as coadjuvantes para os eleitos.
     Neste Manifesto só tenho elogios à atuação dos eleitos. Cecília, Décio, Carvalho, William e Medeiros: Estou plenamente realizado por este gesto que representa um enorme salto rumo à redemocratização de nossos fundos de pensão. Esta manifestação já é um enorme divisor de águas, posto que tem a adesão dos principais fundos de pensão do Brasil. Muitos deles prejudicados que já foram nos mensalões e petrolões da vida recente de nosso país. Reconhecemos o nível de Governança na PREVI, mas como muito bem diz a Cecília, o passado não nos serve de blindagem contra possíveis ataques futuros.
     Parabéns Chapa 3. Mostrou a que veio. Muito me orgulho em dela fazer uma pequenina parte. Hoje vimos manifestações favoráveis, inclusive de nossos ex-adversários. Como diz o Carvalho: a Chapa 3 é quente, e vai esquentar ainda mais.
O Manifesto está publicado no blog de Cecília Garcez: www.ceciliagarcez.blogspot.com.br

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

BASTIDORES SOBRE O ES

     Ontem ao conversar com o Décio ele me confirmava que votaria, junto com a Cecília, pela suspensão do débito das prestações neste mês de novembro e em dezembro.
     Hoje conversei com o Marcel que me disse ser inteiramente contrário à suspensão dos débitos. Por outro lado, confirmou que em janeiro teremos mudanças no ES. O limite permanecerá em 145 mil e o prazo, para quem tiver até 77 anos, continuará sendo de 120 meses. Acima desta idade, cairá o prazo, posto que a nova expectativa de vida é de 87 anos, assim sendo, norteará o prazo dos mais idosos.
     Marcel ainda me adiantou que os estudos indicaram que, devido à Ação 30% que alguns estão movendo contra a PREVI, será solicitado que retiremos do contracheque, os débitos de terceiros (Cooperforte, Poupex, AlfaCash,etc.) pois desta forma a PREVI ficará resguardada da Ação dos 30%, e que este procedimento faria com que tivéssemos mais margem na PREVI(?). Fiquei sem entender, devido que estes débitos na folha não implicam na margem consignável da PREVI.
     De todo o modo, estas são as possíveis novidades para janeiro ou fevereiro. Ficou em mim a impressão pessoal e intransferível (posso estar enganado) que certas tentativas de alteração partindo do Décio e da Cecília, não são muito palatáveis ao Marcel, especificamente neste quesito da suspensão das cobranças nestes dois últimos meses do ano. Segundo o próprio Marcel, a votação deverá acontecer por estes dias, sendo que o voto contrário do Marcel, provavelmente será seguido pelos indicados do Banco. Tudo pode ainda sofrer alteração com a indicação do novo ministro da Fazenda que certamente trará reflexos sobre o BB e a PREVI.
     Aguardemos as possíveis alterações no ES, que uma vez votadas, serão amplamente divulgadas no site da PREVI.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PRIMEIRO DIA: SÃO LULA

     A palestra inaugural foi proferida pelo professor Gustavo Cerbasi, 40 anos, educador financeiro, autor dos livros Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, Adeus Aposentadoria, e Investimentos Inteligentes. Não chegou a me empolgar porque quase tudo o que disse eu já sabia. Deu muitos exemplos de aplicação no ramo imobiliário e que não podemos depender somente de uma renda previdenciária.
No segundo painel a decepção. Milena Macedo do Funcef discorreu sobre Educação Multifuncional nos Fundos de Pensão. Citou o autor Ricardo Pena Pinheiro como grande mestre de fundos de pensão, e eu pensei cá com meus botões que foi ele um dos engenheiros da Resolução 26, ainda enquanto esteve na extinta SPC. Somente isto, para mim, já o desclassifica. Dona Milena nada diz sobre sobre os saques realizados de modo fraudulento, inclusive no fundo do qual ela participa. Depois, ouvimos Evandro Lins de Oliveira, especialista em atuário, mas que versou sobre comunicação nos fundos de pensão. Algo importante que anotei dele foi que é necessário um milhão de reais para gerar uma renda de 5 mil reais a partir dos 55 anos de idade.  Outra fraca palestrante foi Patrícia Monteiro, da Previc, desta entidade não vem nada de bom para nós.
     O dia foi salvo pela parte vespertina. Falou o presidente da BBDTVM, Carlos Takahashi, em seguida Eduardo Barros pela Volkswagen. Mas o melhor foi Paulo Rabello de Castro, doutor em economia pela Universidade de Chicago. Quando ele começou a falar o doutor Medeiros a meu lado me cutucou: "presta atenção que este é bom!" Com efeito, em sua palestra sobre a Formação do Capital e o Papel dos Fundos de pensão, abordou mais sobre nossa atual economia sem deixar de inserir os fundos de pensão. Algumas tiradas do Paulo: "Estamos sempre felizes com o pouco que nos dão" (referia-se ao baixo crescimento do PIB); "São Lula fala diretamente com Deus"; "Mantega: Ministro Pinóchio"; "A política econômica é um fracasso"; "Juro alto é estricnina que acaba de matar o cliente. O ajuste fiscal é que é necessário e imprescindível"; "Brasil, só os tributos consomem 43% do PIB acrescentado".
     Por último, Delfim Neto, 82 anos, um tanto debilitado por recente problema cardíaco. Ratificou e concordou com tudo o que foi dito e arrematou com a frase: "a carga tributária não cabe no PIB brasileiro." Nós não estamos numa situação crítica, estamos numa posição desconfortável que pode e deve ser resolvida pelo ajuste fiscal. O Brasil precisa, no mínimo, voltar a crescer 3% a.a. e distribuir as riquezas nacionais aos brasileiros. Delfim e Paulo criticaram bastante tanto Lula como Dilma pela condução da política econômica. A última pergunta ao dr. Delfim foi quem seria o próximo ministro da Fazenda. "A pessoa física não sei o nome, só sei a pessoa jurídica."

terça-feira, 11 de novembro de 2014

MEU PRIMEIRO CONGRESSO DA ABRAPP

     Meu velho guru Medeiros já participou de uma dezena deles, mas eu, pela vez primeira, estarei decolando, via Gol, hoje às 18:15, da Manchester Catarinense para o movimentadíssimo aeroporto de Congonhas. Na capital paulista já está o nobre Dr. Medeiros, acompanhado se sua inseparável Ana, mulher de extraordinárias qualidades humanas que conta com a minha completa admiração. Além das excelentes palestras do Congresso, aprendo sempre uma penca no interlocutório com o nobre gaúcho de Uruguaiana.


     Nestes três dias espero ampliar muito meus conhecimentos sobre fundos de pensão e contribuir, de alguma forma mesmo que indiretamente, para a boa governança de nossa PREVI. Esta é a minha meta maior, garantir a perenidade e a divisão dos frutos do fundo com os associados, aposentados e pensionistas.
     Um forte abraço a todos(as) e esperamos tirar o melhor proveito do congresso.

domingo, 9 de novembro de 2014

SEM PERSPECTIVAS

     Nas postagens anteriores, de muitas visitas, eu tentava expor um certo otimismo sobre as coisas da PREVI, mesmo que já antevesse nenhum resultado favorável aos associados.
     O resultado da eleição no segundo turno deixou claro que não teremos mais mudanças no Brasil. Ficou claro que o país está quase totalmente aparelhado por esta organização internacional chamada de partido político. Imprensa dominada pelo poder dos anúncios e das concessões; legislativo já domado pela aderência deste partido abominável chamado PMDB que apenas almeja cargos e poderes; judiciário nas instâncias superiores todos indicados pelo governo partidário; delegado da Polícia Federal, pela CF indicado pelo presidente da república, porventura vai investigar a própria presidência? Jamais. Em nossa esfera, do patrocinador, vão trocar seis por meia dúzia, não se sabe qual dos dois é o pior. Na PREVI vai continuar tudo igual, a Resolução 26 vai continuar sendo obedecida. Não creio que a presidenta, no agendado encontro com o Medeiros, vá tomar qualquer ação a nosso favor. Desde 2008 estão nos ferrando e não será agora que irão mudar.
     Para virarmos uma república bolivariana basta que o PT tenha o domínio das Forças Armadas. Neste ponto, já tem muitos militares aderindo à ditadura petista, proposta no Foro de São Paulo. Basta verificar no youtube o discurso de Nicolas Maduro na Venezuela, entoando loas à vitória de Dilma, sob a assistência de militares brasileiros. Nossas fronteiras estão desguarnecidas, com a entrada de drogas dos vizinhos latino-americanos sem nenhuma fiscalização. Nesta semana foram localizadas duas casamatas com mais de 400 kg de cocaína a 400 metros da cabeceira de uma das pistas do Galeão, no Rio de Janeiro.
     O desânimo toma conta de muitos. Não vamos muito longe. O panorama está muito bem delineado. A organização internacional PT não perde mais eleição no Brasil. Não enquanto eles estiveram no Planalto. Eles não têm nenhum escrúpulo. A presidenta ficou o tempo todo coordenando sua campanha. Ficou os últimos trinta dias sem despachar no Planalto.
O fim está próximo...
OS CINCO MAIS DO BOLIVARIANISMO: HUGO CHAVEZ, FIDEL CASTRO, EVO MORALES, LULA E ...DILMA ROUSSEFF.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

ASSINAMOS EMBAIXO

     Com nosso apoio irrestrito, e considerando que os assuntos aqui publicados são religiosamente lidos na PREVI, republicamos neste espaço cibernético a petição feita pela nossa querida AAPBB - Associação de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil, com sede no Rio de Janeiro, capitaneada pelos competentes José Adrião de Souza e Carlos A. Neves Bezerra, que solicita uma justa e inadiável recomposição de nossos proventos em janeiro/2015. O nosso Conselheiro Deliberativo Antonio José Carvalho da chapa 3, já propôs o tema numa reunião do ano corrente, sem contudo, lograr êxito. É a pressão de todos que fará com que os representantes do BB ali encastelados se movam em direção do atendimento. Há que haver um aumento forte na pressão, pois na CNTP (Condições Normais de Temperatura e Pressão) nada acontece de bom para aposentados e pensionistas.





                                                                                                            Rio de Janeiro(RJ),  03 novembro de 2014

À

Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil – PREVI

Sr.  Presidente,

REAJUSTE  DOS BENEFÍCIOS – JANEIRO 2015 – Apoiamos a iniciativa de nossos associados, que em sintonia com os associados de entidades co-irmãs, postulam dessa Caixa o reajuste de seus benefícios, em janeiro próximo, pela variação do INPC/IBGE, acrescido de  10% para  reposição do valor real de seus benefícios.
Ponderamos,  inicialmente,  que o regulamento do plano 01, de 24.12.97, vinculado ao acordo da mesma data, firmado entre o Banco do Brasil e a PREVI, adotou o IGP-DI como indexador do reajuste dos benefícios, por ser considerado pelos contratantes o mais confiável dos índices para a faixa de renda de seus aposentados e pensionistas.
Ponderamos, ainda, que o acima citado acordo transferiu para a PREVI a obrigação de  pagar os benefícios dos integrantes do grupo pré/67, de responsabilidade do Banco,  no valor atuarial próximo de R$ 10, 9 bilhões,  com o abatimento inicial de  aproximadamente R$ 5,075 bilhões, os quais foram expropriados do patrimônio do Plano de Benefícios 01, além da concessão ao patrocinador de dois terços dos futuros superávits do referido Plano, a título de amortização antecipada da dívida transferida para a PREVI.
Afigura-se inquestionável que aquele acordo foi pactuado em condições generosas para o patrocinador, posto que viabilizado pela expropriação do patrimônio do Plano de Benefícios administrado pela PREVI.  Sim.  Pois,  permitiu que o patrocinador solvesse compromissos que não  poderia honrar com recursos próprios.
 No mesmo passo, impactou negativamente a rentabilidade futura  do Plano 01,  a tal ponto que em  2003 a PREVI impôs a substituição do IGP-DI pelo INPC/IBGE, sob o pretexto de evitar um déficit estrutural do Plano 01.  Assim decidiu apesar de  saber ser o INPC/IBGE um índice  criado com o objetivo de reajustar rendimentos situados entre 1 e 5 salários mínimos, abrangendo as regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Vitória, Goiânia, Campo Grande e Distrito Federal. Ou seja, um índice insuficiente para repor o valor real dos benefícios pagos pela PREVI.
 A substituição do IGP-DI pelo INPC, de 2004 até 2014, acarretou uma defasagem no valor dos benefícios em manutenção, cuja consequência mais grave constitui a deliberada inobservância do § 4º  do art.201 da Constituição Federal, que “assegura o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios definidos em Lei”.
Assim ocorreu porque os valores resultantes dos sucessivos superávits apurados entre 2003 e 2013, contabilizados como  Reserva Especial, deixaram de ser aplicados, como deveriam, exclusivamente no pagamento de  benefícios, conforme determina o art. 19, da LC 109/2001. Deixou-se de  utilizar a revisão obrigatória do plano de benefícios (art. 20, § 2º da LC 109/01), para corrigir -, contemplando a todos -, a defasagem do valor real dos benefícios, causada pela aplicação do INPC nesse mesmo período.
Preferiu-se a utilização daqueles excedentes em benefícios temporários discriminatórios e excludentes, e para contemplar o patrocinador com as benesses ilegais da Resolução CGPC 26, transformando-o  no maior beneficiário do Plano de Benefícios 01, em uma verdadeira inversão até mesmo de valores morais.
Em suma, os reajustes concedidos no período 2004/2013, revelam como a substituição do IGP-DI pelo INPC reduziu o valor real dos benefícios.  O acumulado pelo INPC foi de 69,14%, enquanto seria de 82,23%  se a diretoria da PREVI houvesse mantido o IGP-DI pactuado no acordo de 24.12.97.  Nesse período, segundo os dados extraídos dos relatórios anuais, a rentabilidade do plano de Benefícios 01 foi de 300,53%, portanto superior a meta atuarial (INPC + 5%) de 167,72%.
Registre-se, enfim, mas não finalmente, que os aposentados e pensionistas do Plano de Benefícios 01, não postulam novo benefício, nem o aumento do valor real de seus benefícios. Postulam apenas, com amparo no § 4º, do artigo 201, da vigente Carta Magna, a reposição das perdas ocasionadas pela aplicação ao longo de 10 anos (de 2004 a 2013) do INPC/IBGE, um índice insuficiente para restabelecer o poder aquisitivo de seus benefícios, aviltado por um processo inflacionário insidioso e persistente.
Só procedem assim, porque não lhes resta alternativa. Pois, a surpreendente suspensão do pagamento do BET, muito antes do prazo pactuado pela PREVI, com o aval do patrocinador -,  agravada pela imposição do restabelecimento da cobrança de contribuições -, lhes subtraiu bruscamente mais de 25% mensais de sua única fonte de sobrevivência, pela qual pagaram enquanto ativos e continuam pagando após a jubilação.
Mencione-se, de passagem, por ser oportuno, que a cobrança de contribuições dos aposentados é tecnicamente injustificável no regime financeiro de capitalização adotado pela PREVI. Pois, nesse regime, é o próprio segurado quem contribui, enquanto ativo, para constituir a reserva garantidora do pagamento de seus benefícios.
Só é aposentado após  cumprir integralmente as exigências legais, sua reserva já está constituída, motivo pelo qual deixa de contribuir.  Mas, se  é aposentado antes do prazo previsto na legislação -, que no Brasil era de 30 anos -, o segurado percebe um benefício equivalente a 1/30 avos por ano de contribuição.  MAIS: no seguro social não se admite a cobrança de contribuições sem a contrapartida de um benefício correspondente, como acontece na PREVI.
A elevação das Reservas Matemáticas em valor correspondente à reposição do valor real dos benefícios pode ser efetuada a débito da Reserva de Contingência, pois  permitido pelo caput do artigo 20, da LC 109/2001. O  qual autoriza constituição dessa reserva “ATÉ O LIMITE DE VINTE E CINCO POR CENTO DO VALOR DAS RESERVAS MATEMÁTICAS” e NÃO NO PERCENTUAL DE VINTE E CINCO POR CENTO DAS RESERVAS MATEMÁTICAS.
O pleito não cria novo benefício, nem aumenta o valor do existente. Por esse motivo, não exige alteração do Estatuto ou do Regulamento. Se exigisse, seria mais um motivo para merecer tratamento isonômico com o precedente, que estendeu aos diretores da PREVI  a vantagem de “estatutário”, auto-concedida aos dirigentes do patrocinador, para efeito de se aposentarem com salário integral -, todos adotados sem modificação estatutária ou regulamentar.
O mesmo precedente foi adotado quando da criação do “Bônus por avaliação de desempenho” para os diretores eleitos e nomeados da PREVI, uma EFPC sem fins lucrativos. Esse fato foi considerado pelo ex-diretor de seguridade, aposentado com a regalia de “estatutário, mas surpreendentemente recusou o recebimento do “bônus por avaliação de desempenho”, por considerá-lo indevido.
Na expectativa de que a diretoria da PREVI revelará sensibilidade para bem compreender os relevantes fundamentos do pleito aqui exposto e negocie o atendimento de tão justa reivindicação  e o faça de forma transparente   como determina a LC 109/2001, orgânica da previdência complementar firmamo-nos
Atenciosamente

Associação de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil

José Adrião de Sousa                  Carlos A. Neves Bezerra

       Presidente                                        Vice-Presidente

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

ESPERANÇAS RENASCEM EM NOVEMBRO

     Temos boas razões para otimismo neste mês de novembro. A primeira delas é um debate inicialmente agendado para o dia 06, amanhã portanto, em São Paulo, entre uma equipe de colegas liderada por Sérgio Faraco, com o notável jurista Ives Gandra, com o propósito de iniciar ações concretas para demolir de vez  a malfadada Resolução CNPC 26 que tantos males têm causado aos aposentados e pensionistas, referentes à perda cada vez maior de nossas correções salariais. Para este encontro, de nosso grande interesse, a ANAPLAB estará representada pelo nosso associado Ivo Ritzmann que todos conhecem pela ligação estreita com o Senador Paulo Bauer, autor do PDS 275/2012 sobre a Resolução 26. O colega Ruy Brito também se fará presente.
     O segundo acontecimento mais alvissareiro ainda, é o encontro, já agendado para a segunda quinzena de novembro, entre o nosso grande mestre José Bernardo Medeiros Neto com a presidenta reeleita Dilma Rousseff. Louva-se a influência positiva do colega Medeiros junto aos assessores da presidenta, visto que um encontro semelhante em vezes anteriores, se mostrou infrutífero. Nos cinco minutos em que Medeiros ficará frente a frente com Dilma, terá a rara oportunidade de entregar em suas mãos as nossas principais reivindicações que somente ela, Dilma Rousseff, poderá mandar atender.


JOINVILLE ESPORTE CLUBE - SÉRIE "A" 2015

                 IMAGEM FOTOGRAFADA DA TELA DO CANAL SPORTV

     Morador na cidade de Joinville, a maior cidade de Santa Catarina com 650.000 habitantes, estou profundamente feliz neste dia porque o time que leva o nome da cidade para todo o Brasil, conquistou com antecipação de quatro rodadas o tão sonhado acesso à elite do futebol brasileiro em 2015. Mais feliz ainda porque nesta série B de 2014 o time do Bragantino, de Bragança Paulista, time do carrasco Marcelo J. Barros, está à beira de um possível rebaixamento para a série C do brasileiro.




O COELHO É O MASCOTE DO JOINVILLE E.C. - AO FUNDO A ARENA JOINVILLE. ANTES DO 2º TURNO, GILBERTO CARVALHO ESTEVE EM JOINVILLE PEDINDO VOTOS PARA DILMA, PROMETENDO AGILIZAR VERBAS NO MINISTÉRIO DOS ESPORTES PARA AMPLIAÇÃO DO ESTÁDIO DA CIDADE. SERÁ QUE VAI CUMPRIR A PROMESSA AGORA QUE DILMA ESTÁ ELEITA?

COMENTÁRIOS NO TWITTER:



Joinville eh uma inglesa Manchester melhorada.


Parabéns ao Joinville e sua torcida.


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

NOSSO FUNDO DE CADA DIA

     Passadas as turbulentas eleições presidenciais em que estranhamente o presidente do TSE, Dias Tóffoli, ministro do STF, chamou a atenção pelo modo centralizador na apuração das eleições, sendo ele mesmo um ex-militante do Partido dos Trabalhadores, vamos continuar remando, mesmo contra a maré, repetindo o bordão de certo narrador esportivo: "Segue o jogo!"
     Em nosso mundo previano nada muda. As regras do jogo continuarão sendo as mesmas, com a inovadora resolução 26 tendo mais força do que nunca. Todos saímos prejudicados porque houve entidades de funcionários do BB, caso da CASSI, que "fechou" com Dilma Rousseff, fechando as portas da mudança. Será que a CASSI não sabia, que se a resolução 26 fosse extinta, aumentaria nossos proventos e consequente arrecadação da CASSI? Mirian Fochi e William Mendes representam a Contraf-Cut. Obviamente pediram votos para Dilma e criticaram os novos congressistas, chamando-os de "conservadores" e contrários aos interesses dos trabalhadores. Ora, que dizer, então, do petista José Barroso Pimentel, que além de criar a resolução 26, ainda sentou-se em cima do PDS 275/2012, como autoproclamado "relator" e vai deixar caducar por decurso de prazo da legislatura. São estes tipos que são a favor dos trabalhadores, Miriam e William??? Quanta hipocrisia!...
     O ES foi prorrogado nas mesmas condições criadas em julho passado, até 31.12.2014. Fica tudo na mesma pois nada foi feito para reverter a MC.  O que é inadmissível é o PAS - Programa de Assistência Social do BB - que é um programa de ajuda para aquisição de produtos relativos à saúde de todos nós, cujas prestações mesmo não transitando na fopag (são debitadas em conta) tenha reflexos na margem consignável. Vou pedir ao Carvalho, o único que briga por nós no CD, para que faça uma proposição de retirada de tal verba da MC. Outra aberração é a contribuição dos aposentados, que seja mudado o estatuto para que apenas voltem a contribuir os da ativa e o patrocinador. A contrapartida do patrocinador, no caso dos aposentados, não existe mais. Nem no INSS o aposentado contribui depois de aposentado! O dado concreto é que, mantido o "status quo" dificilmente haverá mudanças que nos beneficiem. O PT já disse que não quer mudar. E muitos "coleguinhas" disseram amém. O Brasil continua vermelho...


DANIELA MERCURY AO VIVO EM COPACABANA: VERMELHO, VERMELHAÇO, VERMELHUSCO, VERMELHANTE, VERMELHÃO. O VELHO COMUNISTA SE ALIANÇOU...


MUDANÇA RADICAL DE QUEM DERROTOU LULA EM 1989. HOJE ELE DIZ "SIM" A TUDO O QUE DISSE "NÃO".

sábado, 1 de novembro de 2014

MUITOS VENCEDORES, UM PERDEDOR

     Não sei quem escreveu o texto abaixo. Transcrevo-o porque é o último desabafo do blog sobre o assunto. O assunto seguinte será sobre o nosso fundo de pensão e sobre nossas aposentadorias e pensões. Inicio hoje no meu outro blog, o "Pão Celestial" uma série de postagens sobre o fim dos tempos que é iminente. Não podemos mais tapar o sol com a peneira.


"Ainda sem condições de conter a ânsia de vômito, incapaz que me sinto de digerir o resultado das eleições, posto que estarei eternamente entre os 50 milhões de brasileiros que votaram contra esse grupo "vitorioso", faço presente minha derradeira manifestação sobre política no meu face, para que os meus amigos conheçam o meu pensamento e o meu sentimento a respeito.
Estamos diante de um Brasil dividido: nordestinos x sulistas, ricos x pobres, nós x eles, elites x povo, tucanos x petralhas, etc... Um "muro de Berlim" à brasileira foi erguido no país. Só o tempo dirá se isso é bom ou ruim. Particularmente, penso que isso não é bom para o nosso futuro.
Lamento pelos 22 milhões de brasileiros que se abstiveram de votar. Lamento pelo baixíssimo nível da campanha, com o tom de radicalização, ofensas pessoais e desrespeito ao público. Lamento pela falta de uma discussão séria de projetos para o país. Por isso o meu sentimento é de luto, é de desesperança, de profunda tristeza.


G
ostaria apenas de fazer um balanço sobre quem são realmente os 10 maiores vencedores dessa eleição:
1. A corrupção, a falta de ética, a falta de caráter, a falta de valores e de patriotismo;
2. O assistencialismo, a compra de consciências, os escândalos, a incapacidade de indignação de um povo;
3. A prepotência, a arrogância, a impunidade, o egoísmo, a instituição da propina e a lei de Gérson;
4. A falta de visão de futuro, de visão prospectiva para inserção do Brasil no mundo civilizado. Prevaleceu a ideologia obsoleta do Foro de São Paulo, que pretende para o Brasil uma ditadura socialista alinhada ao que existe de pior no mundo contemporâneo globalizado;
5. O lulopetismo, o castrismo, o chavismo, o Kirchnerismo, o terrorismo islâmico, o terrorismo dos movimentos dos sem terra, dos sem teto, e outros ditos "sociais";
6. O aparelhamento do estado, com a consequente perpetuação dos desmandos, dos malfeitos, dos mensalões, petrolões, aloprados, etc;
7. A educação de baixíssimo nível, a dos 10 milhões de analfabetos e 23 milhões de analfabetos funcionais, a educação do "nóis pega o peixe", a da "pensadora contemporânea "Valeska Popozuda", a cultura do lepo-lepo e do pornofunk, o país da bunda e do carnaval;
8. O fim da independência dos poderes e da liberdade de imprensa, com a implementação do projeto revanchista de controle social da mídia e a efetivação do decreto comunista que dá a grupos sociais governistas o poder de legislar;
9. A falta de projetos de infraestrutura e de desenvolvimento, a prática do toma lá dá cá, a ditadura das empreiteiras, o descaso com a Defesa Nacional, o revanchismo contra as Forças Armadas; e
10. A mentira. Passa a ser considerada instituição nacional. Ficou provado que compensa. Se repetida mil vezes, torna-se uma verdade absoluta. Mentir, sempre!



Enfim, meus amigos, há muitos vitoriosos. cada um de vocês pode elencar outras dezenas. Prefiro parar por aqui. Independentemente do resultado, a vida segue. Tenho mulher, filhos e netos e uma missão para cumprir. Vou em frente. Trabalho e estudo desde os 14 anos de idade, nasci pobre e o pouco que tenho devo só ao meu esforço, nunca recebi nada de graça e jamais aceitaria.
Só existe um perdedor, um único perdedor nisso tudo. Chama-se BRASIL.
Mas o Brasil ainda é um país jovem, tem pouco mais de 500 anos de história, e muito a aprender. É só estudar a história de outros países... nem tudo está perdido. Não vamos nos dispersar. A luta continua.
Que lástima! O Brasil não merecia isso..."

     Eu somente discordo deste último parágrafo. Tudo está perdido. Mesmo que queiramos prosseguir na luta, os planos do Criador para a humanidade são outros. Esta terá sido a meu ver a nossa última "eleição". Atentem ao que acontecerá nos próximos quatro anos. Rezemos e oremos, fazendo penitência e nos convertendo ao Deus Único e Verdadeiro. Acompanhem as postagens no Pão Celestial.

"Pai Nosso, Santificado seja o Vosso Nome, seja feita a Vossa Vontade, tanto na terra como no Céu."


TERREMOTO DE 7,9 NA ESCALA RICHTER ATINGIU TOKIO SUCEDIDO DE TSUNAMI COM ONDAS DE 3 METROS. ACONTECERÁ NOS ESTADOS UNIDOS NOS PRÓXIMOS ANOS.

PODE AFETAR A PREVI

     Estas informações divulgadas no site www.tribunadainternet.com.br nos dizem diretamente a respeito porque o envolvido poderá vir a ser o próximo presidente de nosso patrocinador, o BB. É bom lembrar que ele está sendo investigado (entrou no radar), sem que isso represente necessariamente irregularidades. Não é nossa intenção pré-julgar quem quer que seja. Caffarelli só está aqui porque há uma real possibilidade de ser indicado para substituir "Dida" no BB, que, afinal, tem sido nosso carrasco na PREVI.

PAULO CAFFARELLI, DE VICE-PRESIDENTE DO BB A SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, NOMEADO EM FEVEREIRO DESTE ANO. SUBSTITUIU NELSON BARBOSA. AGORA É COTADO PARA A PRESIDÊNCIA DO BB.


Leonardo Souza
Folha
O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Caffarelli, entrou no radar do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, órgão subordinado à Fazenda para coibir a lavagem de dinheiro. Caffarelli foi parar nos controles do Coaf por ter em seu nome registros, num período de 12 anos, de 19 transações imobiliárias, sendo 16 relacionadas a aquisições – o equivalente a mais de uma por ano.
Além disso, Caffarelli fez mais três operações de alienação de imóveis no período, compreendido entre 1999 e 2011, e em 2012 contratou seguro para cobertura no valor de R$ 4,13 milhões. Durante esse período, Caffarelli estava no Banco do Brasil, onde entrou por concurso, tendo chegado ao posto de vice-presidente.
O Coaf recebeu essas informações de forma automática das instituições financeiras e dos agentes cartoriais. Ou seja, não significa que Caffarelli tenha cometido algum tipo de irregularidade. As seguradoras, por exemplo, comunicam ao conselho qualquer apólice acima de R$ 1 milhão.
“Em relação às operações imobiliárias no período de dezembro de 1999 a novembro de 2011, o secretário esclarece que na verdade realizou um número de transações no período bem menor do que os 19 registros mencionadas. Isso porque o secretário possui propriedade rural em Cândido de Abreu (PR), em sociedade com seus dois irmãos, que foi sendo constituída desde 2007 e possui várias matrículas. Somente um dos lotes que compõe esse imóvel tem oito registros de matrícula. O valor declarado de 1/3 de sua parte ideal é de R$ 111.200,00″, informou à coluna a assessoria da Fazenda.
COTADO PARA O BB
Caffarelli é um dos cotados na esplanada para substituir o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, que deve ser substituído pela presidente Dilma Rousseff até o final do ano. Caffarelli e Bendine são muito próximos.
“É importante informar ainda que todas as informações sobre essa e as demais propriedades do secretário constam de suas declarações de Imposto de Renda, encaminhadas anualmente para a Comissão de Ética Pública (CEP), conforme legislação vigente. A CEP também recebe, em formulário próprio detalhado, todas as informações patrimoniais de Caffarelli”, completou a assessoria da Fazenda.
A Coluna não conseguiu confirmar que tipo de encaminhamento o Coaf deu a partir das informações que recebeu sobre Caffarelli.
Em 2010, Bendine havia indicado Caffarelli para assumir a presidência da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do BB – um colosso com patrimônio superior a R$ 170 bilhões. Caffarelli foi abatido em pleno voo após ter sido alvo de um dossiê que circulou no banco e foi encaminhado para o Palácio do Planalto e para o gabinete do ministro da Fazenda, Guido Mantega, seu atual chefe direto.
AMIGO DE MARINA MANTEGA
Conforme a Folha revelou na ocasião, em agosto daquele ano, o dossiê trazia acusações de tráfico de influência no BB envolvendo a filha de Mantega, a modelo Marina. Na época, o governo identificou no documento, apócrifo, as digitais da ala do PT egressa do sindicalismo bancário.
O objetivo era forçar o ministro a desistir de nomear Caffarelli para a presidência da Previ. O documento relatava que Marina havia se encontrado com Caffarelli várias vezes, dentro da sede do BB em São Paulo, para encaminhar pleitos diversos. Na ocasião da reportagem, Caffarelli confirmou à Folha que os encontros realmente ocorreram. Marina, no entanto, negou.
Caffarelli admitiu ter recebido Marina em três ocasiões e contou quais foram os pedidos. Mas afirmou que nenhum foi levado adiante.
Na versão de Caffarelli, o primeiro pedido foi para a abertura de conta para a loja de uma amiga. No segundo caso, ela teria solicitado informações sobre uma linha de crédito para exportação de frango. Na terceira, queria renegociar dívidas de uma empresa. No último episódio, tratava-se da Gradiente. Marina namorava um dos sócios da empresa, Ricardo Staub.
SUBSTITUTO DE MANTEGA
Apenas pessoas de dentro da máquina pública saberiam dos encontros de Marina com Caffarelli, que acabou preterido por ordem do Planalto. Os bancários também saíram enfraquecidos do episódio. O nome por eles defendido para assumir a presidência da Previ, Joílson Ferreira, não foi escolhido.
Três anos e meio depois, em fevereiro deste ano, Mantega alçou Caffarelli ao posto de secretário-executivo da Fazenda, o segundo da pasta, no lugar de Nelson Barbosa, que saíra após desentendimentos com Mantega. Barbosa, agora, é cotado para substituir Mantega. O mundo dá voltas.

Vejam mais notícias no link: