BANNER

Acesse aqui!
atendimento@anaplab.com.br
Joinville/SC: (47) 3026-3937
S.J. Pinhais/PR: (41) 3035-2095

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

O VOTO CONSCIENTE

     Santa Catarina foi o estado de maior percentual em Aécio Neves no primeiro turno, seguido do vizinho Paraná. Parabéns ao meu estado de gente culta, honesta e trabalhadora, pelo discernimento ao escolher candidato que tem a melhor proposta para tirar o Brasil do atoleiro pelo qual atravessa.
     O governador reeleito em primeiro turno, com quase 52% dos votos válidos, Raimundo Colombo, precisa ser inteligente e não apoiar no segundo turno a candidata dissimulada e incompetente do PT que, ao que tudo indica, está de saída do palácio da Alvorada, prédio público de Brasília que, sem qualquer constrangimento, está sendo utilizado como comitê partidário de campanha. Sabe-se que Colombo, mal aconselhado pelo senador Luiz Henrique da Silveira, um velho cacique de quem o catarinense precisa ainda se libertar, estaria desde o primeiro turno inclinado a apoiar a presidenta, indo na contramão da vontade do povo catarinense que deu mais apoio a Aécio Neves do que ao próprio Raimundo Colombo. Olho vivo, governador! Cuidado com o Luiz Henrique que está mais preocupado com a banda podre do PMDB (Temer, Renan, Sarney & Cia Ltda.)
     Por outro lado, São Paulo deve aproveitar a força tucana de Alckmin e Serra para avançar significativamente no percentual alcançado de 44,20%. Em todo o Brasil deve buscar apoio nos campeões de votos como Romário e nos aliados dos partidos que sustentam a candidata derrotada Marina Silva. Aécio deveria registrar compromisso em cartório de que irá melhorar e ampliar os programas sociais hoje existentes. E já se preparando para ataques de qualquer natureza de um partido que não tem o menor pudor em atacar, como a querer destruir o inimigo com mentiras deslavadas. Um exemplo de que se servirão será o aeroporto construído numa fazenda em Minas que teria pertencido a um parente de Aécio. Neste caso, o tucano pode contra-atacar a respeito dos investimentos em aeroportos cubanos, inclusive com financiamento do BNDES. Além, é claro, dos milhares de dólares investidos no porto de Mariel, na ilha de Fidel Castro.
     Todos nós que sonhamos com um país soberano e democrático temos a obrigação de convencer os indecisos a unirem-se ao único candidato capaz de devolver a nossa condição de nação digna e com menos corrupção. E não podemos prescindir do apoio de Joaquim Barbosa, nosso futuro ministro de justiça! Avante Brasil! Aécio vai vencer, se Deus quiser e Ele há de querer.

















O MAIS PARADOXAL É APOIAR UM REGIME DITATORIAL, COMO O DE CUBA.

3 comentários:

Anônimo disse...

Aqui no Piauí a Dilma teve 71% dos votos. Por isso nosso estado está quase igual a São Paulo em desenvolvimento...

blogtreze disse...

Sobre:

"Anônimo disse...
Aqui no Piauí a Dilma teve 71% dos votos. Por isso nosso estado está quase igual a São Paulo em desenvolvimento...
08/10/14 20:34"

Melhor ser claro na ironia, alguns podem não entender.

Falando claro, desde 1980 ateh 2006, meu voto foi sempre de protesto (PMDB e PT), mas errei em 2010 ao votar na Dilma - o PT passou da conta.

É ingenuidade querer incontestável que os votos do PT no NE sçao fruto de séculos de exploração dos Coronéis da Política.

Não esqueçamos que os maiores e mais recentes aproveitadores dessa situação são do Norte-Nordeste (Sarney, Collor, Jader, etc.). Agora, a Dilma seduz esse povo com R$70,00 por mês...

Mas estes também são fruto do descaso do Governo Federal há 1 Século, com NE.

O povo do NE é ótimo, maravilhoso - as ofensas dos Sudestinos e Sulistas decorre do desconhecimento do sofrimento desse povo.

Marcelino MAUS

Anônimo disse...

Quem esta plantando a discórdia entre Sul/Sudeste e Norte/Nordeste é o próprio PT. É a velha história: dividir para governar.
E depois, do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul existe uma quantidade expressiva de nordestinos aqui morando.
Em SC, onde Aécio recebeu o maior número de votos, os nordestinos sempre foram benvindos e acolhidos, tanto que nem pensam em voltar para suas terras -- a não ser em visita; preferem é que seus parentes se mudem para cá.